Mordaz crítica sobre a diferença de classes, “Parasite” está sendo aclamado por onde passa. Conquistou a Palma de Ouro do Festival de Cannes de 2019 – a primeira vitória da Coreia do Sul no evento – e provocou êxtase na multidão que assistiu ao filme no Festival de Karlovy Vary 2019, na República Tcheca. Dirigido por Bong Joon-Ho (“Okja” e “O Expresso do Amanhã”), a comédia de humor negro é uma jornada infernal repleta de reviravoltas.

A premissa é engenhosa: o adolescente pobretão Ki-woo Kim (Choi Woo-shik) ganha a chance de sua vida quando um amigo o recomenda para ser tutor de Da-hye (Jung Ji-so), filha de um influente casal. Ao assumir um emprego, ele elabora um plano para a demissão do staff do casal com o intuito de colocar seus familiares dele no lugar, o que acaba acontecendo. Certo dia, quando os patrões estão fora e eles aproveitam a mansão para se divertir, a ex-empregada, Moon-kwang (Lee Jung Eun), bate à porta alegando que está lá para recuperar algo que havia esquecido antes de ser demitida. Uma vez dentro da casa, descobre o esquema da família e o caos se instala.

Logo de cara, “Parasite” se beneficia por ser facilmente atraente: as piadas funcionam, o suspense fascina e todas as cenas são apresentadas com técnica impecável. Porém, o público que for além do óbvio encontrará um filme capaz de trabalhar em múltiplas camadas, expondo um universo repleto de críticas sociais e ambiguidades sobre lealdade. A família de Kim, por exemplo, é mostrada como um clã notavelmente inteligente, com um impulso maquiavélico em direção aos seus objetivos mas, ainda assim, é difícil culpá-los, considerando sua situação. Eles compartilham esse impulso com o Moon-kwang, configurando um dos principais conflitos.

Embora o roteiro, co-escrito por Bong e Han Jin-won, evite rotulá-los como vilões, ele claramente não retrata a família rica, os Parks, sob um ponto de vista favorável. Eles servem como um símbolo do sistema econômico injusto e cruel que coloca um pequeno grupo de pessoas para governar e subjugar o resto. Sua cegueira em relação ao que os rodeia e sua total aceitação de ideais estrangeiros – especialmente os americanos – é usada de maneira humorística, embora o assunto esteja longe de ser engraçado. 

PARASITISMO É SOBREVIVÊNCIA

O plano dos Kims para superar essa subjugação é se misturar entre a classe abastada: com a ajuda do Photoshop, Ki-woo finge ser um estudante universitário, a irmã Ki-jeong (Park So-Dam) finge ser uma disputada professora de arte e seus pais fingem serem um motorista e uma empregada com anos de experiência de trabalho para a elite. Quando isso dá certo, a audácia implora a pergunta: “Como eles podem se safar?”. A resposta eventualmente chega, mas ela está longe de ser óbvia.

Todo o tempo, Bong usa essa história para navegar em uma infinidade de estilos: “Parasite” é, alternadamente, uma sátira ácida, um thriller de invasão de casas e até um melodrama familiar. O que é consistente em todos os momentos da trama é o desejo de provocar o público de maneiras inesperadas. Embora seja seguro dizer que, pelo menos, 20 dos seus 132 minutos de duração poderiam ter sido deixados na sala de edição, o longa sul-coreano consegue deixar uma forte impressão.

Intitulando o filme de “Parasite” (‘Parasita’, em português), o diretor associa diretamente o filme à ideia de criaturas que vivem se alimentando de outras. No parasitismo, não há culpa ou vergonha; há apenas a sobrevivência. O cinema já deu diversos exemplos de como os ricos se alimentam dos pobres, mas, nesta análise oportuna de nossos tempos, os pobres provam ter um grande – e similar – apetite.

*O jornalista viajou para o Festival de Karlovy Vary como parte da equipe do GoCritic!, programa de fomento de jovens críticos do site Cineuropa.

50 Anos de ‘Cabaret’, um musical que fugiu das regras

Entre a última pá de cal que “Hello, Dolly” representou e os primeiros versos de “Nature Boy” que anunciavam o renascimento do musical com “Moulin Rouge!”, o subgênero viveu décadas curiosas em Hollywood. Se a Era de Ouro ruiu para dar espaço à Nova Hollywood, as...

Os 60 Anos de ‘Barravento’, de Glauber Rocha

“Barravento” é o primeiro longa-metragem do diretor Glauber Rocha, com apenas 23 anos na época. A história acompanha uma comunidade de pescadores que moram no interior da Bahia, ressaltando sua relação com a religião e o trabalho. O protagonista da obra é Firmino...

Os 60 Anos do polêmico ‘Lolita’, de Stanley Kubrick

Os créditos anunciam um filme preto e branco. Um pé pequenino delicado e feminino sinuosamente empinado. Uma mão masculina, grande e máscula, pinta suas unhas, certamente, da cor vermelha. Um início aparentemente simples, porém, com uma carga de erotismo como poucos....

‘Jules e Jim’: tratado sobre a vitalidade dos amantes

Qual é o filme mais influente da Nouvelle Vague francesa? Seria “Acossado” (1960) de Jean-Luc Godard, ou este “Jules e Jim” (1962) de François Truffaut (e poderíamos incluir ainda “Os Incompreendidos” do próprio Truffaut, lançado dois anos antes)? Pergunta pueril e...

‘Farrapo Humano’: retrato humano e honesto sobre o alcoolismo

“Farrapo Humano” abre com uma cena que poderia ser muito bem tirada de qualquer abertura de um filme de Hitchcock: uma visão panorâmica – na linguagem cinematográfica chamada de travelling  - que viaja pelo espaço urbano até chegar à janela aberta de um prédio. Lá,...

‘No Calor da Noite’: a dimensão háptica de uma investigação

É 1967 e o maior astro do cinema é um homem negro: Sidney Poitier, que faleceu em janeiro último aos 94 anos de idade, estrelava três grandes sucessos naquele ano, todos tratando, com diferentes níveis de qualidade, da questão racial. Era um momento em que o Movimento...

‘Laços de Ternura’: a ambivalente e inquebrantável relação mãe e filha

Já na primeira cena de “Laços de Ternura”, a dinâmica entre mãe e filha se estabelece. De um lado, Aurora (Shirley MacLaine) polida, com pouco senso de humor e muito preocupada com a filha; do outro, Emma (Debra Winger), desinibida e livre; é a partir do contraste...

‘Perdidos na Noite’: a transição do sonho para a crueza de uma época

O primeiro plano que vemos de Perdidos na Noite é de uma tela de cinema drive-in e ouvimos cavalos e efeitos sonoros dos inúmeros faroestes que devem ter passado nela. Isso não é por acaso: Joe Buck, o protagonista da história, pensa que é um caubói. Também acredita...

‘O Padre e a Moça’: amor em tempos de intolerância

"O padre furtou a moça, fugiu. Pedras caem no padre, deslizam A moça grudou no padre, vira sombra, Aragem matinal soprando no padre. Ninguém prende aqueles dois, Aquele um Negro amor de rendas brancas”  - Em um mundo dominado pelo ódio, ambição, cobiça, posse e...

‘O Caso dos Irmãos Naves’, de Luís Sérgio Person

Lançado em 1967, “O Caso dos Irmãos Naves” traz a história de real de Joaquim Naves Rosa (Raul Cortez) e Sebastião José Naves (Juca de Oliveira), acusados de latrocínio, na cidade de Araguari, Minas Gerais. A vítima seria Benedito Pereira, primo dos irmãos, que sumiu...