Vencedor do Tigre de Melhor Filme do Festival de Roterdã e escolhido para representar a Índia na categoria de Melhor Filme Internacional do Oscar 2022, a estreia do diretor P.S. Vinothraj em “Pedregulhos” é um ótimo exemplo de como o cinema indiano merece ser reconhecido e apreciado. O filme também fez parte da Mostra Internacional de Cinema de São Paulo.

O longa-metragem é ambientado no sul da Índia onde estão localizadas duas aldeias. Em uma delas vive Ganapathy (Karutjtadaiyan), um homem alcóolatra, arrogante e movido por uma raiva que chega a ser doentia. A trama se inicia após Ganapthy, acompanhado de seu filho (Chella Pandi), decidir buscar a esposa que fugiu para outro vilarejo com medo do comportamento abusivo de seu marido.

Personagens engolidos pelo vazio do deserto

É nítido o conhecimento que o diretor possui da locação, pois, Vinothraj consegue explorar ao máximo a ambientação do deserto entre essas duas vilas: o vazio, o calor e a pobreza são elementos que recheiam e provocam inquietações no espectador.

Com isso, pode-se até estabelecer uma leve comparação às produções brasileiras do Cinema Novo ao abordarem a pobreza do sertão nordestino, como por exemplo, a luta pela sobrevivência de uma família de retirantes do Nordeste, na adaptação cinematográfica de “Vidas Secas”, de Nelson Pereira dos Santos.

Ainda que as motivações sejam divergentes em “Pedregulhos”, Fabiano e sua família tanto quanto Ganapathy e seu filho percorrem um caminho longo e cheio de obstáculos, empecilhos por onde passam.

Excelência narrativa e técnica

Esse resultado só é possível graças aos olhares precisos de Vignesh Kumulai e Jeya Parthiban na direção de fotografia ao posicionar a câmera em enquadramentos estratégicos. Há diversas cenas em planos abertos que evidenciam a magnitude do deserto em comparação aos moradores do vilarejo que lá transitam.

Outro ponto que enriquece o ritmo da narrativa é a montagem de “Pedregulhos”. Com poucos diálogos entre os personagens, Vinothraj decide apresentar, pelo menos, três cenas em plano-sequência. A montagem “sem cortes aparentes” elevam ainda mais a carga dramática das cenas. Vemos um simples conflito entre famílias se tornar uma grande cena de tensão, aos olhos de uma criança confusa e com medo – neste caso do filho de Ganapathy.

O trabalho de som também é digno de reconhecimento, especialmente, na primeira cena em que Ganapathy demonstra seu comportamento abusivo ao provocar uma briga dentro de um ônibus. Vemos a câmera seguir lentamente de fileira em fileira até chegar em uma mãe com um filho no colo. Durante esse movimento a presença do barulho da discussão fica em segundo plano até o som “explodir” junto com o choro do bebê ao acordar devido à confusão no transporte coletivo.

“Pedregulhos” pode não ter um enredo com subcamadas ou desenvolvimento de personagens complexos. Porém, a forma como Vinothraj apresenta a história de uma família que precisam dar conta de conflitos internos e ainda dar criar soluções para vencer a pobreza e desigualdades sociais, já valem a pena toda a experiência.

Se já em seu primeiro trabalho o diretor conseguiu cumprir com este propósito, seria interessante ficarmos de olhos no que Vinothraj e novos diretores indianos poderão trazer em futuras produções.

‘Spiderhead’: logaritmo da Netflix a todo vapor com filme esquecível

“Spiderhead” é o novo filme da Netflix e, do ponto de vista de marketing, possui elementos ótimos para a equipe de “Promos” do streaming vender aos seus assinantes: dois nomes em alta graças ao sucesso de “Top Gun: Maverick”, o ator Miles Teller e o diretor Joseph...

Olhar de Cinema 2022: ‘Garotos Ingleses’, de Marcus Curvelo

É preciso coragem para utilizar o humor para tratar de temas violentos. Primeiro porque a comédia em si é um gênero geralmente visto (de forma equivocada) com um pé atrás, fazendo-se necessário um uso exemplar de suas possibilidades. Segundo, porque a tentativa de...

‘Arremessando Alto’: carta de amor de Adam Sandler ao basquete

A parceria Adam Sandler/Netflix permanece intacta. Desde que o ator e comediante assinou contrato com a plataforma, a produtora Happy Madison concebeu uma considerável safra de comédias com boa audiência no streaming. “Arremessando Alto” é a aposta da vez.  No papel...

‘RRR’: épico indiano dá aulas em extravagância fílmica

Já virou certo clichê entre a parcela ocidental da crítica cinematográfica a comparação entre “RRR” e os blockbusters hollywoodianos. Hollywood, dizem os críticos, deveria voltar sua atenção às terras ao leste do globo, porque “RRR” os deixa no chinelo em termos de...

‘Aline – A Voz do Amor’: tudo o que ‘Bohemian Rhapsody’ não é

“Um ficção livremente inspirada na vida de Céline Dion”. A história da cantora imortalizada por ser a intérprete de "My Heart Will Go On", a canção-tema de "Titanic", chega aos cinemas pelas mãos e na figura de Valérie Lemecier, também canadense como a sua retratada....

‘Amigo Secreto’: a força do jornalismo investigativo contra os abusos da Lava-Jato

Uma frase convencional é de que toda arte é política. Embora seja um clichê para produtores culturais progressistas, é preciso concordar quando a mente por trás do projeto é Maria Augusta Ramos. Responsável por produções como “O Processo” e “Juízo”, a cineasta expõe...

‘Lightyear’: luta em vão da Pixar contra fantasma de si mesma

Aqui vai uma história trágica: o estúdio que, outrora lar para verdadeiros artesãos que laboravam arduamente em suas narrativas, completamente alheios às pressões do mundo exterior, hoje se desvanece pouco a pouco, aparentemente corrompido pela influência de sua...

‘Ilusões Perdidas’: tratado sobre o deslumbre do homem

Em uma sociedade em que há divisão de classes entre burguesia e proletários, pobres e ricos, desigualdades sociais, intelectuais, culturais e patrimoniais, nunca haverá de fato um território democrático. O histórico da sociedade nos diz muito sobre ela mesma: é um...

Olhar de Cinema 2022: ‘Uma noite sem saber nada’, de Payal Kapadia

Logo antes das sessões no Olhar de Cinema, um vídeo dos realizadores que não puderam estar presentes ao festival era exibido falando um pouco sobre cada filme que viria a seguir. Em sua apresentação, a diretora Payal Kapadia pedia que o público tivesse paciência com...

‘Assassino Sem Rastro’: policial B da melhor qualidade

Nada consegue definir Assassino sem Rastro de forma tão definitiva, senão o momento onde Liam Neeson - cujo personagem sofre com sintomas do mal de Alzheimer - , escreve com caneta algumas informações no próprio antebraço. O ato, involuntário ou não,  reflete a...