Mike Leigh fez alguns pequenos grandes filmes que estão entre os mais celebrados do cinema britânico das últimas décadas: Nu (1993), o indicado ao Oscar Segredos e Mentiras (1996), O Segredo de Vera Drake (2004), Simplesmente Feliz (2008), Mr. Turner (2015), entre outros. Todos altamente recomendáveis. Ele se notabilizou pela sua excepcional condução de atores e pelos métodos de trabalho, digamos, incomuns para com eles – os atores de Segredos e Mentiras, por exemplo, não conheciam a história inteira e receberam apenas poucas informações sobre seus personagens, para preservar algumas surpresas para a hora da filmagem. Leigh revelou para o mundo David Thewlis e Sally Hawkins, e nos surpreendeu e nos emocionou com histórias pequenas sobre pessoas comuns.

“Peterloo” é o seu primeiro épico, por assim dizer. O longa, uma produção do Amazon Studios disponível no catálogo da Amazon Prime Video, é baseado em um incidente real pouco lembrado da história inglesa: o massacre de Peterloo – trocadilho com a derrota de Napoleão em Waterloo, ocorrida poucos anos antes – de 16 de agosto de 1819, quando soldados da cavalaria mataram mais de uma dezena de civis desarmados em St. Peter’s Field, em Manchester, durante uma manifestação de protesto contra o aumento de tarifas de grãos.

Leigh nos mostra, numa abordagem estilo mosaico, como o massacre veio a acontecer pelos pontos de vista de vários personagens. Vemos um soldado (David Moorst) voltar para casa após servir na guerra e encontrar sua família em estado de miséria. Vemos a articulação política e as várias lideranças do período, com mais destaque para o orador Henry Hunt (Rory Kinnear). E vemos, aos poucos, como a situação foi se escalando até chegar ao final, com a recriação da manifestação e do massacre em si.

O cineasta está claramente do lado dos menos favorecidos – em se tratando de um filme de Mike Leigh, nem poderia ser diferente. E, de novo, o maior mérito de Leigh em Peterloo é o trabalho com o elenco, quase todo composto de rostos desconhecidos – a exceção sendo Kinnear, que já é um pouco reconhecido por suas participações em seriados e nos filmes mais recentes da franquia 007, por exemplo. Todos os atores vistos em cena, mesmo aqueles com poucos minutos de tela, transmitem uma grande autenticidade. E isso, aliada à reconstituição da época, realmente consegue criar um retrato interessante, forte e verossímil da vida na Inglaterra do período. Assim como em Mr. Turner, o espectador sente a era em que se passa o filme de modo palpável.

 PERSONAGENS EM SEGUNDO PLANO

Mesmo assim, e isso é curioso em se tratando de uma obra de Leigh… este é o primeiro filme do diretor em que os indivíduos parecem menores que o evento. É o primeiro filme dele sem personagens marcantes ou mesmo interessantes. Toda a atenção do diretor e do roteiro parecem voltadas para o evento, para nos dar uma “aula de história”, e isso é decepcionante.

Além disso, grande parte da primeira metade de Peterloo consiste em reuniões públicas ou discursos políticos. São cenas necessárias para que o espectador consiga compreender o contexto histórico do massacre, mas isso não quer dizer que sejam interessantes, do ponto de vista dramático ou visual. E com 2h35 de duração, fica difícil segurar o interesse: o filme realmente se torna envolvente quanto mais chegamos perto do final, mas até chegarmos lá, por grande parte do tempo, ele é simplesmente chato.

Talvez seja a excessiva preocupação com a reconstituição de um momento, talvez a escala da produção, com muitos extras, cenários e locações… ou ambas as coisas. Mas o fato é que Peterloo, embora seja uma história importante para o diretor e um projeto que ele quis levar às telas por muitos anos, acaba se tornando um dos trabalhos mais fracos de Mike Leigh, um cineasta que se notabilizou por observar com lente de aumento os pequenos comportamentos humanos e como eles muitas vezes levam aos grandes dramas. Peterloo não chega a ser ruim, claro, mas, neste caso, pode-se argumentar que a lente de Leigh foi ampla demais.

‘Nosso Amor’: romance sensível aborda câncer de mama de forma realista

Conhecido principalmente por protagonizar filmes de ação como a franquia ‘Busca Implacável’, Liam Neeson aproveita o seu destaque no drama ‘Nosso Amor’ para entregar uma atuação emocionante ao lado de Lesley Manville (indicada ao Oscar de Melhor Atriz Coadjuvante por...

‘The Glorias’: a jornada universal das mulheres

“Viajar é a única educação”. Inquieta, desafiadora e sagaz. Embora essas três palavras não sejam o suficiente para descrever Gloria Steinem, elas podem nos dar uma visão norteadora de uma das vozes do movimento feminista norte-americano. Jornalista e ativista social,...

‘Destruição Final: O Último Refúgio’: feijão com arroz do cinema catástrofe

O ator escocês Gerard Butler parece ser boa gente, alguém com quem poderia ser legal tomar uma cerveja e bater papo. E também parece ser um sujeito que realmente gosta de trabalhar com cinema. Mas... o cara só faz filme ruim, não há como relevar isso. Sério,...

‘Babenco – Alguém Tem Que Ouvir o Coração e Dizer: Parou’: Bárbara Paz faz retrato honesto de um dos grandes

Em um dos momentos mais íntimos de “Babenco - Alguém Tem Que Ouvir o Coração e Dizer: Parou”, ele e Bárbara Paz, sua companheira (e diretora deste documentário), discutem sobre o uso da expressão “baseado em fatos”. Ele defende, ela refuta e diz que um filme...

‘Bill & Ted – Encare a Música’: nostalgia pura em diversão despretensiosa

Lembram-se do Bill e do Ted? No passado, eles viveram duas divertidas e malucas aventuras cinematográficas que tinham tudo para dar errado, mas acabaram funcionando e se tornando inesperados sucessos graças a roteiros que aliavam besteirol e criatividade, e à química...

‘Rosa e Momo’: Sophia Loren desvia de clichês para brilhar na Netflix

Sophia Loren, um ícone da história do cinema, retorna as telas depois de seis anos. A última aparição havia sido em “Voce umana”, produção dirigida por Edoardo Ponti, seu filho e também diretor de “Rosa e Momo”, longa-metragem disponível na Netflix que traz a estrela...

‘O Que Ficou Para Trás’: terror inteligente sobre fantasmas internos

O filme de terror O Que Ficou para Trás, do diretor estreante Remi Weekes e lançado na Netflix, é um exemplar do gênero que usa os sustos e elementos sobrenaturais para tecer um hábil comentário social sobre o problema mundial da imigração. Isso não é algo novo:...

‘Cicada’: delicado romance marcado por traumas masculinos

Com uma poderosa abordagem sobre traumas masculinos, "Cicada" é um corajoso drama que aponta Matthew Fifer como uma nova voz do cinema queer dos EUA. O filme de Fifer e Kieran Mulcare, que estreou no Festival Outfest em Los Angeles e foi exibido no Festival de Londres...

‘Ammonite’: um cansativo sub-‘Retrato de uma Jovem em Chamas’

Depois do sucesso de seu primeiro longa, "O Reino de Deus", Francis Lee torna a apostar em um romance LGBT em sua nova produção, "Ammonite". No entanto, as semelhanças entre os filmes acabam por aí. Mesmo contando com performances poderosas de Kate Winslet e Saoirse...

‘A Voz Humana’: Tilda Swinton hipnotiza em Almodóvar menor

Unindo dois titãs do cinema, "A Voz Humana" é um filme cuja primeira foto de bastidor já foi suficiente para quebrar a internet cinéfila. A visão do diretor espanhol Pedro Almodóvar ao lado da atriz britânica Tilda Swinton veio cheia de promessa e o curta - que...