Mike Leigh fez alguns pequenos grandes filmes que estão entre os mais celebrados do cinema britânico das últimas décadas: Nu (1993), o indicado ao Oscar Segredos e Mentiras (1996), O Segredo de Vera Drake (2004), Simplesmente Feliz (2008), Mr. Turner (2015), entre outros. Todos altamente recomendáveis. Ele se notabilizou pela sua excepcional condução de atores e pelos métodos de trabalho, digamos, incomuns para com eles – os atores de Segredos e Mentiras, por exemplo, não conheciam a história inteira e receberam apenas poucas informações sobre seus personagens, para preservar algumas surpresas para a hora da filmagem. Leigh revelou para o mundo David Thewlis e Sally Hawkins, e nos surpreendeu e nos emocionou com histórias pequenas sobre pessoas comuns.

“Peterloo” é o seu primeiro épico, por assim dizer. O longa, uma produção do Amazon Studios disponível no catálogo da Amazon Prime Video, é baseado em um incidente real pouco lembrado da história inglesa: o massacre de Peterloo – trocadilho com a derrota de Napoleão em Waterloo, ocorrida poucos anos antes – de 16 de agosto de 1819, quando soldados da cavalaria mataram mais de uma dezena de civis desarmados em St. Peter’s Field, em Manchester, durante uma manifestação de protesto contra o aumento de tarifas de grãos.

Leigh nos mostra, numa abordagem estilo mosaico, como o massacre veio a acontecer pelos pontos de vista de vários personagens. Vemos um soldado (David Moorst) voltar para casa após servir na guerra e encontrar sua família em estado de miséria. Vemos a articulação política e as várias lideranças do período, com mais destaque para o orador Henry Hunt (Rory Kinnear). E vemos, aos poucos, como a situação foi se escalando até chegar ao final, com a recriação da manifestação e do massacre em si.

O cineasta está claramente do lado dos menos favorecidos – em se tratando de um filme de Mike Leigh, nem poderia ser diferente. E, de novo, o maior mérito de Leigh em Peterloo é o trabalho com o elenco, quase todo composto de rostos desconhecidos – a exceção sendo Kinnear, que já é um pouco reconhecido por suas participações em seriados e nos filmes mais recentes da franquia 007, por exemplo. Todos os atores vistos em cena, mesmo aqueles com poucos minutos de tela, transmitem uma grande autenticidade. E isso, aliada à reconstituição da época, realmente consegue criar um retrato interessante, forte e verossímil da vida na Inglaterra do período. Assim como em Mr. Turner, o espectador sente a era em que se passa o filme de modo palpável.

 PERSONAGENS EM SEGUNDO PLANO

Mesmo assim, e isso é curioso em se tratando de uma obra de Leigh… este é o primeiro filme do diretor em que os indivíduos parecem menores que o evento. É o primeiro filme dele sem personagens marcantes ou mesmo interessantes. Toda a atenção do diretor e do roteiro parecem voltadas para o evento, para nos dar uma “aula de história”, e isso é decepcionante.

Além disso, grande parte da primeira metade de Peterloo consiste em reuniões públicas ou discursos políticos. São cenas necessárias para que o espectador consiga compreender o contexto histórico do massacre, mas isso não quer dizer que sejam interessantes, do ponto de vista dramático ou visual. E com 2h35 de duração, fica difícil segurar o interesse: o filme realmente se torna envolvente quanto mais chegamos perto do final, mas até chegarmos lá, por grande parte do tempo, ele é simplesmente chato.

Talvez seja a excessiva preocupação com a reconstituição de um momento, talvez a escala da produção, com muitos extras, cenários e locações… ou ambas as coisas. Mas o fato é que Peterloo, embora seja uma história importante para o diretor e um projeto que ele quis levar às telas por muitos anos, acaba se tornando um dos trabalhos mais fracos de Mike Leigh, um cineasta que se notabilizou por observar com lente de aumento os pequenos comportamentos humanos e como eles muitas vezes levam aos grandes dramas. Peterloo não chega a ser ruim, claro, mas, neste caso, pode-se argumentar que a lente de Leigh foi ampla demais.

‘The World to Come’: romance pautado pela dor e pelo que está por vir

Tem algumas dores capazes de destruir qualquer relação. De forma semelhante, há aquelas que unem os cacos e são capazes de libertar. Mais do que um drama queer de época, “The World To Come” fala sobre essas lesões emocionais, pautado, especialmente, na solidão e como...

‘Veneza’: o sonho como antítese da pesada realidade

A certa altura de Veneza, novo filme de Miguel Falabella, uma das personagens, após assistir a uma apresentação teatral num circo, diz a um dos atores da trupe: “a história não é de verdade, mas eu sempre choro”. De certa forma, essa fala resume a obra: Veneza é um...

‘Awake’: thriller de ficção científica perdido e sem propósito

Um filme como “Awake” poderia ser classificado como um thriller de ficção científica, mas que não é bom nem em ser thriller e muito menos em ter alguma base científica relevante na sua trama. Se você quer uma experiência de tensão real ou uma narrativa envolvente, com...

‘Espiral: O Legado de Jogos Mortais’: série pela hora da morte

Na primeira década dos anos 2000, os multiplexes do mundo foram, por um bom tempo, assombrados por pôsteres assustadores que mostravam pés decepados e outros horrores nos seus salões de entrada. E dentro das salas, se podiam ver cenas com gente usando máscaras de...

‘Missão Cupido’: comédia sobrenatural para não se levar a sério

Se eu acreditasse em astrologia, diria que o Brasil está passando por um inferno astral. E, nesses momentos, nada como dar umas risadas descomprometidas para aliviar a tensão. Essa é a proposta de Ricardo Bittencourt ("Real – O Plano por Trás da História") em "Missão...

‘Invocação do Mal 3’: James Wan faz falta no pior filme da franquia

James Wan é um cara esperto, um cineasta inteligente e talentoso, que não fez nenhuma obra-prima, mas também não realizou nenhum filme ruim até agora. No seu trabalho dentro do gênero terror, ele não reinventou a roda, mas soube dar uma bela polida nela, trazendo seu...

‘Anônimo’: Bob Odenkirk surpreende como herói improvável

Na história do cinema, isso sempre aconteceu: um filme de certo gênero aparece, traz alguma inovação ou inaugura uma tendência, faz sucesso e, por algum tempo, vira o padrão dentro deste gênero. Tubarão (1975) deu origem a um subgênero de filmes abilolados de tubarões...

‘Cruella’: fúria punk e figurinos luxuosos comandam diversão

Durante a minha infância, tínhamos o costume de nos reunir aos finais de semana para assistir filmes de animação. Foi assim que vi (e decorei as músicas) dos clássicos da Disney. Com o tempo, os gêneros foram mudando, mas as lembranças desses momentos permaneceram....

‘Rogai por Nós’: CGI e roteiro capenga derrubam terror

Em algum lugar dentro de Rogai por Nós, suspense sobrenatural da produtora Ghost House de Sam Raimi e dirigido pelo estreante Evan Spiliotopoulos, tem uma interessante história sobre fé, crenças e o mistério que cerca a nossa existência. Porém, essa mesma história é...

‘Aqueles que me Desejam a Morte’: clichês por todos os cantos

Aqueles que Me Desejam a Morte, o novo projeto da estrela Angelina Jolie e do diretor/roteirista Taylor Sheridan, começa com a protagonista da história no meio de uma situação bem dramática... E aí ela acorda. Era tudo um sonho e sabemos que aquele momento representou...