Mike Leigh fez alguns pequenos grandes filmes que estão entre os mais celebrados do cinema britânico das últimas décadas: Nu (1993), o indicado ao Oscar Segredos e Mentiras (1996), O Segredo de Vera Drake (2004), Simplesmente Feliz (2008), Mr. Turner (2015), entre outros. Todos altamente recomendáveis. Ele se notabilizou pela sua excepcional condução de atores e pelos métodos de trabalho, digamos, incomuns para com eles – os atores de Segredos e Mentiras, por exemplo, não conheciam a história inteira e receberam apenas poucas informações sobre seus personagens, para preservar algumas surpresas para a hora da filmagem. Leigh revelou para o mundo David Thewlis e Sally Hawkins, e nos surpreendeu e nos emocionou com histórias pequenas sobre pessoas comuns.

“Peterloo” é o seu primeiro épico, por assim dizer. O longa, uma produção do Amazon Studios disponível no catálogo da Amazon Prime Video, é baseado em um incidente real pouco lembrado da história inglesa: o massacre de Peterloo – trocadilho com a derrota de Napoleão em Waterloo, ocorrida poucos anos antes – de 16 de agosto de 1819, quando soldados da cavalaria mataram mais de uma dezena de civis desarmados em St. Peter’s Field, em Manchester, durante uma manifestação de protesto contra o aumento de tarifas de grãos.

Leigh nos mostra, numa abordagem estilo mosaico, como o massacre veio a acontecer pelos pontos de vista de vários personagens. Vemos um soldado (David Moorst) voltar para casa após servir na guerra e encontrar sua família em estado de miséria. Vemos a articulação política e as várias lideranças do período, com mais destaque para o orador Henry Hunt (Rory Kinnear). E vemos, aos poucos, como a situação foi se escalando até chegar ao final, com a recriação da manifestação e do massacre em si.

O cineasta está claramente do lado dos menos favorecidos – em se tratando de um filme de Mike Leigh, nem poderia ser diferente. E, de novo, o maior mérito de Leigh em Peterloo é o trabalho com o elenco, quase todo composto de rostos desconhecidos – a exceção sendo Kinnear, que já é um pouco reconhecido por suas participações em seriados e nos filmes mais recentes da franquia 007, por exemplo. Todos os atores vistos em cena, mesmo aqueles com poucos minutos de tela, transmitem uma grande autenticidade. E isso, aliada à reconstituição da época, realmente consegue criar um retrato interessante, forte e verossímil da vida na Inglaterra do período. Assim como em Mr. Turner, o espectador sente a era em que se passa o filme de modo palpável.

 PERSONAGENS EM SEGUNDO PLANO

Mesmo assim, e isso é curioso em se tratando de uma obra de Leigh… este é o primeiro filme do diretor em que os indivíduos parecem menores que o evento. É o primeiro filme dele sem personagens marcantes ou mesmo interessantes. Toda a atenção do diretor e do roteiro parecem voltadas para o evento, para nos dar uma “aula de história”, e isso é decepcionante.

Além disso, grande parte da primeira metade de Peterloo consiste em reuniões públicas ou discursos políticos. São cenas necessárias para que o espectador consiga compreender o contexto histórico do massacre, mas isso não quer dizer que sejam interessantes, do ponto de vista dramático ou visual. E com 2h35 de duração, fica difícil segurar o interesse: o filme realmente se torna envolvente quanto mais chegamos perto do final, mas até chegarmos lá, por grande parte do tempo, ele é simplesmente chato.

Talvez seja a excessiva preocupação com a reconstituição de um momento, talvez a escala da produção, com muitos extras, cenários e locações… ou ambas as coisas. Mas o fato é que Peterloo, embora seja uma história importante para o diretor e um projeto que ele quis levar às telas por muitos anos, acaba se tornando um dos trabalhos mais fracos de Mike Leigh, um cineasta que se notabilizou por observar com lente de aumento os pequenos comportamentos humanos e como eles muitas vezes levam aos grandes dramas. Peterloo não chega a ser ruim, claro, mas, neste caso, pode-se argumentar que a lente de Leigh foi ampla demais.

‘Miss Juneteenth’: a busca pela construção do sonho americano negro

Durante uma conversa, o dono do bar em que Turquoise Jones (Nicole Beharie) trabalha afirma que o sonho americano existe, menos para os negros. Esse é um resumo do que aborda “Miss Juneteenth”, longa de Channing Godfrey Peoples. A diretora, que também assina o...

‘Judas e o Messias Negro’: um decepcionante bom filme

Digam o que quiserem do Judas Iscariotes, mas ele é o personagem mais interessante da Bíblia -  do ponto de vista dramático, claro. Porque drama é conflito, e Judas vivia em conflito, e isso faz dele a figura interessante já dramatizada e analisada várias vezes em...

‘Eu Me Importo’: o melhor trabalho de Rosamund Pike desde ‘Garota Exemplar’

Rosamund Pike é uma atriz interessante. Ela tem o talento, a competência como intérprete e a beleza, o pacote completo para virar mega-estrela. A inglesa fez papel de mocinha, esteve até em alguns filmes de ação, mas nunca chegou a dar aquele grande salto para o...

‘O Amor de Sylvie’: Tessa Thompson brilha em romance clichê

“A maioria das pessoas nunca encontra esse tipo de amor. Nem por um verão” Uma protagonista negra segura de si e disposta a lutar pelos seus interesses. Um amor que ultrapassa os anos e a distância. Por mais que isso soe piegas, tinha esperança que esse não fosse o...

‘Adú’: tramas demais prejudicam foco central de drama espanhol

Adú, produção espanhola da Netflix, é um tipo de obra audiovisual que o cinema sempre lançou, mas que vemos com certa frequência hoje em dia: o filme sobre um tópico social importante da atualidade, bem-produzido e bem fotografado, que visa, além de entreter, educar o...

‘A Escavação’: duas metades desequilibradas atrapalham drama

No drama A Escavação, da Netflix, tudo gira em torno de trazer coisas e emoções à superfície. A trama é baseada em fatos reais e reconstitui uma das mais importantes descobertas arqueológicas já feitas no Reino Unido, o “achado de Sutton Hoo”. Tudo começa quando a...

‘Palmer’: Justin Timberlake emociona em drama de fórmula infalível

Em Palmer, drama da Apple TV+ dirigido pelo ator e diretor Fisher Stevens, a proposta é lançar um olhar sensível sobre questões de gênero e de masculinidade. É a história de um homem endurecido de uma geração anterior confrontado pelo mundo moderno, e aprendendo a...

‘Wolfwalkers’: ótima animação sem medo de abordar a morte

Uma animação em 2D de um pequeno estúdio e com baixo orçamento. Essas não parecem ser as características de um filme premiado ou notório na temporada de premiações, mas ‘Wolfwalkers’ atende a todos esses requisitos com benefício de abordar temáticas mais adultas assim...

‘Malcolm & Marie’: egotrip de um diretor mimado dentro e fora das telas

Sam Levinson se empolgou. Após dois filmes pouco badalados - “Bastidores de um Casamento” (2011) e “País da Violência” (2018) - o filho de Barry Levinson (“Rain Man”) alcançou o sucesso de público e crítica com “Euphoria”, na HBO. Do auge da maturidade de seus 36...

‘Nomadland’: a jornada é mais importante que o destino

É uma terra fria a que vemos em Nomadland. No filme da diretora Chloé Zhao, o interior dos Estados Unidos é um espaço gelado e dilapidado. Ambientado alguns anos após a crise econômica de 2008, no filme acompanhamos a viúva Fern, interpretada por Frances McDormand,...