Um filho desaparecido e uma mãe que nunca perdeu a esperança de encontrá-lo. No percurso, a luta contra uma grande corporação. Poderíamos estar falando de “Amor de Mãe” – novela das 21h interrompida pela pandemia de covid-19 -, mas esta é a trama de “Piedade”, filme de Cláudio Assis (“Amarelo Manga” e “Baixio das Bestas”) lançado na plataforma digital do Itaú Cultural.

A trama se passa na Praia da Saudade, na pequena cidade de Piedade, interior de Pernambuco, e entrelaça o ativismo e a destruição ambiental ao drama familiar. O resultado é um filme sensível carregado de resistência e dor. A narrativa se desenvolve a partir da chegada de Aurélio (Matheus Nachtergaele), um representante da Petrogreen. A empresa vem afetando o ecossistema marítimo da região, impedindo, entre outras coisas, que o mar seja utilizável para banho. No entanto, a presença do executivo é o motor para que segredos adormecidos e dores ganhem evidência. Isso faz com que o drama familiar seja a parte mais interessante do filme.

O roteiro de Anna Francisco, Dillner Gomes e Hilton Lacerda traça duas narrativas paralelas. De um lado, acompanhamos dona Carminha (Fernanda Montenegro) e seus filhos Omar Shariff (Irandhir Santos) e Fátima (Mariana Ruggiero), que tiram seu sustento de um bar e restaurante que fica à beira-mar. Já a outra trama traz Sandro (Cauã Reymond), dono de um cinema pornô no centro da cidade, e seu filho Marlon Brando (Gabriel Leone), um jovem ativista ambiental.

AUSÊNCIA E MELANCOLIA

O distanciamento e aproximação entre os dois núcleos familiares é muito bem orquestrado, também, pela cinematografia de Marcelo Durst por meio do uso das cores, iluminação e planos. Enquanto o núcleo da família litorânea possui uma coloração terrosa evidenciando a ligação com o espaço e a determinação de manter-se em oposição à Petrogreen, Reymond e seu cinema assumem tons mais escuros. O próprio ambiente depõe a favor disso, entretanto, essa escolha fala muito mais sobre o personagem.

Sandro é melancólico e parece ser uma pessoa carente de afetos. Muito disso é fruto da ausência de aceitação familiar, contribuindo, por exemplo, para que se deixe levar pela atração física que sente por Aurélio. Quando as duas tramas se convergem, é possível notar o seu contraponto em relação ao restante do elenco. O personagem se retrai, se afoga em frustrações e tristeza. Cauã Reymond se despe do galã global e incorpora uma pessoa destruída por dentro, mas que precisa aparentar ser forte para seguir a vida.

Em contraponto ao dono do cinema pornô, está seu filho: Marlon é impulsivo e expansivo. Seu ativismo e resistência o colocam em choque direto ao pai. Porém, suas características o aproximam de Omar. A composição dos personagens é eficaz em traçar um paralelo entre os dois personagens. Ambos são símbolos de luta e resistência dentro da produção, mas com perspectivas diferentes. Enquanto o personagem de Leone ainda se pauta em ilusões para manifestar-se, o filho de dona Carminha estabelece uma real representatividade de resistência a empresa de petróleo.

DOR É RESISTÊNCIA

O que une os dois núcleos e alimenta o discurso político de “Piedade”, no entanto, é a dor. Em dado momento, o personagem de Gabriel Leone afirma que a dor também é uma resistência. E cada personagem do longa-metragem de Assis é marcado por ela de alguma forma. Para alguns, ela aparece como uma solidão gananciosa fruto de autoenganos, para outros, é a sua intensidade que os machuca imperceptivelmente.

Nessa construção, a montagem de Karen Harley consegue aproveitar os bons momentos de “Piedade”, especialmente, pelo grande elenco liderado pela preciosa Fernanda Montenegro. Infelizmente, no entanto, as cenas de ativismo parecem deslocadas e simplesmente encaixadas na montagem. Sem criar empatia e identificação com o público e o argumento politizado da produção.

Mesmo assim, “Piedade” mostra-se um trabalho maduro e muito afetivo. De forma objetiva, as temáticas executam discussões necessárias para o atual momento político e, mais do que isso, chamam atenção para as relações interpessoais. As carências e intensidades dos personagens dialogam muito bem com o público e, talvez, este seja o maior mérito da obra do diretor pernambucano ao lado da escolha de grande elenco.

‘Mulher Maravilha 1984’: DC regride com bomba vergonhosa

A história se repete, certo? Passamos a vida ouvindo esse ditado, e parece que é verdade mesmo. No panteão dos quadrinhos super-heróicos da DC Comics, Superman, Batman e Mulher Maravilha são conhecidos entre os fãs como “a trindade” da editora. São reconhecidamente os...

‘Soul’: brilhante animação sobre quem realmente somos

“Editor-chefe do Cine Set. Exerce o cargo de diretor de programas na TV Ufam. Formado em jornalismo pela Universidade Federal do Amazonas com curso de pós-graduação na Faculdade Cásper Líbero, em São Paulo”.  Você encontra este texto na parte ‘Sobre o Autor’ desta...

‘O Céu da Meia-Noite’: George Clooney testa paciência em sci-fi sofrível

Galã charmoso dos moldes da Hollywood nos anos 1950, George Clooney construiu gradualmente uma trajetória para além deste rótulo. Depois de aprender com o fracasso de “Batman & Robin”, ele começou a selecionar melhor os projetos em que se meteria – até venceu o...

‘The Nest’: elegante jogo das aparências mistura drama e terror

Depois de surpreender com uma narrativa envolvente no longa de estreia em “Martha Marcy Mae Marlene”, Sean Durkin retorna nove anos depois com “The Nest” (“O Ninho”, em tradução literal). Acompanhado de atuações excelentes de Carrie Coon e Jude Law, ele traz o...

‘Let Them All Talk’: Soderbergh entre Bergman e Allen sem ser incisivo

'Galera, é o seguinte: estou pensando em fazer um filme todo gravado em um transatlântico. Vocês topam?’.  Se receber um convite destes seria tentador por si só, imagine vindo de Steven Soderbergh, diretor ganhador da Palma de Ouro do Festival de Cannes em 1989 por...

‘A Voz Suprema do Blues’: estado puro dos talentos de Viola Davis e Chadwick Boseman

"A Voz Suprema do Blues” reúne a mesma trinca de “Um Limite Entre Nós”: Viola Davis de protagonista em um filme produzido por Denzel Washington baseado em uma peça do dramaturgo August Wilson. Além dos nomes envolvidos, o projeto da Netflix guarda as qualidades – um...

‘First Cow’: uma lembrança sobre a necessidade da solidariedade

Não me surpreendo caso muitos perguntem os motivos de “First Cow” ser tão badalado e elogiado pela crítica internacional. Muito menos de uma possível insatisfação generalizada caso o longa dirigido, roteirizado e montado por Kelly Reichardt (“Certas Mulheres”) chegue...

‘À Luz do Sol’: potência de protagonistas ilumina a tela em documentário paraense

Documentário paraense selecionado para a mostra competitiva do Festival Olhar do Norte 2020, “À Luz do Sol” segue o caminho de produções como o amazonense “Maria”, de Elen Linth, e o longa alagoano “Cavalo”, da dupla Rafhael Barbosa e Werner Salles, marcados pela...

‘Raimundo Quintela – O Caçador Vira Porco’: Sherlock amazônico em aventura agradável

Misturar elementos da cultura pop e do cinema hollywoodiano com as lendas e crenças da Amazônia formam a base de “Raimundo Quintela – O Caçador Vira Porco”, curta-metragem paraense dirigido por Robson Fonseca. Vencedor de três categorias da mostra competitiva do...

‘O Som do Silêncio’: aflição e desespero de Riz Ahmed comovem em bom drama

A deficiência auditiva foi retratada nos cinemas com diferentes abordagens, mas, quase sempre a partir de uma situação já estabelecida. Em “O Milagre de Anne Sullivan” (1962), por exemplo, a professora interpretada pela vencedora do Oscar, Anne Bancroft, precisa...