Um filho desaparecido e uma mãe que nunca perdeu a esperança de encontrá-lo. No percurso, a luta contra uma grande corporação. Poderíamos estar falando de “Amor de Mãe” – novela das 21h interrompida pela pandemia de covid-19 -, mas esta é a trama de “Piedade”, filme de Cláudio Assis (“Amarelo Manga” e “Baixio das Bestas”) lançado na plataforma digital do Itaú Cultural.

A trama se passa na Praia da Saudade, na pequena cidade de Piedade, interior de Pernambuco, e entrelaça o ativismo e a destruição ambiental ao drama familiar. O resultado é um filme sensível carregado de resistência e dor. A narrativa se desenvolve a partir da chegada de Aurélio (Matheus Nachtergaele), um representante da Petrogreen. A empresa vem afetando o ecossistema marítimo da região, impedindo, entre outras coisas, que o mar seja utilizável para banho. No entanto, a presença do executivo é o motor para que segredos adormecidos e dores ganhem evidência. Isso faz com que o drama familiar seja a parte mais interessante do filme.

O roteiro de Anna Francisco, Dillner Gomes e Hilton Lacerda traça duas narrativas paralelas. De um lado, acompanhamos dona Carminha (Fernanda Montenegro) e seus filhos Omar Shariff (Irandhir Santos) e Fátima (Mariana Ruggiero), que tiram seu sustento de um bar e restaurante que fica à beira-mar. Já a outra trama traz Sandro (Cauã Reymond), dono de um cinema pornô no centro da cidade, e seu filho Marlon Brando (Gabriel Leone), um jovem ativista ambiental.

AUSÊNCIA E MELANCOLIA

O distanciamento e aproximação entre os dois núcleos familiares é muito bem orquestrado, também, pela cinematografia de Marcelo Durst por meio do uso das cores, iluminação e planos. Enquanto o núcleo da família litorânea possui uma coloração terrosa evidenciando a ligação com o espaço e a determinação de manter-se em oposição à Petrogreen, Reymond e seu cinema assumem tons mais escuros. O próprio ambiente depõe a favor disso, entretanto, essa escolha fala muito mais sobre o personagem.

Sandro é melancólico e parece ser uma pessoa carente de afetos. Muito disso é fruto da ausência de aceitação familiar, contribuindo, por exemplo, para que se deixe levar pela atração física que sente por Aurélio. Quando as duas tramas se convergem, é possível notar o seu contraponto em relação ao restante do elenco. O personagem se retrai, se afoga em frustrações e tristeza. Cauã Reymond se despe do galã global e incorpora uma pessoa destruída por dentro, mas que precisa aparentar ser forte para seguir a vida.

Em contraponto ao dono do cinema pornô, está seu filho: Marlon é impulsivo e expansivo. Seu ativismo e resistência o colocam em choque direto ao pai. Porém, suas características o aproximam de Omar. A composição dos personagens é eficaz em traçar um paralelo entre os dois personagens. Ambos são símbolos de luta e resistência dentro da produção, mas com perspectivas diferentes. Enquanto o personagem de Leone ainda se pauta em ilusões para manifestar-se, o filho de dona Carminha estabelece uma real representatividade de resistência a empresa de petróleo.

DOR É RESISTÊNCIA

O que une os dois núcleos e alimenta o discurso político de “Piedade”, no entanto, é a dor. Em dado momento, o personagem de Gabriel Leone afirma que a dor também é uma resistência. E cada personagem do longa-metragem de Assis é marcado por ela de alguma forma. Para alguns, ela aparece como uma solidão gananciosa fruto de autoenganos, para outros, é a sua intensidade que os machuca imperceptivelmente.

Nessa construção, a montagem de Karen Harley consegue aproveitar os bons momentos de “Piedade”, especialmente, pelo grande elenco liderado pela preciosa Fernanda Montenegro. Infelizmente, no entanto, as cenas de ativismo parecem deslocadas e simplesmente encaixadas na montagem. Sem criar empatia e identificação com o público e o argumento politizado da produção.

Mesmo assim, “Piedade” mostra-se um trabalho maduro e muito afetivo. De forma objetiva, as temáticas executam discussões necessárias para o atual momento político e, mais do que isso, chamam atenção para as relações interpessoais. As carências e intensidades dos personagens dialogam muito bem com o público e, talvez, este seja o maior mérito da obra do diretor pernambucano ao lado da escolha de grande elenco.

‘Dois Estranhos’: violência gráfica ganha contorno irresponsável em favorito ao Oscar

Acredito que esse seja um filme que divida opiniões. De um lado, há aqueles que o aplaudem por explicitar a violência contínua sofrida por jovens negros, e, do outro, há aqueles que o taxam de explorador. Vou fazer uma mea culpa e revelar que acho interessante a...

‘Feeling Through’: a boa e velha empatia em belo filme

Quando dou aula nos cursos aqui do Cine Set, sempre digo aos alunos que o cinema é uma máquina de exercitar e desenvolver a empatia. Realmente acredito que quanto mais filmes assistimos, e quanto mais mergulhamos em histórias, com o tempo todos nós passamos a aprender...

‘Tina’: documentário para celebrar uma gigante do Rock

Das várias injustiças cometidas contra Tina Turner - a Rainha do Rock -, talvez a mais louca a persistir até hoje seja o fato de ela não constar como artista solo no Hall da Fama do estilo que rege. Os eleitores da organização podem corrigir esse fato em 2021, já que...

‘Os Segredos de Madame Claude’: desperdício de um ícone em filme tão fraco

Tenho um pé atrás com produções que buscam abordar personagens reais com o intuito de vender diversidade e inclusão. Essa sensação é mais aguda diante de projetos que discutem personalidades femininas como “Maria Madalena” (Garth Davis, 2018) e “Joana D’Arc” (Luc...

‘Amor e Monstros’: pouco mais de ousadia faria um grande filme

Os melhores momentos de Amor e Monstros, parceria dos estúdios Paramount Pictures com a Netflix, estão logo no início do filme. É quando o narrador da história, o jovem Joel, reconta o apocalipse que devastou a Terra e que transformou insetos e animais em criaturas...

‘We’: o cinema como construtor de uma memória coletiva

"We", o novo filme de Alice Diop, é várias coisas: uma lembrança familiar, uma celebração das vidas comuns e uma busca pela identidade da França nos dias de hoje. Acima de tudo, o documentário, que ganhou o prêmio de Melhor Filme da mostra Encontros do Festival de...

‘Chaos Walking’: ótimo conceito nem sempre gera bom filme

Toda vez que se inicia a produção de um filme, cineastas participam de um jogo de roleta: por mais bem planejada que seja a obra e não importando o quão bons sejam os colaboradores que eles vão reunir para participar dela, tudo ainda pode acabar mal. Cinema é...

‘Locked Down’: dramédia na pandemia sucumbe à triste realidade

Dentre tantas situações inesperadas da pandemia da Covid, com certeza, a quarentena forçada foi uma grande bomba-relógio para conflitos conjugais e familiares. Agora, se conviver ininterruptamente com quem se ama já é desafiador, imagine passar semanas, meses dentro...

‘Godzilla Vs Kong’: sem vergonha de ser uma divertida bobagem

Não há como contornar: Godzilla vs Kong é um filme bobo. Todos os filmes “versus” feitos até hoje na história do cinema, com um personagem famoso enfrentando outro, foram bobos, e essa nova investida do estúdio Warner Bros. no seu “Monsterverse” – a culminação dele,...

‘Collective’: aula sobre o fundamental papel do jornalismo investigativo

“Collective” é, provavelmente, o filme mais marcante desta temporada de premiações. O documentário dirigido por Alexander Nanau traz à tona denúncias concernentes à corrupção no Ministério da Saúde romeno, algo super atual no período pandêmico e que dialoga com...