Um filho desaparecido e uma mãe que nunca perdeu a esperança de encontrá-lo. No percurso, a luta contra uma grande corporação. Poderíamos estar falando de “Amor de Mãe” – novela das 21h interrompida pela pandemia de covid-19 -, mas esta é a trama de “Piedade”, filme de Cláudio Assis (“Amarelo Manga” e “Baixio das Bestas”) lançado na plataforma digital do Itaú Cultural.

A trama se passa na Praia da Saudade, na pequena cidade de Piedade, interior de Pernambuco, e entrelaça o ativismo e a destruição ambiental ao drama familiar. O resultado é um filme sensível carregado de resistência e dor. A narrativa se desenvolve a partir da chegada de Aurélio (Matheus Nachtergaele), um representante da Petrogreen. A empresa vem afetando o ecossistema marítimo da região, impedindo, entre outras coisas, que o mar seja utilizável para banho. No entanto, a presença do executivo é o motor para que segredos adormecidos e dores ganhem evidência. Isso faz com que o drama familiar seja a parte mais interessante do filme.

O roteiro de Anna Francisco, Dillner Gomes e Hilton Lacerda traça duas narrativas paralelas. De um lado, acompanhamos dona Carminha (Fernanda Montenegro) e seus filhos Omar Shariff (Irandhir Santos) e Fátima (Mariana Ruggiero), que tiram seu sustento de um bar e restaurante que fica à beira-mar. Já a outra trama traz Sandro (Cauã Reymond), dono de um cinema pornô no centro da cidade, e seu filho Marlon Brando (Gabriel Leone), um jovem ativista ambiental.

AUSÊNCIA E MELANCOLIA

O distanciamento e aproximação entre os dois núcleos familiares é muito bem orquestrado, também, pela cinematografia de Marcelo Durst por meio do uso das cores, iluminação e planos. Enquanto o núcleo da família litorânea possui uma coloração terrosa evidenciando a ligação com o espaço e a determinação de manter-se em oposição à Petrogreen, Reymond e seu cinema assumem tons mais escuros. O próprio ambiente depõe a favor disso, entretanto, essa escolha fala muito mais sobre o personagem.

Sandro é melancólico e parece ser uma pessoa carente de afetos. Muito disso é fruto da ausência de aceitação familiar, contribuindo, por exemplo, para que se deixe levar pela atração física que sente por Aurélio. Quando as duas tramas se convergem, é possível notar o seu contraponto em relação ao restante do elenco. O personagem se retrai, se afoga em frustrações e tristeza. Cauã Reymond se despe do galã global e incorpora uma pessoa destruída por dentro, mas que precisa aparentar ser forte para seguir a vida.

Em contraponto ao dono do cinema pornô, está seu filho: Marlon é impulsivo e expansivo. Seu ativismo e resistência o colocam em choque direto ao pai. Porém, suas características o aproximam de Omar. A composição dos personagens é eficaz em traçar um paralelo entre os dois personagens. Ambos são símbolos de luta e resistência dentro da produção, mas com perspectivas diferentes. Enquanto o personagem de Leone ainda se pauta em ilusões para manifestar-se, o filho de dona Carminha estabelece uma real representatividade de resistência a empresa de petróleo.

DOR É RESISTÊNCIA

O que une os dois núcleos e alimenta o discurso político de “Piedade”, no entanto, é a dor. Em dado momento, o personagem de Gabriel Leone afirma que a dor também é uma resistência. E cada personagem do longa-metragem de Assis é marcado por ela de alguma forma. Para alguns, ela aparece como uma solidão gananciosa fruto de autoenganos, para outros, é a sua intensidade que os machuca imperceptivelmente.

Nessa construção, a montagem de Karen Harley consegue aproveitar os bons momentos de “Piedade”, especialmente, pelo grande elenco liderado pela preciosa Fernanda Montenegro. Infelizmente, no entanto, as cenas de ativismo parecem deslocadas e simplesmente encaixadas na montagem. Sem criar empatia e identificação com o público e o argumento politizado da produção.

Mesmo assim, “Piedade” mostra-se um trabalho maduro e muito afetivo. De forma objetiva, as temáticas executam discussões necessárias para o atual momento político e, mais do que isso, chamam atenção para as relações interpessoais. As carências e intensidades dos personagens dialogam muito bem com o público e, talvez, este seja o maior mérito da obra do diretor pernambucano ao lado da escolha de grande elenco.

‘Pig’: Nicolas Cage em estado de graça em filme intrigante

Que filme curioso e interessante é este Pig, dirigido pelo estreante Michael Sarnoski. É aquele tipo de produção em que você realmente não sabe para onde a história vai, não sabe se ri ou se chora e sua abordagem minimalista o afasta de outros tipos de filmes com os...

‘Verão de 85’: agridoce romance gay cai em velhas armadilhas do gênero

Ah, o primeiro amor. Tem coisa mais fascinante, impulsiva e intensa que um primeiro amor? É um sentimento que toma conta da alma, da pele. Transborda sensações, energiza e ressignifica o que é viver.  Sempre haverá o antes e depois de um primeiro amor. Em uma...

‘Space Jam 2: Um Novo Legado’: perdido na nostalgia e sem saber seu público

Confesso que dificilmente consigo ser fisgada pela nostalgia. Dito isto, este elemento pode até ser o grande fator de atração de “Space Jam 2: Um Novo Legado” ao lado dos easter eggs, mas não é o suficiente para segurar a trama. Somos convidados a embarcar com LeBron...

‘A Última Carta de Amor’: Jojo Moyes em adaptação de altos e baixos

Lançamento da Netflix, “A última carta de amor” é um romance baseado no livro da escritora britânica Jojo Moyes, que já possui outro livro adaptado para os cinemas, “Como eu era antes de você", de 2016. A autora inclusive também é uma das produtoras do filme....

‘O Sétimo Dia’: policial com terror fica longe de combinar em filme fraco

Uma das belezas do cinema de gênero é perceber como, às vezes, roteiristas e cineastas espertos conseguem criar combinações que, à primeira vista, podem parecer impossíveis de funcionar em conjunto, mas funcionam. Ora, Todo Mundo Quase Morto (2004) é uma...

‘Caros Camaradas’: a desintegração do comunismo soviético

A primeira coisa que você deve saber acerca de “Caros Camaradas” é que estamos diante de um filme forte, necessário e que ainda se apropria de causas hoje presentes estruturados em uma sociedade desigual. Dito isso, vamos ao filme. “Caros Camaradas” narra um momento...

Trilogia ‘Rua do Medo’: diversão rasa, nostálgica e descartável

Séries de TV têm sido um dos pilares fundamentais na consolidação global da Netflix como o maior serviço de streaming do mundo. Boas, ótimas ou ruins, vindas de diversas partes do mundo, não importa: sempre podemos contar com a produção serializada de TV como parte...

‘Viúva Negra’: o pior filme da Marvel em muitos anos

Durante muito tempo, os fãs das produções da Marvel Studios pediam por um filme solo da heroína Viúva Negra. A estrela Scarlett Johansson também queria fazer. Para quem deseja entender um pouco dos meandros de Hollywood e esclarecer porque o filme da Viúva não saiu,...

‘Nem Um Passo em Falso’: Soderbergh perdido no próprio estilo

Steven Soderbergh é um cineasta, no mínimo, curioso. Seu primeiro filme, Sexo, Mentiras e Videotape (1989) mudou os rumos do cinema independente norte-americano quando saiu – e é, de fato, um grande filme. Ao longo dos anos, ele ganhou Oscar de direção por Traffic...

‘Um Lugar Silencioso 2’: ponte com dias atuais mirando futuro da franquia

“Um Lugar Silencioso” foi um dos meus filmes favoritos de 2018. A ambientação, o uso de recursos sonoros e a narrativa capaz de gerar tantas leituras e interpretações foram aspectos determinantes para a catarse causada e suscitar indagações quanto a necessidade de uma...