Que filme curioso e interessante é este Pig, dirigido pelo estreante Michael Sarnoski. É aquele tipo de produção em que você realmente não sabe para onde a história vai, não sabe se ri ou se chora e sua abordagem minimalista o afasta de outros tipos de filmes com os quais até se poderia tentar estabelecer alguma relação com ele. Acima de tudo, é um filme com a cara do seu astro, Nicolas Cage. E a atuação dele aqui é das melhores da sua carreira, se não for a melhor.

Em Pig, Cage vive Rob, um sujeito que mora em um casebre na floresta. Nos primeiros minutos da obra, Sarnoski nos estabelece a rotina dele: Rob é praticamente um ermitão, sempre sujo, cabeludo e barbudo à procura de trufas para vender junto com sua porquinha de estimação, treinada para encontrá-las. Ele vende os doces para um jovem chamado Amir (Alex Wolff), que parece se dar bem com o negócio. Certa noite, porém, o casebre do protagonista é invadido por ladrões e a porca é sequestrada. É quando o protagonista, tendo Amir como seu único aliado, parte em busca do animal.

 EXPERIÊNCIA SINGULAR

Contar mais do que isso arrisca prejudicar a experiência do filme e acredite: uma das maiores qualidades de Pig é a maneira como o roteiro se desenvolve e vai, aos poucos, nos apresentando a quem é Rob e ao mundo que ele deixou. A cada revelação, o personagem se aprofunda diante dos nossos olhos. E o contraste entre ele e seu “parceiro” também enriquece a ambos. Afinal, o sempre bem arrumado e rico Amir estabelece de cara uma relação de oposição com o sujo e ensanguentado Rob em uma dinâmica que só aumenta a empatia de ambos.

É fácil imaginar Pig seguindo o tradicional caminho de um filme de ação ou até de comédia, mas Sarnoski – também co-autor do roteiro – não cai no óbvio, o que torna seu filme uma experiência interessante. Ele também não explica tudo, deixando alguns aspectos da personalidade de Rob e do seu passado em aberto para o público e, embora a condução lenta da história possa afastar alguns espectadores, ao final, o resultado é muito positivo.

Nem que seja pela curiosidade: afinal, com as paisagens naturais, a ocasional trilha de música clássica e narrativa dividida em partes com títulos relativos à comida, Pig desde o começo se configura como uma experiência, no mínimo, singular.

‘NADA É REAL’

O que nos traz a Nicolas Cage. Quem conhece a carreira dele sabe que se trata de um ator também singular. Dependendo do filme, Cage pode ser: A) um grande ator; B) um péssimo ator; ou C) ambos, às vezes na mesma cena. A atuação dele em Pig, de certa forma, remete a um pouco de tudo que ele já fez na carreira: no papel de Rob, ele mostra uma composição delicada como aquela de Joe (2013) – outra boa atuação recente – mas seu personagem também é um esquisitão, como tantos outros que Cage viveu ao longo da carreira.

É mérito dele e de Sarnoski se manterem fieis à visão do personagem de poucas palavras, que deu adeus a tudo e vive no seu mundinho, de acordo com suas próprias regras. Quando Rob diz a um chef numa cena que “nada é real”, parece uma declaração de intenções do filme e do próprio Cage do seu método, do jeito como aborda o trabalho de ator, sempre com fascinação, por mais que o resultado muitas vezes deixe a desejar.

O diretor e seu astro estão comprometidos com essa visão e nos levam numa jornada estranha. E é mérito de Cage que, em alguns momentos, essa estranheza dê lugar a uma emoção genuína – ele torna Rob real, por mais esquisito que pareça, e o faz de maneira comedida, atuando para dentro, em um trabalho muito bem construído. Cada camada colocada sobre o Rob na história adiciona à sua humanidade e Cage retrata isso de maneira admirável. Wolff pega a mesma deixa e também brilha, pois, seu personagem igualmente interessante o permite atuar de igual para igual com seu inspirado co-astro.

Nicolas Cage já fez filmes independentes e grandes projetos de estúdio. Passou pela comédia, drama, ação. Ganhou Oscar. Esteve em clássicos e, por muitos anos, apareceu numa longa lista de filmes ruins. Dizem que teve um período de dificuldades financeiras, por isso, trabalhava sem parar, aceitando qualquer projeto filmado em qualquer canto para ganhar dinheiro.

Mas, mesmo em filmes muito ruins, ele sempre pareceu um explorador, tentando coisas para ver se funcionavam. Muitas vezes não funcionavam e Cage entregava atuações caricatas e ridículas. E não parou de fazer filmes ruins, mas, de uns tempos para cá, têm aparecido um Mandy (2018) ou um A Cor que Caiu do Espaço (2019) aqui e ali. Como vários dos clássicos que Nicolas Cage estreou, Pig não é para todos os gostos. Porém, para quem conseguir abraçá-lo, ajustar-se ao peculiar comprimento de onda dele, o longa é uma experiência rica. E ao final, você pode até ficar emocionado de uma forma estranha, graças principalmente ao seu peculiar ator principal.

‘Pânico’ (2022): carta de amor aos fãs em homenagem a Wes Craven

Fazia quase 10 anos desde a última vez que eu, acompanhado de uns 30 amigos (não é exagero), reencontrava Sidney, Dewey e Gale, na estreia de ‘Pânico 4’ nos cinemas. Era o primeiro filme da então quadrilogia de terror, dirigida pelo saudoso Wes Craven, que assistia...

‘Bar Doce Lar’: má fase de George Clooney persiste em filme repetitivo

Logo no início de “Bar Doce Lar”, título horroroso no Brasil para o filme disponível no Amazon Prime, JR diz gostar de viver na casa do avô ao contrário da mãe. O motivo: a presença de muita gente no local. Tal fala, entretanto, ganha um contorno maior para além da...

Onde foram parar e por que os filmes de cassino sumiram das telonas?

De filmes de ação a dramas, há grandes clássicos do cinema e títulos dos anos 90 e 2000 que destacam os poderosos cassinos, particularmente os encontrados nos Estados Unidos. Não há um brasileiro que não se lembre de pelo menos dois filmes que destacavam os luxuosos...

‘O Canto do Cisne’: não funciona como romance nem como sci-fi

À primeira vista, “O Canto do Cisne” engana bem: Mahershala Ali e Naomie Harris com a excelência de sempre e ainda com Glenn Close e Awkwafina como coadjuvantes de luxo, um visual atrativo pela modernidade clean do design de produção e do cenário principal...

‘Apresentando os Ricardos’: Sorkin racionaliza demais universo das sitcoms

Lucille Ball quer um lar. E ele definitivamente não vai ser construído em um cinema cerebral demais como o de Aaron Sorkin. “Apresentando os Ricardos”, nova investida dele na direção, é um retrato sem o brilho que fez de Ball a estrela mais assistida da TV dos Estados...

‘Não Olhe Para Cima’: sátira caminha por trilha segura em críticas

Quando “House of Cards” estreou na Netflix em fevereiro de 2013 chocou uma (ingênua) parcela do público sobre como o coração da política norte-americana poderia ser tão ardiloso e baixo. Era época de um suposto idealismo democrático com Barack Obama, primeiro...

‘Matrix Resurrections’: Lana Wachowski recorda o valor do risco em Hollywood

Se “Matrix” encontra paralelos diretos em “Metrópolis” ou “Blade Runner” dentro do universo de distopias e ficções científicas, pode-se dizer que “Matrix Resurrections” está mais próximo de obras como “Crepúsculo dos Deuses” ou “O Jogador” como análise ácida e...

‘Belfast’: Kenneth Branagh retorna à infância em filme singelo

Vários diretores, ao longo da história do cinema, fizeram filmes baseados em suas próprias vidas. Gente graúda, como François Truffaut (Os Incompreendidos), Federico Fellini (Amarcord) ou Ingmar Bergman (Fanny & Alexander), para citar só alguns dos mais marcantes....

‘A Mão de Deus’: Sorrentino navega no (bom) exagero em filme familiar

As relações familiares são o ponto de partida de “A mão de Deus”, novo filme do diretor italiano Paolo Sorrentino (“A Grande Beleza”). O protagonista da trama é Fábio Schisa (Filippo Scotti), um adolescente que vive com os pais e dois irmãos mais velhos na Nápoles dos...

‘Homem-Aranha: Sem Volta Para Casa’: a maturidade chega a Peter Parker

Com três intérpretes diferentes, o Homem-Aranha é o herói mais replicado no cinema (ao menos no século XXI). E é claro que a cada nova saga do herói a expectativa é sempre de superação, mas, mesmo sob essa pressão, em 2017, Tom Holland conseguiu se consagrar como...