Com toda repercussão negativa de séries como ‘13 Reasons Why’ e ‘You’, a Netflix apostou em outra atração jovem sobre transtornos mentais e, mais uma vez, foi na direção errada. Tudo bem, ‘Por Lugares Incríveis’ não chega ao mesmo nível de irresponsabilidade que as outras produções citadas, porém, sua falta de atenção com o fator diferencial em sua história o torna mais um longa esquecível de seu gênero.

Sendo uma adaptação do livro homônimo, o filme apresenta a jovem Violet Markey (Elle Fanning) superando o luto pela morte de sua irmã até Theodore Finch (Justice Smith) aparecer em sua vida. A convivência com o rapaz logo a faz descobrir problemas pessoais que podem colocar em risco o relacionamento de ambos.  

Com uma dupla protagonista carismática o longa aposta em um visual marcante para destacar todos os lugares incríveis pelos quais eles passam. Neste sentido, a direção de fotografia é muito importante para fazer com que seus personagens sejam parte daquele cenário, correspondendo muito bem à mensagem final do longa.

Aproveitando o ritmo lento e quase maçante, o roteiro consegue mostrar o desenvolvimento gradual do relacionamento de ambos, sem parecer forçado ou fruto de situações convenientes. Já a trilha sonora faz tudo sozinha muitas vezes que o filme perde a criatividade apelando para cenas repetitivas do casal. O mesmo acontece com seus diálogos, os quais reforçam principalmente a falta de habilidade em lidar com a complexidade apresentada por Finch.

Abordagem irresponsável

Apesar de possuir a autora do livro, Jennifer Niven, como uma das roteiristas, a produção apresenta uma sequência de negligências ao tratar de Finch e seu transtorno de bipolaridade. Isto ocorre principalmente pois em nenhum momento fica explícito no longa o que o personagem realmente enfrenta em seu drama pessoal, sendo explícito somente suas consequências no relacionamento com Violet.

De forma generalizada, o comportamento de Finch é definido como um “humor ruim”, quando na realidade vai bem além disso. É interessante pensar que recentemente ‘Modern Love’ conseguiu abordar de forma muito mais inteligente e responsável a bipolaridade em um episódio com pouco menos de 30 minutos enquanto ‘Por Lugares Incríveis’ leva quase duas horas para construir sua narrativa ainda equivocada.

Mesmo o final do personagem correspondendo ao livro adaptado, no longa temos a impressão que suas escolhas foram um mero problema narrativo sendo resolvido. Entretanto, essa ausência de Finch deixa muitas outras perguntas relacionadas a sua personalidade na cabeça do espectador no final do filme.

Como mais um melodrama adolescente, ‘Por Lugares Incríveis’ apresenta pouca originalidade se comparado com outras produções do mesmo gênero. Seu principal fator de diferenciação é justamente a discussão sobre transtornos mentais, suicídio e luto, a qual poderia ser muito mais rica e densa, porém fica presa ao medo de tornar-se totalmente irresponsável como já foi visto em outras produções do streaming.

‘Destruição Final: O Último Refúgio’: feijão com arroz do cinema catástrofe

O ator escocês Gerard Butler parece ser boa gente, alguém com quem poderia ser legal tomar uma cerveja e bater papo. E também parece ser um sujeito que realmente gosta de trabalhar com cinema. Mas... o cara só faz filme ruim, não há como relevar isso. Sério,...

‘Babenco – Alguém Tem Que Ouvir o Coração e Dizer: Parou’: Bárbara Paz faz retrato honesto de um dos grandes

Em um dos momentos mais íntimos de “Babenco - Alguém Tem Que Ouvir o Coração e Dizer: Parou”, ele e Bárbara Paz, sua companheira (e diretora deste documentário), discutem sobre o uso da expressão “baseado em fatos”. Ele defende, ela refuta e diz que um filme...

‘Bill & Ted – Encare a Música’: nostalgia pura em diversão despretensiosa

Lembram-se do Bill e do Ted? No passado, eles viveram duas divertidas e malucas aventuras cinematográficas que tinham tudo para dar errado, mas acabaram funcionando e se tornando inesperados sucessos graças a roteiros que aliavam besteirol e criatividade, e à química...

‘Rosa e Momo’: Sophia Loren desvia de clichês para brilhar na Netflix

Sophia Loren, um ícone da história do cinema, retorna as telas depois de seis anos. A última aparição havia sido em “Voce umana”, produção dirigida por Edoardo Ponti, seu filho e também diretor de “Rosa e Momo”, longa-metragem disponível na Netflix que traz a estrela...

‘O Que Ficou Para Trás’: terror inteligente sobre fantasmas internos

O filme de terror O Que Ficou para Trás, do diretor estreante Remi Weekes e lançado na Netflix, é um exemplar do gênero que usa os sustos e elementos sobrenaturais para tecer um hábil comentário social sobre o problema mundial da imigração. Isso não é algo novo:...

‘Cicada’: delicado romance marcado por traumas masculinos

Com uma poderosa abordagem sobre traumas masculinos, "Cicada" é um corajoso drama que aponta Matthew Fifer como uma nova voz do cinema queer dos EUA. O filme de Fifer e Kieran Mulcare, que estreou no Festival Outfest em Los Angeles e foi exibido no Festival de Londres...

‘Ammonite’: um cansativo sub-‘Retrato de uma Jovem em Chamas’

Depois do sucesso de seu primeiro longa, "O Reino de Deus", Francis Lee torna a apostar em um romance LGBT em sua nova produção, "Ammonite". No entanto, as semelhanças entre os filmes acabam por aí. Mesmo contando com performances poderosas de Kate Winslet e Saoirse...

‘A Voz Humana’: Tilda Swinton hipnotiza em Almodóvar menor

Unindo dois titãs do cinema, "A Voz Humana" é um filme cuja primeira foto de bastidor já foi suficiente para quebrar a internet cinéfila. A visão do diretor espanhol Pedro Almodóvar ao lado da atriz britânica Tilda Swinton veio cheia de promessa e o curta - que...

‘A Metamorfose dos Pássaros’: carta de amor e libertação dos ancestrais

Falar de “A Metamorfose dos Pássaros” é abordar questões particulares que, ao mesmo tempo, são universais. Primeiro longa da carreira de Carolina Vasconcelos, este filme-ensaio, entre a ficção, o documentário e o experimental, conta uma história de amor por meio de...

‘About Endlessness’: Roy Andersson convida público a admirar a vida

Pode parecer absurdo que um filme vigoroso de 76 minutos ouse ser intitulado "About Endlessness" (“Sobre o Infinito”, em tradução literal). Sendo este um filme de Roy Andersson (“Um Pombo Pousou num Galho Refletindo sobre a Existência”), alguém poderia ser perdoado...