Com toda repercussão negativa de séries como ‘13 Reasons Why’ e ‘You’, a Netflix apostou em outra atração jovem sobre transtornos mentais e, mais uma vez, foi na direção errada. Tudo bem, ‘Por Lugares Incríveis’ não chega ao mesmo nível de irresponsabilidade que as outras produções citadas, porém, sua falta de atenção com o fator diferencial em sua história o torna mais um longa esquecível de seu gênero.

Sendo uma adaptação do livro homônimo, o filme apresenta a jovem Violet Markey (Elle Fanning) superando o luto pela morte de sua irmã até Theodore Finch (Justice Smith) aparecer em sua vida. A convivência com o rapaz logo a faz descobrir problemas pessoais que podem colocar em risco o relacionamento de ambos.  

Com uma dupla protagonista carismática o longa aposta em um visual marcante para destacar todos os lugares incríveis pelos quais eles passam. Neste sentido, a direção de fotografia é muito importante para fazer com que seus personagens sejam parte daquele cenário, correspondendo muito bem à mensagem final do longa.

Aproveitando o ritmo lento e quase maçante, o roteiro consegue mostrar o desenvolvimento gradual do relacionamento de ambos, sem parecer forçado ou fruto de situações convenientes. Já a trilha sonora faz tudo sozinha muitas vezes que o filme perde a criatividade apelando para cenas repetitivas do casal. O mesmo acontece com seus diálogos, os quais reforçam principalmente a falta de habilidade em lidar com a complexidade apresentada por Finch.

Abordagem irresponsável

Apesar de possuir a autora do livro, Jennifer Niven, como uma das roteiristas, a produção apresenta uma sequência de negligências ao tratar de Finch e seu transtorno de bipolaridade. Isto ocorre principalmente pois em nenhum momento fica explícito no longa o que o personagem realmente enfrenta em seu drama pessoal, sendo explícito somente suas consequências no relacionamento com Violet.

De forma generalizada, o comportamento de Finch é definido como um “humor ruim”, quando na realidade vai bem além disso. É interessante pensar que recentemente ‘Modern Love’ conseguiu abordar de forma muito mais inteligente e responsável a bipolaridade em um episódio com pouco menos de 30 minutos enquanto ‘Por Lugares Incríveis’ leva quase duas horas para construir sua narrativa ainda equivocada.

Mesmo o final do personagem correspondendo ao livro adaptado, no longa temos a impressão que suas escolhas foram um mero problema narrativo sendo resolvido. Entretanto, essa ausência de Finch deixa muitas outras perguntas relacionadas a sua personalidade na cabeça do espectador no final do filme.

Como mais um melodrama adolescente, ‘Por Lugares Incríveis’ apresenta pouca originalidade se comparado com outras produções do mesmo gênero. Seu principal fator de diferenciação é justamente a discussão sobre transtornos mentais, suicídio e luto, a qual poderia ser muito mais rica e densa, porém fica presa ao medo de tornar-se totalmente irresponsável como já foi visto em outras produções do streaming.

Onde foram parar e por que os filmes de cassino sumiram das telonas?

De filmes de ação a dramas, há grandes clássicos do cinema e títulos dos anos 90 e 2000 que destacam os poderosos cassinos, particularmente os encontrados nos Estados Unidos. Não há um brasileiro que não se lembre de pelo menos dois filmes que destacavam os luxuosos...

‘O Canto do Cisne’: não funciona como romance nem como sci-fi

À primeira vista, “O Canto do Cisne” engana bem: Mahershala Ali e Naomie Harris com a excelência de sempre e ainda com Glenn Close e Awkwafina como coadjuvantes de luxo, um visual atrativo pela modernidade clean do design de produção e do cenário principal...

‘Apresentando os Ricardos’: Sorkin racionaliza demais universo das sitcoms

Lucille Ball quer um lar. E ele definitivamente não vai ser construído em um cinema cerebral demais como o de Aaron Sorkin. “Apresentando os Ricardos”, nova investida dele na direção, é um retrato sem o brilho que fez de Ball a estrela mais assistida da TV dos Estados...

‘Não Olhe Para Cima’: sátira caminha por trilha segura em críticas

Quando “House of Cards” estreou na Netflix em fevereiro de 2013 chocou uma (ingênua) parcela do público sobre como o coração da política norte-americana poderia ser tão ardiloso e baixo. Era época de um suposto idealismo democrático com Barack Obama, primeiro...

‘Matrix Resurrections’: Lana Wachowski recorda o valor do risco em Hollywood

Se “Matrix” encontra paralelos diretos em “Metrópolis” ou “Blade Runner” dentro do universo de distopias e ficções científicas, pode-se dizer que “Matrix Resurrections” está mais próximo de obras como “Crepúsculo dos Deuses” ou “O Jogador” como análise ácida e...

‘Belfast’: Kenneth Branagh retorna à infância em filme singelo

Vários diretores, ao longo da história do cinema, fizeram filmes baseados em suas próprias vidas. Gente graúda, como François Truffaut (Os Incompreendidos), Federico Fellini (Amarcord) ou Ingmar Bergman (Fanny & Alexander), para citar só alguns dos mais marcantes....

‘A Mão de Deus’: Sorrentino navega no (bom) exagero em filme familiar

As relações familiares são o ponto de partida de “A mão de Deus”, novo filme do diretor italiano Paolo Sorrentino (“A Grande Beleza”). O protagonista da trama é Fábio Schisa (Filippo Scotti), um adolescente que vive com os pais e dois irmãos mais velhos na Nápoles dos...

‘Homem-Aranha: Sem Volta Para Casa’: a maturidade chega a Peter Parker

Com três intérpretes diferentes, o Homem-Aranha é o herói mais replicado no cinema (ao menos no século XXI). E é claro que a cada nova saga do herói a expectativa é sempre de superação, mas, mesmo sob essa pressão, em 2017, Tom Holland conseguiu se consagrar como...

‘Encontros’: Riz Ahmed faz o que pode em sci-fi morna

Riz Ahmed vem se consolidando como um dos melhores e mais interessantes atores de Hollywood no momento. O cara até agora não deu uma bola fora e, em alguns casos, até elevou algumas produções. Foi merecidamente indicado ao Oscar de Melhor Ator por O Som do Silêncio...

‘Imperdoável: drama condenado ao artificialismo

Em “Imperdoável”, Sandra Bullock interpreta Ruth Slater, uma ex-presidiária condenada por um crime violento que busca reconstruir sua vida após 20 anos na cadeia. Acompanhamos sua história a partir do primeiro dia livre, enquanto é aconselhada por Vincent Cross (Rob...