O quão longe você iria para ter o amor de alguém? Existem escrúpulos na busca pela vida perfeita com quem se ama? Esses são alguns questionamentos levantados pela minissérie da Netflix ‘Por trás de seus olhos’. Baseada no romance homônimo de Sarah Pinborough, a produção utiliza o casamento desgastado de David (Tom Bateman) e Adele (Eve Hewson) para tornar tais indagações mais palpáveis e dar uma guinada em sua trama. Sendo um thriller psicológico inicialmente, a produção lentamente se encaminha a um drama sobrenatural, lidando muito bem com os dois gêneros mesmo quando certas incongruências no roteiro saltam à vista. 

Apesar da trama começar a partir do casal David e Adele, ‘Por trás de seus olhos’ tem como fio condutor a visão de Louise (Simona Brown), uma mãe solteira que se esforça para criar o filho Adam (Tyler Howitt). Por acaso, ela conhece David, um psiquiatra novo na região, se envolvendo romanticamente com ele. Com uma coincidência anormal, Louise se torna amiga de Adele, vivendo uma vida dupla ao conhecer os dois lados do casamento e, também, dos segredos envolvendo o casal. 

Uma série completa 

Além de lidar bem com o suspense e plots twists, é possível perceber que “Por Trás de Seus Olhos” volta cada aspecto seu a desenvolver bem o mistério sobre Adele e David. Desde a forma como a história é contada até os posicionamentos de câmera e, principalmente, a montagem da série ajudam muito a contar a história desejada pelo criador Steve Lightfoot, conhecido por trabalhar como produtor executivo em ‘Hannibal’ e ‘O Justiceiro’. 

Começando pela base, o roteiro da série lida habilmente com poucos episódios para contar uma trama com linhas temporais diversas, a qual busca dar densidade à história dos personagens principais. Sim, existem furos no roteiro no decorrer da série e alguns difíceis de não serem notados, porém, mesmo com defeitos, o roteiro consegue desempenhar a habilidade de conduzir a trama de forma não óbvia e, ao mesmo tempo, ser inteligível e uma ótima história a ser acompanhada. 

Toda atmosfera de suspense também está presente no visual da série, principalmente na direção de fotografia que opta por cenas majoritariamente escuras. Nesse aspecto, os ângulos de câmera são muito importantes para a principal reviravolta da série (só por esses pequenos detalhes vale a pena reassistir a produção para notar essas escolhas). Da mesma forma, a montagem é primordial para que o público consiga acolher a transição de uma trama mais cética para algo fantasioso e sobrenatural. Já nos últimos três episódios onde o personagem Rob (Robert Aramayo) é aprofundado, existe um constante aparecimento de Adele logo após as cenas do rapaz, deixando claro a ligação entre ambos. 

Entre o real e o imaginário  

Como qualquer thriller psicológico, a série começa focando nos traumas de Adele e em seu casamento com David, o que se estende para a vida de Louise e seu problema de sonambulismo. Assim, a primeira metade da temporada é toda baseada em conceitos da psicologia, mostrando inclusive métodos para Louise superar seu problema. Tanto o passado quanto o presente de Adele a consideram mentalmente instável devido ao trauma que passou, dando espaço para as cenas de administração de remédio e o próprio estudo de caso de Adele por David. 

Já na segunda parte da trama, o elemento sobrenatural toma conta do desfecho e é inserido de forma muito bem elaborada por Steve Lightfoot. Em diversas produções, quando é necessário mostrar visualmente algum evento sobrenatural é provável que isso leve a trama totalmente para o gênero de terror ou, do contrário, pareça amador ou tosco. Por isso, existe uma grande responsabilidade e êxito da série em adaptar tais momentos de forma que mantenha o suspense estabelecido e consiga representar a experiência descrita pelos personagens. 

Essa habilidade em lidar com diferentes gêneros é um bom diferencial para o seriado, pois consegue manter o interesse do público, mesmo não sendo fiel a proposta da sinopse – aquilo que atrai o espectador. Além de tudo isso, ‘Por trás de seus olhos’ tem uma ótima disposição de episódios e acaba se tornando o tradicional caso da produção a qual queremos acabar logo para descobrir o final, mas, ao mesmo tempo, não gostaríamos que terminasse tão cedo. 

‘Round 6’: novo e divertido sucesso made in Coreia do Sul

Depois de ‘Parasita’ ganhar o público e o Oscar de melhor filme em 2020, o mundo passou a olhar com mais atenção para as produções sul-coreanas no cinema. Atenta às tendências do mercado audiovisual, a Netflix anunciou um investimento de US$ 500 milhões na produção de...

‘Cenas de um Casamento’: releitura atualiza discussões e preserva caráter episódico do original

"Vou colecionar mais um sonetoOutro retrato em branco e pretoA maltratar meu coração"  É difícil pensar em escrever qualquer análise-ou-crítica-ou-chame-do-que-quiser de "Cenas de um Casamento" (HBO, 2021) e não ter os pensamentos invadidos pela obra original - e...

‘Modern Love’ 2ª temporada: olhar amadurecido sobre as formas de amar

Recomenda-se que esse texto seja lido com a trilha sonora de John Carney. Quando você relembra seus relacionamentos marcantes, que memórias lhe vem à mente? Que músicas e sensações atingem seus sentidos a ponto de soltar um sorriso imperceptível ou o coração apertar...

‘As Filhas de Eva’: a sedutora serpente chamada liberdade

Quem foi Eva? Segundo os escritos da Bíblia, foi a primeira mulher do Planeta Terra, nascida da costela de Adão, o primeiro homem. Enganada e seduzida pela serpente, come o fruto proibido e, como castigo para ambos, Deus enviou o caos à Terra. Esta é uma breve síntese...

‘Loki’: boa, porém desperdiçada, introdução ao multiverso Marvel

Após a excêntrica e divertida "Wandavision", a política e reflexiva "Falcão e o Soldado Invernal", a nova série da Marvel focada no Deus da Trapaça é uma ótima introdução para o que está por vir no Universo Cinematográfico Marvel (MCU). Entretanto, por conta do...

‘Elize Matsunaga – Era Uma Vez Um Crime’: misoginia brasileira escancarada

Duas coisas se destacam na minissérie “Elize Matsunaga: Era Uma Vez Um Crime”: o domínio patriarcal no Brasil e o estudo de personagem feito pela diretora Eliza Capai. A documentarista é responsável por produções que buscam investigar personagens femininas sem...

‘Dom’: história de amor paterno no meio do caos das drogas

Dom (2021), nova aposta da Amazon Prime, é uma série que desperta as mais diversas emoções. Livremente inspirado no romance homônimo escrito pelo titã Tony Belotto e também em O Beijo da Bruxa (2010), de Luiz Victor Lomba (pai do Pedro), a produção narra a história...

‘Solos’: minissérie joga fora todos seus promissores potenciais

A minissérie do Prime Video "Solos" busca se distanciar de comparações ao streaming concorrente. Para tanto, traz elementos de ficção científica e a relação da tecnologia com (e eventualmente versus) a humanidade em um futuro distópico. Nesse sentido, há uma...

‘Manhãs de Setembro’: Lineker encanta em busca pela independência

“Manhãs de Setembro” é uma série recém-lançada pelo Prime Vídeo e traz a cantora Liniker no papel da protagonista Cassandra, uma mulher trans que divide seu tempo como motogirl de um aplicativo de entrega e seu trabalho como cantora. Somos apresentados à personagem em...

‘Mare of Easttown’: Kate Winslet domina brilhante estudo de personagem

Mare Sheehan não encara um bom momento em sua vida. Ela é uma policial na faixa dos 40 anos na cidadezinha de Easttown, no estado americano da Pensilvânia, um daqueles locais onde todo mundo conhece todo mundo. Há cerca de um ano uma jovem desapareceu por lá, e Mare e...