Caro leitor, devo dizer que não sou muito fã de filmes de monstros, com exceção do belíssimo “Círculo de Fogo”, de Guilhermo Del Toro, que é uma mistura de gêneros. Obras de tubarão, crocodilo, cobra e gorilas nunca fizeram meus olhos brilharem apesar de reconhecer o mérito e a importância dessas produções. Porém, é preciso admitir que “Predadores Assassinos” (“Crawl”), a mais nova produção de monstros do cinema é um ótimo filme para os amantes do subgênero ou para aqueles que adoram uns bons sustos. O filme do cineasta francês Alexandre Aja (“Piranha 3D” e “Viagem Maldita”) empolga e diverte na mesma medida, entregando uma obra simples, mas completa em sua proposta de terror e desastres naturais com uma pitada de drama familiar.  

“Predadores Assassinos” conta a história da nadadora Haley Keller (Kaya Scodelario), que sai à procura do pai Dave Keller (Barry Paper) em sua cidade natal na Flórida, mesmo com o anúncio da chegada de um furacão. Ao chegar na casa, junto com a cadelinha Sugar, ela encontra o pai ferido no porão. Quando tenta socorrer Dave, Haley é atacada por um crocodilo e, aos poucos, terá que lidar com os monstros dentro das águas.  

O filme entrega momentos de verdadeira tensão, a qual todo momento cria a sensação que é realmente possível ver um dos personagens centrais morrer, dado o número de vezes em que são mordidos e machucados pelos crocodilos. O único defeito é que, em certo momento, o roteiro ignora a dor desses machucados graves, mas nada que atrapalhe a experiência.  

A boa direção de Alexandre Aja torna a trama crível, empolgante e concisa. “Predadores Assassinos” não dispensa os clichês, faz referência ao clássico “Tubarão” e busca reinventar a roda ou inovar no subgênero. Aja entrega um filme fiel em sua construção narrativa de terror de monstros, com ótimos sustos, momento de tensão, alívio, utilizando praticamente um único cenário, no caso, a casa da família de Haley. O espaço é explorado de maneira inteligente, com ótimas cenas, principalmente, a do banheiro. Muitas pessoas têm problema com ela, mas honestamente, certos gêneros fílmicos merecem a nossa capacidade de acreditar no inacreditável.  

TENSÃO CERTEIRA 

Com 1h30 de projeção, a montagem é eficiente, nenhuma cena acrescentada é sem sentido. Após a pequena apresentação da protagonista, as cenas seguintes são de pura ação, medo e suspense. Particularmente, o CGI não me incomoda. O roteiro dos irmãos Michael e Shawn Rasmussen não é profundo e cai em alguns diálogos bem piegas entre pai e filha em um momento que o diretor poderia ter escolhido o silêncio para criar uma atmosfera de horror. Mas estamos falando de um blockbuster que insiste em entregar tudo claro e simples ao seu público e, mais uma vez, não há nada de errado nisso.  

Aja utiliza de todos os artifícios narrativos disponíveis, desde a boa trilha sonora, a fotografia sombria, os planos detalhes são excelentes e as atuações são críveis. Muito deste mérito vai para atriz Kaya Scodelario. Ela que disse em entrevistas ter chegado a quebrar um dedo durante as gravações e fez questão de fazer a maior parte das cenas descalça, contribuiu bastante para construir uma personagem que sofre tanto com o drama familiar, a obsessão do pai pela natação quanto a tentativa de sobreviver a monstros velozes e cheio de dentes e ainda salvar o pai ferido.  

O que realmente incomoda é a conveniência do roteiro em fornecer uma explicação nada convincente para chegada dos animais ali. O diretor até tenta, colocando um outdoor logo no começo do filme avisando sobre os crocodilos, mas ainda é difícil de comprar a ideia. Devo acrescentar a “atuação” da cachorrinha Sugar (Cso-cso) que dá todo toque especial na trama com sua habilidade em ajudar a protagonista a encontrar seu dono, guiar um guarda e nadar para salvar a própria vida. Além de torcer pela vida de Harley e do pai, também cruzamos os dedos pela peludinha e pensamos “não mata o doguinho, diretor”.  

Filmes de monstros não foram feitos para serem uma reprodução do real. Eles são desenvolvidos para mexer com o medo, com as emoções de quem assiste, dando aquele impulso de segurar na cadeira e prender a respiração. A julgar pelo público na sala de cinema e a tensão das pessoas ao meu lado, “Predadores Assassinos” finaliza e deixa aquela sensação que o cinema de monstros ainda respira bem e devemos esperar com certa esperança as próximas boas produções. 

Dicas imperdíveis de Filmes de Terror para o Dia das Bruxas

“No Dia das Bruxas, todo mundo tem direito a um bom susto”, já dizia o xerife Brackett no clássico Halloween: A Noite do Terror (1978). Aqui no Brasil não celebramos Dia das Bruxas, mas podemos celebrar o terror no cinema. Então, encerrando o nosso Especial Terror de...

De ‘O Homem Invisível’ a ‘O Chalé’: o ano de 2020 para o terror

Neste artigo, vamos repassar um pouco sobre o que foi 2020 para o cinema de terror mundial, um ano em que a atividade cinematográfica enfrentou uma crise sem precedente em sua história. O terror sempre foi um dos gêneros mais resistentes – e lucrativos – do cinema, e...

‘A Tortura do Medo’: O Mais Cinematográfico dos Assassinos

Existem filmes que fazem com que a gente se divirta vendo cenas de assassinato e mutilação. Tudo bem, faz parte do acordo tácito do cinema, o de “comprarmos” a fantasia toda vez que entramos na sala escura ou damos “play” em casa. Existem também filmes que fazem com...

‘#Alive’ e ‘Host’: A dobradinha emblemática do horror em 2020

Dois filmes de terror, produzidos em parte diferentes do mundo, calharam de serem lançados mais ou menos na mesma época no fatídico ano de 2020, que está mais assustador que a grande maioria das produções de terror. Porém, ao se assistir a ambos, fica claro que...

Como o cinema de terror pode ajudar a lidar com as ansiedades de um ano terrível?

Permita-me uma reflexão, caro leitor. Este ano confesso que fiquei na dúvida se valia a pena fazer o tradicional Especial Terror do Cine Set, por algumas razões. Primeiro, porque por motivos de conflito de agenda, o eminente Danilo Areosa, meu querido amigo e parceiro...

Seis Filmes Para Conhecer o Cinema de José Mojica Marins, o Zé do Caixão

José Mojica Marins teve papel fundamental no meu amor pelo cinema de horror em dois momentos da minha vida: A primeira quando tinha 13 anos e passava as tardes assistindo o finado Cine Trash na rede Bandeirantes apresentado por ele. Ali, meu caráter e amor pelo horror...

José Mojica Marins: uma vida de resistência no cinema brasileiro

José Mojica Marins, o Zé do Caixão, faleceu neste dia 19 de fevereiro, devido a uma broncopneumonia. Tinha 83 anos e já estava com a saúde frágil há algum tempo, então essa notícia não é totalmente inesperada. Ainda assim, é um momento triste para o cinema e a cultura...

40 anos de ‘Zumbi 2 – A Volta dos Mortos-Vivos’: saga italiana do cinema zumbi

Em certo momento de Zumbi 2 – A Volta dos Mortos-Vivos é difícil você não coçar a cabeça e pensar que está diante de uma obra um tanto quanto “fora da casinha”, ensandecida, uma daquelas experiências únicas de pura diversão que só certos filmes italianos de horror com...

Podcast Cine Set #14 – Cinema Giallo: ‘Seis Mulheres Para o Assassino’

Outubro está chegando ao fim, mas ainda tem os últimos episódios do nosso Especial Terror aqui no podcast! Desta vez, nossos membros Danilo Areosa e Ivanildo Pereira se reúnem com a convidada Michelle Henriques, do Cine Varda. A conversa? Um bate-papo sobre o cinema...

35 anos de ‘A Hora do Pesadelo’ e o legado de Freddy Krueger

Quando estava assistindo a It: Capítulo 2 no cinema, vendo as “palhaçadas” do Pennywise, um pensamento me veio à mente. Algo que, aliás, já tinha me ocorrido quando vi o primeiro filme em 2017: “Puxa, o Freddy Krueger bem que podia processar o Pennywise, o cara tá...