O Amazonas é repleto de lendas folclóricas, oferecendo um potencial inestimável para produções culturais. Aproveitando essa bagagem regional que Izis Negreiros (“Santo Casamenteiro“) escreveu e dirigiu “Príncipe da Encantaria”.

A produção é inspirada em uma das lendas mais populares da região: o boto cor de rosa.  O que Negreiros faz é ampliar a visão que se tem do conto, trazendo outros elementos folclóricos para enriquecer a trama e a experiência visual do espectador. O curta-metragem, desse modo, reforça o imaginário e o realismo fantástico muito presente na literatura amazonense.

“Príncipe da Encantaria” acompanha uma avó e sua neta que passeiam pela praia e observam o rio. A senhora narra para a criança à história de Benito e Manu. Enquanto isso, as imagens intercalam entre a caminhada das duas e a narrativa contada em formato de animação. E é neste ponto que encontramos os melhores momentos da produção, os quais, entretanto, vêm acompanhados das falhas pontuais do filme.

Expansão visual da lenda

Visualmente “Príncipe da Encantaria” é belíssimo. Os planos utilizados na animação nos fazem mergulhar nas profundezas de um Solimões de tonalidade alaranjada.  No primeiro momento, isso pode ser estranho. Mas a coloração do rio remete tanto ao que se enxerga ao mergulhar de olhos abertos quanto ao pôr-do-sol na Amazônia.

Tal decisão é simbólica para a narrativa, afinal a escolha pela cor quente conduz a lembrança do calor encontrado na região. É possível notar como “Príncipe da Encantaria” explora isso, por exemplo, com a presença desse elemento visual em praticamente todas as cenas.

Como já foi dito, há muita beleza e bagagem cultural na animação. Isso se torna palpável quanto entramos em “Príncipe da Encantaria” e vemos que a figura dos cidadãos são os dos nossos mitos e lendas, abrindo espaço, para que se Negreiros quiser explorar um multiverso amazônida no futuro, seja plausível.

Som problemático

Ao desenvolver a lenda, o roteiro é cuidadoso em apresentar os personagens e seus dramas, no entanto, a montagem fragmentada torna a trama confusa e irregular. Parte disso se deve, também, ao fato de Manu e a neta serem interpretadas pela mesma atriz. Apenas no final da história é possível distinguir que não se trata do mesmo personagem. Acrescenta-se a isso a dificuldade de interpretação dos atores, ampliada na dublagem da animação que soa mais como uma leitura do que uma busca por características dos personagens.

Essa falha, no entanto, se torna mais perceptível à medida que se trava um duelo entre a dublagem e a trilha sonora, que se mostra presente na maior parte da projeção e impede em dados momentos – como a cena do encontro entre a Mãe das Águas e Benito – de compreender o diálogo que se trava. Isso prejudica bastante a experiência de assistir ao filme.

Apesar desses percalços, “Príncipe da Encantaria” consegue expor em linguagem acessível à cultura amazonense e aproveitar as lendas da região para construir um universo visual e reforçar o imaginário da região de forma humana e respeitosa.

‘Terra Nova’: o desamparo da arte e de uma cidade na pandemia

A pandemia do novo coronavírus impactou a sociedade brasileira como um todo. Mas, talvez um dos segmentos mais prejudicados tenha sido a produção cultural independente, que, em grande parte, dependia de plateias e aglomerações em espaços fechados. Soma-se isso a uma...

‘Graves e Agudos em Construção’: a transgressão esquecida do rock

‘O rock morreu?’ deve ser a pergunta mais batida da história da música. Nos dias atuais, porém, ela anda fazendo sentido, pelo menos, no Brasil, onde o gênero sumiu das paradas de sucessos e as principais bandas do país vivem dos hits de antigamente. Para piorar,...

À Beira do Gatilho’: primor na técnica e roteiro em segundo plano

Durante a cerimônia de premiação do Olhar do Norte 2020, falei sobre como Lucas Martins é um dos mais promissores realizadores audiovisuais locais ainda à espera de um grande roteiro. Seus dois primeiros curtas-metragens - “Barulhos” e “O Estranho Sem Rosto” -...

‘Jamary’: Begê Muniz bebe da fonte de ‘O Labirinto do Fauno’ em curta irregular

Primeiro trabalho na direção de curtas-metragens de Begê Muniz, conhecido por ser o protagonista de “A Floresta de Jonathas”, “Jamary” segue a trilha de obras infanto-juvenis do cinema amazonense como “Zana - O Filho da Mata”, de Augustto Gomes, e “Se Não”, de Moacyr...

‘O Buraco’: violência como linguagem da opressão masculina

Em vários momentos enquanto assistia “O Buraco”, novo filme de Zeudi Souza, ficava pensando em “Enterrado no Quintal”, de Diego Bauer. Os dois filmes amazonenses trazem como discussão central a violência doméstica. No entanto, enquanto “Enterrado” apresenta as...

‘No Dia Seguinte Ninguém Morreu’: a boa surpresa do cinema do Amazonas em 2020

“No Dia Seguinte Ninguém Morreu” é, sem dúvida, uma das mais gratas surpresas do cinema produzido no Amazonas nos últimos anos. Esta frase pode parecer daquelas bombásticas para chamar a sua atenção logo de cara, mas, quem teve a oportunidade de assistir ao...

‘O Estranho Sem Rosto’: suspense psicológico elegante fica no quase

Lucas Martins foi uma grata surpresa da Mostra do Cinema Amazonense de 2016 com “Barulhos”. Longe dos sustos fáceis, o curta de terror psicológico apostava na ambientação a partir de um clima de paranoia para trabalhar aflições sociais provenientes da insegurança...

‘Tucandeira’: Jimmy Christian faz melhor filme desde ‘Bodó com Farinha’

Fazia tempo que Jimmy Christian não entregava um curta tão satisfatório como ocorre agora com “Tucandeira”. O último bom filme do diretor e fotógrafo amazonense havia sido “Bodó com Farinha” (2015) sobre todo o processo de pesca, cozimento e importância do famigerado...

‘Jackselene’: simbólico curta na luta pelo aprendizado do audiovisual em Manaus

Sem uma faculdade ou escola de cinema regular desde o fechamento do curso técnico de audiovisual da Universidade do Estado do Amazonas após míseras duas turmas formadas, os aspirantes a cineastas em Manaus recorrem a iniciativas de curta duração. Artrupe, Centro...

‘A Ratoeira’: percepções sensoriais do calor e da cultura manauara

São muito variantes as percepções que se tem de “A Ratoeira”, curta de Rômulo Sousa (“Personas” e “Vila Conde”) selecionado para o Festival Guarnicê 2020. Em seu terceiro projeto como diretor, ele entrega uma obra que experimenta várias construções cinematográficas e...