Uma citação curiosa é dita durante o filme Privacidade Violada: “Dados podem ser usados como armas”. O documentário produzido e lançado pela Netflix com direção de Karin Amer e Jehane Noujaim analisa com precisão o recente escândalo da empresa de dados Cambridge Analytica, que usou dados pessoais (e na teoria, privados) de assinantes do Facebook para influenciar eleitores nos EUA e Inglaterra, colaborando assim para a eleição de Donald Trump e para a votação do Brexit, que fez a Inglaterra deixar a União Europeia.

Impossível não ficar com medo… O documentário é contado, principalmente, pelos pontos de vista de três figuras: a jornalista Carole Cadwalladr, que investigou e reportou o escândalo no The Guardian; o professor David Carroll, um cidadão comum que entrou na justiça para descobrir quais dados pessoais seus foram compartilhados pelo Facebook com a Cambridge Analytica, sem sua autorização; e Brittany Keiser, a curiosa profissional que começou na campanha de Obama e acabou no centro da divulgação do escândalo da CA, anos depois.

É assustador porque fica muito claro o modo como, para essas empresas, somos apenas produtos. Ou fontes de dados – usados como armas. Em determinado momento, vemos um vídeo institucional da Cambridge Analytica, na qual eles explicam seu processo, testado em pequenos países antes de ser aplicado nos EUA e na Inglaterra. Com os dados pessoais e analisando o perfil das pessoas no Facebook, eles conseguem determinar os “persuasíveis”, aqueles que ainda não decidiram em quem votar em qualquer eleição, e trabalham em cima deles entupindo-os de fake news para fazê-los votar contra ou a favor de determinado candidato. Parece familiar? Ora, é o mesmo processo que ocorreu aqui no Brasil – com o Whatsapp, no caso – que ajudou a eleger o nosso ilustre presidente, especialista em fake news e cocô, Jair Bolsonaro. Ele até aparece em determinado momento do filme, como mais um exemplo mundial do ataque virtual ao processo democrático de vários países.

INFORMAÇÃO COMO ARMA DE CONTRA-ATAQUE À MANIPULAÇÃO

Tudo isso é mostrado de modo bastante envolvente, com uma montagem fluida que alterna entre depoimentos, vídeos jornalísticos e momentos com seus protagonistas; efeitos bem colocados, e uma trilha sonora que não é intrusiva, mas ajuda a compor a emoção desejada pelos diretores Amer e Noujaim. Os realizadores de Privacidade Violada também são inteligentes o bastante para deixarem algumas conclusões a cargo do espectador. Por exemplo, eles não tentam explicar a estranha e meio esquizofrênica figura de Brittany Keiser, que detona o escândalo divulgando informações da Cambridge Analytica desmentindo seu chefe, Alexander Nix, que emerge do documentário como uma figura nefasta. Keiser é contraditória, uma pessoa inteligente que fez o proverbial “trato com o diabo”, mas, mesmo assim, em alguns momentos tenta pagar de vítima – Nix também, a propósito.

Outro que não sai nada bem do documentário é o criador e chefão do Facebook, Mark Zuckerberg, e a maioria das pessoas deve ter lembrança do seu depoimento com cara assustada no Congresso americano, no qual ele não convenceu ninguém quando tentou livrar sua empresa no envolvimento da violação de privacidade de milhares dos seus clientes. Privacidade Violada deve, no mínimo, fazer você repensar seu relacionamento com as redes sociais, especialmente o Facebook.

De todos os personagens do documentário, o mais relatável é mesmo Carroll, que fez algo que qualquer cidadão do mundo com perfil no Facebook poderia fazer: exigir que tal corporação faça jus aos seus próprios termos de segurança, se puder.  É dele a constatação no documentário de que não se pode viver sem as redes sociais, mas é preciso estar atento e vigilante, e desconfiar de tudo veiculado nelas. É preciso estar com medo, sim: medo nos deixa alertas. Mesmo assim, é triste perceber como os acontecimentos recentes na política mundial põem em dúvida se ainda é possível realmente ter confiança na democracia.

Porém, existe também o medo num nível mais básico e microscópico: é muito triste e terrível ver como o ser humano pode ser tão facilmente manipulável. Gostamos de nos ver como especiais e diferenciados, mas será que somos mesmo? Ou alguém, em alguma empresa de tecnologia da informação, já classificou a todos nós em meia dúzia de categorias (se tanto), e já sabe que “armas” usar contra nós, para nos fazer pender para este lado ou aquele?  Privacidade Violada é um filme necessário para os nossos tempos, e não só para cidadãos norte-americanos ou britânicos, e é com informação que se pode contra-atacar, criar armas para nos defender também.

‘Spencer’: Kristen Stewart luta em vão contra filme maçante

Em "Spencer", Kristen Stewart se junta ao clube de atrizes - que inclui Naomi Watts (“Diana”) e Emma Corrin (“The Crown”) - que se lançaram ao desafio de retratar a Princesa Diana. A atriz traz uma energia caótica à personagem e a coloca no caminho de uma quase certa...

‘O Garoto Mais Bonito do Mundo’ e o dilema da beleza

Morte em Veneza, o filme do diretor italiano Luchino Visconti lançado em 1971 e baseado no livro de Thoman Mann, é sobre um homem tão apaixonado, tão obcecado pela beleza que presencia diariamente, que acaba destruindo a si próprio por causa disso. E essa beleza, no...

‘Venom: Tempo de Carnificina’: grande mérito é ser curto

Se alguém me dissesse que existe um filme com Tom Hardy, Michelle Williams, Naomie Harris e Woody Harrelson, eu logo diria que tinha tudo para ser um filmaço, porém, estamos falando de “Venom: Tempo de Carnificina” e isso, infelizmente, é autoexplicativo. A...

‘A Casa Sombria’: ótimo suspense de desfecho duvidoso

Um dos grandes destaques do Festival de Sundance do ano passado, "A Casa Sombria", chegou aos cinemas brasileiros após mais de um ano de seu lançamento. Sob a direção de David Bruckner (responsável por dirigir o futuro reboot de "Hellraiser"), o longa é um bom exemplo...

‘Free Guy’: aventura mostra bom caminho para adaptação de games

Adaptar o mundo dos jogos para as telonas é quase uma receita fadada ao fracasso. Inúmeros são os exemplos: "Super Mario Bros", "Street Fighter", "Tomb Raider: A Origem" e até o mais recente "Mortal Kombat" não escapou de ser uma péssima adaptação. Porém, quando a...

‘A Taça Quebrada’: a angustiante jornada de um fracassado

Não está fácil a vida de Rodrigo: músico sem grande sucesso, ele não aceita a separação da esposa ocorrida há dois anos (sim, 2 anos!) muito menos o novo relacionamento dela, além de sofrer com a distância do filho e de ver o trio morar na casa que precisou deixar. E...

‘Halloween Kills: O Terror Continua’: fanservice não segura filme sem avanços

Assim como ocorreu com Halloween (2018), a sensação que se tem ao final da sua sequência, Halloween Kills: O Terror Continua, é de... decepção. O filme dirigido por David Gordon Green que reviveu a icônica franquia de terror no aniversário de 40 anos do clássico...

‘Flee’: a resiliência de um refugiado afegão em animação brilhante

A vida de um refugiado é o foco de "Flee", filme exibido no Festival de Londres deste ano depois de premiadas passagens nos festivais de Sundance (onde estreou) e Annecy. A produção norueguesa é uma tocante história de sobrevivência que transforma um passado...

‘Batman: O Cavaleiro das Trevas’, o filme que mudou Hollywood

Em 2008, dois filmes mudaram os rumos de Hollywood. Foi o ano em que o cinema de super-heróis passou para o próximo nível e espectadores pelo mundo todo sentiram esse abalo sísmico. O Marvel Studios surgiu com Homem de Ferro, um espetáculo divertido, ancorado por...

‘After the Winter’: drama imperfeito sobre amizades e os novos rumos de um país

"After the Winter", longa de estreia do cineasta Ivan Bakrač, é uma ode à amizade e ao amadurecimento. A co-produção Montenegro-Sérvia-Croácia, que teve sua première mundial na seção Leste do Oeste do Festival Internacional de Cinema de Karlovy Vary deste ano, retrata...