Uma citação curiosa é dita durante o filme Privacidade Violada: “Dados podem ser usados como armas”. O documentário produzido e lançado pela Netflix com direção de Karin Amer e Jehane Noujaim analisa com precisão o recente escândalo da empresa de dados Cambridge Analytica, que usou dados pessoais (e na teoria, privados) de assinantes do Facebook para influenciar eleitores nos EUA e Inglaterra, colaborando assim para a eleição de Donald Trump e para a votação do Brexit, que fez a Inglaterra deixar a União Europeia.

Impossível não ficar com medo… O documentário é contado, principalmente, pelos pontos de vista de três figuras: a jornalista Carole Cadwalladr, que investigou e reportou o escândalo no The Guardian; o professor David Carroll, um cidadão comum que entrou na justiça para descobrir quais dados pessoais seus foram compartilhados pelo Facebook com a Cambridge Analytica, sem sua autorização; e Brittany Keiser, a curiosa profissional que começou na campanha de Obama e acabou no centro da divulgação do escândalo da CA, anos depois.

É assustador porque fica muito claro o modo como, para essas empresas, somos apenas produtos. Ou fontes de dados – usados como armas. Em determinado momento, vemos um vídeo institucional da Cambridge Analytica, na qual eles explicam seu processo, testado em pequenos países antes de ser aplicado nos EUA e na Inglaterra. Com os dados pessoais e analisando o perfil das pessoas no Facebook, eles conseguem determinar os “persuasíveis”, aqueles que ainda não decidiram em quem votar em qualquer eleição, e trabalham em cima deles entupindo-os de fake news para fazê-los votar contra ou a favor de determinado candidato. Parece familiar? Ora, é o mesmo processo que ocorreu aqui no Brasil – com o Whatsapp, no caso – que ajudou a eleger o nosso ilustre presidente, especialista em fake news e cocô, Jair Bolsonaro. Ele até aparece em determinado momento do filme, como mais um exemplo mundial do ataque virtual ao processo democrático de vários países.

INFORMAÇÃO COMO ARMA DE CONTRA-ATAQUE À MANIPULAÇÃO

Tudo isso é mostrado de modo bastante envolvente, com uma montagem fluida que alterna entre depoimentos, vídeos jornalísticos e momentos com seus protagonistas; efeitos bem colocados, e uma trilha sonora que não é intrusiva, mas ajuda a compor a emoção desejada pelos diretores Amer e Noujaim. Os realizadores de Privacidade Violada também são inteligentes o bastante para deixarem algumas conclusões a cargo do espectador. Por exemplo, eles não tentam explicar a estranha e meio esquizofrênica figura de Brittany Keiser, que detona o escândalo divulgando informações da Cambridge Analytica desmentindo seu chefe, Alexander Nix, que emerge do documentário como uma figura nefasta. Keiser é contraditória, uma pessoa inteligente que fez o proverbial “trato com o diabo”, mas, mesmo assim, em alguns momentos tenta pagar de vítima – Nix também, a propósito.

Outro que não sai nada bem do documentário é o criador e chefão do Facebook, Mark Zuckerberg, e a maioria das pessoas deve ter lembrança do seu depoimento com cara assustada no Congresso americano, no qual ele não convenceu ninguém quando tentou livrar sua empresa no envolvimento da violação de privacidade de milhares dos seus clientes. Privacidade Violada deve, no mínimo, fazer você repensar seu relacionamento com as redes sociais, especialmente o Facebook.

De todos os personagens do documentário, o mais relatável é mesmo Carroll, que fez algo que qualquer cidadão do mundo com perfil no Facebook poderia fazer: exigir que tal corporação faça jus aos seus próprios termos de segurança, se puder.  É dele a constatação no documentário de que não se pode viver sem as redes sociais, mas é preciso estar atento e vigilante, e desconfiar de tudo veiculado nelas. É preciso estar com medo, sim: medo nos deixa alertas. Mesmo assim, é triste perceber como os acontecimentos recentes na política mundial põem em dúvida se ainda é possível realmente ter confiança na democracia.

Porém, existe também o medo num nível mais básico e microscópico: é muito triste e terrível ver como o ser humano pode ser tão facilmente manipulável. Gostamos de nos ver como especiais e diferenciados, mas será que somos mesmo? Ou alguém, em alguma empresa de tecnologia da informação, já classificou a todos nós em meia dúzia de categorias (se tanto), e já sabe que “armas” usar contra nós, para nos fazer pender para este lado ou aquele?  Privacidade Violada é um filme necessário para os nossos tempos, e não só para cidadãos norte-americanos ou britânicos, e é com informação que se pode contra-atacar, criar armas para nos defender também.

‘The World to Come’: romance pautado pela dor e pelo que está por vir

Tem algumas dores capazes de destruir qualquer relação. De forma semelhante, há aquelas que unem os cacos e são capazes de libertar. Mais do que um drama queer de época, “The World To Come” fala sobre essas lesões emocionais, pautado, especialmente, na solidão e como...

‘Veneza’: o sonho como antítese da pesada realidade

A certa altura de Veneza, novo filme de Miguel Falabella, uma das personagens, após assistir a uma apresentação teatral num circo, diz a um dos atores da trupe: “a história não é de verdade, mas eu sempre choro”. De certa forma, essa fala resume a obra: Veneza é um...

‘Awake’: thriller de ficção científica perdido e sem propósito

Um filme como “Awake” poderia ser classificado como um thriller de ficção científica, mas que não é bom nem em ser thriller e muito menos em ter alguma base científica relevante na sua trama. Se você quer uma experiência de tensão real ou uma narrativa envolvente, com...

‘Espiral: O Legado de Jogos Mortais’: série pela hora da morte

Na primeira década dos anos 2000, os multiplexes do mundo foram, por um bom tempo, assombrados por pôsteres assustadores que mostravam pés decepados e outros horrores nos seus salões de entrada. E dentro das salas, se podiam ver cenas com gente usando máscaras de...

‘Missão Cupido’: comédia sobrenatural para não se levar a sério

Se eu acreditasse em astrologia, diria que o Brasil está passando por um inferno astral. E, nesses momentos, nada como dar umas risadas descomprometidas para aliviar a tensão. Essa é a proposta de Ricardo Bittencourt ("Real – O Plano por Trás da História") em "Missão...

‘Invocação do Mal 3’: James Wan faz falta no pior filme da franquia

James Wan é um cara esperto, um cineasta inteligente e talentoso, que não fez nenhuma obra-prima, mas também não realizou nenhum filme ruim até agora. No seu trabalho dentro do gênero terror, ele não reinventou a roda, mas soube dar uma bela polida nela, trazendo seu...

‘Anônimo’: Bob Odenkirk surpreende como herói improvável

Na história do cinema, isso sempre aconteceu: um filme de certo gênero aparece, traz alguma inovação ou inaugura uma tendência, faz sucesso e, por algum tempo, vira o padrão dentro deste gênero. Tubarão (1975) deu origem a um subgênero de filmes abilolados de tubarões...

‘Cruella’: fúria punk e figurinos luxuosos comandam diversão

Durante a minha infância, tínhamos o costume de nos reunir aos finais de semana para assistir filmes de animação. Foi assim que vi (e decorei as músicas) dos clássicos da Disney. Com o tempo, os gêneros foram mudando, mas as lembranças desses momentos permaneceram....

‘Rogai por Nós’: CGI e roteiro capenga derrubam terror

Em algum lugar dentro de Rogai por Nós, suspense sobrenatural da produtora Ghost House de Sam Raimi e dirigido pelo estreante Evan Spiliotopoulos, tem uma interessante história sobre fé, crenças e o mistério que cerca a nossa existência. Porém, essa mesma história é...

‘Aqueles que me Desejam a Morte’: clichês por todos os cantos

Aqueles que Me Desejam a Morte, o novo projeto da estrela Angelina Jolie e do diretor/roteirista Taylor Sheridan, começa com a protagonista da história no meio de uma situação bem dramática... E aí ela acorda. Era tudo um sonho e sabemos que aquele momento representou...