Com uma vasta carreira dirigindo curtas-metragens, a australiana Natalie Erika James finalmente fez sua estreia à frente de um longa com o terror psicológico ‘Relíquia’. Protagonizado por Emily Mortimer (“A Livraria”), a produção possui o abandono familiar e o envelhecimento como temáticas principais e, a partir disso, desenvolve o drama por meio de elementos comuns ao gênero de terror. Desta forma, a diretora não segue pelo caminho óbvio com cenas conflituosas a todo instante e, muito menos, cai nas armadilhas do terror com jump scares: Natalie James recria um cenário quase surreal para englobar o público em suas simbologias e abordar um tema tão recorrente e negligenciado.

“Relíquia” acompanha o retorno de Kay (Emily Mortimer) e sua filha Sam (Bella Heathcote) à casa da matriarca Edna (Robyn Nevin), a qual apresenta sumiços e descuidos frequentes. Inicialmente, a narrativa paira entre a possível demência de Edna, sendo incluídos elementos sobrenaturais sobre si e sua família posteriormente.

Logo em na cena de abertura, ‘Relíquia’ se apresenta como um filme extremamente sensorial: vemos a casa alagando enquanto Edna, nua e estática, é iluminada lentamente por luzes natalinas. O incômodo contraste demorado inicial dita o ritmo do filme, transitando entre cenas despretensiosas e momentos totalmente relevantes. Além do jogo na iluminação permanecer frequente por meio das inúmeras velas esculpidas por Edna, o som é muito bem aproveitado, não somente pela tradição de silêncio e barulho do terror, mas, por servir uma ampla ambientação da trama. Assim como o cenário, as personagens também são beneficiadas pela atenção especial da edição de som na captação de assobios, trejeitos e até mesmo seus passos.

Uma história familiar

Sem apelar para sustos previsíveis, a narrativa acostuma o espectador aos poucos com sua despretensão, dando a entender a existência de uma temática mais importante que seus mistérios aparentemente sobrenaturais. Desde o princípio, “Relíquia” deixa claro a presença da trama familiar e maternal, porém, o claro distanciamento de Edna torna este desenvolvimento menos explícito que o esperado.

Porém, após exibir habilmente o quebra-cabeça de pistas sobre sua trama, Natalie James prepara um desfecho surpreendente dentro do possível e, o melhor de tudo, extremamente significativo. Embora a temática sobre abandono e envelhecimento esteja presente em todo o filme com a descredibilização de Edna por Kay e Sam, o final dado a trajetória das três personagens reafirma o enfoque do longa e passa uma mensagem para seu público de forma sincera, acessível e condizente.  

Não, ‘Relíquia’ não é um filme extraordinário que vai “explodir mentes” ou fazer você pensar em seu desfecho durante vários dias, mas, na verdade, se trata de uma narrativa bem pensada e relevante. Sua construção e planejamento de cenas mantém a atmosfera de terror presente e muito bem aproveitada sem esquecer sua temática principal, a qual tem como grande benefício ser altamente simbólica, mas, ao mesmo tempo, nem um pouco burocrática de se entender.

‘Era uma vez um Sonho’: filme atualiza definição de insuportável

Era Uma Vez um Sonho é um filme sobre a importância da família. Até aí tudo bem, o cinema explora esse tema praticamente desde que se consolidou como forma de narrativa. Mas, ao final do filme, a sensação mais forte que fica é a de pensar “puxa, ainda bem que essas...

‘Nosso Amor’: romance sensível aborda câncer de mama de forma realista

Conhecido principalmente por protagonizar filmes de ação como a franquia ‘Busca Implacável’, Liam Neeson aproveita o seu destaque no drama ‘Nosso Amor’ para entregar uma atuação emocionante ao lado de Lesley Manville (indicada ao Oscar de Melhor Atriz Coadjuvante por...

‘The Glorias’: a jornada universal das mulheres

“Viajar é a única educação”. Inquieta, desafiadora e sagaz. Embora essas três palavras não sejam o suficiente para descrever Gloria Steinem, elas podem nos dar uma visão norteadora de uma das vozes do movimento feminista norte-americano. Jornalista e ativista social,...

‘Destruição Final: O Último Refúgio’: feijão com arroz do cinema catástrofe

O ator escocês Gerard Butler parece ser boa gente, alguém com quem poderia ser legal tomar uma cerveja e bater papo. E também parece ser um sujeito que realmente gosta de trabalhar com cinema. Mas... o cara só faz filme ruim, não há como relevar isso. Sério,...

‘Babenco – Alguém Tem Que Ouvir o Coração e Dizer: Parou’: Bárbara Paz faz retrato honesto de um dos grandes

Em um dos momentos mais íntimos de “Babenco - Alguém Tem Que Ouvir o Coração e Dizer: Parou”, ele e Bárbara Paz, sua companheira (e diretora deste documentário), discutem sobre o uso da expressão “baseado em fatos”. Ele defende, ela refuta e diz que um filme...

‘Bill & Ted – Encare a Música’: nostalgia pura em diversão despretensiosa

Lembram-se do Bill e do Ted? No passado, eles viveram duas divertidas e malucas aventuras cinematográficas que tinham tudo para dar errado, mas acabaram funcionando e se tornando inesperados sucessos graças a roteiros que aliavam besteirol e criatividade, e à química...

‘Rosa e Momo’: Sophia Loren desvia de clichês para brilhar na Netflix

Sophia Loren, um ícone da história do cinema, retorna as telas depois de seis anos. A última aparição havia sido em “Voce umana”, produção dirigida por Edoardo Ponti, seu filho e também diretor de “Rosa e Momo”, longa-metragem disponível na Netflix que traz a estrela...

‘O Que Ficou Para Trás’: terror inteligente sobre fantasmas internos

O filme de terror O Que Ficou para Trás, do diretor estreante Remi Weekes e lançado na Netflix, é um exemplar do gênero que usa os sustos e elementos sobrenaturais para tecer um hábil comentário social sobre o problema mundial da imigração. Isso não é algo novo:...

‘Cicada’: delicado romance marcado por traumas masculinos

Com uma poderosa abordagem sobre traumas masculinos, "Cicada" é um corajoso drama que aponta Matthew Fifer como uma nova voz do cinema queer dos EUA. O filme de Fifer e Kieran Mulcare, que estreou no Festival Outfest em Los Angeles e foi exibido no Festival de Londres...

‘Ammonite’: um cansativo sub-‘Retrato de uma Jovem em Chamas’

Depois do sucesso de seu primeiro longa, "O Reino de Deus", Francis Lee torna a apostar em um romance LGBT em sua nova produção, "Ammonite". No entanto, as semelhanças entre os filmes acabam por aí. Mesmo contando com performances poderosas de Kate Winslet e Saoirse...