Com uma vasta carreira dirigindo curtas-metragens, a australiana Natalie Erika James finalmente fez sua estreia à frente de um longa com o terror psicológico ‘Relíquia’. Protagonizado por Emily Mortimer (“A Livraria”), a produção possui o abandono familiar e o envelhecimento como temáticas principais e, a partir disso, desenvolve o drama por meio de elementos comuns ao gênero de terror. Desta forma, a diretora não segue pelo caminho óbvio com cenas conflituosas a todo instante e, muito menos, cai nas armadilhas do terror com jump scares: Natalie James recria um cenário quase surreal para englobar o público em suas simbologias e abordar um tema tão recorrente e negligenciado.

“Relíquia” acompanha o retorno de Kay (Emily Mortimer) e sua filha Sam (Bella Heathcote) à casa da matriarca Edna (Robyn Nevin), a qual apresenta sumiços e descuidos frequentes. Inicialmente, a narrativa paira entre a possível demência de Edna, sendo incluídos elementos sobrenaturais sobre si e sua família posteriormente.

Logo em na cena de abertura, ‘Relíquia’ se apresenta como um filme extremamente sensorial: vemos a casa alagando enquanto Edna, nua e estática, é iluminada lentamente por luzes natalinas. O incômodo contraste demorado inicial dita o ritmo do filme, transitando entre cenas despretensiosas e momentos totalmente relevantes. Além do jogo na iluminação permanecer frequente por meio das inúmeras velas esculpidas por Edna, o som é muito bem aproveitado, não somente pela tradição de silêncio e barulho do terror, mas, por servir uma ampla ambientação da trama. Assim como o cenário, as personagens também são beneficiadas pela atenção especial da edição de som na captação de assobios, trejeitos e até mesmo seus passos.

Uma história familiar

Sem apelar para sustos previsíveis, a narrativa acostuma o espectador aos poucos com sua despretensão, dando a entender a existência de uma temática mais importante que seus mistérios aparentemente sobrenaturais. Desde o princípio, “Relíquia” deixa claro a presença da trama familiar e maternal, porém, o claro distanciamento de Edna torna este desenvolvimento menos explícito que o esperado.

Porém, após exibir habilmente o quebra-cabeça de pistas sobre sua trama, Natalie James prepara um desfecho surpreendente dentro do possível e, o melhor de tudo, extremamente significativo. Embora a temática sobre abandono e envelhecimento esteja presente em todo o filme com a descredibilização de Edna por Kay e Sam, o final dado a trajetória das três personagens reafirma o enfoque do longa e passa uma mensagem para seu público de forma sincera, acessível e condizente.  

Não, ‘Relíquia’ não é um filme extraordinário que vai “explodir mentes” ou fazer você pensar em seu desfecho durante vários dias, mas, na verdade, se trata de uma narrativa bem pensada e relevante. Sua construção e planejamento de cenas mantém a atmosfera de terror presente e muito bem aproveitada sem esquecer sua temática principal, a qual tem como grande benefício ser altamente simbólica, mas, ao mesmo tempo, nem um pouco burocrática de se entender.

Olhar de Cinema 2022: ‘A Censora’, de Peter Kerekes

Dirigido por Peter Kerekes, “A Censora” aborda o dia a dia de uma penitenciária feminina em Odessa, cidade ucraniana. Misturando documentário e ficção, o filme tem como personagem principal Lesya (Maryna Klimova), jovem que recentemente deu à luz ao primeiro filho,...

Olhar de Cinema 2022: ‘O Trio em Mi Bemol’, de Rita Azevedo Gomes

Um casal de ex-amantes discute o passado e futuro de sua relação. A amizade e companheirismo que restaram sustentam os incômodos e ciúmes que surgiram? Um diretor em crise com seu novo filme discute com seus atores quais rumos a obra deve tomar. Eles serão capazes de...

‘Spiderhead’: algoritmo da Netflix a todo vapor com filme esquecível

“Spiderhead” é o novo filme da Netflix e, do ponto de vista de marketing, possui elementos ótimos para a equipe de “Promos” do streaming vender aos seus assinantes: dois nomes em alta graças ao sucesso de “Top Gun: Maverick”, o ator Miles Teller e o diretor Joseph...

Olhar de Cinema 2022: ‘Garotos Ingleses’, de Marcus Curvelo

É preciso coragem para utilizar o humor para tratar de temas violentos. Primeiro porque a comédia em si é um gênero geralmente visto (de forma equivocada) com um pé atrás, fazendo-se necessário um uso exemplar de suas possibilidades. Segundo, porque a tentativa de...

‘Arremessando Alto’: carta de amor de Adam Sandler ao basquete

A parceria Adam Sandler/Netflix permanece intacta. Desde que o ator e comediante assinou contrato com a plataforma, a produtora Happy Madison concebeu uma considerável safra de comédias com boa audiência no streaming. “Arremessando Alto” é a aposta da vez.  No papel...

‘RRR’: épico indiano dá aulas em extravagância fílmica

Já virou certo clichê entre a parcela ocidental da crítica cinematográfica a comparação entre “RRR” e os blockbusters hollywoodianos. Hollywood, dizem os críticos, deveria voltar sua atenção às terras ao leste do globo, porque “RRR” os deixa no chinelo em termos de...

‘Aline – A Voz do Amor’: tudo o que ‘Bohemian Rhapsody’ não é

“Um ficção livremente inspirada na vida de Céline Dion”. A história da cantora imortalizada por ser a intérprete de "My Heart Will Go On", a canção-tema de "Titanic", chega aos cinemas pelas mãos e na figura de Valérie Lemecier, também canadense como a sua retratada....

‘Amigo Secreto’: a força do jornalismo investigativo contra os abusos da Lava-Jato

Uma frase convencional é de que toda arte é política. Embora seja um clichê para produtores culturais progressistas, é preciso concordar quando a mente por trás do projeto é Maria Augusta Ramos. Responsável por produções como “O Processo” e “Juízo”, a cineasta expõe...

‘Lightyear’: luta em vão da Pixar contra fantasma de si mesma

Aqui vai uma história trágica: o estúdio que, outrora lar para verdadeiros artesãos que laboravam arduamente em suas narrativas, completamente alheios às pressões do mundo exterior, hoje se desvanece pouco a pouco, aparentemente corrompido pela influência de sua...

‘Ilusões Perdidas’: tratado sobre o deslumbre do homem

Em uma sociedade em que há divisão de classes entre burguesia e proletários, pobres e ricos, desigualdades sociais, intelectuais, culturais e patrimoniais, nunca haverá de fato um território democrático. O histórico da sociedade nos diz muito sobre ela mesma: é um...