Com uma vasta carreira dirigindo curtas-metragens, a australiana Natalie Erika James finalmente fez sua estreia à frente de um longa com o terror psicológico ‘Relíquia’. Protagonizado por Emily Mortimer (“A Livraria”), a produção possui o abandono familiar e o envelhecimento como temáticas principais e, a partir disso, desenvolve o drama por meio de elementos comuns ao gênero de terror. Desta forma, a diretora não segue pelo caminho óbvio com cenas conflituosas a todo instante e, muito menos, cai nas armadilhas do terror com jump scares: Natalie James recria um cenário quase surreal para englobar o público em suas simbologias e abordar um tema tão recorrente e negligenciado.

“Relíquia” acompanha o retorno de Kay (Emily Mortimer) e sua filha Sam (Bella Heathcote) à casa da matriarca Edna (Robyn Nevin), a qual apresenta sumiços e descuidos frequentes. Inicialmente, a narrativa paira entre a possível demência de Edna, sendo incluídos elementos sobrenaturais sobre si e sua família posteriormente.

Logo em na cena de abertura, ‘Relíquia’ se apresenta como um filme extremamente sensorial: vemos a casa alagando enquanto Edna, nua e estática, é iluminada lentamente por luzes natalinas. O incômodo contraste demorado inicial dita o ritmo do filme, transitando entre cenas despretensiosas e momentos totalmente relevantes. Além do jogo na iluminação permanecer frequente por meio das inúmeras velas esculpidas por Edna, o som é muito bem aproveitado, não somente pela tradição de silêncio e barulho do terror, mas, por servir uma ampla ambientação da trama. Assim como o cenário, as personagens também são beneficiadas pela atenção especial da edição de som na captação de assobios, trejeitos e até mesmo seus passos.

Uma história familiar

Sem apelar para sustos previsíveis, a narrativa acostuma o espectador aos poucos com sua despretensão, dando a entender a existência de uma temática mais importante que seus mistérios aparentemente sobrenaturais. Desde o princípio, “Relíquia” deixa claro a presença da trama familiar e maternal, porém, o claro distanciamento de Edna torna este desenvolvimento menos explícito que o esperado.

Porém, após exibir habilmente o quebra-cabeça de pistas sobre sua trama, Natalie James prepara um desfecho surpreendente dentro do possível e, o melhor de tudo, extremamente significativo. Embora a temática sobre abandono e envelhecimento esteja presente em todo o filme com a descredibilização de Edna por Kay e Sam, o final dado a trajetória das três personagens reafirma o enfoque do longa e passa uma mensagem para seu público de forma sincera, acessível e condizente.  

Não, ‘Relíquia’ não é um filme extraordinário que vai “explodir mentes” ou fazer você pensar em seu desfecho durante vários dias, mas, na verdade, se trata de uma narrativa bem pensada e relevante. Sua construção e planejamento de cenas mantém a atmosfera de terror presente e muito bem aproveitada sem esquecer sua temática principal, a qual tem como grande benefício ser altamente simbólica, mas, ao mesmo tempo, nem um pouco burocrática de se entender.

‘King Richard: Criando Campeãs’: a filosofia de Will Smith com todos seus vícios e virtudes

Há alguns anos, o astro Will Smith explicou o motivo de ter recusado o papel de protagonista no sucesso Django Livre (2012), de Quentin Tarantino. A estrela afirmou que “o único jeito de fazê-lo seria se fosse uma história de amor, não de vingança”. Bem,...

‘Earwig’: fábula dark de incapaz de envolver o público

A vida de uma menina peculiar, um homem atormentado e uma garçonete em apuros se entrelaçam em "Earwig", novo filme da francesa Lucile Hadžihalilović (“Inocência”, “Évolution”). O longa, que teve estreia em Toronto e premiada passagem em San Sebastián, foi exibido no...

‘Ferida’: Halle Berry tenta, mas, não sai de fórmulas batidas

Ferida, estrelado e dirigido pela atriz Halle Berry – marcando sua estreia como diretora – é um filme igual à sua protagonista: sincero, mas errático; intenso, mas também disperso. A produção da Netflix busca contar um drama humano dentro do universo do MMA e, com...

‘Deserto Particular’: a solidão como companheira

A solidão que a gente carrega e que nos carrega também. “Deserto Particular” é um filme sobre espaços e tempo. Logo na abertura, Daniel (Antônio Saboia) corre de noite em meio a uma rua vazia, enquanto ouvimos uma narração do protagonista direcionada a alguém que ele...

‘Tick, Tick… Boom!’: Lin-Manuel Miranda dribla resistências ao musical em grande filme

Seja no cinema ou no teatro, não conhecer ‘Rent – Os Boêmios’ e muito menos ter se emocionado ao som de ‘Seasons of Love’ é algo extremamente difícil para quem gosta de musicais. A partir dessa prerrogativa, ‘Tick Tick... Boom!’ trata-se de uma grande homenagem a esse...

‘Um Herói’: o melhor filme de Asghar Farhadi desde ‘O Passado’

Um conto-da-carochinha com desdobramentos épicos é a força-motriz de "Um Herói", novo drama de Asghar Farhadi. O longa foi exibido no Festival de Londres deste ano após estreia em Cannes, onde levou o Grand Prix - o segundo prêmio mais prestigiado do evento. Escolhido...

‘Blue Bayou’: sobre pertencer e se identificar a um lugar

Antonio Leblanc (Justin Chon) mora em Nova Orleans há 30 anos, é casado, tem uma filha adotiva e a esposa está grávida de mais uma menina. Ainda assim, o sul-coreano corre risco de ser deportado mesmo que tenha sido adotado aos 3 anos de idade por um casal...

‘Benedetta’: Verhoeven leva sexo a convento em sátira religiosa

Paul Verhoeven (“Elle”, “Tropas Estelares”), está de volta - e continua em excelente forma. Seu mais novo filme, Benedetta, exibido no Festival de Londres deste ano após sua estreia em Cannes, vê o diretor holandês empregando sua verve cáustica à serviço de uma...

‘The Electrical Life of Louis Wain’: cinebiografia típica de encanto singelo

The Electrical Life of Louis Wain é a história de um sujeito peculiar, contada daquele modo excentricamente britânico de cinema. A produção do Amazon Studios é um filme que surpreende, porque inicialmente pode-se até abordá-lo com um pouco de cansaço. Afinal, vários...

‘Finch’: Tom Hanks emociona em sci-fi à la ‘Naúfrago’

Uma road trip no fim do mundo com um cachorro e dois robôs para conversar – é isso que Tom Hanks dispõe para emocionar o público em ‘Finch’. Sabendo que o ator consegue entregar um bom desempenho mesmo ao lado de objetos inanimados, como ocorreu em ‘Náufrago’, o...