Pesadelo. Eis uma boa palavra para definir este caos vivido desde o início da pandemia da COVID-19. Trancados em casa, somos rondados pelo temor da morte, vendo familiares, amigos ou conhecidos caindo lentamente em um martírio sufocante. Mas, será que este inferno não é a tônica de milhões de pessoas ao longo de uma vida independente do caos na saúde pública? A maior atriz brasileira da atualidade, Grace Passô, nos questiona sobre isso no fantástico curta-metragem “República”, gravado durante a quarentena da primeira onda em um apartamento no bairro da República, em São Paulo.  

No filme dirigido, roteirizado e protagonizado por Grace, acompanhamos uma mulher sendo despertada com uma ligação telefônica. Do outro lado da linha, uma pessoa informa uma notícia perturbadora. Durante bons minutos não sabemos exatamente qual o teor da informação, mas, a reação incrédula da protagonista nos coloca diante de um angustiante mistério, solucionado apenas quando ela liga para mãe: o Brasil não existe; tudo não passa de um sonho de um xamã, o qual pode acordar a qualquer momento. 

Com ecos dos protestos pela morte de George Floyd e da mortalidade crescente entre negros no Brasil por conta da pandemia pela falta de assistência básica nas unidades de saúde, “República” ecoa o desejo de fuga semelhante ao visto em “Inabitável”, filmaço da dupla Enock Carvalho e Matheus Farias. Diante de um país historicamente opressor às minorias e agravado por conta do horror de um presidente negacionista, homofóbico e racista, o susto inicial da protagonista confunde-se lentamente com uma sensação de alívio do fim. Por que lamentar o fim do pesadelo do racismo, da injustiça social, da perseguição do Estado através da polícia?  

A câmera de Wilssa Esser alimenta este contexto de sufocamento ao se manter sempre próxima de Gracê ampliando a dimensão das descobertas e dos sentimentos, enquanto o fluxo de informações e o trabalho de som desenvolvidos deixa a tensão no ponto máximo. O jogo proposto, porém, se torna ainda mais denso a partir da metade final quando Grace quebra tudo visto até ali e coloca o próprio cinema e a si mesma neste caótico universo disruptivo. 

“República” se torna uma obra simbólica de um inferno persistente marcado por repressão, violência e racismo. Tudo em forma de pesadelo. 

‘Pig’: Nicolas Cage em estado de graça em filme intrigante

Que filme curioso e interessante é este Pig, dirigido pelo estreante Michael Sarnoski. É aquele tipo de produção em que você realmente não sabe para onde a história vai, não sabe se ri ou se chora e sua abordagem minimalista o afasta de outros tipos de filmes com os...

‘Verão de 85’: agridoce romance gay cai em velhas armadilhas do gênero

Ah, o primeiro amor. Tem coisa mais fascinante, impulsiva e intensa que um primeiro amor? É um sentimento que toma conta da alma, da pele. Transborda sensações, energiza e ressignifica o que é viver.  Sempre haverá o antes e depois de um primeiro amor. Em uma...

‘Space Jam 2: Um Novo Legado’: perdido na nostalgia e sem saber seu público

Confesso que dificilmente consigo ser fisgada pela nostalgia. Dito isto, este elemento pode até ser o grande fator de atração de “Space Jam 2: Um Novo Legado” ao lado dos easter eggs, mas não é o suficiente para segurar a trama. Somos convidados a embarcar com LeBron...

‘A Última Carta de Amor’: Jojo Moyes em adaptação de altos e baixos

Lançamento da Netflix, “A última carta de amor” é um romance baseado no livro da escritora britânica Jojo Moyes, que já possui outro livro adaptado para os cinemas, “Como eu era antes de você", de 2016. A autora inclusive também é uma das produtoras do filme....

‘O Sétimo Dia’: policial com terror fica longe de combinar em filme fraco

Uma das belezas do cinema de gênero é perceber como, às vezes, roteiristas e cineastas espertos conseguem criar combinações que, à primeira vista, podem parecer impossíveis de funcionar em conjunto, mas funcionam. Ora, Todo Mundo Quase Morto (2004) é uma...

‘Caros Camaradas’: a desintegração do comunismo soviético

A primeira coisa que você deve saber acerca de “Caros Camaradas” é que estamos diante de um filme forte, necessário e que ainda se apropria de causas hoje presentes estruturados em uma sociedade desigual. Dito isso, vamos ao filme. “Caros Camaradas” narra um momento...

Trilogia ‘Rua do Medo’: diversão rasa, nostálgica e descartável

Séries de TV têm sido um dos pilares fundamentais na consolidação global da Netflix como o maior serviço de streaming do mundo. Boas, ótimas ou ruins, vindas de diversas partes do mundo, não importa: sempre podemos contar com a produção serializada de TV como parte...

‘Viúva Negra’: o pior filme da Marvel em muitos anos

Durante muito tempo, os fãs das produções da Marvel Studios pediam por um filme solo da heroína Viúva Negra. A estrela Scarlett Johansson também queria fazer. Para quem deseja entender um pouco dos meandros de Hollywood e esclarecer porque o filme da Viúva não saiu,...

‘Nem Um Passo em Falso’: Soderbergh perdido no próprio estilo

Steven Soderbergh é um cineasta, no mínimo, curioso. Seu primeiro filme, Sexo, Mentiras e Videotape (1989) mudou os rumos do cinema independente norte-americano quando saiu – e é, de fato, um grande filme. Ao longo dos anos, ele ganhou Oscar de direção por Traffic...

‘Um Lugar Silencioso 2’: ponte com dias atuais mirando futuro da franquia

“Um Lugar Silencioso” foi um dos meus filmes favoritos de 2018. A ambientação, o uso de recursos sonoros e a narrativa capaz de gerar tantas leituras e interpretações foram aspectos determinantes para a catarse causada e suscitar indagações quanto a necessidade de uma...