Pesadelo. Eis uma boa palavra para definir este caos vivido desde o início da pandemia da COVID-19. Trancados em casa, somos rondados pelo temor da morte, vendo familiares, amigos ou conhecidos caindo lentamente em um martírio sufocante. Mas, será que este inferno não é a tônica de milhões de pessoas ao longo de uma vida independente do caos na saúde pública? A maior atriz brasileira da atualidade, Grace Passô, nos questiona sobre isso no fantástico curta-metragem “República”, gravado durante a quarentena da primeira onda em um apartamento no bairro da República, em São Paulo.  

No filme dirigido, roteirizado e protagonizado por Grace, acompanhamos uma mulher sendo despertada com uma ligação telefônica. Do outro lado da linha, uma pessoa informa uma notícia perturbadora. Durante bons minutos não sabemos exatamente qual o teor da informação, mas, a reação incrédula da protagonista nos coloca diante de um angustiante mistério, solucionado apenas quando ela liga para mãe: o Brasil não existe; tudo não passa de um sonho de um xamã, o qual pode acordar a qualquer momento. 

Com ecos dos protestos pela morte de George Floyd e da mortalidade crescente entre negros no Brasil por conta da pandemia pela falta de assistência básica nas unidades de saúde, “República” ecoa o desejo de fuga semelhante ao visto em “Inabitável”, filmaço da dupla Enock Carvalho e Matheus Farias. Diante de um país historicamente opressor às minorias e agravado por conta do horror de um presidente negacionista, homofóbico e racista, o susto inicial da protagonista confunde-se lentamente com uma sensação de alívio do fim. Por que lamentar o fim do pesadelo do racismo, da injustiça social, da perseguição do Estado através da polícia?  

A câmera de Wilssa Esser alimenta este contexto de sufocamento ao se manter sempre próxima de Gracê ampliando a dimensão das descobertas e dos sentimentos, enquanto o fluxo de informações e o trabalho de som desenvolvidos deixa a tensão no ponto máximo. O jogo proposto, porém, se torna ainda mais denso a partir da metade final quando Grace quebra tudo visto até ali e coloca o próprio cinema e a si mesma neste caótico universo disruptivo. 

“República” se torna uma obra simbólica de um inferno persistente marcado por repressão, violência e racismo. Tudo em forma de pesadelo. 

‘Censor’: memória como processo de edição e censura

"Censor", longa de estreia de Prano Bailey-Bond, é um terror com completo controle de sua atmosfera feito sob medida para agradar fãs do gênero. O filme, que estreou na seção Meia-Noite do Festival de Sundance e foi exibido na mostra Panorama da Berlinale deste ano, é...

‘Mortal Kombat’: duas horas de praticamente nada

Ah, Hollywood, você não aprende... Não deveria ser tão difícil assim fazer um filme ao menos legal baseado no game Mortal Kombat. Mas pelo visto é. Numa nota pessoal, já joguei algumas versões do game ao longo das décadas, em diferentes plataformas. Mortal Kombat...

‘Passageiro Acidental’: sci-fi vazia por roteiro preguiçoso

Comunidade, sobrevivência e sacrifício. Sobre essas três temáticas orbita a narrativa de “Passageiro Acidental”, novo filme do brasileiro de Joe Penna (“Ártico”) disponível na Netflix. Acompanhamos uma equipe que parte em uma missão de dois anos para Marte; no...

‘What Do We See When We Look at the Sky?’: minúcias da vida levadas à exaustão

O céu, escadas, pontes, um rio, pessoas andando, cachorros e muito, mas muito futebol. Essas são algumas das coisas que os espectadores de "What Do We See When We Look in the Sky?" têm a chance de ver por longos períodos de tempo durante o filme, que estreou na mostra...

‘Petite Maman’: delicado filme adulto sobre a infância

Depois de ganhar fama mundial com seu melhor filme e abandonar publicamente a maior premiação de seu país natal, o que você faria? A diretora francesa Céline Sciamma voltou logo ao trabalho. Ela agora retorna com “Petite Maman”, menos de dois anos depois de seu último...

‘Vozes e Vultos’: Amanda Seyfreid sai de ‘Mank’ para bomba

A Netflix é muito boa em fazer propaganda enganosa... Quem for assistir ao trailer da sua produção "Vozes e Vultos" imagina, logo antes de apertar “play” no filme, que vai ver um terror ou, ao menos, um suspense, algo intenso. Nada mais longe da verdade: o longa...

‘O Homem que Vendeu Sua Pele’: leveza demais faz ficar na superfície bons temas

O maior mérito de O Homem que Vendeu Sua Pele, da cineasta tunisiana Kaouther Ben Hania, é o ato de malabarismo que ele realiza ao longo da sua duração: O filme consegue, ao mesmo tempo, ser uma sátira ao mundo da arte, lançar um olhar tocante sobre o problema dos...

‘Mission Ulja Funk’: aventura infantil defende a ciência e ataca fanatismo religioso

Uma aventura juvenil divertida e necessária contra o fundamentalismo religioso, “Mission Ulja Funk” é uma das surpresas da Berlinale deste ano. A co-produção Alemanha-Luxemburgo-Polônia, exibida na mostra Generation Kplus do evento cinematográfico, tem muito carisma e...

‘Agora Estamos Vivos’: grande vazio emocional e de conceitos

O que você faria se fosse a última pessoa na Terra? É com essa perspectiva que Reed Morano (“The Handmaid’s Tale”) arquiteta seu novo filme: “Agora Estamos Sozinhos”. Disponível no Prime Vídeo, a trama traz um mundo pós-apocalíptico intimista habitado por Peter...

‘Una Escuela en Cerro Hueso’: pequena pérola argentina sobre autismo

Um filme delicado sobre adaptação e superação, “Una Escuela em Cerro Hueso” é um drama argentino que chama a atenção para o autismo sem apelar para reducionismos. Exibido na mostra Generation Kplus do Festival de Berlim deste ano, onde ganhou uma menção especial do...