Em algum lugar dentro de Rogai por Nós, suspense sobrenatural da produtora Ghost House de Sam Raimi e dirigido pelo estreante Evan Spiliotopoulos, tem uma interessante história sobre fé, crenças e o mistério que cerca a nossa existência. Porém, essa mesma história é assombrada por um espírito maligno, o do filme de terror clichezento e repleto de computação gráfica duvidosa, e quando esse espírito possui a narrativa, o resultado fica desastroso.

O que é uma pena porque Rogai por Nós começa até bem: vemos cenas breves do sacrifício de uma bruxa no século XIX, com direito a máscara pregada no rosto – uma referência rápida, mas legal, à A Maldição do Demônio (1960) de Mario Bava. A narrativa então pula para os nossos dias, quando conhecemos o repórter Gerry Fenn (interpretado por Jeffrey Dean Morgan), que costumava trabalhar para um jornal respeitável, mas atualmente só caça notícias bizarras para um site meia-boca. Numa cidadezinha da Nova Inglaterra, Fenn literalmente topa com uma garota surda-muda (Cricket Brown) que, de repente, começa a falar e a realizar milagres numa pequena igreja próxima. Ela se diz um instrumento da Virgem Maria. Esse fenômeno começa a ficar famoso, e a Igreja lança uma investigação sobre ele. Mas Fenn, aos poucos e com a ajuda de uma médica (Katie Aselton), passa a suspeitar que algo mais sinistro esteja ocorrendo. O filme é baseado no livro “Shrine” do autor James Herberts, publicado em 1983.

O tom inicial do filme não é muito distante do de um episódio de Arquivo X ou até de Millennium, primeiramente se concentrando na atmosfera e na investigação do fenômeno, e também no seu protagonista dúbio, um sujeito descrente que quer usar a história apenas para dar uma alavancada na carreira. E nesse trecho inicial, o elenco carrega a experiência de modo consistente e admirável: Morgan está bem como sempre, assim como Brown; a presença do sempre competente character actor William Sadler como o padre da igrejinha é bem-vinda, e Aselton também demonstra boa química com o protagonista, numa dinâmica “quase Scully e Mulder”.

NEM EXORCISMO DÁ JEITO

Porém, quanto mais o filme avança, mais os problemas narrativos vão ficando evidentes. Os próprios Scully e Mulder teriam resolvido o mistério do longa em apenas 45 minutos, e não perdido tempo com padres canastrões (vividos por Diogo Morgado e Cary Elwes, que coincidentemente, também participou de alguns episódios de Arquivo X) que tentam fazer as vezes de antagonistas até o vilão de fato se revelar. Talvez por se tratar de uma história originalmente pensada nos anos 1980, é interessante notar como a tecnologia atual é pouco explorada em Rogai por Nós ou como os heróis demoram a fazer uma simples pesquisa na internet para descobrir o que está realmente acontecendo com a garota milagreira. Só de vez em quando, como numa breve menção aos vídeos da garota viralizando, ou num ocasional comentário de Fenn, é que os roteiristas parecem se lembrar de que o filme se passa mesmo no nosso presente.

E quando a verdadeira vilã demoníaca do filme começa a dar as caras, é aí que o longa vai de vez para a sepultura. Trazida à vida (ou quase) via computação gráfica, ela lembra visualmente mais um dos Nazgûl de O Senhor dos Anéis do que uma figura tradicional com olhos vermelhos e chifres. Mas o CGI do filme é muito esquisito, muito fraco… É como se o estúdio Sony e a Ghost House tivessem tido pouca verba ou pouco tempo (ou os dois, talvez) para apresentar algo mais convincente e impactante. A certa altura de Rogai por Nós, um personagem pega fogo e o espectador é testemunha de algumas das chamas digitais menos convincentes da história recente dos efeitos visuais hollywoodianos.

Vários filmes já comprovaram que terror e computação gráfica não combinam, e Rogai por Nós é mais um. Além disso, jump scares começam a se tornar frequentes, irritando o espectador com sons altos na trilha e aparições-relâmpago de coisas feias, e o longa se conclui com uma tentativa de catequizar, ao que parece, com uma cena meio embaraçosa que nem Jeffrey Dean Morgan consegue fazer funcionar.

Sobre ele, é verdade que Morgan é um ótimo ator, mas é também um notório azarado quando tenta fazer terror ou suspense no cinema – até hoje nenhum projeto com ele nesses gêneros ficou sequer bom. Rogai por Nós só se soma à lista, o que é lamentável, pois, no seu início o filme até traz à baila umas ideias interessantes sobre a fé e como ela pode ser usada por oportunistas. Claro que nenhum desses debates é aprofundado, e o diretor Spiliotopoulos – cuja pouca experiência deve ter pesado aqui – acaba até atuando contra a mensagem que quer passar ao transformar o próprio filme em algo oportunista, uma obra de tom religioso disfarçada de terror. Ele também se contenta em seguir a trilha batida dos clichês e dos jump scares, aliados a efeitos visuais muito fracos. O diabo realmente está nos detalhes, ou melhor, na qualidade dos pixels que o compõem, em Rogai por Nós, e nesse caso nem exorcismo dá jeito.

‘The World to Come’: romance pautado pela dor e pelo que está por vir

Tem algumas dores capazes de destruir qualquer relação. De forma semelhante, há aquelas que unem os cacos e são capazes de libertar. Mais do que um drama queer de época, “The World To Come” fala sobre essas lesões emocionais, pautado, especialmente, na solidão e como...

‘Veneza’: o sonho como antítese da pesada realidade

A certa altura de Veneza, novo filme de Miguel Falabella, uma das personagens, após assistir a uma apresentação teatral num circo, diz a um dos atores da trupe: “a história não é de verdade, mas eu sempre choro”. De certa forma, essa fala resume a obra: Veneza é um...

‘Awake’: thriller de ficção científica perdido e sem propósito

Um filme como “Awake” poderia ser classificado como um thriller de ficção científica, mas que não é bom nem em ser thriller e muito menos em ter alguma base científica relevante na sua trama. Se você quer uma experiência de tensão real ou uma narrativa envolvente, com...

‘Espiral: O Legado de Jogos Mortais’: série pela hora da morte

Na primeira década dos anos 2000, os multiplexes do mundo foram, por um bom tempo, assombrados por pôsteres assustadores que mostravam pés decepados e outros horrores nos seus salões de entrada. E dentro das salas, se podiam ver cenas com gente usando máscaras de...

‘Missão Cupido’: comédia sobrenatural para não se levar a sério

Se eu acreditasse em astrologia, diria que o Brasil está passando por um inferno astral. E, nesses momentos, nada como dar umas risadas descomprometidas para aliviar a tensão. Essa é a proposta de Ricardo Bittencourt ("Real – O Plano por Trás da História") em "Missão...

‘Invocação do Mal 3’: James Wan faz falta no pior filme da franquia

James Wan é um cara esperto, um cineasta inteligente e talentoso, que não fez nenhuma obra-prima, mas também não realizou nenhum filme ruim até agora. No seu trabalho dentro do gênero terror, ele não reinventou a roda, mas soube dar uma bela polida nela, trazendo seu...

‘Anônimo’: Bob Odenkirk surpreende como herói improvável

Na história do cinema, isso sempre aconteceu: um filme de certo gênero aparece, traz alguma inovação ou inaugura uma tendência, faz sucesso e, por algum tempo, vira o padrão dentro deste gênero. Tubarão (1975) deu origem a um subgênero de filmes abilolados de tubarões...

‘Cruella’: fúria punk e figurinos luxuosos comandam diversão

Durante a minha infância, tínhamos o costume de nos reunir aos finais de semana para assistir filmes de animação. Foi assim que vi (e decorei as músicas) dos clássicos da Disney. Com o tempo, os gêneros foram mudando, mas as lembranças desses momentos permaneceram....

‘Aqueles que me Desejam a Morte’: clichês por todos os cantos

Aqueles que Me Desejam a Morte, o novo projeto da estrela Angelina Jolie e do diretor/roteirista Taylor Sheridan, começa com a protagonista da história no meio de uma situação bem dramática... E aí ela acorda. Era tudo um sonho e sabemos que aquele momento representou...

‘Cine Marrocos’: experiência artística e social em meio à marginalização

"Maldito é o homem que confia nos homens, que faz da humanidade mortal a sua força, mas cujo coração se afasta do Senhor”. É com Jeremias 17:5 que o morador do Cine Marrocos, Valter Machado, introduz o espectador em uma experiência encantadora aonde qualquer pessoa...