Em algum lugar dentro de Rogai por Nós, suspense sobrenatural da produtora Ghost House de Sam Raimi e dirigido pelo estreante Evan Spiliotopoulos, tem uma interessante história sobre fé, crenças e o mistério que cerca a nossa existência. Porém, essa mesma história é assombrada por um espírito maligno, o do filme de terror clichezento e repleto de computação gráfica duvidosa, e quando esse espírito possui a narrativa, o resultado fica desastroso.

O que é uma pena porque Rogai por Nós começa até bem: vemos cenas breves do sacrifício de uma bruxa no século XIX, com direito a máscara pregada no rosto – uma referência rápida, mas legal, à A Maldição do Demônio (1960) de Mario Bava. A narrativa então pula para os nossos dias, quando conhecemos o repórter Gerry Fenn (interpretado por Jeffrey Dean Morgan), que costumava trabalhar para um jornal respeitável, mas atualmente só caça notícias bizarras para um site meia-boca. Numa cidadezinha da Nova Inglaterra, Fenn literalmente topa com uma garota surda-muda (Cricket Brown) que, de repente, começa a falar e a realizar milagres numa pequena igreja próxima. Ela se diz um instrumento da Virgem Maria. Esse fenômeno começa a ficar famoso, e a Igreja lança uma investigação sobre ele. Mas Fenn, aos poucos e com a ajuda de uma médica (Katie Aselton), passa a suspeitar que algo mais sinistro esteja ocorrendo. O filme é baseado no livro “Shrine” do autor James Herberts, publicado em 1983.

O tom inicial do filme não é muito distante do de um episódio de Arquivo X ou até de Millennium, primeiramente se concentrando na atmosfera e na investigação do fenômeno, e também no seu protagonista dúbio, um sujeito descrente que quer usar a história apenas para dar uma alavancada na carreira. E nesse trecho inicial, o elenco carrega a experiência de modo consistente e admirável: Morgan está bem como sempre, assim como Brown; a presença do sempre competente character actor William Sadler como o padre da igrejinha é bem-vinda, e Aselton também demonstra boa química com o protagonista, numa dinâmica “quase Scully e Mulder”.

NEM EXORCISMO DÁ JEITO

Porém, quanto mais o filme avança, mais os problemas narrativos vão ficando evidentes. Os próprios Scully e Mulder teriam resolvido o mistério do longa em apenas 45 minutos, e não perdido tempo com padres canastrões (vividos por Diogo Morgado e Cary Elwes, que coincidentemente, também participou de alguns episódios de Arquivo X) que tentam fazer as vezes de antagonistas até o vilão de fato se revelar. Talvez por se tratar de uma história originalmente pensada nos anos 1980, é interessante notar como a tecnologia atual é pouco explorada em Rogai por Nós ou como os heróis demoram a fazer uma simples pesquisa na internet para descobrir o que está realmente acontecendo com a garota milagreira. Só de vez em quando, como numa breve menção aos vídeos da garota viralizando, ou num ocasional comentário de Fenn, é que os roteiristas parecem se lembrar de que o filme se passa mesmo no nosso presente.

E quando a verdadeira vilã demoníaca do filme começa a dar as caras, é aí que o longa vai de vez para a sepultura. Trazida à vida (ou quase) via computação gráfica, ela lembra visualmente mais um dos Nazgûl de O Senhor dos Anéis do que uma figura tradicional com olhos vermelhos e chifres. Mas o CGI do filme é muito esquisito, muito fraco… É como se o estúdio Sony e a Ghost House tivessem tido pouca verba ou pouco tempo (ou os dois, talvez) para apresentar algo mais convincente e impactante. A certa altura de Rogai por Nós, um personagem pega fogo e o espectador é testemunha de algumas das chamas digitais menos convincentes da história recente dos efeitos visuais hollywoodianos.

Vários filmes já comprovaram que terror e computação gráfica não combinam, e Rogai por Nós é mais um. Além disso, jump scares começam a se tornar frequentes, irritando o espectador com sons altos na trilha e aparições-relâmpago de coisas feias, e o longa se conclui com uma tentativa de catequizar, ao que parece, com uma cena meio embaraçosa que nem Jeffrey Dean Morgan consegue fazer funcionar.

Sobre ele, é verdade que Morgan é um ótimo ator, mas é também um notório azarado quando tenta fazer terror ou suspense no cinema – até hoje nenhum projeto com ele nesses gêneros ficou sequer bom. Rogai por Nós só se soma à lista, o que é lamentável, pois, no seu início o filme até traz à baila umas ideias interessantes sobre a fé e como ela pode ser usada por oportunistas. Claro que nenhum desses debates é aprofundado, e o diretor Spiliotopoulos – cuja pouca experiência deve ter pesado aqui – acaba até atuando contra a mensagem que quer passar ao transformar o próprio filme em algo oportunista, uma obra de tom religioso disfarçada de terror. Ele também se contenta em seguir a trilha batida dos clichês e dos jump scares, aliados a efeitos visuais muito fracos. O diabo realmente está nos detalhes, ou melhor, na qualidade dos pixels que o compõem, em Rogai por Nós, e nesse caso nem exorcismo dá jeito.

‘Bar Doce Lar’: má fase de George Clooney persiste em filme repetitivo

Logo no início de “Bar Doce Lar”, título horroroso no Brasil para o filme disponível no Amazon Prime, JR diz gostar de viver na casa do avô ao contrário da mãe. O motivo: a presença de muita gente no local. Tal fala, entretanto, ganha um contorno maior para além da...

Onde foram parar e por que os filmes de cassino sumiram das telonas?

De filmes de ação a dramas, há grandes clássicos do cinema e títulos dos anos 90 e 2000 que destacam os poderosos cassinos, particularmente os encontrados nos Estados Unidos. Não há um brasileiro que não se lembre de pelo menos dois filmes que destacavam os luxuosos...

‘O Canto do Cisne’: não funciona como romance nem como sci-fi

À primeira vista, “O Canto do Cisne” engana bem: Mahershala Ali e Naomie Harris com a excelência de sempre e ainda com Glenn Close e Awkwafina como coadjuvantes de luxo, um visual atrativo pela modernidade clean do design de produção e do cenário principal...

‘Apresentando os Ricardos’: Sorkin racionaliza demais universo das sitcoms

Lucille Ball quer um lar. E ele definitivamente não vai ser construído em um cinema cerebral demais como o de Aaron Sorkin. “Apresentando os Ricardos”, nova investida dele na direção, é um retrato sem o brilho que fez de Ball a estrela mais assistida da TV dos Estados...

‘Não Olhe Para Cima’: sátira caminha por trilha segura em críticas

Quando “House of Cards” estreou na Netflix em fevereiro de 2013 chocou uma (ingênua) parcela do público sobre como o coração da política norte-americana poderia ser tão ardiloso e baixo. Era época de um suposto idealismo democrático com Barack Obama, primeiro...

‘Matrix Resurrections’: Lana Wachowski recorda o valor do risco em Hollywood

Se “Matrix” encontra paralelos diretos em “Metrópolis” ou “Blade Runner” dentro do universo de distopias e ficções científicas, pode-se dizer que “Matrix Resurrections” está mais próximo de obras como “Crepúsculo dos Deuses” ou “O Jogador” como análise ácida e...

‘Belfast’: Kenneth Branagh retorna à infância em filme singelo

Vários diretores, ao longo da história do cinema, fizeram filmes baseados em suas próprias vidas. Gente graúda, como François Truffaut (Os Incompreendidos), Federico Fellini (Amarcord) ou Ingmar Bergman (Fanny & Alexander), para citar só alguns dos mais marcantes....

‘A Mão de Deus’: Sorrentino navega no (bom) exagero em filme familiar

As relações familiares são o ponto de partida de “A mão de Deus”, novo filme do diretor italiano Paolo Sorrentino (“A Grande Beleza”). O protagonista da trama é Fábio Schisa (Filippo Scotti), um adolescente que vive com os pais e dois irmãos mais velhos na Nápoles dos...

‘Homem-Aranha: Sem Volta Para Casa’: a maturidade chega a Peter Parker

Com três intérpretes diferentes, o Homem-Aranha é o herói mais replicado no cinema (ao menos no século XXI). E é claro que a cada nova saga do herói a expectativa é sempre de superação, mas, mesmo sob essa pressão, em 2017, Tom Holland conseguiu se consagrar como...

‘Encontros’: Riz Ahmed faz o que pode em sci-fi morna

Riz Ahmed vem se consolidando como um dos melhores e mais interessantes atores de Hollywood no momento. O cara até agora não deu uma bola fora e, em alguns casos, até elevou algumas produções. Foi merecidamente indicado ao Oscar de Melhor Ator por O Som do Silêncio...