Em algum lugar dentro de Rogai por Nós, suspense sobrenatural da produtora Ghost House de Sam Raimi e dirigido pelo estreante Evan Spiliotopoulos, tem uma interessante história sobre fé, crenças e o mistério que cerca a nossa existência. Porém, essa mesma história é assombrada por um espírito maligno, o do filme de terror clichezento e repleto de computação gráfica duvidosa, e quando esse espírito possui a narrativa, o resultado fica desastroso.

O que é uma pena porque Rogai por Nós começa até bem: vemos cenas breves do sacrifício de uma bruxa no século XIX, com direito a máscara pregada no rosto – uma referência rápida, mas legal, à A Maldição do Demônio (1960) de Mario Bava. A narrativa então pula para os nossos dias, quando conhecemos o repórter Gerry Fenn (interpretado por Jeffrey Dean Morgan), que costumava trabalhar para um jornal respeitável, mas atualmente só caça notícias bizarras para um site meia-boca. Numa cidadezinha da Nova Inglaterra, Fenn literalmente topa com uma garota surda-muda (Cricket Brown) que, de repente, começa a falar e a realizar milagres numa pequena igreja próxima. Ela se diz um instrumento da Virgem Maria. Esse fenômeno começa a ficar famoso, e a Igreja lança uma investigação sobre ele. Mas Fenn, aos poucos e com a ajuda de uma médica (Katie Aselton), passa a suspeitar que algo mais sinistro esteja ocorrendo. O filme é baseado no livro “Shrine” do autor James Herberts, publicado em 1983.

O tom inicial do filme não é muito distante do de um episódio de Arquivo X ou até de Millennium, primeiramente se concentrando na atmosfera e na investigação do fenômeno, e também no seu protagonista dúbio, um sujeito descrente que quer usar a história apenas para dar uma alavancada na carreira. E nesse trecho inicial, o elenco carrega a experiência de modo consistente e admirável: Morgan está bem como sempre, assim como Brown; a presença do sempre competente character actor William Sadler como o padre da igrejinha é bem-vinda, e Aselton também demonstra boa química com o protagonista, numa dinâmica “quase Scully e Mulder”.

NEM EXORCISMO DÁ JEITO

Porém, quanto mais o filme avança, mais os problemas narrativos vão ficando evidentes. Os próprios Scully e Mulder teriam resolvido o mistério do longa em apenas 45 minutos, e não perdido tempo com padres canastrões (vividos por Diogo Morgado e Cary Elwes, que coincidentemente, também participou de alguns episódios de Arquivo X) que tentam fazer as vezes de antagonistas até o vilão de fato se revelar. Talvez por se tratar de uma história originalmente pensada nos anos 1980, é interessante notar como a tecnologia atual é pouco explorada em Rogai por Nós ou como os heróis demoram a fazer uma simples pesquisa na internet para descobrir o que está realmente acontecendo com a garota milagreira. Só de vez em quando, como numa breve menção aos vídeos da garota viralizando, ou num ocasional comentário de Fenn, é que os roteiristas parecem se lembrar de que o filme se passa mesmo no nosso presente.

E quando a verdadeira vilã demoníaca do filme começa a dar as caras, é aí que o longa vai de vez para a sepultura. Trazida à vida (ou quase) via computação gráfica, ela lembra visualmente mais um dos Nazgûl de O Senhor dos Anéis do que uma figura tradicional com olhos vermelhos e chifres. Mas o CGI do filme é muito esquisito, muito fraco… É como se o estúdio Sony e a Ghost House tivessem tido pouca verba ou pouco tempo (ou os dois, talvez) para apresentar algo mais convincente e impactante. A certa altura de Rogai por Nós, um personagem pega fogo e o espectador é testemunha de algumas das chamas digitais menos convincentes da história recente dos efeitos visuais hollywoodianos.

Vários filmes já comprovaram que terror e computação gráfica não combinam, e Rogai por Nós é mais um. Além disso, jump scares começam a se tornar frequentes, irritando o espectador com sons altos na trilha e aparições-relâmpago de coisas feias, e o longa se conclui com uma tentativa de catequizar, ao que parece, com uma cena meio embaraçosa que nem Jeffrey Dean Morgan consegue fazer funcionar.

Sobre ele, é verdade que Morgan é um ótimo ator, mas é também um notório azarado quando tenta fazer terror ou suspense no cinema – até hoje nenhum projeto com ele nesses gêneros ficou sequer bom. Rogai por Nós só se soma à lista, o que é lamentável, pois, no seu início o filme até traz à baila umas ideias interessantes sobre a fé e como ela pode ser usada por oportunistas. Claro que nenhum desses debates é aprofundado, e o diretor Spiliotopoulos – cuja pouca experiência deve ter pesado aqui – acaba até atuando contra a mensagem que quer passar ao transformar o próprio filme em algo oportunista, uma obra de tom religioso disfarçada de terror. Ele também se contenta em seguir a trilha batida dos clichês e dos jump scares, aliados a efeitos visuais muito fracos. O diabo realmente está nos detalhes, ou melhor, na qualidade dos pixels que o compõem, em Rogai por Nós, e nesse caso nem exorcismo dá jeito.

‘A Nuvem Rosa’: ficção científica dos nossos tempos

"Qualquer semelhança com fatos reais é mera coincidência". Esta é a frase que a cineasta gaúcha Iuli Gerbase escolhe para abrir o seu primeiro longa-metragem intitulado "A Nuvem Rosa". O aviso prévio acaba se tornando um conselho ao espectador de como receber o filme....

‘Roaring 20s’: Nouvelle Vague encontra Linklater em passeio por Paris

Um dos filmes mais charmosos exibidos no Festival Internacional de Cinema de Karlovy Vary deste ano, "Roaring 20s", segundo longa de Elisabeth Vogler, é uma viagem bem-humorada pelo coração de Paris em um dia de verão. A produção, que recebeu o prêmio de Melhor...

‘Batman’ (1989): o filme que mudou a visão sobre super-heróis em Hollywood

Eu jamais vou esquecer aquele momento. Viaje no tempo comigo, leitor: 1989, tarde de domingo no centro de Manaus. Fui ver Batman de Tim Burton com toda a minha família. Foi no Cine Chaplin e a sala estava lotada, com gente sentada até no chão dos corredores – algo...

‘Otar’s Death’: comédia de olhar irônico sobre a mesquinhez humana

Uma relação em frangalhos, um acidente e uma quantia enorme de dinheiro são os elementos que colocam "Otar's Death" em movimento. O filme de estreia do diretor georgiano Ioseb 'Soso' Bliadze, que estreou na mostra Leste do Oeste do Festival Internacional de Cinema de...

‘Memória’: Apichatpong Weerasethakul anda em círculos em viagem à Colômbia

Na calada da noite, a protagonista de "Memória", novo filme de Apichatpong Weerasethakul (“Tio Boonmee, Que Pode Recordar Suas Vidas Passadas”), acorda com um barulho. Ela está desperta e sabe, de forma inata, que nada será como antes. Infelizmente, a mesma sensação...

‘Cop Secret’: ex-goleiro estreia na direção com subversiva sátira aos filmes de ação

O goleiro Hannes Þór Halldórsson se despediu da seleção da Islândia, em setembro deste ano, depois de 10 anos que viram o time alcançar algumas de suas maiores consagrações – a ida à primeira Copa do Mundo em 2018 e chegar às quartas de final da Eurocopa 2016. No...

‘Maligno’: a bem-vinda alquimia macabra de James Wan

Caro leitor, uma perguntinha pra você: quando foi a última vez em que você estava vendo um filme e ficou com a sensação de que não tinha a menor ideia de para onde a história estava indo? Quando foi a última vez em que disse para você mesmo: “não sei para onde isso...

‘Espíritu Sagrado’: sci-fi espanhola de caminhos intrigantes

Em "Espíritu Sagrado", crianças desaparecem, ovnis aparentam estar circulando pelos céus e grandes conspirações se mostram onipresentes. No entanto, no rico microcosmo criado pelo diretor e roteirista Chema García Ibarra, nada é exatamente como parece. Esta...

‘A Máquina Infernal’: o aterrorizante mercado de trabalho brasileiro

"A Máquina Infernal", curta de estreia do roteirista Francis Vogner Dos Reis, reimagina a falência de uma fábrica do ponto de vista do empregado, trocando o realismo por um clima de puro terror. O filme foi uma das duas produções brasileiras selecionadas para o...

‘Fantasma Neon’: musical dos trabalhadores invisíveis do Brasil

Se quem canta, seus males espanta, um entregador de comida tem que passar o dia todo cantando pra ter paz. Essa é a premissa de "Fantasma Neon", uma explosão de cor, dança e música que representou o Brasil no Festival de Locarno deste ano. O filme dirigido por...