Nem toda mulher tem o desejo de ser a mãe. Assim como nem todo o homem é fã de futebol e as duas coisas são totalmente normais. Como diria um meme frequente no Twitter, esse sim é o tipo de coisa que deveria ser normalizado. Infelizmente, no entanto, Hollywood parece ter um pensamento conservador demais para enxergar isso. É o que acontece em “Saint-Francis”, longa-metragem de estreia de Alex Thompson.

O filme acompanha Bridget (Kelly O’Sullivan), uma mulher de 34 anos que passa a se questionar sobre as escolhas que fez na vida. A questão é que essas dúvidas surgem a partir do momento em que várias pessoas ao seu redor passam a engravidar e ter filhos.

Nos últimos anos, surgiram produções que apresentaram o lado real da maternidade, distanciando-se da versão romantizada vista muitas vezes em tela. Filmes como “Olmo e a Gaivota” (2004), “Tully” (2018) e a série “Turma do Peito” mostram o quanto os primeiros anos de existência de uma criança afetam a vida da mãe e do casal drasticamente. E, convenhamos, ter um bebê ou mais de uma criança em casa não é uma tarefa fácil; pelo contrário, exige esforço, paciência e muita inteligência emocional – que o diga esses meses de quarentena.

Kelly O’Sullivan, que também assina o roteiro, e Thompson, no entanto, não parecem concordar muito com isso. É só perceber a forma como “Saint Francis” é narrado: o grande plot da trama é a maternidade e como Bridget a enxerga em cada estágio de seu verão. Nessa construção fica evidente as transformações que a protagonista passa conforme avança seu relacionamento com a menina Francis (Ramona Edith Williams), a santa do título.

As cores nos ajudam a ter essa percepção. De acordo com a proximidade entre ambas, as cores de seus figurinos vão se harmonizando; ao mesmo tempo em que a aversão da moça com crianças e filhos vai se esvaindo. Em um diálogo com a mãe, Bridget comenta que não quer ter filhos; a mesma coisa é repetida para Jace (Max Lipchitz), o rapaz com quem se relaciona e engravida. Os dois também apresentam mentalidades divergentes quanto a gestação: enquanto a mãe a confronta e a aconselha a ser mãe e correr atrás disso logo devido a sua idade, Jace apoia a escolha dela em abortar e fica ao seu lado em todos os momentos.

Quase ‘Grande Menina, Pequena Mulher’

O incômodo em tudo isso é que a protagonista reconhece que não está preparada para a maternidade e não tem o desejo de ser mãe um dia. Mas, em cada fase do verão, surge alguém para mostrar que seu ponto de vista está turvo devido ao momento em que está vivendo. Prova disso é o bebê Wally que não fica comportado no colo da mãe, apenas no de Bridget.

No primeiro momento, pensei que o filme seguiria um caminho semelhante a “Grande Menina, Pequena Mulher” (2003), comédia com Brittany Murphy, mas, a linha adotada pelos realizadores é mais pé no chão e realista. Bridget tem noção que, aos 34 anos sua vida, está sem rumo. A prova disso é a cena em que busca alternativas para o que ainda pode fazer com essa idade. Seu conflito é consigo mesma e as coisas que não consegue dar andamento.

Descompromissada, suas atitudes se assemelham a de uma adolescente, no entanto a cena em que está no confessionário mostra que seu maior desejo é ser aceita e dar orgulho aos outros. E isso é determinante para que perceba o que realmente vale a pena em sua vida.

Apesar de promover a maternidade como solução, a pequena Francis não cai no clichê de ser a criança muito madura para sua idade. Ela faz birra, quebra os brinquedos, chora e defende os amigos quando necessários. Sua atitude infantil é a responsável pela evolução das mães e para o despertar da protagonista.

“Saint Francis” é eficaz em mostrar os dramas de alguém que se perdeu na vida e não sabe qual rumo seguir. Infelizmente, a trama incomoda por ter uma visão ainda conservadora da maternidade como solução para a vida de uma mulher. Se apenas ficasse em Bridget encontrar o seu caminho, o filme seria bem mais interessante do que já é.

‘Caros Camaradas’: a desintegração do comunismo soviético

A primeira coisa que você deve saber acerca de “Caros Camaradas” é que estamos diante de um filme forte, necessário e que ainda se apropria de causas hoje presentes estruturados em uma sociedade desigual. Dito isso, vamos ao filme. “Caros Camaradas” narra um momento...

Trilogia ‘Rua do Medo’: diversão rasa, nostálgica e descartável

Séries de TV têm sido um dos pilares fundamentais na consolidação global da Netflix como o maior serviço de streaming do mundo. Boas, ótimas ou ruins, vindas de diversas partes do mundo, não importa: sempre podemos contar com a produção serializada de TV como parte...

‘Viúva Negra’: o pior filme da Marvel em muitos anos

Durante muito tempo, os fãs das produções da Marvel Studios pediam por um filme solo da heroína Viúva Negra. A estrela Scarlett Johansson também queria fazer. Para quem deseja entender um pouco dos meandros de Hollywood e esclarecer porque o filme da Viúva não saiu,...

‘Nem Um Passo em Falso’: Soderbergh perdido no próprio estilo

Steven Soderbergh é um cineasta, no mínimo, curioso. Seu primeiro filme, Sexo, Mentiras e Videotape (1989) mudou os rumos do cinema independente norte-americano quando saiu – e é, de fato, um grande filme. Ao longo dos anos, ele ganhou Oscar de direção por Traffic...

‘Um Lugar Silencioso 2’: ponte com dias atuais mirando futuro da franquia

“Um Lugar Silencioso” foi um dos meus filmes favoritos de 2018. A ambientação, o uso de recursos sonoros e a narrativa capaz de gerar tantas leituras e interpretações foram aspectos determinantes para a catarse causada e suscitar indagações quanto a necessidade de uma...

‘A Guerra do Amanhã’: estupidez eleva à potência máxima

A certa altura de A Guerra do Amanhã, o herói do filme se vê segurando pela mão outra personagem que está prestes a cair num abismo em chamas. Ela cai, ele grita “Nãããoo!” em câmera lenta, e aí eu dei risada e joguei minhas mãos para o ar. Tem certas coisas que não...

‘Four Good Days’: Glenn Close em novelão sobre recomeços

Glenn Close é uma das maiores atrizes de todos os tempos. Um fato indiscutível. Mas também é uma das mais injustiçadas se pensarmos em premiações. E o Oscar é o maior deles. Bem verdade que, ao longo dos anos, a Academia perdeu grande parte de sua relevância, mas...

‘Shiva Baby’: crônica do amadurecimento na era do excesso de informações

“Shiva Baby” é o trabalho de estreia da diretora canadense Emma Seligman e retrata um dia na vida de Danielle (Rachel Sennott), jovem universitária que encontra seu sugar daddy (pessoa mais velha que banca financeiramente alguém, em troca de companhia ou de favores...

‘Em um Bairro de Nova York’: sobre ‘suañitos’ e fazer a diferença

É preciso dizer que Jon M. Chu e Lin-Manuel Miranda são os artistas atuais mais populares no quesito representatividade em Hollywood. Chu é responsável por trazer o primeiro filme norte-americano em 25 anos com um elenco totalmente asiático e asiático-americano –...

‘Noites de Alface’: riqueza da rotina duela contra mistérios vazios

Apesar de “Noites de Alface” estar envolto em situações misteriosas, elas não têm tanta importância quando o mais interessante são as reflexões sobre envelhecer e das trivialidades da rotina cotidiana.  O grande trunfo do filme é ouvir os protagonistas dessa trama...