Duas coisas se destacam em “Alex Wheatle”, quarto episódio da série antológica “Small Axe”: a construção visual e o protagonista. Ao longo das semanas, tenho destacado o trabalho do diretor de fotografia Shabier Kirchner. Seja por sua câmera sensível em “Os Nove do Mangrove”, sensorial em “Lovers Rock” ou enclausurante em “Vermelho, Azul e Branco”. No quarto episódio, sua cinematografia é determinante para compreendermos a biografia do romancista inglês que leva o nome do capítulo.

Steve McQueen vem sinalizando a necessidade de discutir temas pertinentes tendo como referencial a cultura afro-caribenha expatriada no Reino Unido. Nesse episódio, em especial, ele toma como guia a trajetória de pertencimento e resistência de Wheatle (Sheyi Cole) para nortear a transformação de um jovem negro que não se enxerga como tal. Ora em um país miscigenado como o nosso, em que Megan Markle seria vista como uma mulher morena clara e Gil do Vigor tem a sua identidade negra descredibilizada no BBB21, o senso de pertencimento ressaltado em “Alex Wheatle” é extremamente didático e crucial.

Acompanhamos o início da juventude do personagem, desde sua infância no orfanato de Shirley Oaks até sua prisão por participar do levante de Brixton em 1981. A montagem elíptica nos faz navegar por sua trajetória de forma não-linear, que reforça as questões identitárias e sociais de alguém sem passado e sem perspectiva de futuro. Alex é um negro retinto e o único entre outras crianças, o que faz com que sofra racismo constante e não tenha percepção disso e nem sobre si mesmo. O resultado reflete em sua personalidade influenciável e a ausência de conhecimento de sua ancestralidade.

Nesse quesito, o roteiro é didático ao mostrar a importância do senso de pertencimento e comunidade. A chegada de Alex no condado de Surrey é primordial para que sua jornada como romancista e roteirista pudesse ser alicerçada. É entre pessoas semelhantes a si que ele vai encontrar seu lugar no mundo e descobrir quem é a Babilônia, como lidar com a truculência policial e o que é ter um lugar onde não se chame a atenção pelo tom da sua pele. Tudo isso apela para o crescimento emocional e educativo do personagem que, como uma criança, precisa ser ensinado sobre a dura realidade de ser um jovem negro.

 CONHECER O PASSADO PARA ENTENDER A ANCESTRALIDADE

A coloração utilizada em cena é importante para percebermos como esse desenvolvimento ocorre. Enquanto Alex se mantém recluso, isolado e sem entender seu lugar no mundo, há uma predominância de tons azuis e o destaca dos outros moradores de Brixton. Esse mesmo isolamento se estende aos seus momentos na cadeia e, curiosamente, o põe em contraponto aos outros personagens.

Ao caminhar, por exemplo, com mais dois colegas, as diferenças visuais o colocam sempre como uma figura apática a efervescência do bairro inglês. No entanto, conforme Alex Wheatle vai absorvendo a ancestralidade, pouco a pouco o azul cede espaço para o amarelo que é a cor matriz desse episódio. A mesma coisa se dá na cadeia, de acordo com o afunilamento de seu relacionamento com Simeon (Robbie Gee).

Um fator essencial para absorção da cultura afro-caribenha também é a música. Aliada a fotografia e a atuação sensível de Cole, serve como protesto para que o personagem ponha para fora sua solidão, deslocamento e dores. Ela também é um instrumento visual para compreendermos a prisão de Wheatle e dar espaço as imagens documentais do incêndio de 1981 que matou 13 negros em Brixton, Londres, motivo dos protestos que tiveram a participação ativa do personagem e determinante para que ele percebesse a que lugar pertencia.

De todos os episódios, este é o que mais se assemelha a um capítulo serial e é essencial para que entendamos a importância de saber o lugar a que pertencemos. Como diria Simeon, é preciso conhecer o passado para entender o futuro. Nesse caso, substituiria passado por ancestralidade, por saber com quem contar e, finalmente, quem ser.

‘Round 6’: novo e divertido sucesso made in Coreia do Sul

Depois de ‘Parasita’ ganhar o público e o Oscar de melhor filme em 2020, o mundo passou a olhar com mais atenção para as produções sul-coreanas no cinema. Atenta às tendências do mercado audiovisual, a Netflix anunciou um investimento de US$ 500 milhões na produção de...

‘Cenas de um Casamento’: releitura atualiza discussões e preserva caráter episódico do original

"Vou colecionar mais um sonetoOutro retrato em branco e pretoA maltratar meu coração"  É difícil pensar em escrever qualquer análise-ou-crítica-ou-chame-do-que-quiser de "Cenas de um Casamento" (HBO, 2021) e não ter os pensamentos invadidos pela obra original - e...

‘Modern Love’ 2ª temporada: olhar amadurecido sobre as formas de amar

Recomenda-se que esse texto seja lido com a trilha sonora de John Carney. Quando você relembra seus relacionamentos marcantes, que memórias lhe vem à mente? Que músicas e sensações atingem seus sentidos a ponto de soltar um sorriso imperceptível ou o coração apertar...

‘As Filhas de Eva’: a sedutora serpente chamada liberdade

Quem foi Eva? Segundo os escritos da Bíblia, foi a primeira mulher do Planeta Terra, nascida da costela de Adão, o primeiro homem. Enganada e seduzida pela serpente, come o fruto proibido e, como castigo para ambos, Deus enviou o caos à Terra. Esta é uma breve síntese...

‘Loki’: boa, porém desperdiçada, introdução ao multiverso Marvel

Após a excêntrica e divertida "Wandavision", a política e reflexiva "Falcão e o Soldado Invernal", a nova série da Marvel focada no Deus da Trapaça é uma ótima introdução para o que está por vir no Universo Cinematográfico Marvel (MCU). Entretanto, por conta do...

‘Elize Matsunaga – Era Uma Vez Um Crime’: misoginia brasileira escancarada

Duas coisas se destacam na minissérie “Elize Matsunaga: Era Uma Vez Um Crime”: o domínio patriarcal no Brasil e o estudo de personagem feito pela diretora Eliza Capai. A documentarista é responsável por produções que buscam investigar personagens femininas sem...

‘Dom’: história de amor paterno no meio do caos das drogas

Dom (2021), nova aposta da Amazon Prime, é uma série que desperta as mais diversas emoções. Livremente inspirado no romance homônimo escrito pelo titã Tony Belotto e também em O Beijo da Bruxa (2010), de Luiz Victor Lomba (pai do Pedro), a produção narra a história...

‘Solos’: minissérie joga fora todos seus promissores potenciais

A minissérie do Prime Video "Solos" busca se distanciar de comparações ao streaming concorrente. Para tanto, traz elementos de ficção científica e a relação da tecnologia com (e eventualmente versus) a humanidade em um futuro distópico. Nesse sentido, há uma...

‘Manhãs de Setembro’: Lineker encanta em busca pela independência

“Manhãs de Setembro” é uma série recém-lançada pelo Prime Vídeo e traz a cantora Liniker no papel da protagonista Cassandra, uma mulher trans que divide seu tempo como motogirl de um aplicativo de entrega e seu trabalho como cantora. Somos apresentados à personagem em...

‘Mare of Easttown’: Kate Winslet domina brilhante estudo de personagem

Mare Sheehan não encara um bom momento em sua vida. Ela é uma policial na faixa dos 40 anos na cidadezinha de Easttown, no estado americano da Pensilvânia, um daqueles locais onde todo mundo conhece todo mundo. Há cerca de um ano uma jovem desapareceu por lá, e Mare e...