Duas coisas se destacam em “Alex Wheatle”, quarto episódio da série antológica “Small Axe”: a construção visual e o protagonista. Ao longo das semanas, tenho destacado o trabalho do diretor de fotografia Shabier Kirchner. Seja por sua câmera sensível em “Os Nove do Mangrove”, sensorial em “Lovers Rock” ou enclausurante em “Vermelho, Azul e Branco”. No quarto episódio, sua cinematografia é determinante para compreendermos a biografia do romancista inglês que leva o nome do capítulo.

Steve McQueen vem sinalizando a necessidade de discutir temas pertinentes tendo como referencial a cultura afro-caribenha expatriada no Reino Unido. Nesse episódio, em especial, ele toma como guia a trajetória de pertencimento e resistência de Wheatle (Sheyi Cole) para nortear a transformação de um jovem negro que não se enxerga como tal. Ora em um país miscigenado como o nosso, em que Megan Markle seria vista como uma mulher morena clara e Gil do Vigor tem a sua identidade negra descredibilizada no BBB21, o senso de pertencimento ressaltado em “Alex Wheatle” é extremamente didático e crucial.

Acompanhamos o início da juventude do personagem, desde sua infância no orfanato de Shirley Oaks até sua prisão por participar do levante de Brixton em 1981. A montagem elíptica nos faz navegar por sua trajetória de forma não-linear, que reforça as questões identitárias e sociais de alguém sem passado e sem perspectiva de futuro. Alex é um negro retinto e o único entre outras crianças, o que faz com que sofra racismo constante e não tenha percepção disso e nem sobre si mesmo. O resultado reflete em sua personalidade influenciável e a ausência de conhecimento de sua ancestralidade.

Nesse quesito, o roteiro é didático ao mostrar a importância do senso de pertencimento e comunidade. A chegada de Alex no condado de Surrey é primordial para que sua jornada como romancista e roteirista pudesse ser alicerçada. É entre pessoas semelhantes a si que ele vai encontrar seu lugar no mundo e descobrir quem é a Babilônia, como lidar com a truculência policial e o que é ter um lugar onde não se chame a atenção pelo tom da sua pele. Tudo isso apela para o crescimento emocional e educativo do personagem que, como uma criança, precisa ser ensinado sobre a dura realidade de ser um jovem negro.

 CONHECER O PASSADO PARA ENTENDER A ANCESTRALIDADE

A coloração utilizada em cena é importante para percebermos como esse desenvolvimento ocorre. Enquanto Alex se mantém recluso, isolado e sem entender seu lugar no mundo, há uma predominância de tons azuis e o destaca dos outros moradores de Brixton. Esse mesmo isolamento se estende aos seus momentos na cadeia e, curiosamente, o põe em contraponto aos outros personagens.

Ao caminhar, por exemplo, com mais dois colegas, as diferenças visuais o colocam sempre como uma figura apática a efervescência do bairro inglês. No entanto, conforme Alex Wheatle vai absorvendo a ancestralidade, pouco a pouco o azul cede espaço para o amarelo que é a cor matriz desse episódio. A mesma coisa se dá na cadeia, de acordo com o afunilamento de seu relacionamento com Simeon (Robbie Gee).

Um fator essencial para absorção da cultura afro-caribenha também é a música. Aliada a fotografia e a atuação sensível de Cole, serve como protesto para que o personagem ponha para fora sua solidão, deslocamento e dores. Ela também é um instrumento visual para compreendermos a prisão de Wheatle e dar espaço as imagens documentais do incêndio de 1981 que matou 13 negros em Brixton, Londres, motivo dos protestos que tiveram a participação ativa do personagem e determinante para que ele percebesse a que lugar pertencia.

De todos os episódios, este é o que mais se assemelha a um capítulo serial e é essencial para que entendamos a importância de saber o lugar a que pertencemos. Como diria Simeon, é preciso conhecer o passado para entender o futuro. Nesse caso, substituiria passado por ancestralidade, por saber com quem contar e, finalmente, quem ser.

‘Turma da Mônica – A Série’: para agradar novas e antigas gerações

Quando o primeiro longa-metragem live action de “Turma da Mônica” saiu, minha amiga e crítica do Cine SET Rebeca Almeida, escreveu que este era um novo caminho para o cinema infantil nacional. Pulamos para 2022 e com mais produções deste universo, Daniel Rezende,...

‘Better Call Saul’ 6×11: ‘Breaking Bad’

Aviso: SPOILERS no texto abaixo. Recomenda-se ler só após assistir ao episódio. -- O que há em um bigode? Quando conhecemos Saul Goodman em Breaking Bad, era 2009 e o episódio se chamava “Better Call Saul”. Agora, estamos em 2022 e Jesse Pinkman e Walter White...

‘Better Call Saul’ 6×10: ‘Nippy’

Todas as temporadas de Better Call Saul, exceto esta última, começaram com uma sequência em preto-e-branco mostrando a vida triste de Jimmy McGill pós-Breaking Bad. Oops, Jimmy não: Gene Takavic, um sujeito com o cabelo rareando e um bigode deprimido que trabalha em...

‘Better Call Saul’ 6×09: ‘Fun and Games’

Há uma cena neste nono episódio da temporada final de Better Call Saul na qual Jimmy e Kim retornam ao bom e velho escritório da firma de advocacia HHM, um cenário que víamos desde o começo da série. Nele, Clifford diz ao casal que a empresa em breve vai dispensar...

‘Better Call Saul’ 6×08: Point and Shoot

Personagens inteligentes criam grande drama. Em Better Call Saul, desde o fim da quarta temporada, vemos o quanto Lalo é inteligente. Mesmo assim, ainda ficamos despreparados em relação à sagacidade dele enquanto assistimos a este retorno da série com "Point and...

‘The Boys’ – 3ª Temporada: Capitão Pátria rouba a cena no melhor ano da série

Desde o lançamento de “Deadpool” (2016) e, anos depois, de “Watchmen” (2019), há a tentativa de instaurar nesse sub-gênero um discurso paródico, irônico e autoconsciente que não é nenhuma surpresa após tantas produções de heróis ao longo da última década. “The Boys”...

Emmy 2022: Quem Serão os Indicados nas Principais Categorias?

De "Succession" a "Hacks", Caio Pimenta aponta quais deverão ser os indicados nas categorias de Melhor Ator, Melhor Atriz, Melhor Série de Comédia, Drama e Minissérie. MELHOR ATOR EM MINISSÉRIE INDICADOS Andrew Garfield, por “Under The Banner of Heaven” Colin Firth,...

‘A Lista Terminal’: poucos bons momentos para muito mais do mesmo

“A Lista Terminal”, a nova série de ação da Amazon Prime, começa muito bem. O primeiro episódio é dirigido pelo cineasta Antoine Fuqua, de “Dia de Treinamento” (2001) e “O Protetor” (2014), e realmente prende a atenção com um clima de suspense e uma boa condução....

‘Stranger Things 4’ Volume 2 | O Melhor e Pior da Temporada

Inevitável olhar para os dois últimos episódios da quarta temporada de “Stranger Things” e não mirar na duração: por que diabos um capítulo de 1h27 e outro de inacreditáveis 2h22? Nem sou daqueles que leva o tempo como fator decisivo para definir o que assistir (antes...

‘Obi-Wan Kenobi’ – Episódio 6: série teria sido um grande filme

E Obi-Wan Kenobi chega ao fim com esta Parte 6 (da série? Ou da temporada? Até o momento, nada foi confirmado). Bem, é um fim. E agora, vendo a coisa toda em retrospecto, algo fica claro: teria funcionado melhor como filme. E de fato, pesquisando um pouco sobre as...