Chegamos ao último episódio de “Small Axe”, série antológica dirigida por Steve McQueen (“12 Anos de Escravidão”). Intitulado “Educação”, o capítulo final narra um conto infantil carregado de incompreensões, racismo e a luta por uma educação inclusiva. O diretor, que também assina o roteiro ao lado de Alastair Siddons e Courttia Newland, aproveita para discutir temas mais universais como o distanciamento afetivo e o quanto a questão de gênero e raça interfere no seio familiar.

Acompanhamos Kingsley (Kenyah Sandy), um garoto apaixonado pelo cosmo, mas com dificuldade de leitura. Um dia, sua mãe (Tamara Lawrance) é comunicada que ele será transferido para outra escola a fim de receber uma educação destinada aos seus obstáculos de aprendizagem. A indiferença no rosto do pedagogo e o silenciamento da mãe indicam claramente que a decisão faz parte da política de segregação racial praticada no país.

A gramatura na fotografia de Shabier Kirchner nos conduz a um período longínquo nos anos 1970, situado ao público quando um diálogo revive a esperança de uma mãe devido a eleição de Margaret Thatcher. Os ângulos apresentados e o posicionamento dos atores em cena nos passam a ideia do quão sofrido é toda a situação para o protagonista. Embora isso não transpareça no texto – com exceção de quando ele é obrigado a ler -, a cinematografia o coloca distante simetricamente dos outros personagens. Na cena em que sua mãe é comunicada da transferência do garoto, por exemplo, mesmo que estejam lado a lado, há uma linha visual que os afasta.

O racismo vestido de educação

Tudo isso serve para salientar a incompreensão do protagonista. Particularmente, nos primeiros 20 minutos de projeção, tive a sensação de esse ser um dos episódios mais doloridos de “Small Axe”, tendo em vista o comportamento rude e racista dos professores para com uma criança que evidentemente necessitava de compreensão e atendimento. Olhando sob o prisma mais analítico, no entanto, é notável que esse sentimento de desconsideração também partia de outras esferas, acentuando problemas de ordem universal.

Por um lado, temos a situação revoltante do sistema educacional, por outro, “Educação” é certeiro em mostrar o quanto as mulheres são aquelas que estão mais conectadas ao ensino familiar. São elas que se reúnem e lutam contra a subeducação destinada as crianças Índia-Ocidentais, encontrando estratégias que possam não apenas derrubar o sistema, mas também envolver os pais. É o que acontece no lar de Kingsley, por exemplo, no qual mãe e filha precisam se unir para fazer com que o pai compreenda o que ocorre com o filho.

O curioso é que tal questão desencadeia várias outras que se encontram representadas de forma sintética dentro da produção. Um mérito de McQueen que utilizou “Small Axe” como um todo para discutir assuntos pouco abordados no audiovisual e que precisam ser colocados em pauta.

Catarse por meio da Ancestralidade

Diferentemente da maioria dos episódios, no entanto, “Educação” entrega um último ato catártico e identificável. A escolha de mostrar uma educação baseada em conhecer a ancestralidade por meio do uso da cultura negra, além da escravidão americana, é o processo mais assertivo tanto para alfabetização do protagonista quanto para acentuar o discurso político presente em toda a antologia.

Curiosamente, o capítulo surge em um período simbólico na educação em Manaus no qual a Justiça do Amazonas teve que suspender a resolução do Conselho Municipal de Educação de Manaus que tinha a intenção de retirar temáticas relacionadas a relações étnico-raciais, diversidade de gênero e liberdade religiosa do sistema municipal de ensino.

“Educação” é fundamental para pensarmos como o processo da luta contra o racismo pode funcionar. Muito mais do que por meio de meios jurídicos ou jogando o jogo do adversário é o ensino que transforma vidas e reverbera no nosso campo de influência. Mais um acerto para McQueen e a luta contra o preconceito, consagrando “Small Axe” como uma das grandes e necessárias produções contemporâneas.

‘Os Irregulares de Baker Street’: Sherlock mal tratado em série péssima da Netflix

Sim, lá vamos nós para mais uma adaptação das obras de Arthur Conan Doyle. A Netflix, por exemplo, mantém uma linha de produção na qual não aborda exatamente a figura de Sherlock Holmes, mas sim, personagens ligados a ele. Após o sucesso de ‘Enola Holmes’ é a vez dos...

‘Small Axe: Educação’: ensino como instrumento de luta racial

Chegamos ao último episódio de “Small Axe”, série antológica dirigida por Steve McQueen (“12 Anos de Escravidão”). Intitulado “Educação”, o capítulo final narra um conto infantil carregado de incompreensões, racismo e a luta por uma educação inclusiva. O diretor, que...

‘Small Axe: ‘Alex Wheatle’: quando se encontra o senso de pertencimento

Duas coisas se destacam em “Alex Wheatle”, quarto episódio da série antológica “Small Axe”: a construção visual e o protagonista. Ao longo das semanas, tenho destacado o trabalho do diretor de fotografia Shabier Kirchner. Seja por sua câmera sensível em “Os Nove do...

‘Small Axe: Vermelho, Branco e Azul’: Boyega contra o racismo policial inglês

Em “Small Axe”, chegamos à semana do episódio que rendeu a John Boyega o Globo de Ouro de Melhor Ator em Minissérie ou Telefilme. Intitulado “Vermelho, Branco e Azul”, justamente as cores presentes na bandeira do Reino Unido, acompanhamos a saga de Leroy Logan...

‘Por Trás dos Seus Olhos’: imperdível thriller psicológico eletrizante

O quão longe você iria para ter o amor de alguém? Existem escrúpulos na busca pela vida perfeita com quem se ama? Esses são alguns questionamentos levantados pela minissérie da Netflix ‘Por trás de seus olhos’. Baseada no romance homônimo de Sarah Pinborough, a...

‘Os Últimos Dias de Gilda’: alegoria das sementes do ódio brasileiro

Se Jean-Paul Sartre já dizia que o inferno são os outros, imagina o que ele diria se ele fosse mulher e vivesse no subúrbio do Rio de Janeiro. "Os Últimos Dias de Gilda", nova minissérie da Globoplay exibida no Festival de Berlim deste ano, dá pungentes contornos a um...

‘Small Axe: Lovers Rock’: experiência sensorial em trama irregular

Tomando como referência o episódio anterior, considero essa segunda história de “Small Axe” um ponto fora da curva. A direção permanece impecável e, mais uma vez, a ambientação é o grande destaque da narrativa. No entanto, “Lovers Rock” carece de uma história mais...

‘Wandavision’: série Marvel divertidamente esquisita

AVISO: Spoilers leves no texto a seguir. -- Em 2020, por causa da pandemia, não tivemos nenhum novo lançamento do Marvel Studios. Nenhumzinho. Fãs em todo o mundo, em busca de fantasia e de um pouco de escapismo para ajudar a encarar um mundo assolado por problemas e...

‘Small Axe: Os Nove do Mangrove’: espaço de resistência e luta

“Small Axe” chegou no Globo Play sem fazer muito barulho. Coleção de cinco longas-metragens, a série em formato de antologia dirigida por Steve McQueen (“12 Anos de Escravidão”) é considerada uma das melhores produções lançadas nesse período pandêmico. Ao longo dos...

‘Lupin’: Omar Sy supera narrativa previsível em série mediana

Apresentando Arséne Lupin para o restante do mundo, a nova produção francesa da Netflix, ‘Lupin’ é baseada nos romances policiais de Maurice Leblanc contando com a responsabilidade de atualizar suas histórias para os dias atuais. Apesar de possuir uma narrativa pouco...