Chegamos ao último episódio de “Small Axe”, série antológica dirigida por Steve McQueen (“12 Anos de Escravidão”). Intitulado “Educação”, o capítulo final narra um conto infantil carregado de incompreensões, racismo e a luta por uma educação inclusiva. O diretor, que também assina o roteiro ao lado de Alastair Siddons e Courttia Newland, aproveita para discutir temas mais universais como o distanciamento afetivo e o quanto a questão de gênero e raça interfere no seio familiar.

Acompanhamos Kingsley (Kenyah Sandy), um garoto apaixonado pelo cosmo, mas com dificuldade de leitura. Um dia, sua mãe (Tamara Lawrance) é comunicada que ele será transferido para outra escola a fim de receber uma educação destinada aos seus obstáculos de aprendizagem. A indiferença no rosto do pedagogo e o silenciamento da mãe indicam claramente que a decisão faz parte da política de segregação racial praticada no país.

A gramatura na fotografia de Shabier Kirchner nos conduz a um período longínquo nos anos 1970, situado ao público quando um diálogo revive a esperança de uma mãe devido a eleição de Margaret Thatcher. Os ângulos apresentados e o posicionamento dos atores em cena nos passam a ideia do quão sofrido é toda a situação para o protagonista. Embora isso não transpareça no texto – com exceção de quando ele é obrigado a ler -, a cinematografia o coloca distante simetricamente dos outros personagens. Na cena em que sua mãe é comunicada da transferência do garoto, por exemplo, mesmo que estejam lado a lado, há uma linha visual que os afasta.

O racismo vestido de educação

Tudo isso serve para salientar a incompreensão do protagonista. Particularmente, nos primeiros 20 minutos de projeção, tive a sensação de esse ser um dos episódios mais doloridos de “Small Axe”, tendo em vista o comportamento rude e racista dos professores para com uma criança que evidentemente necessitava de compreensão e atendimento. Olhando sob o prisma mais analítico, no entanto, é notável que esse sentimento de desconsideração também partia de outras esferas, acentuando problemas de ordem universal.

Por um lado, temos a situação revoltante do sistema educacional, por outro, “Educação” é certeiro em mostrar o quanto as mulheres são aquelas que estão mais conectadas ao ensino familiar. São elas que se reúnem e lutam contra a subeducação destinada as crianças Índia-Ocidentais, encontrando estratégias que possam não apenas derrubar o sistema, mas também envolver os pais. É o que acontece no lar de Kingsley, por exemplo, no qual mãe e filha precisam se unir para fazer com que o pai compreenda o que ocorre com o filho.

O curioso é que tal questão desencadeia várias outras que se encontram representadas de forma sintética dentro da produção. Um mérito de McQueen que utilizou “Small Axe” como um todo para discutir assuntos pouco abordados no audiovisual e que precisam ser colocados em pauta.

Catarse por meio da Ancestralidade

Diferentemente da maioria dos episódios, no entanto, “Educação” entrega um último ato catártico e identificável. A escolha de mostrar uma educação baseada em conhecer a ancestralidade por meio do uso da cultura negra, além da escravidão americana, é o processo mais assertivo tanto para alfabetização do protagonista quanto para acentuar o discurso político presente em toda a antologia.

Curiosamente, o capítulo surge em um período simbólico na educação em Manaus no qual a Justiça do Amazonas teve que suspender a resolução do Conselho Municipal de Educação de Manaus que tinha a intenção de retirar temáticas relacionadas a relações étnico-raciais, diversidade de gênero e liberdade religiosa do sistema municipal de ensino.

“Educação” é fundamental para pensarmos como o processo da luta contra o racismo pode funcionar. Muito mais do que por meio de meios jurídicos ou jogando o jogo do adversário é o ensino que transforma vidas e reverbera no nosso campo de influência. Mais um acerto para McQueen e a luta contra o preconceito, consagrando “Small Axe” como uma das grandes e necessárias produções contemporâneas.

‘Round 6’: novo e divertido sucesso made in Coreia do Sul

Depois de ‘Parasita’ ganhar o público e o Oscar de melhor filme em 2020, o mundo passou a olhar com mais atenção para as produções sul-coreanas no cinema. Atenta às tendências do mercado audiovisual, a Netflix anunciou um investimento de US$ 500 milhões na produção de...

‘Cenas de um Casamento’: releitura atualiza discussões e preserva caráter episódico do original

"Vou colecionar mais um sonetoOutro retrato em branco e pretoA maltratar meu coração"  É difícil pensar em escrever qualquer análise-ou-crítica-ou-chame-do-que-quiser de "Cenas de um Casamento" (HBO, 2021) e não ter os pensamentos invadidos pela obra original - e...

‘Modern Love’ 2ª temporada: olhar amadurecido sobre as formas de amar

Recomenda-se que esse texto seja lido com a trilha sonora de John Carney. Quando você relembra seus relacionamentos marcantes, que memórias lhe vem à mente? Que músicas e sensações atingem seus sentidos a ponto de soltar um sorriso imperceptível ou o coração apertar...

‘As Filhas de Eva’: a sedutora serpente chamada liberdade

Quem foi Eva? Segundo os escritos da Bíblia, foi a primeira mulher do Planeta Terra, nascida da costela de Adão, o primeiro homem. Enganada e seduzida pela serpente, come o fruto proibido e, como castigo para ambos, Deus enviou o caos à Terra. Esta é uma breve síntese...

‘Loki’: boa, porém desperdiçada, introdução ao multiverso Marvel

Após a excêntrica e divertida "Wandavision", a política e reflexiva "Falcão e o Soldado Invernal", a nova série da Marvel focada no Deus da Trapaça é uma ótima introdução para o que está por vir no Universo Cinematográfico Marvel (MCU). Entretanto, por conta do...

‘Elize Matsunaga – Era Uma Vez Um Crime’: misoginia brasileira escancarada

Duas coisas se destacam na minissérie “Elize Matsunaga: Era Uma Vez Um Crime”: o domínio patriarcal no Brasil e o estudo de personagem feito pela diretora Eliza Capai. A documentarista é responsável por produções que buscam investigar personagens femininas sem...

‘Dom’: história de amor paterno no meio do caos das drogas

Dom (2021), nova aposta da Amazon Prime, é uma série que desperta as mais diversas emoções. Livremente inspirado no romance homônimo escrito pelo titã Tony Belotto e também em O Beijo da Bruxa (2010), de Luiz Victor Lomba (pai do Pedro), a produção narra a história...

‘Solos’: minissérie joga fora todos seus promissores potenciais

A minissérie do Prime Video "Solos" busca se distanciar de comparações ao streaming concorrente. Para tanto, traz elementos de ficção científica e a relação da tecnologia com (e eventualmente versus) a humanidade em um futuro distópico. Nesse sentido, há uma...

‘Manhãs de Setembro’: Lineker encanta em busca pela independência

“Manhãs de Setembro” é uma série recém-lançada pelo Prime Vídeo e traz a cantora Liniker no papel da protagonista Cassandra, uma mulher trans que divide seu tempo como motogirl de um aplicativo de entrega e seu trabalho como cantora. Somos apresentados à personagem em...

‘Mare of Easttown’: Kate Winslet domina brilhante estudo de personagem

Mare Sheehan não encara um bom momento em sua vida. Ela é uma policial na faixa dos 40 anos na cidadezinha de Easttown, no estado americano da Pensilvânia, um daqueles locais onde todo mundo conhece todo mundo. Há cerca de um ano uma jovem desapareceu por lá, e Mare e...