Chegamos ao último episódio de “Small Axe”, série antológica dirigida por Steve McQueen (“12 Anos de Escravidão”). Intitulado “Educação”, o capítulo final narra um conto infantil carregado de incompreensões, racismo e a luta por uma educação inclusiva. O diretor, que também assina o roteiro ao lado de Alastair Siddons e Courttia Newland, aproveita para discutir temas mais universais como o distanciamento afetivo e o quanto a questão de gênero e raça interfere no seio familiar.

Acompanhamos Kingsley (Kenyah Sandy), um garoto apaixonado pelo cosmo, mas com dificuldade de leitura. Um dia, sua mãe (Tamara Lawrance) é comunicada que ele será transferido para outra escola a fim de receber uma educação destinada aos seus obstáculos de aprendizagem. A indiferença no rosto do pedagogo e o silenciamento da mãe indicam claramente que a decisão faz parte da política de segregação racial praticada no país.

A gramatura na fotografia de Shabier Kirchner nos conduz a um período longínquo nos anos 1970, situado ao público quando um diálogo revive a esperança de uma mãe devido a eleição de Margaret Thatcher. Os ângulos apresentados e o posicionamento dos atores em cena nos passam a ideia do quão sofrido é toda a situação para o protagonista. Embora isso não transpareça no texto – com exceção de quando ele é obrigado a ler -, a cinematografia o coloca distante simetricamente dos outros personagens. Na cena em que sua mãe é comunicada da transferência do garoto, por exemplo, mesmo que estejam lado a lado, há uma linha visual que os afasta.

O racismo vestido de educação

Tudo isso serve para salientar a incompreensão do protagonista. Particularmente, nos primeiros 20 minutos de projeção, tive a sensação de esse ser um dos episódios mais doloridos de “Small Axe”, tendo em vista o comportamento rude e racista dos professores para com uma criança que evidentemente necessitava de compreensão e atendimento. Olhando sob o prisma mais analítico, no entanto, é notável que esse sentimento de desconsideração também partia de outras esferas, acentuando problemas de ordem universal.

Por um lado, temos a situação revoltante do sistema educacional, por outro, “Educação” é certeiro em mostrar o quanto as mulheres são aquelas que estão mais conectadas ao ensino familiar. São elas que se reúnem e lutam contra a subeducação destinada as crianças Índia-Ocidentais, encontrando estratégias que possam não apenas derrubar o sistema, mas também envolver os pais. É o que acontece no lar de Kingsley, por exemplo, no qual mãe e filha precisam se unir para fazer com que o pai compreenda o que ocorre com o filho.

O curioso é que tal questão desencadeia várias outras que se encontram representadas de forma sintética dentro da produção. Um mérito de McQueen que utilizou “Small Axe” como um todo para discutir assuntos pouco abordados no audiovisual e que precisam ser colocados em pauta.

Catarse por meio da Ancestralidade

Diferentemente da maioria dos episódios, no entanto, “Educação” entrega um último ato catártico e identificável. A escolha de mostrar uma educação baseada em conhecer a ancestralidade por meio do uso da cultura negra, além da escravidão americana, é o processo mais assertivo tanto para alfabetização do protagonista quanto para acentuar o discurso político presente em toda a antologia.

Curiosamente, o capítulo surge em um período simbólico na educação em Manaus no qual a Justiça do Amazonas teve que suspender a resolução do Conselho Municipal de Educação de Manaus que tinha a intenção de retirar temáticas relacionadas a relações étnico-raciais, diversidade de gênero e liberdade religiosa do sistema municipal de ensino.

“Educação” é fundamental para pensarmos como o processo da luta contra o racismo pode funcionar. Muito mais do que por meio de meios jurídicos ou jogando o jogo do adversário é o ensino que transforma vidas e reverbera no nosso campo de influência. Mais um acerto para McQueen e a luta contra o preconceito, consagrando “Small Axe” como uma das grandes e necessárias produções contemporâneas.

‘Better Call Saul’ 6×06: Axe and Grind

O episódio desta semana de Better Call Saul começa com um flashback, nos mostrando um incidente com Kim na sua infância. Ela é pega roubando numa loja, sua mãe aparece – uma atriz que impressiona pela semelhança com Rhea Seehorn, mais um acerto da escalação de elenco...

‘Better Call Saul’ 6×05: Black and Blue

Dois aspectos de Better Call Saul ficaram claros ao longo da série são: os produtores e roteiristas não têm pressa em construir as situações; e nada acontece de acordo com o esperado. Em relação ao primeiro aspecto, sempre se percebeu o ritmo deliberado da série –...

‘Better Call Saul’ 6×04: Hit and Run

Rhea Seehorn é a revelação de Better Call Saul, uma atriz que se mostrou forte e dona da sua personagem desde sua primeira cena na série, e graças a ela e aos roteiristas e diretores do seriado, a Kim se tornou uma das figuras mais marcantes do universo criado por...

‘Better Call Saul’ 6×03: Rock and Hard Place

AVISO DE SPOILERS: Recomenda-se ler só após assistir ao episódio. Uma das grandes diversões para se acompanhar durante toda a série Better Call Saul era ver personagens inteligentes armando golpes criativos – e engraçados – para enganar alguém. A expectativa para nós,...

‘Ruptura’: o nosso purgatório corporativo de cada dia

“Ruptura” chega até nós causando um bafafá que a compara a “Black Mirror” e “The Office”, mas essas não são as únicas referências que permeiam o trabalho. A temporada, dirigida por Ben Stiller e Aoife McArdle, passa boa parte da primeira metade à procura de um tom...

‘Better Call Saul’ – Episódios 6×01 e 6×02: caminhos sempre inesperados

Aqui estamos, caro leitor: é o retorno da cobertura semanal da sexta e última temporada de Better Call Saul. Faz dois anos desde a quinta temporada, uma longa espera. Nesse meio tempo, a pandemia atrasou as gravações e o lançamento desta última fornada de episódios, e...

‘Anatomia de um Escândalo’: a novela britânica da Netflix

Quando criou Big Little Lies para a TV, David E. Kelley escreveu sobre a vida de três mulheres distintas que viviam em Monterrey, Califórnia. Entre traições, violência doméstica e disputas de ego, ficou claro que contar a crise dentro da classe alta norte-americana...

‘Only Murders In the Building’: a imaginação e sua capacidade de unir gerações

Steve Martin e Martin Short são duas lendas do teatro, televisão e cinema de Hollywood. Mestres da comédia, durante anos emendaram sucesso atrás de sucesso nestas diversas áreas sempre muito celebrados com crítica, público, prêmios e dinheiro. Mas, no showbusiness...

‘Pam & Tommy’: acerto em uma onda de revisionismo

Era apenas questão de tempo que Hollywood resolvesse contar a história de um de seus maiores ícones recentes, símbolo da década de 1990 e vítima do primeiro viral de uma internet que ainda era novidade até mesmo para quem poderia pagar para tê-la com facilidade...

‘Pacificador’: James Gunn mostra a chave do sucesso para a DC

Às vezes, a sensação que Pacificador desperta é de ver alguém brincando com bonecos – ou melhor, action figures, como eles são conhecidos hoje. Esse alguém é o criador, produtor-executivo e diretor de quase todos os episódios, James Gunn. E ele brinca enquanto ouve...