Em “Small Axe”, chegamos à semana do episódio que rendeu a John Boyega o Globo de Ouro de Melhor Ator em Minissérie ou Telefilme. Intitulado “Vermelho, Branco e Azul”, justamente as cores presentes na bandeira do Reino Unido, acompanhamos a saga de Leroy Logan (Boyega), um cientista afro-caribenho que decide entrar para a polícia metropolitana depois que seu pai é alvo de uma ação truculenta da polícia.

Antes de mais nada, preciso salientar que esta é uma história verídica: Logan é um ex-policial condecorado pelos anos de serviço e membro fundador da Black Police Association. Interessante e curiosa é a decisão de McQueen para contar essa narrativa. Apesar de ter a presença marcante de Boyega, o espaço cenográfico e a câmera de Kirchner são fundamentais para compreendermos os sentimentos pouco expostos do protagonista.

Combater o sistema por dentro

O diretor mostra como a decisão do personagem de combater o sistema por dentro afetou suas relações e, consequentemente, a forma de ler e lidar com o mundo. Isso pode ser visto por meio das diferenças visuais nos dois momentos narrativos que constrói “Small Axe: Vermelho, Branco e Azul”. Na primeira parte, por exemplo, percebemos o quão abatido Leroy está por trabalhar no laboratório, quando a câmera se distancia para mostrá-lo sozinho em um ambiente totalmente branco e apático. No entanto, contrapondo-se a isso estão as cenas no núcleo familiar, importantes para enxergarmos o comportamento conservador do pai e o carinho que seus familiares dedicam ao protagonista.

Conforme ele vai atuando na polícia, porém, esses encontros familiares vão diminuindo até o ponto de sumirem por completo. Não sabemos, por exemplo, como fica sua relação com a esposa e nem o vemos acompanhar o crescimento de seu filho. Visualmente isso é explicito em planos mais fechados nele e na coloração do capítulo que vai tendendo a cores mais frias e próximas do uniforme da polícia. No meio dessa construção imagética, dois pontos se ressaltam: a trilha sonora que nos permite localizar a história no tempo e a atuação de Boyega.

Boyega e os referenciais

O ator britânico que parece bem acostumado a interpretar agentes da lei – “Detroit em Rebelião” e a mais recente trilogia “Star Wars” – é o coração da trama. É perceptível, principalmente no segundo momento da narrativa, a raiva e frustração que o acompanham ao mesmo tempo em que há uma fina camada de esperança em suas palavras e ações. A ambição do personagem de tentar mudar o sistema juntando-se a ele me fez refletir em duas produções recentes: “O Ódio que Você Semeia” e “Little Fires Everywhere”.

De certa forma, “Small Axe: Vermelho, Branco e Azul” distancia-se dos outros e segue uma linha mais previsível. Enquanto o primeiro externava resistência e o segundo a cultura, este me deixou apreensiva, em certos momentos, devido ao racismo velado do sistema policial; o mesmo sentimento despertado pelos olhares destinados a Kerry Washington na minissérie de Liz Tigelaar. Aliás, há um quê da resistência da personagem de Washington em Logan e vice-versa. Infelizmente, esses olhares são mais reais do que podemos imaginar.

Em paralelo a isso, a visão do pai de Logan (Steve Toussaint) e do restante da comunidade negra em vê-lo ser um policial, me fez lembrar um diálogo do personagem de Common em “O Ódio que Você Semeia” no qual diziam a ele que um policial negro sempre seria visto com desconfiança pelos seus e como inferior pelos colegas de profissão. O distanciamento visual dos familiares e amigos e as respostas negativas as tentativas de promoção de Logan exemplificam o quão tangível é o diálogo do filme de Tillman Jr.

Essas são algumas questões levantadas para reflexão do público neste capítulo. McQueen constrói uma narrativa atraente e realista, provando que é preciso alguém dar o primeiro passo rumo a revolução, mas que uma andorinha só não pode mudar um sistema inteiro. Nem mesmo com a vitalidade de John Boyega.

‘Os Irregulares de Baker Street’: Sherlock mal tratado em série péssima da Netflix

Sim, lá vamos nós para mais uma adaptação das obras de Arthur Conan Doyle. A Netflix, por exemplo, mantém uma linha de produção na qual não aborda exatamente a figura de Sherlock Holmes, mas sim, personagens ligados a ele. Após o sucesso de ‘Enola Holmes’ é a vez dos...

‘Small Axe: Educação’: ensino como instrumento de luta racial

Chegamos ao último episódio de “Small Axe”, série antológica dirigida por Steve McQueen (“12 Anos de Escravidão”). Intitulado “Educação”, o capítulo final narra um conto infantil carregado de incompreensões, racismo e a luta por uma educação inclusiva. O diretor, que...

‘Small Axe: ‘Alex Wheatle’: quando se encontra o senso de pertencimento

Duas coisas se destacam em “Alex Wheatle”, quarto episódio da série antológica “Small Axe”: a construção visual e o protagonista. Ao longo das semanas, tenho destacado o trabalho do diretor de fotografia Shabier Kirchner. Seja por sua câmera sensível em “Os Nove do...

‘Small Axe: Vermelho, Branco e Azul’: Boyega contra o racismo policial inglês

Em “Small Axe”, chegamos à semana do episódio que rendeu a John Boyega o Globo de Ouro de Melhor Ator em Minissérie ou Telefilme. Intitulado “Vermelho, Branco e Azul”, justamente as cores presentes na bandeira do Reino Unido, acompanhamos a saga de Leroy Logan...

‘Por Trás dos Seus Olhos’: imperdível thriller psicológico eletrizante

O quão longe você iria para ter o amor de alguém? Existem escrúpulos na busca pela vida perfeita com quem se ama? Esses são alguns questionamentos levantados pela minissérie da Netflix ‘Por trás de seus olhos’. Baseada no romance homônimo de Sarah Pinborough, a...

‘Os Últimos Dias de Gilda’: alegoria das sementes do ódio brasileiro

Se Jean-Paul Sartre já dizia que o inferno são os outros, imagina o que ele diria se ele fosse mulher e vivesse no subúrbio do Rio de Janeiro. "Os Últimos Dias de Gilda", nova minissérie da Globoplay exibida no Festival de Berlim deste ano, dá pungentes contornos a um...

‘Small Axe: Lovers Rock’: experiência sensorial em trama irregular

Tomando como referência o episódio anterior, considero essa segunda história de “Small Axe” um ponto fora da curva. A direção permanece impecável e, mais uma vez, a ambientação é o grande destaque da narrativa. No entanto, “Lovers Rock” carece de uma história mais...

‘Wandavision’: série Marvel divertidamente esquisita

AVISO: Spoilers leves no texto a seguir. -- Em 2020, por causa da pandemia, não tivemos nenhum novo lançamento do Marvel Studios. Nenhumzinho. Fãs em todo o mundo, em busca de fantasia e de um pouco de escapismo para ajudar a encarar um mundo assolado por problemas e...

‘Small Axe: Os Nove do Mangrove’: espaço de resistência e luta

“Small Axe” chegou no Globo Play sem fazer muito barulho. Coleção de cinco longas-metragens, a série em formato de antologia dirigida por Steve McQueen (“12 Anos de Escravidão”) é considerada uma das melhores produções lançadas nesse período pandêmico. Ao longo dos...

‘Lupin’: Omar Sy supera narrativa previsível em série mediana

Apresentando Arséne Lupin para o restante do mundo, a nova produção francesa da Netflix, ‘Lupin’ é baseada nos romances policiais de Maurice Leblanc contando com a responsabilidade de atualizar suas histórias para os dias atuais. Apesar de possuir uma narrativa pouco...