Em “Small Axe”, chegamos à semana do episódio que rendeu a John Boyega o Globo de Ouro de Melhor Ator em Minissérie ou Telefilme. Intitulado “Vermelho, Branco e Azul”, justamente as cores presentes na bandeira do Reino Unido, acompanhamos a saga de Leroy Logan (Boyega), um cientista afro-caribenho que decide entrar para a polícia metropolitana depois que seu pai é alvo de uma ação truculenta da polícia.

Antes de mais nada, preciso salientar que esta é uma história verídica: Logan é um ex-policial condecorado pelos anos de serviço e membro fundador da Black Police Association. Interessante e curiosa é a decisão de McQueen para contar essa narrativa. Apesar de ter a presença marcante de Boyega, o espaço cenográfico e a câmera de Kirchner são fundamentais para compreendermos os sentimentos pouco expostos do protagonista.

Combater o sistema por dentro

O diretor mostra como a decisão do personagem de combater o sistema por dentro afetou suas relações e, consequentemente, a forma de ler e lidar com o mundo. Isso pode ser visto por meio das diferenças visuais nos dois momentos narrativos que constrói “Small Axe: Vermelho, Branco e Azul”. Na primeira parte, por exemplo, percebemos o quão abatido Leroy está por trabalhar no laboratório, quando a câmera se distancia para mostrá-lo sozinho em um ambiente totalmente branco e apático. No entanto, contrapondo-se a isso estão as cenas no núcleo familiar, importantes para enxergarmos o comportamento conservador do pai e o carinho que seus familiares dedicam ao protagonista.

Conforme ele vai atuando na polícia, porém, esses encontros familiares vão diminuindo até o ponto de sumirem por completo. Não sabemos, por exemplo, como fica sua relação com a esposa e nem o vemos acompanhar o crescimento de seu filho. Visualmente isso é explicito em planos mais fechados nele e na coloração do capítulo que vai tendendo a cores mais frias e próximas do uniforme da polícia. No meio dessa construção imagética, dois pontos se ressaltam: a trilha sonora que nos permite localizar a história no tempo e a atuação de Boyega.

Boyega e os referenciais

O ator britânico que parece bem acostumado a interpretar agentes da lei – “Detroit em Rebelião” e a mais recente trilogia “Star Wars” – é o coração da trama. É perceptível, principalmente no segundo momento da narrativa, a raiva e frustração que o acompanham ao mesmo tempo em que há uma fina camada de esperança em suas palavras e ações. A ambição do personagem de tentar mudar o sistema juntando-se a ele me fez refletir em duas produções recentes: “O Ódio que Você Semeia” e “Little Fires Everywhere”.

De certa forma, “Small Axe: Vermelho, Branco e Azul” distancia-se dos outros e segue uma linha mais previsível. Enquanto o primeiro externava resistência e o segundo a cultura, este me deixou apreensiva, em certos momentos, devido ao racismo velado do sistema policial; o mesmo sentimento despertado pelos olhares destinados a Kerry Washington na minissérie de Liz Tigelaar. Aliás, há um quê da resistência da personagem de Washington em Logan e vice-versa. Infelizmente, esses olhares são mais reais do que podemos imaginar.

Em paralelo a isso, a visão do pai de Logan (Steve Toussaint) e do restante da comunidade negra em vê-lo ser um policial, me fez lembrar um diálogo do personagem de Common em “O Ódio que Você Semeia” no qual diziam a ele que um policial negro sempre seria visto com desconfiança pelos seus e como inferior pelos colegas de profissão. O distanciamento visual dos familiares e amigos e as respostas negativas as tentativas de promoção de Logan exemplificam o quão tangível é o diálogo do filme de Tillman Jr.

Essas são algumas questões levantadas para reflexão do público neste capítulo. McQueen constrói uma narrativa atraente e realista, provando que é preciso alguém dar o primeiro passo rumo a revolução, mas que uma andorinha só não pode mudar um sistema inteiro. Nem mesmo com a vitalidade de John Boyega.

‘Round 6’: novo e divertido sucesso made in Coreia do Sul

Depois de ‘Parasita’ ganhar o público e o Oscar de melhor filme em 2020, o mundo passou a olhar com mais atenção para as produções sul-coreanas no cinema. Atenta às tendências do mercado audiovisual, a Netflix anunciou um investimento de US$ 500 milhões na produção de...

‘Cenas de um Casamento’: releitura atualiza discussões e preserva caráter episódico do original

"Vou colecionar mais um sonetoOutro retrato em branco e pretoA maltratar meu coração"  É difícil pensar em escrever qualquer análise-ou-crítica-ou-chame-do-que-quiser de "Cenas de um Casamento" (HBO, 2021) e não ter os pensamentos invadidos pela obra original - e...

‘Modern Love’ 2ª temporada: olhar amadurecido sobre as formas de amar

Recomenda-se que esse texto seja lido com a trilha sonora de John Carney. Quando você relembra seus relacionamentos marcantes, que memórias lhe vem à mente? Que músicas e sensações atingem seus sentidos a ponto de soltar um sorriso imperceptível ou o coração apertar...

‘As Filhas de Eva’: a sedutora serpente chamada liberdade

Quem foi Eva? Segundo os escritos da Bíblia, foi a primeira mulher do Planeta Terra, nascida da costela de Adão, o primeiro homem. Enganada e seduzida pela serpente, come o fruto proibido e, como castigo para ambos, Deus enviou o caos à Terra. Esta é uma breve síntese...

‘Loki’: boa, porém desperdiçada, introdução ao multiverso Marvel

Após a excêntrica e divertida "Wandavision", a política e reflexiva "Falcão e o Soldado Invernal", a nova série da Marvel focada no Deus da Trapaça é uma ótima introdução para o que está por vir no Universo Cinematográfico Marvel (MCU). Entretanto, por conta do...

‘Elize Matsunaga – Era Uma Vez Um Crime’: misoginia brasileira escancarada

Duas coisas se destacam na minissérie “Elize Matsunaga: Era Uma Vez Um Crime”: o domínio patriarcal no Brasil e o estudo de personagem feito pela diretora Eliza Capai. A documentarista é responsável por produções que buscam investigar personagens femininas sem...

‘Dom’: história de amor paterno no meio do caos das drogas

Dom (2021), nova aposta da Amazon Prime, é uma série que desperta as mais diversas emoções. Livremente inspirado no romance homônimo escrito pelo titã Tony Belotto e também em O Beijo da Bruxa (2010), de Luiz Victor Lomba (pai do Pedro), a produção narra a história...

‘Solos’: minissérie joga fora todos seus promissores potenciais

A minissérie do Prime Video "Solos" busca se distanciar de comparações ao streaming concorrente. Para tanto, traz elementos de ficção científica e a relação da tecnologia com (e eventualmente versus) a humanidade em um futuro distópico. Nesse sentido, há uma...

‘Manhãs de Setembro’: Lineker encanta em busca pela independência

“Manhãs de Setembro” é uma série recém-lançada pelo Prime Vídeo e traz a cantora Liniker no papel da protagonista Cassandra, uma mulher trans que divide seu tempo como motogirl de um aplicativo de entrega e seu trabalho como cantora. Somos apresentados à personagem em...

‘Mare of Easttown’: Kate Winslet domina brilhante estudo de personagem

Mare Sheehan não encara um bom momento em sua vida. Ela é uma policial na faixa dos 40 anos na cidadezinha de Easttown, no estado americano da Pensilvânia, um daqueles locais onde todo mundo conhece todo mundo. Há cerca de um ano uma jovem desapareceu por lá, e Mare e...