‘Space Force’ já surgiu com altas expectativas. Primeiro por reunir Greg Daniels e Steve Carell, dupla vinda da premiada ‘The Office’. Segundo por contar com nomes conhecidos e queridos do público como Lisa Kudrow e John Malkovich. Para completar, seria um alívio cômico na Netflix em meio à pandemia da COVID-19 e às tensões sociais espalhadas mundo afora, além de aproveitar o recente lançamento da SpaceX. Apesar dos ótimos diálogos, infelizmente, a série não consegue aproveitar todo este cenário a favor e se mostra um entretenimento apenas razoável.  

A trama acompanha o general Mark R. Naird (Steve Carell), um piloto condecorado que sonha em comandar a Força Aérea, mas acaba surpreendido pela notícia de que vai liderar a mais nova divisão das Forças Armadas dos EUA: a Força Espacial. Cético e dedicado, Mark arrasta sua família para uma base remota no Colorado. Assim, Naird e o cientista Adrian Mallory (John Malkovich) recebem da Casa Branca a missão urgente de pisar (de novo) na Lua e dominar totalmente o espaço. 

Como o esperado, o elenco é o grande destaque de “Space Force”. A dinâmica entre Carell e Malkovich marca os melhores momentos entre os episódios. Já o restante do elenco é designado para tramas desinteressantes que pouco influenciam na narrativa principal. A exceção fica pela capitã Angela Ali (Tawny Newsome), a qual consegue protagonizar um núcleo convincente para o projeto “Botas na Lua”. 

Fora do caótico ambiente de trabalho de Naird, sua família ganha pouca importância para a trama. Lisa Kudrow como Maggie Naird é totalmente desperdiçada e seu principal atrativo – o motivo de sua prisão – acaba parecendo apenas mais uma negligência do roteiro que esqueceu de aprofundar melhor a personagem. 

Desta forma, fica nas costas de Carell levar a trama para frente e criar uma relação de fidelização com o público já que os episódios praticamente são independentes uns dos outros. Entretanto, somente o carisma do ator não consegue salvar a temporada, principalmente quando o humor da série não é o esperado. 

O humor agridoce   

Apresentada como uma série de comédia em todos aspectos possíveis, ‘Space Force’ não possui humor para qualquer um. Além do grande problema em achar o timing perfeito, a graça das piadas está em seu contexto sempre acompanhado de uma ironia, ou seja, não é a série que vai arrancar gargalhadas, mas sim deixar um sorriso carregado de cinismo. 

Mesmo sem fazer rir, esse ponto mostra onde o roteiro realmente colocou seus esforços: em diálogos interessantes e satíricos. Os principais alvos da comédia são o governo americano e as Forças Armadas com direito a referências que vão desde os terraplanistas ao uso de animais em missões no espaço. 

Nesse sentido, o tom irônico é perfeito para falar sobre assuntos mais sérios, de forma que “Space Force” não vá totalmente para o drama, mas ainda assim permita o espaço para críticas. Um grande destaque positivo é a reunião entre líderes das Forças Armadas e a constante tendência para começar uma guerra, da mesma forma, as referências a um presidente americano que busca a militarização e confronto com outros países até na Lua corresponde bem à realidade. 

Apesar de ser maçante devido a algumas tramas bem desinteressantes, a produção  de Steve Carell e Greg Daniels não é totalmente descartável. Afinal, as atuações e boas jogadas irônicas fazem valer a pena acompanhar a série (mesmo com um esforcinho). Talvez, ‘Space Force’ não seja a melhor escolha para quem quer dar boas gargalhadas, mas ainda assim é uma boa opção para aqueles que apreciam a comédia munida de críticas. 

‘The Beatles: Get Back’: entre o fascinante e o interminável

Em janeiro de 1969, os Beatles se reuniram para gravar uma apresentação que seria televisionada e também para trabalhar em músicas para esse show que virariam um novo álbum. Todo esse processo foi acompanhado pelas câmeras do cineasta Michael Lindsay-Hogg, com...

‘Maid’: o fim do American Way of Life

“Maid” é uma produção focada em dilemas contemporâneos e esse é o principal de seus acertos. Disponível na Netflix e protagonizada por Margaret Qualley, a minissérie acompanha Alex, uma jovem que foge de um relacionamento abusivo e passa a trabalhar como empregada...

‘Missa da Meia-Noite’: Mike Flanagan acerta sem correr riscos

Quando pensamos em produções de terror é muito fácil associar suas tramas a existência do sobrenatural, do desconhecido, mesmo que existam muitos títulos onde o vilão se trata na realidade de uma pessoa como qualquer outra. Contemplando essas duas linhas narrativas,...

‘Round 6’: novo e divertido sucesso made in Coreia do Sul

Depois de ‘Parasita’ ganhar o público e o Oscar de melhor filme em 2020, o mundo passou a olhar com mais atenção para as produções sul-coreanas no cinema. Atenta às tendências do mercado audiovisual, a Netflix anunciou um investimento de US$ 500 milhões na produção de...

‘Cenas de um Casamento’: releitura atualiza discussões e preserva caráter episódico do original

"Vou colecionar mais um sonetoOutro retrato em branco e pretoA maltratar meu coração"  É difícil pensar em escrever qualquer análise-ou-crítica-ou-chame-do-que-quiser de "Cenas de um Casamento" (HBO, 2021) e não ter os pensamentos invadidos pela obra original - e...

‘Modern Love’ 2ª temporada: olhar amadurecido sobre as formas de amar

Recomenda-se que esse texto seja lido com a trilha sonora de John Carney. Quando você relembra seus relacionamentos marcantes, que memórias lhe vem à mente? Que músicas e sensações atingem seus sentidos a ponto de soltar um sorriso imperceptível ou o coração apertar...

‘As Filhas de Eva’: a sedutora serpente chamada liberdade

Quem foi Eva? Segundo os escritos da Bíblia, foi a primeira mulher do Planeta Terra, nascida da costela de Adão, o primeiro homem. Enganada e seduzida pela serpente, come o fruto proibido e, como castigo para ambos, Deus enviou o caos à Terra. Esta é uma breve síntese...

‘Loki’: boa, porém desperdiçada, introdução ao multiverso Marvel

Após a excêntrica e divertida "Wandavision", a política e reflexiva "Falcão e o Soldado Invernal", a nova série da Marvel focada no Deus da Trapaça é uma ótima introdução para o que está por vir no Universo Cinematográfico Marvel (MCU). Entretanto, por conta do...

‘Elize Matsunaga – Era Uma Vez Um Crime’: misoginia brasileira escancarada

Duas coisas se destacam na minissérie “Elize Matsunaga: Era Uma Vez Um Crime”: o domínio patriarcal no Brasil e o estudo de personagem feito pela diretora Eliza Capai. A documentarista é responsável por produções que buscam investigar personagens femininas sem...

‘Dom’: história de amor paterno no meio do caos das drogas

Dom (2021), nova aposta da Amazon Prime, é uma série que desperta as mais diversas emoções. Livremente inspirado no romance homônimo escrito pelo titã Tony Belotto e também em O Beijo da Bruxa (2010), de Luiz Victor Lomba (pai do Pedro), a produção narra a história...