Em um mundo diferente, talvez um tratado sobre a colher de plástico fosse um sucesso estrondoso. O mundo já viu muitos cineastas célebres investigando temas potencialmente bobos e saindo com obras deslumbrantes. No entanto, “Spoon”, da diretora Laila Pakalniņa, parece destinado a um nicho de quem gosta de filmes excessivamente lentos.

Mesmo esse público pode ter dificuldade: inserindo uma citação de Leonardo Da Vinci no começo (“Tudo aqui se conecta com todo o resto. De verdade.”), a diretora se propõe a apresentar um quebra-cabeça cinematográfico. As cenas, vagamente relacionadas entre si, mostram diferentes estágios da produção de colheres de plástico. Cabe ao espectador juntar todos os pontos e atribuir significado ao que é visto.

A abordagem de Pakalnina é extremamente séria – algo que pode não parecer próprio para um filme sobre um objeto tão esquecível, mas que se apresenta com clareza durante a produção. É possível sentir o cuidado dado à composição de cada momento, desde o enquadramento até o senso de proporção e geometria. O empenho da diretora em fazer com que o público se concentre chega ao ponto de que ela faça com que apenas uma sequência em todo o filme – a segunda – contenha um movimento de câmera.

Infelizmente, o ritmo glacial e o rigor clínico do processo têm um efeito distanciador. Depois de aparecer pela primeira vez aos cinco minutos de filme, a colher – a coisa mais próxima de um centro de ação que ele oferece – só reaparece a 12 minutos do final. A essa altura, muitas cenas envolvendo trabalhadores e máquinas diluíram a mensagem que “Spoon” tenta transmitir. O fato de que a realizadora dispensa uma narrativa – ou mesmo uma narração – significa que o projeto inevitavelmente funcionará melhor com públicos que apreciam o cinema de forma livre e lenta. 

CAPITALISMO E GLOBALIZAÇÃO A PARTIR DA COLHER

“Spoon” estabelece com sucesso a natureza transitória da colher de plástico através de aparições constantes de navios, trens e carros. De fato, apesar da falta de movimento da câmera, a maioria das pessoas e objetos descritos parecem estar se movendo. No entanto, sendo um trabalho meramente observacional, ele parece extremamente longo apesar de sua curta duração de 65 minutos.

Há alguns comentários pungentes feitos sobre a longa corrente humana necessária para fazer um objeto que tenha uma vida útil de uma única refeição. Fábricas inteiras em lugares como a China e a Noruega estão envolvidas nisso – o que, na verdade, fala muito sobre o atual estágio do capitalismo.

Além disso, os segmentos curtos que mostram a colher em ação deixam a clara lacuna econômica entre produtores e usuários ser entrevista. O objeto descartável encontra seu fim em grandes festas de aniversário e eventos de ciclismo – atividades que a maioria das pessoas pobres, incluindo as que trabalham nas fábricas mostradas, não podem participar. Infelizmente, no entanto, nada disso é suficiente para sustentar o filme.

*o jornalista viajou para o Festival de Karlovy Vary como parte da equipe do GoCritic!, programa de fomento de jovens críticos do site Cineuropa, no qual esta crítica foi originalmente publicada em inglês.

‘Pássaros de Verão’: retrato da formação conturbada da América Latina

Já faz tempo que a América Latina apresenta uma história manchada por conflitos. Da colonização até os mais recentes embates por conta do tráfico de drogas, esses momentos tem remodelado a região e criado traumas que não irão embora tão cedo. “Pássaros de Verão” tem...

‘Minha Lua de Mel Polonesa’: romance simpático e também superficial

Filme de estreia da atriz francesa Élise Otzenberger na direção, “Minha Lua de Mel Polonensa” tinha todos os elementos para ser uma ótima comédia de relacionamentos. Neste longa, há situações convencionais sobre experiências de viagem em terras estrangeiras, a jornada...

‘Deslembro’: os efeitos da ditadura em uma família traumatizada

Se “Vermelho Sol” funciona como um filme sobre o clima antes do início de uma ditadura, “Deslembro” faz o mesmo retratando os traumas deixados pela mesma. Situado no período da abertura política do Brasil com a Lei da Anistia em 1979, o longa, escrito e dirigido por...

‘Dafne’: uma viagem de autoconhecimento e superação ao luto

Singelo e encantador, “Dafne” é um filme ousado. Dirigido por Federico Bondi, o drama italiano possui elementos que poderiam levá-lo ao desgaste e até mesmo ao paternalismo piegas, mas o diretor consegue dosar a medida certa para contar o desabrochar de uma jovem com...

‘Divino Amor’: ironia para projeção de futuro aterrorizante do Brasil

Em “Divino Amor”, Gabriel Mascaro realiza uma obra que servirá como exemplar do que foi o Brasil nessas décadas iniciais do século XXI. Um país complicado que, do berço de uma ideia progressista, terminou no mais profundo conservadorismo, flertando agora com as visões...

‘Anna – O Perigo tem Nome’: Luc Besson se afunda cada vez mais

Diretor de títulos como ‘O Profissional’ e ‘O Quinto Elemento’, Luc Besson chamou atenção para sua carreira como cineasta na década de 1990, se tornando um dos nomes mais promissores da época. Apresentando alguns trabalhos medianos até 2010, suas produções mais...

‘Yesterday’: a trilha é maravilhosa, já o filme…

No ano em que Sharon Tate renasceu e uma cidade pernambucana desapareceu do mapa, por que não os Beatles nunca terem existido? “Yesterday” parte desta interessante premissa para unir dois gigantes do cinema mundial: o diretor Danny Boyle, do cult/clássico...

‘Um Amor Inesperado’: surpreendente e ótima comédia argentina

Para mim, as comédias românticas sempre foram filmes com diferentes tramas, mas todas com uma única proposta: fazer seu público refletir sobre a dinâmica dos relacionamentos amorosos. Entretanto, a insistência pela padronização dessas produções nas últimas duas...

‘Skin’: afeto para mudar uma vida marcada pelo ódio

Abordando temas extremamente atuais e relevantes como o racismo, fascismo e supremacia branca, o ganhador do Oscar de melhor Curta-Metragem por “Skin” (2018), o diretor e roteirista israelense Guy Nattiv lançou o longa homônimo, aclamado pela crítica durante o...

‘Privacidade Hackeada’: impossível não se assustar

Uma citação curiosa é dita durante o filme Privacidade Violada: “Dados podem ser usados como armas”. O documentário produzido e lançado pela Netflix com direção de Karin Amer e Jehane Noujaim analisa com precisão o recente escândalo da empresa de dados Cambridge...