Com a ideia de um terror embasado cientificamente, Jeffrey A. Brown faz sua estreia como diretor apresentando uma boa história sobre mutações infecciosas na natureza. “The Beach House” é baseado em uma realidade possível, apresentando também o benefício de bons elementos visuais para compor as criaturas fantasiosas. Apesar de toda grande ambientação, a produção comete consecutivos erros ao desenvolver seus personagens, culminando em uma história que perde seu fôlego justamente durante o clímax. 

“The Beach House” apresenta o jovem casal Emily (Liana Liberato) e Randall (Noah Le Gros) numa viagem romântica a uma casa de praia. No local, ambos conhecem o casal mais velho, Jane (Maryann Nagel) e Mitch (Jake Weber). Tudo vai bem até que uma infecção misteriosa começa a se espalhar pelo litoral expondo diretamente os quatro personagens. 

Ao apresentar o embasamento científico da trama, o diretor possui uma grande facilidade em tornar o assunto compreensível ao seu público, fazendo questão de relacionar as novas mutações com o surgimento da vida na Terra. Apesar de nenhum dos personagens ser desenvolvido devidamente, as justificativas de Emily sobre a carreira a qual pretende seguir são uma narração quase exata do que está acontecendo no mar próximo a eles e, para facilitar ainda mais o entendimento, pequenas pistas visuais são deixadas pelo diretor ajudando também na sua ambientação. 

VISUAL CHAMATIVO 

Com dezenas de produções no currículo atuando no setor de locações (incluindo títulos como ‘The OA’ e ‘O Lobo de Wall Street’), Jeffrey Brown entende a importância de uma boa ambientação para a história. Assim, temos a grata surpresa de um terror que não ocorre exclusivamente com cenas escuras ou durante a noite, mas, também possui a capacidade de criar tensão em plena luz do dia, com um cenário paradisíaco no plano de fundo. 

Para completar essa boa apresentação visual, os elementos científicos de “The Beach House” também possuem uma verossimilhança como os micróbios irradiando luz azul. Da mesma forma, as criaturas mutáveis também apresentam um desenvolvimento técnico bem feito e aproveitado pela direção de fotografia para criar momentos memoráveis. Esta, por sua vez, se arrisca em ângulos incômodos enfatizando a estranheza sobre o local e os personagens em si. 

Ausência de bons personagens 

Confiando na boa atmosfera de terror imposta pelo cenário, “The Beach House” não precisa apelar para consecutivos sustos, criando uma certa liberdade para o elenco crescer dramaticamente sem o exagero nas atuações. Entretanto, o roteiro não ajuda em nada os atores no desenvolvimento de personagens já que a vida de cada um dos quatro é pouco abordada e até mesmo parece inconveniente para a trama. Com exceção de Emily, nenhum dos personagens consegue apelo mínimo para o público torcer por sua sobrevivência. 

Assim, com Emily carregando o terceiro ato nas costas, seu desenvolvimento defasado começa a fazer falta para “The Beach House”, iniciando o uso sucessivo de clichês e das famosas escolhas “burras” feitas em filmes terror. Tudo isto advém meramente da construção de personagem mal idealizada que permite a Emily realizar uma quase cirurgia no próprio pé e, instantes depois, nem sequer conseguir dirigir para se salvar. 

Essa falta de protagonismo e consecutivas escolhas ruins do roteiro fazem “The Beach House” perder sua força inicial e toda expectativa criada sobre a narrativa. Apesar disso, ainda existem bons momentos na história que não tornam o filme estreante de Jeffrey Brown uma total perda de tempo. Para quem gosta de terror ou ficção científica, a trama pode ser bem mais rica e melhor aproveitada, já que estes elementos justificam toda história e fazem valer a pena dedicar atenção a narrativa mal explorada. 

‘Miss Juneteenth’: a busca pela construção do sonho americano negro

Durante uma conversa, o dono do bar em que Turquoise Jones (Nicole Beharie) trabalha afirma que o sonho americano existe, menos para os negros. Esse é um resumo do que aborda “Miss Juneteenth”, longa de Channing Godfrey Peoples. A diretora, que também assina o...

‘Judas e o Messias Negro’: um decepcionante bom filme

Digam o que quiserem do Judas Iscariotes, mas ele é o personagem mais interessante da Bíblia -  do ponto de vista dramático, claro. Porque drama é conflito, e Judas vivia em conflito, e isso faz dele a figura interessante já dramatizada e analisada várias vezes em...

‘Eu Me Importo’: o melhor trabalho de Rosamund Pike desde ‘Garota Exemplar’

Rosamund Pike é uma atriz interessante. Ela tem o talento, a competência como intérprete e a beleza, o pacote completo para virar mega-estrela. A inglesa fez papel de mocinha, esteve até em alguns filmes de ação, mas nunca chegou a dar aquele grande salto para o...

‘O Amor de Sylvie’: Tessa Thompson brilha em romance clichê

“A maioria das pessoas nunca encontra esse tipo de amor. Nem por um verão” Uma protagonista negra segura de si e disposta a lutar pelos seus interesses. Um amor que ultrapassa os anos e a distância. Por mais que isso soe piegas, tinha esperança que esse não fosse o...

‘Adú’: tramas demais prejudicam foco central de drama espanhol

Adú, produção espanhola da Netflix, é um tipo de obra audiovisual que o cinema sempre lançou, mas que vemos com certa frequência hoje em dia: o filme sobre um tópico social importante da atualidade, bem-produzido e bem fotografado, que visa, além de entreter, educar o...

‘A Escavação’: duas metades desequilibradas atrapalham drama

No drama A Escavação, da Netflix, tudo gira em torno de trazer coisas e emoções à superfície. A trama é baseada em fatos reais e reconstitui uma das mais importantes descobertas arqueológicas já feitas no Reino Unido, o “achado de Sutton Hoo”. Tudo começa quando a...

‘Palmer’: Justin Timberlake emociona em drama de fórmula infalível

Em Palmer, drama da Apple TV+ dirigido pelo ator e diretor Fisher Stevens, a proposta é lançar um olhar sensível sobre questões de gênero e de masculinidade. É a história de um homem endurecido de uma geração anterior confrontado pelo mundo moderno, e aprendendo a...

‘Wolfwalkers’: ótima animação sem medo de abordar a morte

Uma animação em 2D de um pequeno estúdio e com baixo orçamento. Essas não parecem ser as características de um filme premiado ou notório na temporada de premiações, mas ‘Wolfwalkers’ atende a todos esses requisitos com benefício de abordar temáticas mais adultas assim...

‘Malcolm & Marie’: egotrip de um diretor mimado dentro e fora das telas

Sam Levinson se empolgou. Após dois filmes pouco badalados - “Bastidores de um Casamento” (2011) e “País da Violência” (2018) - o filho de Barry Levinson (“Rain Man”) alcançou o sucesso de público e crítica com “Euphoria”, na HBO. Do auge da maturidade de seus 36...

‘Nomadland’: a jornada é mais importante que o destino

É uma terra fria a que vemos em Nomadland. No filme da diretora Chloé Zhao, o interior dos Estados Unidos é um espaço gelado e dilapidado. Ambientado alguns anos após a crise econômica de 2008, no filme acompanhamos a viúva Fern, interpretada por Frances McDormand,...