Desde detalhes nos figurinos até os diálogos, ‘The Boys’ sempre encontra uma forma de referenciar outros universos de super-heróis, rendendo ótimas piadas e até mesmo críticas. Desta vez, a série nos leva diretamente a uma releitura do Asilo Arkham de Gotham City, mas, sem DC ou Batman, a irreverência é a grande protagonista do episódio, mostrando que a produção consegue ser uma ótima sátira com espaço também para um bom conteúdo original. 

No sexto episódio da temporada, “The Boys” apresenta o centro de experimentos em super-heróis Sage Grove. Encoberto como uma clínica de tratamento psiquiátrico, o local se assemelha com o Arkham por abrigar superpoderosos descontrolados com talentos incríveis até mesmo para a realidade da série. Aproveitando para explorar melhor seu elenco, a trama é protagonizada por Frenchie (Tomer Capon), Kimiko (Karen Fukuhara), e MM (Laz Alonso), personagens secundários e mal aproveitados até então, que ganham boas narrativas.   

LEIA TAMBÉM: Crítica – “The Boys”: 2×01 a 2×04

Nos intervalos da ação principal, a dinâmica entre os personagens continua sendo um ponto forte. Homelander (Anthony Starr) e Stormfront (Aya Cash) continuam sádicos e implacáveis. Os dois são, ao mesmo tempo, tão ruins e perfeitos um para o outro que dá vontade de torcer para o relacionamento deles. De forma mais morna, a relação entre Hughie (Jack Quaid) e Butcher (Karl Urban) evolui lentamente com a adição de Starlight (Erin Moriarty) como forma de estremecer a parceria entre os amigos, se restringindo a uma narrativa bem ultrapassada. Inclusive, a principal serventia da superpoderosa é dar as respostas ao um roteiro despreparado para as cenas de ação no Sage Grove. 

No restante dos personagens, Maeve (Dominique McElligott) continua caminhando em sua promessa de acabar com o Homelander. Aqui a única novidade é perceber que “The Boys” verdadeiramente gostaria de aproveitar revelações da primeira temporada como motivação para tal golpe. Enquanto isso, A-Train (Jessie T. Usher) e Deep (Chace Crawford) seguem extremamente desinteressantes, um desperdício visto que ambos atores se esforçam em vender tal narrativa. 

Nem tão Coadjuvantes 

Mesmo fazendo parte do “The Boys”, Frenchie, Kimiko e MM nunca tiveram um grande aprofundamento narrativo apesar de outros personagens existirem somente para embasar suas histórias. Frenchie tinha Cherie; Kimiko reviu o irmão e MM construiu uma família, entretanto, com a ausência destes núcleos, os três caíram no esquecimento durante as sequências frenéticas da temporada, apesar de sempre serem utilizados como boas justificativas para furos no roteiro. 

LEIA TAMBÉM: Crítica – “The Boys”: 2×05

Por todos esses motivos, ter como primeira cena com um flashback de Frenchie dita o tom do episódio, sem decepcionar ao relacionar a trama atual com o passado do personagem. Respondendo a muitas perguntas sobre como a formação do grupo anti-Vought e acerca do próprio Frenchie, seu passado é revelado conforme a trama no Sage Grove avança, mantendo o interesse sobre. Até então o francês estava perdido na relação com Kimiko, sem mostrar uma grande influência para a temporada, por isso, o episódio não apenas ressignifica sua construção e relação com outros personagens, como também lhe atribui importância para o futuro da série. A esperança é que o mesmo ocorra futuramente com MM e alguém consiga finalmente conectá-lo com sua filha. 

Já na ação do Sage Grove, ‘The Boys’ é extremamente inteligente. A trama avança explorando a relação entre seus personagens e, ao mesmo tempo, deixando o futuro da série claro em pequenos detalhes. Logo nos primeiros 20 minutos, fica explícito que a novata Cindy (Ess Hödlmoser) receberá destaque na trama, sendo revelado aos poucos como será desenvolvido.  

Por isso, de forma geral, o sexto episódio marca uma boa transição e continuidade para as histórias da série desde sua primeira temporada, com o benefício de apresentar personagens esquecidos e ainda os colocar em um ótimo cenários para cenas sanguinárias. 

‘Better Call Saul’ 6×07: Plan and Execution

Bem... Até onde algumas pessoas podem ir para ferrar com a vida de uma outra? E o quão rápido as coisas podem ir do céu ao inferno para alguns? Essas são perguntas que ficam na mente ao final do sétimo episódio desta sexta temporada de Better Call Saul, intitulado...

‘Better Call Saul’ 6×06: Axe and Grind

O episódio desta semana de Better Call Saul começa com um flashback, nos mostrando um incidente com Kim na sua infância. Ela é pega roubando numa loja, sua mãe aparece – uma atriz que impressiona pela semelhança com Rhea Seehorn, mais um acerto da escalação de elenco...

‘Better Call Saul’ 6×05: Black and Blue

Dois aspectos de Better Call Saul ficaram claros ao longo da série são: os produtores e roteiristas não têm pressa em construir as situações; e nada acontece de acordo com o esperado. Em relação ao primeiro aspecto, sempre se percebeu o ritmo deliberado da série –...

‘Better Call Saul’ 6×04: Hit and Run

Rhea Seehorn é a revelação de Better Call Saul, uma atriz que se mostrou forte e dona da sua personagem desde sua primeira cena na série, e graças a ela e aos roteiristas e diretores do seriado, a Kim se tornou uma das figuras mais marcantes do universo criado por...

‘Better Call Saul’ 6×03: Rock and Hard Place

AVISO DE SPOILERS: Recomenda-se ler só após assistir ao episódio. Uma das grandes diversões para se acompanhar durante toda a série Better Call Saul era ver personagens inteligentes armando golpes criativos – e engraçados – para enganar alguém. A expectativa para nós,...

‘Ruptura’: o nosso purgatório corporativo de cada dia

“Ruptura” chega até nós causando um bafafá que a compara a “Black Mirror” e “The Office”, mas essas não são as únicas referências que permeiam o trabalho. A temporada, dirigida por Ben Stiller e Aoife McArdle, passa boa parte da primeira metade à procura de um tom...

‘Better Call Saul’ – Episódios 6×01 e 6×02: caminhos sempre inesperados

Aqui estamos, caro leitor: é o retorno da cobertura semanal da sexta e última temporada de Better Call Saul. Faz dois anos desde a quinta temporada, uma longa espera. Nesse meio tempo, a pandemia atrasou as gravações e o lançamento desta última fornada de episódios, e...

‘Anatomia de um Escândalo’: a novela britânica da Netflix

Quando criou Big Little Lies para a TV, David E. Kelley escreveu sobre a vida de três mulheres distintas que viviam em Monterrey, Califórnia. Entre traições, violência doméstica e disputas de ego, ficou claro que contar a crise dentro da classe alta norte-americana...

‘Only Murders In the Building’: a imaginação e sua capacidade de unir gerações

Steve Martin e Martin Short são duas lendas do teatro, televisão e cinema de Hollywood. Mestres da comédia, durante anos emendaram sucesso atrás de sucesso nestas diversas áreas sempre muito celebrados com crítica, público, prêmios e dinheiro. Mas, no showbusiness...

‘Pam & Tommy’: acerto em uma onda de revisionismo

Era apenas questão de tempo que Hollywood resolvesse contar a história de um de seus maiores ícones recentes, símbolo da década de 1990 e vítima do primeiro viral de uma internet que ainda era novidade até mesmo para quem poderia pagar para tê-la com facilidade...