Embora o episódio final da temporada sempre seja o mais aguardado e, por vezes, aclamado nos seriados, muito da expectativa sobre ele é construída no episódio anterior, responsável por unificar narrativas e preparar um bom desfecho. Sabendo disso, o showrunner Eric Kripke cria um cenário perfeito para o final do segundo ano de “The Boys” com um capítulo basicamente completo: em apenas uma hora, a série varia facilmente entre momentos dramáticos, chocantes, reveladores e, é claro, hilários. Tudo isso ainda carrega como plano de fundo um discurso crítico sobre preconceito e xenofobia e diversas pistas sobre as perguntas deixadas pela trama. 

Aproveitando cada segundo, o episódio começa passando a mensagem mais crítica que “The Boys” possui. Logo de cara, temos um personagem desconhecido, uma pessoa comum, sendo bombardeada com o discurso xenofóbico, nacionalista e bélico encabeçado por Homelander (Anthony Starr) e Stormfront (Aya Cash). O resultado da convivência e reforço dessas informações é o início de um ciclo vicioso de violência e preconceito. Durante toda a temporada, essa intenção de falar sobre “super-terroristas” sempre esteve presente, porém, esse é o episódio que escancara tal discurso, mostrando suas consequências práticas. 

LEIA TAMBÉM: Crítica – “The Boys”: 2×01 a 2×04

Já na trama principal, tanto Os Sete quanto The Boys se preparam para o julgamento da Vought sobre o uso de Composto V em seus heróis. Apesar de ser esperado que o episódio leve o público até o Congresso, essa expectativa fica bem esquecida devido às tramas correlatas. Primeiramente, temos Starlight (Erin Moriarty) sendo descoberta e exposta como uma infiltrada na Vought, resultando na desastrosa missão de Hughie (Jack Quaid) em resgatá-la. Tal dinâmica mais voltada para a ação e humor ácido funciona muito melhor que o romance entre os dois, mantendo um bom ritmo no episódio. 

Enquanto isso, Butcher (Karl Urban) é cada vez mais explorado como um personagem solitário, sendo extremamente satisfatório obter as respostas deixadas pela temporada sobre sua vida pessoal. Da mesma forma, Kimimo (Karen Fukuhara) e Frechie (Tomer Capon) possuem um bom destaque para dar continuidade ao episódio anterior; aqui, o único erro seria encerrar suas histórias junto com a temporada, caindo no grande clichê de mostrar o passado do personagem antes que ele morra sem maior importância para a série. 

EXPECTATIVA ALTA PARA DESFECHO

Agora assumidos também para o público, Homelander e Stormfront não possuem grandes cenas sádicas ou chocantes neste episódio, mas, ficam destinados a seus discursos e oratórias, o que pode ser tão cruel quanto as sequências explícitas. O resultado desta dinâmica é o estopim para o episódio final e uma motivação plausível para o enfrentamento entre Os Sete e The Boys, afinal, desde os primeiros episódios, a narrativa entre Homelander e seu filho é abordada, finalmente sendo revelado o motivo. 

LEIA TAMBÉM: Crítica – “The Boys”: 2×05

Por outro lado, sem avançar na narrativa, MaeveDeep e A-Train permanecem estáticos durante a temporada. Tudo bem, suas histórias já apresentam sinais de que serão importantes para o desfecho, entretanto, para isso, os personagens ficam presos em momentos fracos e até mesmo esquecíveis, sem tendências para o humor ou drama sequer, com exceção de Maeve que encontra uma luz no fim do túnel (e do episódio), provavelmente para justificar uma aparição decisiva futuramente.   

LEIA TAMBÉM: Crítica – “The Boys”: 2×06

Com diversas linhas narrativas convertendo ao julgamento no Congresso, “The Boys” encerra o episódio de forma chocante e igualmente divertida. Apesar de parecer bem controverso descrever dessa maneira, a série prova com esse episódio que sabe ser séria quando quer como em suas cenas iniciais de crítica social, porém, também sabe ser sádica ao ponto de colocar pequenas tendências ao humor durante um massacre. Essa dosagem entre diferentes gêneros e histórias mantém uma expectativa muito alta para o último episódio e, mesmo sem grandes vazamentos sobre a trama, ainda é possível aproveitar as referências, easter eggs e pistas deixadas durante toda a série para pensar em um final nada menos que memorável. 

‘Modern Love’ 2ª temporada: olhar amadurecido sobre as formas de amar

Recomenda-se que esse texto seja lido com a trilha sonora de John Carney. Quando você relembra seus relacionamentos marcantes, que memórias lhe vem à mente? Que músicas e sensações atingem seus sentidos a ponto de soltar um sorriso imperceptível ou o coração apertar...

‘As Filhas de Eva’: a sedutora serpente chamada liberdade

Quem foi Eva? Segundo os escritos da Bíblia, foi a primeira mulher do Planeta Terra, nascida da costela de Adão, o primeiro homem. Enganada e seduzida pela serpente, come o fruto proibido e, como castigo para ambos, Deus enviou o caos à Terra. Esta é uma breve síntese...

‘Loki’: boa, porém desperdiçada, introdução ao multiverso Marvel

Após a excêntrica e divertida "Wandavision", a política e reflexiva "Falcão e o Soldado Invernal", a nova série da Marvel focada no Deus da Trapaça é uma ótima introdução para o que está por vir no Universo Cinematográfico Marvel (MCU). Entretanto, por conta do...

‘Elize Matsunaga – Era Uma Vez Um Crime’: misoginia brasileira escancarada

Duas coisas se destacam na minissérie “Elize Matsunaga: Era Uma Vez Um Crime”: o domínio patriarcal no Brasil e o estudo de personagem feito pela diretora Eliza Capai. A documentarista é responsável por produções que buscam investigar personagens femininas sem...

‘Dom’: história de amor paterno no meio do caos das drogas

Dom (2021), nova aposta da Amazon Prime, é uma série que desperta as mais diversas emoções. Livremente inspirado no romance homônimo escrito pelo titã Tony Belotto e também em O Beijo da Bruxa (2010), de Luiz Victor Lomba (pai do Pedro), a produção narra a história...

‘Solos’: minissérie joga fora todos seus promissores potenciais

A minissérie do Prime Video "Solos" busca se distanciar de comparações ao streaming concorrente. Para tanto, traz elementos de ficção científica e a relação da tecnologia com (e eventualmente versus) a humanidade em um futuro distópico. Nesse sentido, há uma...

‘Manhãs de Setembro’: Lineker encanta em busca pela independência

“Manhãs de Setembro” é uma série recém-lançada pelo Prime Vídeo e traz a cantora Liniker no papel da protagonista Cassandra, uma mulher trans que divide seu tempo como motogirl de um aplicativo de entrega e seu trabalho como cantora. Somos apresentados à personagem em...

‘Mare of Easttown’: Kate Winslet domina brilhante estudo de personagem

Mare Sheehan não encara um bom momento em sua vida. Ela é uma policial na faixa dos 40 anos na cidadezinha de Easttown, no estado americano da Pensilvânia, um daqueles locais onde todo mundo conhece todo mundo. Há cerca de um ano uma jovem desapareceu por lá, e Mare e...

‘O Caso Evandro’: uma narrativa macabra repleta de reviravoltas

São poucas histórias factuais com tantas reviravoltas a ponto de serem mais interessantes e impressionantes do que as narrativas de ficção. A série documental “Caso Evandro”, disponível na Globoplay, entretanto, apresenta um conto revelador sobre um Brasil repleto de...

‘The Underground Railroad’: comovente luta pela liberdade e contra o racismo

É muito difícil encontrar uma adaptação audiovisual de um livro que consiga superar a obra original. “The Underground Railroad”, entretanto, não apenas alcança este feito como também atribui novas perspectivas ao romance homônimo escrito pelo premiado Colson...