The Eddy, a minissérie da Netflix sobre o submundo de Paris visto pelos olhos dos músicos do clube de jazz do título, tem muitas qualidades a seu favor. Tem um ótimo elenco: André Holland de Moonlight (2016), Joanna Kulig, de Guerra Fria (2018) e Tahar Rahim de O Profeta (2009) fazem os personagens principais. Dentre os produtores, está o cineasta vencedor do Oscar Damien Chazelle, de Whiplash (2014), La La Land (2016) e O Primeiro Homem (2018). E mesmo com esses elementos a favor, o resultado… bem, é simplesmente chato.

Chazelle dá o tom dirigindo os dois primeiros episódios. De cara, somos arremessados no universo do clube de jazz The Eddy, que já viveu dias melhores – como todos os clubes de jazz da ficção, não é mesmo? O dono, Elliot (Holland), está sob tensão, tentando atrair público e artistas de destaque para tocar com a sua banda – no passado, ele foi um pianista de sucesso, mas interrompeu a carreira por uma tragédia pessoal. Ele e a vocalista, Maja (Kulig), tiveram um caso no passado. As coisas pioram quando Elliot descobre que seu braço direito no clube, Farid (Rahim), está envolvido com uns bandidos da pesada. Quando uma figura importante do The Eddy é assassinada, as vidas de todos os personagens passam a ser afetadas, ao mesmo tempo em que Elliot começa a ser pressionado pela polícia e pelos criminosos.

Apesar do nome do diretor de La La Land ser o chamariz para o público, as principais forças criativas do seriado são os produtores Jack Thorne e Glen Ballard, que contribuem para o ecletismo da produção. Thorne é o verdadeiro criador da série, e também roteirizou filmes como Extraordinário (2017) e The Aeronauts (2019), além de ter feito a adaptação para o teatro de Harry Potter and the Cursed Child. Thorne queria escrever sobre Paris e jazz, e se aliou a Chazelle e Ballard, este último responsável por quase todas as canções ouvidas no seriado.  Ballard entrou para a história da música ao produzir o primeiro disco da cantora Alanis Morrisette, o megassucesso Jagged Little Pill (1995) e, de lá para cá, trabalhou com grandes artistas. As canções originais ouvidas em The Eddy são bem boas – destes três colaboradores, Ballard foi o que realizou o melhor trabalho.

Chazelle dirige seus episódios com uma câmera sempre na mão, tremida e tensa, o que se torna parte do estilo visual da série nos episódios subsequentes – felizmente, os diretores seguintes pegam mais leve na tremedeira. E os atores se mostram bem competentes nas interpretações: Holland é interessante – e não deixa de ser divertido vê-lo sendo dirigido por Chazelle, depois da confusão entre Moonlight e La La Land no Oscar 2017; Kulig canta bem de novo e Rahim se mostra carismático e poderia até aparecer mais. Além deles, Amanda Stenberg como a filha de Elliot e Leïla Bekthi como a esposa de Farid – e esposa de Rahim na vida real – também se destacam com seus bons trabalhos ao longo dos episódios.

EXPERIÊNCIA CANSATIVA

O que impede The Eddy de realmente encantar são os roteiros. Estruturalmente, cada um dos oito episódios é dedicado a um personagem em particular e seus dramas, enquanto a trama principal com Elliot e o mistério do assassinato prosseguem. O problema é que esses dramas não são assim tão interessantes ou envolventes. O que vemos são problemas de relacionamento entre pai e filha, ou românticos, coisas que já vimos antes milhares de vezes. O terceiro episódio é quase que inteiramente dedicado ao velório do personagem que morre, e embora seja compreensível que os personagens da série sintam a falta dele, pouco vimos desse personagem em tela para justificar tanto tempo gasto com a sua despedida. Não há nenhuma urgência na narrativa e o que vemos é clichê e igual a centenas de outros seriados e filmes, apesar do esforço do elenco.

A trama principal, com Elliot, também é conduzida a passo de tartaruga – ele próprio, com seu mau humor e introspecção, também não é um protagonista assim tão atraente, deixando a série com um buraco no centro na maior parte do tempo. E para piorar, o fim é bem manipulador e decepcionante. De maneira curiosa, algumas pontas importantes ficam soltas, talvez na expectativa de renovar a série para uma segunda temporada. O que é propaganda enganosa, visto que a Netflix anuncia The Eddy como minissérie, mas não entrega um desfecho satisfatório.

Apesar da boa música e de bons momentos isolados aqui e ali, The Eddy acaba sendo uma experiência frustrante, ainda mais tendo em conta o talento envolvido. Há várias cenas de Elliot criticando a sua banda no decorrer dos episódios, e ele é um patrão chato e exigente. Se os produtores e roteiristas de The Eddy tivessem sido tão exigentes com eles mesmos, talvez a minissérie (ou série?) que eles criaram conseguisse colocar no palco um show realmente interessante.

‘Heartstopper’ e a beleza da simplicidade de um romance

A adolescência é um período turbulento marcado, principalmente, por descobertas. Nesta fase da vida que se questiona muita coisa e a compreensão do seu corpo e do seu querer tornam-se mais pulsantes. Vivemos uma busca por compreensão de si mesmo. (In)certezas e...

‘Better Call Saul’ 6×07: Plan and Execution

Bem... Até onde algumas pessoas podem ir para ferrar com a vida de uma outra? E o quão rápido as coisas podem ir do céu ao inferno para alguns? Essas são perguntas que ficam na mente ao final do sétimo episódio desta sexta temporada de Better Call Saul, intitulado...

‘Better Call Saul’ 6×06: Axe and Grind

O episódio desta semana de Better Call Saul começa com um flashback, nos mostrando um incidente com Kim na sua infância. Ela é pega roubando numa loja, sua mãe aparece – uma atriz que impressiona pela semelhança com Rhea Seehorn, mais um acerto da escalação de elenco...

‘Better Call Saul’ 6×05: Black and Blue

Dois aspectos de Better Call Saul ficaram claros ao longo da série são: os produtores e roteiristas não têm pressa em construir as situações; e nada acontece de acordo com o esperado. Em relação ao primeiro aspecto, sempre se percebeu o ritmo deliberado da série –...

‘Better Call Saul’ 6×04: Hit and Run

Rhea Seehorn é a revelação de Better Call Saul, uma atriz que se mostrou forte e dona da sua personagem desde sua primeira cena na série, e graças a ela e aos roteiristas e diretores do seriado, a Kim se tornou uma das figuras mais marcantes do universo criado por...

‘Better Call Saul’ 6×03: Rock and Hard Place

AVISO DE SPOILERS: Recomenda-se ler só após assistir ao episódio. Uma das grandes diversões para se acompanhar durante toda a série Better Call Saul era ver personagens inteligentes armando golpes criativos – e engraçados – para enganar alguém. A expectativa para nós,...

‘Ruptura’: o nosso purgatório corporativo de cada dia

“Ruptura” chega até nós causando um bafafá que a compara a “Black Mirror” e “The Office”, mas essas não são as únicas referências que permeiam o trabalho. A temporada, dirigida por Ben Stiller e Aoife McArdle, passa boa parte da primeira metade à procura de um tom...

‘Better Call Saul’ – Episódios 6×01 e 6×02: caminhos sempre inesperados

Aqui estamos, caro leitor: é o retorno da cobertura semanal da sexta e última temporada de Better Call Saul. Faz dois anos desde a quinta temporada, uma longa espera. Nesse meio tempo, a pandemia atrasou as gravações e o lançamento desta última fornada de episódios, e...

‘Anatomia de um Escândalo’: a novela britânica da Netflix

Quando criou Big Little Lies para a TV, David E. Kelley escreveu sobre a vida de três mulheres distintas que viviam em Monterrey, Califórnia. Entre traições, violência doméstica e disputas de ego, ficou claro que contar a crise dentro da classe alta norte-americana...

‘Only Murders In the Building’: a imaginação e sua capacidade de unir gerações

Steve Martin e Martin Short são duas lendas do teatro, televisão e cinema de Hollywood. Mestres da comédia, durante anos emendaram sucesso atrás de sucesso nestas diversas áreas sempre muito celebrados com crítica, público, prêmios e dinheiro. Mas, no showbusiness...