The Eddy, a minissérie da Netflix sobre o submundo de Paris visto pelos olhos dos músicos do clube de jazz do título, tem muitas qualidades a seu favor. Tem um ótimo elenco: André Holland de Moonlight (2016), Joanna Kulig, de Guerra Fria (2018) e Tahar Rahim de O Profeta (2009) fazem os personagens principais. Dentre os produtores, está o cineasta vencedor do Oscar Damien Chazelle, de Whiplash (2014), La La Land (2016) e O Primeiro Homem (2018). E mesmo com esses elementos a favor, o resultado… bem, é simplesmente chato.

Chazelle dá o tom dirigindo os dois primeiros episódios. De cara, somos arremessados no universo do clube de jazz The Eddy, que já viveu dias melhores – como todos os clubes de jazz da ficção, não é mesmo? O dono, Elliot (Holland), está sob tensão, tentando atrair público e artistas de destaque para tocar com a sua banda – no passado, ele foi um pianista de sucesso, mas interrompeu a carreira por uma tragédia pessoal. Ele e a vocalista, Maja (Kulig), tiveram um caso no passado. As coisas pioram quando Elliot descobre que seu braço direito no clube, Farid (Rahim), está envolvido com uns bandidos da pesada. Quando uma figura importante do The Eddy é assassinada, as vidas de todos os personagens passam a ser afetadas, ao mesmo tempo em que Elliot começa a ser pressionado pela polícia e pelos criminosos.

Apesar do nome do diretor de La La Land ser o chamariz para o público, as principais forças criativas do seriado são os produtores Jack Thorne e Glen Ballard, que contribuem para o ecletismo da produção. Thorne é o verdadeiro criador da série, e também roteirizou filmes como Extraordinário (2017) e The Aeronauts (2019), além de ter feito a adaptação para o teatro de Harry Potter and the Cursed Child. Thorne queria escrever sobre Paris e jazz, e se aliou a Chazelle e Ballard, este último responsável por quase todas as canções ouvidas no seriado.  Ballard entrou para a história da música ao produzir o primeiro disco da cantora Alanis Morrisette, o megassucesso Jagged Little Pill (1995) e, de lá para cá, trabalhou com grandes artistas. As canções originais ouvidas em The Eddy são bem boas – destes três colaboradores, Ballard foi o que realizou o melhor trabalho.

Chazelle dirige seus episódios com uma câmera sempre na mão, tremida e tensa, o que se torna parte do estilo visual da série nos episódios subsequentes – felizmente, os diretores seguintes pegam mais leve na tremedeira. E os atores se mostram bem competentes nas interpretações: Holland é interessante – e não deixa de ser divertido vê-lo sendo dirigido por Chazelle, depois da confusão entre Moonlight e La La Land no Oscar 2017; Kulig canta bem de novo e Rahim se mostra carismático e poderia até aparecer mais. Além deles, Amanda Stenberg como a filha de Elliot e Leïla Bekthi como a esposa de Farid – e esposa de Rahim na vida real – também se destacam com seus bons trabalhos ao longo dos episódios.

EXPERIÊNCIA CANSATIVA

O que impede The Eddy de realmente encantar são os roteiros. Estruturalmente, cada um dos oito episódios é dedicado a um personagem em particular e seus dramas, enquanto a trama principal com Elliot e o mistério do assassinato prosseguem. O problema é que esses dramas não são assim tão interessantes ou envolventes. O que vemos são problemas de relacionamento entre pai e filha, ou românticos, coisas que já vimos antes milhares de vezes. O terceiro episódio é quase que inteiramente dedicado ao velório do personagem que morre, e embora seja compreensível que os personagens da série sintam a falta dele, pouco vimos desse personagem em tela para justificar tanto tempo gasto com a sua despedida. Não há nenhuma urgência na narrativa e o que vemos é clichê e igual a centenas de outros seriados e filmes, apesar do esforço do elenco.

A trama principal, com Elliot, também é conduzida a passo de tartaruga – ele próprio, com seu mau humor e introspecção, também não é um protagonista assim tão atraente, deixando a série com um buraco no centro na maior parte do tempo. E para piorar, o fim é bem manipulador e decepcionante. De maneira curiosa, algumas pontas importantes ficam soltas, talvez na expectativa de renovar a série para uma segunda temporada. O que é propaganda enganosa, visto que a Netflix anuncia The Eddy como minissérie, mas não entrega um desfecho satisfatório.

Apesar da boa música e de bons momentos isolados aqui e ali, The Eddy acaba sendo uma experiência frustrante, ainda mais tendo em conta o talento envolvido. Há várias cenas de Elliot criticando a sua banda no decorrer dos episódios, e ele é um patrão chato e exigente. Se os produtores e roteiristas de The Eddy tivessem sido tão exigentes com eles mesmos, talvez a minissérie (ou série?) que eles criaram conseguisse colocar no palco um show realmente interessante.

‘Modern Love’ 2ª temporada: olhar amadurecido sobre as formas de amar

Recomenda-se que esse texto seja lido com a trilha sonora de John Carney. Quando você relembra seus relacionamentos marcantes, que memórias lhe vem à mente? Que músicas e sensações atingem seus sentidos a ponto de soltar um sorriso imperceptível ou o coração apertar...

‘As Filhas de Eva’: a sedutora serpente chamada liberdade

Quem foi Eva? Segundo os escritos da Bíblia, foi a primeira mulher do Planeta Terra, nascida da costela de Adão, o primeiro homem. Enganada e seduzida pela serpente, come o fruto proibido e, como castigo para ambos, Deus enviou o caos à Terra. Esta é uma breve síntese...

‘Loki’: boa, porém desperdiçada, introdução ao multiverso Marvel

Após a excêntrica e divertida "Wandavision", a política e reflexiva "Falcão e o Soldado Invernal", a nova série da Marvel focada no Deus da Trapaça é uma ótima introdução para o que está por vir no Universo Cinematográfico Marvel (MCU). Entretanto, por conta do...

‘Elize Matsunaga – Era Uma Vez Um Crime’: misoginia brasileira escancarada

Duas coisas se destacam na minissérie “Elize Matsunaga: Era Uma Vez Um Crime”: o domínio patriarcal no Brasil e o estudo de personagem feito pela diretora Eliza Capai. A documentarista é responsável por produções que buscam investigar personagens femininas sem...

‘Dom’: história de amor paterno no meio do caos das drogas

Dom (2021), nova aposta da Amazon Prime, é uma série que desperta as mais diversas emoções. Livremente inspirado no romance homônimo escrito pelo titã Tony Belotto e também em O Beijo da Bruxa (2010), de Luiz Victor Lomba (pai do Pedro), a produção narra a história...

‘Solos’: minissérie joga fora todos seus promissores potenciais

A minissérie do Prime Video "Solos" busca se distanciar de comparações ao streaming concorrente. Para tanto, traz elementos de ficção científica e a relação da tecnologia com (e eventualmente versus) a humanidade em um futuro distópico. Nesse sentido, há uma...

‘Manhãs de Setembro’: Lineker encanta em busca pela independência

“Manhãs de Setembro” é uma série recém-lançada pelo Prime Vídeo e traz a cantora Liniker no papel da protagonista Cassandra, uma mulher trans que divide seu tempo como motogirl de um aplicativo de entrega e seu trabalho como cantora. Somos apresentados à personagem em...

‘Mare of Easttown’: Kate Winslet domina brilhante estudo de personagem

Mare Sheehan não encara um bom momento em sua vida. Ela é uma policial na faixa dos 40 anos na cidadezinha de Easttown, no estado americano da Pensilvânia, um daqueles locais onde todo mundo conhece todo mundo. Há cerca de um ano uma jovem desapareceu por lá, e Mare e...

‘O Caso Evandro’: uma narrativa macabra repleta de reviravoltas

São poucas histórias factuais com tantas reviravoltas a ponto de serem mais interessantes e impressionantes do que as narrativas de ficção. A série documental “Caso Evandro”, disponível na Globoplay, entretanto, apresenta um conto revelador sobre um Brasil repleto de...

‘The Underground Railroad’: comovente luta pela liberdade e contra o racismo

É muito difícil encontrar uma adaptação audiovisual de um livro que consiga superar a obra original. “The Underground Railroad”, entretanto, não apenas alcança este feito como também atribui novas perspectivas ao romance homônimo escrito pelo premiado Colson...