Jonathan Glazer é um diretor que, goste-se ou não, possui uma maneira particular de realizar cinema. Seus filmes são calcados nas suas composições visuais inusitadas, e na criação de atmosfera auxiliada por processos de montagem que a princípio soam convencionais para depois subverterem a base estabelecida. 

Desenvolver uma trama aristotélica está segundo (ou terceiro) plano.  Com isso os seus filmes sempre desconcertam, pois não dão ao público aquilo a que estão acostumados. 

Em Sexy Beast (2000) e Reencarnação (2005), a trama até que se faz presente – em certa medida – situando o caminho de seus vulneráveis protagonistas, mas em Sob a Pele (2014), sua obra-prima, ela está ali só para constar. Neste longa, Glazer encontrou algo potente, uma direção focada em criar sensações, a partir de um domínio de elementos de som, fotografia (uso de cores, formas) e montagem, mas também capazes de criar vínculo emocional, aqui com a personagem de Scarlett Johansson, mesmo que saibamos muito pouco (ou nada) sobre o porquê dela estar ali e fazer o que faz. Belíssimo exemplar de cinema pensado não para ser entendido, mas sentido. A jornada é o propósito. 

Em seu filme mais recente, o curta-metragem de 7 minutos disponível no MUBI, The Fall, a jornada parece ser de novo o que há para se apreciar. Mas diferente do que aconteceu no trabalho anterior, aqui não há tempo para que se estabeleça qualquer vínculo afetivo com os personagens. Sequer vemos os seus rostos. O que modifica inclusive a relação sensorial com a obra, resultando numa experiência que fica na metade do caminho. 

É até difícil fazer uma sinopse, ainda mais sem cair em spoilers. Resumindo bem, acompanhamos o processo de fuga de um homem perseguido por um grupo que quer enforcá-lo. 

No universo criado por Glazer, todos os personagens usam uma espécie de máscara. Um elemento simples, mas poderoso como signo visual. Todas as ações ganham contornos mais assustadores ao vermos seres sem expressões agindo de maneira agressiva, como corpos incapazes de serem identificados. Não à toa o filme tem sido vendido (e comprado) como sendo de terror. 

EXERCÍCIO NÃO LEVADO À SÉRIO

A elaborada composição dos quadros permanece como boa característica, com imagens mais pensadas em guardar lacunas – deixando propositalmente espaço para que o som complete as informações – do que ser um registro mais objetivo dos fatos. O plano mostrando a passagem de uma corda auxiliado pelo desenho de som gera momento impactante ao ser seguido de uma revelação da trama. 

Mas apesar da direção permanecer aguçada, aqui Glazer chega a um resultado que beira o banal. A trajetória nos leva a um estado, ou situação, que não se completa, nem chega a algum lugar notável. Parece uma boa cena dentro de um filme de maior duração. Isoladamente, como obra de sete minutos, diz muito pouco. Quando o filme chega aos créditos é quase impossível não ser atravessado pelo pensamento de: “então, o filme acabou mesmo e tal?” 

Óbvio que as subjetividades existem, e que talvez o objetivo do curta seja realmente se apresentar como experiência lacunar e intensa dentro do seu curto fôlego. Só que Glazer é capaz de mais do que isso, o resultado aqui alcançado soa como zona de conforto, não indica caminhos, tem cara de exercício que nem o próprio diretor leva tão a sério. 

É sempre bom ver diretores interessantes trabalhando, investigando propostas, experimentando. Foi bom assistir a um novo trabalho de Glazer, e mais uma vez ver o seu trabalho como criador de imagens impactantes, resultando em filmes estranhos, de difícil análise. Da maneira que ficou neste experimento, fica faltando algo mais, embora o exercício seja válido.

‘Remoinho’: bom filme derrapa feio no final

Candidato da Paraíba na mostra competitiva de curtas-metragens nacionais do Festival de Gramado 2020, “Remoinho” é um filme que se insinua grande em diversos momentos, dá indícios de um potencial enorme. Ao término dele, porém, o sentimento que fica é da frustração...

‘Você tem Olhos Tristes’: conto preciso sobre a precariedade do trabalho

No final dos créditos do curta Você Tem Olhos Tristes, do diretor Diogo Leite, aparece a informação de que a produção foi filmada em dezembro de 2019. Seus realizadores não podiam imaginar que quase um ano depois o curta ganharia uma relevância insuspeita numa época...

‘Dominique’: simples, potente e acolhedor

O Brasil é um dos países que lidera o ranking de assassinato de transsexuais no mundo. Por mais batida e repetitiva que essa frase soe, tornou-se inevitavelmente assumir o espiral crescente de violência que se deposita em nosso país. Acompanha-se o reflexo da...

‘Joãozinho da Goméia – O Rei do Candomblé’: provocação mais do que bem-vinda

Ousado e provocativo, Joãozinho da Goméia foi uma das lideranças mais populares do candomblé no Brasil durante os anos de 1940 a 1960.  Apesar da rejeição da parte mais conservadora da sociedade e de alas mais tradicionais da religião africana, o babalorixá negro e...

‘O Samba é Primo do Jazz’: documentário trivial sobre Alcione

Os documentários sobre estrelas da música brasileira estão para o cinema nacional como as cinebiografias estão para o cinema americano e britânico. Somos testemunhas de diversas produções do tipo todos os anos, com a esmagadora maioria burocrática e tratando seus...

‘Extratos’: a melancolia de uma fuga pela existência

Dois gigantes do cinema brasileiro juntos em fuga da repressão pesada da ditadura militar compõe o documentário “Extratos”, dirigido por Sinai Sganzerla e selecionado para a mostra competitiva de curtas-metragens nacionais do Festival de Gramado 2020. Mais do que o...

‘Wander Vi’: protagonista segura filme no limite do correto

Candidato do Distrito Federal na mostra competitiva de curtas-metragens nacionais do Festival de Gramado 2020, “Wander Vi”, de Augusto Borges e Nathalya Brum, é, ao lado de “Blackout”, verdadeira incógnita desta seleção. Trata-se, sem dúvida, de uma produção com boa...

‘Blackout’ – ficção científica discute política e preconceitos

Recentemente Eduardo e Flávio Bolsonaro fizeram uma visita a Manaus. Na ocasião, Eduardo, deputado federal, declarou a um portal da cidade que “o Brasil elegeu um Presidente conservador sem ter um grande canal midiático conservador”. Tal afirmação possibilita um...

‘Um Animal Amarelo’: jornada pelas cicatrizes brasileiras

Sabe quando alguém te pergunta: ‘defina este filme em uma única palavra’? Para “Um Animal Amarelo”, tenho certeza que, antes da resposta, viria uma constante hesitação, de longas pausas para se pensar e escolher a melhor palavra, a qual, talvez, dentro de poucos...

‘Subsolo’: deliciosa ironia sobre o universo das academias

Lembra quando o presidente Jair Bolsonaro, no meio da pandemia da COVID-19 com mortes superiores a 1000 por dia, resolveu decretar que academias eram atividades essenciais? A surreal decisão parece saída do roteiro de “Subsolo”, animação satírica da dupla Erica...