Jonathan Glazer é um diretor que, goste-se ou não, possui uma maneira particular de realizar cinema. Seus filmes são calcados nas suas composições visuais inusitadas, e na criação de atmosfera auxiliada por processos de montagem que a princípio soam convencionais para depois subverterem a base estabelecida. 

Desenvolver uma trama aristotélica está segundo (ou terceiro) plano.  Com isso os seus filmes sempre desconcertam, pois não dão ao público aquilo a que estão acostumados. 

Em Sexy Beast (2000) e Reencarnação (2005), a trama até que se faz presente – em certa medida – situando o caminho de seus vulneráveis protagonistas, mas em Sob a Pele (2014), sua obra-prima, ela está ali só para constar. Neste longa, Glazer encontrou algo potente, uma direção focada em criar sensações, a partir de um domínio de elementos de som, fotografia (uso de cores, formas) e montagem, mas também capazes de criar vínculo emocional, aqui com a personagem de Scarlett Johansson, mesmo que saibamos muito pouco (ou nada) sobre o porquê dela estar ali e fazer o que faz. Belíssimo exemplar de cinema pensado não para ser entendido, mas sentido. A jornada é o propósito. 

Em seu filme mais recente, o curta-metragem de 7 minutos disponível no MUBI, The Fall, a jornada parece ser de novo o que há para se apreciar. Mas diferente do que aconteceu no trabalho anterior, aqui não há tempo para que se estabeleça qualquer vínculo afetivo com os personagens. Sequer vemos os seus rostos. O que modifica inclusive a relação sensorial com a obra, resultando numa experiência que fica na metade do caminho. 

É até difícil fazer uma sinopse, ainda mais sem cair em spoilers. Resumindo bem, acompanhamos o processo de fuga de um homem perseguido por um grupo que quer enforcá-lo. 

No universo criado por Glazer, todos os personagens usam uma espécie de máscara. Um elemento simples, mas poderoso como signo visual. Todas as ações ganham contornos mais assustadores ao vermos seres sem expressões agindo de maneira agressiva, como corpos incapazes de serem identificados. Não à toa o filme tem sido vendido (e comprado) como sendo de terror. 

EXERCÍCIO NÃO LEVADO À SÉRIO

A elaborada composição dos quadros permanece como boa característica, com imagens mais pensadas em guardar lacunas – deixando propositalmente espaço para que o som complete as informações – do que ser um registro mais objetivo dos fatos. O plano mostrando a passagem de uma corda auxiliado pelo desenho de som gera momento impactante ao ser seguido de uma revelação da trama. 

Mas apesar da direção permanecer aguçada, aqui Glazer chega a um resultado que beira o banal. A trajetória nos leva a um estado, ou situação, que não se completa, nem chega a algum lugar notável. Parece uma boa cena dentro de um filme de maior duração. Isoladamente, como obra de sete minutos, diz muito pouco. Quando o filme chega aos créditos é quase impossível não ser atravessado pelo pensamento de: “então, o filme acabou mesmo e tal?” 

Óbvio que as subjetividades existem, e que talvez o objetivo do curta seja realmente se apresentar como experiência lacunar e intensa dentro do seu curto fôlego. Só que Glazer é capaz de mais do que isso, o resultado aqui alcançado soa como zona de conforto, não indica caminhos, tem cara de exercício que nem o próprio diretor leva tão a sério. 

É sempre bom ver diretores interessantes trabalhando, investigando propostas, experimentando. Foi bom assistir a um novo trabalho de Glazer, e mais uma vez ver o seu trabalho como criador de imagens impactantes, resultando em filmes estranhos, de difícil análise. Da maneira que ficou neste experimento, fica faltando algo mais, embora o exercício seja válido.

‘Bar Doce Lar’: má fase de George Clooney persiste em filme repetitivo

Logo no início de “Bar Doce Lar”, título horroroso no Brasil para o filme disponível no Amazon Prime, JR diz gostar de viver na casa do avô ao contrário da mãe. O motivo: a presença de muita gente no local. Tal fala, entretanto, ganha um contorno maior para além da...

Onde foram parar e por que os filmes de cassino sumiram das telonas?

De filmes de ação a dramas, há grandes clássicos do cinema e títulos dos anos 90 e 2000 que destacam os poderosos cassinos, particularmente os encontrados nos Estados Unidos. Não há um brasileiro que não se lembre de pelo menos dois filmes que destacavam os luxuosos...

‘O Canto do Cisne’: não funciona como romance nem como sci-fi

À primeira vista, “O Canto do Cisne” engana bem: Mahershala Ali e Naomie Harris com a excelência de sempre e ainda com Glenn Close e Awkwafina como coadjuvantes de luxo, um visual atrativo pela modernidade clean do design de produção e do cenário principal...

‘Apresentando os Ricardos’: Sorkin racionaliza demais universo das sitcoms

Lucille Ball quer um lar. E ele definitivamente não vai ser construído em um cinema cerebral demais como o de Aaron Sorkin. “Apresentando os Ricardos”, nova investida dele na direção, é um retrato sem o brilho que fez de Ball a estrela mais assistida da TV dos Estados...

‘Não Olhe Para Cima’: sátira caminha por trilha segura em críticas

Quando “House of Cards” estreou na Netflix em fevereiro de 2013 chocou uma (ingênua) parcela do público sobre como o coração da política norte-americana poderia ser tão ardiloso e baixo. Era época de um suposto idealismo democrático com Barack Obama, primeiro...

‘Matrix Resurrections’: Lana Wachowski recorda o valor do risco em Hollywood

Se “Matrix” encontra paralelos diretos em “Metrópolis” ou “Blade Runner” dentro do universo de distopias e ficções científicas, pode-se dizer que “Matrix Resurrections” está mais próximo de obras como “Crepúsculo dos Deuses” ou “O Jogador” como análise ácida e...

‘Belfast’: Kenneth Branagh retorna à infância em filme singelo

Vários diretores, ao longo da história do cinema, fizeram filmes baseados em suas próprias vidas. Gente graúda, como François Truffaut (Os Incompreendidos), Federico Fellini (Amarcord) ou Ingmar Bergman (Fanny & Alexander), para citar só alguns dos mais marcantes....

‘A Mão de Deus’: Sorrentino navega no (bom) exagero em filme familiar

As relações familiares são o ponto de partida de “A mão de Deus”, novo filme do diretor italiano Paolo Sorrentino (“A Grande Beleza”). O protagonista da trama é Fábio Schisa (Filippo Scotti), um adolescente que vive com os pais e dois irmãos mais velhos na Nápoles dos...

‘Homem-Aranha: Sem Volta Para Casa’: a maturidade chega a Peter Parker

Com três intérpretes diferentes, o Homem-Aranha é o herói mais replicado no cinema (ao menos no século XXI). E é claro que a cada nova saga do herói a expectativa é sempre de superação, mas, mesmo sob essa pressão, em 2017, Tom Holland conseguiu se consagrar como...

‘Encontros’: Riz Ahmed faz o que pode em sci-fi morna

Riz Ahmed vem se consolidando como um dos melhores e mais interessantes atores de Hollywood no momento. O cara até agora não deu uma bola fora e, em alguns casos, até elevou algumas produções. Foi merecidamente indicado ao Oscar de Melhor Ator por O Som do Silêncio...