Jonathan Glazer é um diretor que, goste-se ou não, possui uma maneira particular de realizar cinema. Seus filmes são calcados nas suas composições visuais inusitadas, e na criação de atmosfera auxiliada por processos de montagem que a princípio soam convencionais para depois subverterem a base estabelecida. 

Desenvolver uma trama aristotélica está segundo (ou terceiro) plano.  Com isso os seus filmes sempre desconcertam, pois não dão ao público aquilo a que estão acostumados. 

Em Sexy Beast (2000) e Reencarnação (2005), a trama até que se faz presente – em certa medida – situando o caminho de seus vulneráveis protagonistas, mas em Sob a Pele (2014), sua obra-prima, ela está ali só para constar. Neste longa, Glazer encontrou algo potente, uma direção focada em criar sensações, a partir de um domínio de elementos de som, fotografia (uso de cores, formas) e montagem, mas também capazes de criar vínculo emocional, aqui com a personagem de Scarlett Johansson, mesmo que saibamos muito pouco (ou nada) sobre o porquê dela estar ali e fazer o que faz. Belíssimo exemplar de cinema pensado não para ser entendido, mas sentido. A jornada é o propósito. 

Em seu filme mais recente, o curta-metragem de 7 minutos disponível no MUBI, The Fall, a jornada parece ser de novo o que há para se apreciar. Mas diferente do que aconteceu no trabalho anterior, aqui não há tempo para que se estabeleça qualquer vínculo afetivo com os personagens. Sequer vemos os seus rostos. O que modifica inclusive a relação sensorial com a obra, resultando numa experiência que fica na metade do caminho. 

É até difícil fazer uma sinopse, ainda mais sem cair em spoilers. Resumindo bem, acompanhamos o processo de fuga de um homem perseguido por um grupo que quer enforcá-lo. 

No universo criado por Glazer, todos os personagens usam uma espécie de máscara. Um elemento simples, mas poderoso como signo visual. Todas as ações ganham contornos mais assustadores ao vermos seres sem expressões agindo de maneira agressiva, como corpos incapazes de serem identificados. Não à toa o filme tem sido vendido (e comprado) como sendo de terror. 

EXERCÍCIO NÃO LEVADO À SÉRIO

A elaborada composição dos quadros permanece como boa característica, com imagens mais pensadas em guardar lacunas – deixando propositalmente espaço para que o som complete as informações – do que ser um registro mais objetivo dos fatos. O plano mostrando a passagem de uma corda auxiliado pelo desenho de som gera momento impactante ao ser seguido de uma revelação da trama. 

Mas apesar da direção permanecer aguçada, aqui Glazer chega a um resultado que beira o banal. A trajetória nos leva a um estado, ou situação, que não se completa, nem chega a algum lugar notável. Parece uma boa cena dentro de um filme de maior duração. Isoladamente, como obra de sete minutos, diz muito pouco. Quando o filme chega aos créditos é quase impossível não ser atravessado pelo pensamento de: “então, o filme acabou mesmo e tal?” 

Óbvio que as subjetividades existem, e que talvez o objetivo do curta seja realmente se apresentar como experiência lacunar e intensa dentro do seu curto fôlego. Só que Glazer é capaz de mais do que isso, o resultado aqui alcançado soa como zona de conforto, não indica caminhos, tem cara de exercício que nem o próprio diretor leva tão a sério. 

É sempre bom ver diretores interessantes trabalhando, investigando propostas, experimentando. Foi bom assistir a um novo trabalho de Glazer, e mais uma vez ver o seu trabalho como criador de imagens impactantes, resultando em filmes estranhos, de difícil análise. Da maneira que ficou neste experimento, fica faltando algo mais, embora o exercício seja válido.

‘Os Segredos de Madame Claude’: desperdício de um ícone em filme tão fraco

Tenho um pé atrás com produções que buscam abordar personagens reais com o intuito de vender diversidade e inclusão. Essa sensação é mais aguda diante de projetos que discutem personalidades femininas como “Maria Madalena” (Garth Davis, 2018) e “Joana D’Arc” (Luc...

‘Amor e Monstros’: pouco mais de ousadia faria um grande filme

Os melhores momentos de Amor e Monstros, parceria dos estúdios Paramount Pictures com a Netflix, estão logo no início do filme. É quando o narrador da história, o jovem Joel, reconta o apocalipse que devastou a Terra e que transformou insetos e animais em criaturas...

‘We’: o cinema como construtor de uma memória coletiva

"We", o novo filme de Alice Diop, é várias coisas: uma lembrança familiar, uma celebração das vidas comuns e uma busca pela identidade da França nos dias de hoje. Acima de tudo, o documentário, que ganhou o prêmio de Melhor Filme da mostra Encontros do Festival de...

‘Chaos Walking’: ótimo conceito nem sempre gera bom filme

Toda vez que se inicia a produção de um filme, cineastas participam de um jogo de roleta: por mais bem planejada que seja a obra e não importando o quão bons sejam os colaboradores que eles vão reunir para participar dela, tudo ainda pode acabar mal. Cinema é...

‘Locked Down’: dramédia na pandemia sucumbe à triste realidade

Dentre tantas situações inesperadas da pandemia da Covid, com certeza, a quarentena forçada foi uma grande bomba-relógio para conflitos conjugais e familiares. Agora, se conviver ininterruptamente com quem se ama já é desafiador, imagine passar semanas, meses dentro...

‘Godzilla Vs Kong’: sem vergonha de ser uma divertida bobagem

Não há como contornar: Godzilla vs Kong é um filme bobo. Todos os filmes “versus” feitos até hoje na história do cinema, com um personagem famoso enfrentando outro, foram bobos, e essa nova investida do estúdio Warner Bros. no seu “Monsterverse” – a culminação dele,...

‘Collective’: aula sobre o fundamental papel do jornalismo investigativo

“Collective” é, provavelmente, o filme mais marcante desta temporada de premiações. O documentário dirigido por Alexander Nanau traz à tona denúncias concernentes à corrupção no Ministério da Saúde romeno, algo super atual no período pandêmico e que dialoga com...

‘Moon, 66 Questions’: drama familiar foge do convencional em narrativa ousada

Livremente inspirado em tarô e mitologia, "Moon, 66 Questions" explora as falhas de comunicação e os conflitos geracionais de uma família através dos olhos de uma adolescente. O drama grego, exibido na mostra Encontros do Festival de Berlim deste ano, é carregado de...

‘Fuja’: suspense protocolar impossível de desgrudar da tela

Suspenses domésticos, quando bem feitos, acabam rendendo boas experiências. É o caso deste Fuja, lançado na Netflix – iria originalmente para os cinemas, mas a pandemia alterou esses planos. Não há nada nele que já não tenhamos visto antes, em outras obras tanto...

‘Meu Pai’: empática experiência sensorial da demência

"Meu Pai" começa ao som de uma ópera que acompanha os passos de uma mulher que anda por uma rua aparentemente pacata. Não demora muito e percebemos que essa música é escutada por outro personagem em fones de ouvido. Essas duas cenas simples revelam logo a essência do...