Ao começar a escrever sobre “The Green Knight”, dirigido por David Lowery (“A Ghost Story”), tive a ideia de analisar o filme como um road movie medieval. Na jornada de Sir Gauvain (Dev Patel), após aceitar o desafio proposto pelo misterioso Cavaleiro Verde, ele precisa partir em uma viagem em busca da Capela Verde, onde supostamente seu desafiante iria reencontrá-lo, após um ano, e devolver ao nobre o golpe que o mesmo o desferiu.

O paralelo com um road movie seria justamente por acompanharmos a trajetória desse personagem durante sua viagem por estradas e bosques. Mas há ainda outro aspecto tão definidor quanto para o gênero que seria a transgressão contra as normas sociais e aqui começam minhas dúvidas sobre o quanto o paralelo que fiz poderia estar correto.

ESTRANHEZA CHAMATIVA

Acredito que inevitavelmente quem assistir à “The Green Knight” se perguntará em algum momento sobre o que mesmo se trata. Não concordo que filmes devam ter explicações ou absolutamente sempre contar uma história. A gosto pessoal, creio que essas sejam necessidades secundárias em uma obra audiovisual, devendo-nos o filme primeiramente nos encantar em seu aspecto sensorial, a partir de suas imagens e sons. Entretanto, o que ocorre na maioria das obras é que esses dois aspectos se entrelaçam e se determinam.

A estranheza a qual Sir Gauvain é apresentado durante sua jornada, com personagens dúbios, gigantes, animais falantes, espíritos perdidos, chegaram a mim com um gosto de dúvida, atiçando curiosidade e certo medo de descobrir aquele universo.

Orquestrada por Andrew Droz Palermo, a fotografia enevoada contribui para um ar de fábula, onde há possibilidade daqueles eventos estarem acontecendo em outra realidade ou até mesmo em alguma alucinação. E quanto mais distante o protagonista fica de casa, mais estranho se torna seu entorno: há, inclusive, uma dificuldade para entendermos o tempo que se passa durante seu trajeto, às vezes, parecendo alguns dias e outras vezes anos.

Mas é claro, e isso a própria obra faz questão de ressaltar, que há um aspecto moral, narrativo, por trás das imagens: Sir Gauvain parte para cumprir seu desafio sem tantas certezas. Aprende a responder que busca honra, mas sabemos que sua escolha partiu mais de uma certa prepotência, uma necessidade de agradar a seu rei e a seu ego.

CONTRADIÇÃO ENTRE A ESSÊNCIA E SEU PROTAGONISTA

Ao longo de seu trajeto, encontramos personagens cujas necessidades são mais imediatas: um jovem ladrão sobrevivendo em meio a guerra, uma donzela abandonada à própria sorte. Desses encontros, não só a jornada de Gauvain parece se tornar fantasiosa, mas seus próprios desejos parecem não apresentar profundidade. Ele não sabe aonde vai e nem porquê. Enquanto as pessoas que encontra pelo caminho apenas respondem a seus desesperos, mas parecem mais “vivas” que ele.

Seu encontro com gigantes parece ser definidor nesse sentido. Ao se ver perante criaturas cuja grandeza não é um sentimento abstrato, referente a uma ordem social, nobreza ou trono, mas sim, um aspecto concreto em suas vidas, Gauvain apenas pensa em atravessar o vale. Aqui, “The Green Knight” desperdiça uma grande chance de imputar ao personagem um encontro mais sensível, como o filme parece buscar dentro de sua abordagem mais visual.

Temos apenas um Gauvain que, ao observar seres extraordinários à sua frente, reage de forma lógica  – dentro do possível para a situação. A intromissão da raposa que o faz companhia e evita que ele siga com os gigantes perde sentido desse modo, já que a mesma funciona como uma voz da razão para Gauvain, mas ele nunca chega próximo de se entregar aos eventos extraordinários que presencia.

Voltando ao ponto sobre o paralelo com um road movie, “The Green Knight” parece entrar em contradição ao propor uma quebra de paradigma sensorial, ao passo que o filme se transforma em algo surrealista conforme mais próximo Sir Gauvain fica de seu objetivo. A produção, entretanto, nos mantém preso a um personagem polido, sereno, que não nos entrega uma possibilidade concreta de embarcamos em uma experiência transformadora como a que ele supostamente passa.

Na realidade, há um receio em “The Green Knight” – um receio de soar mais “estranho” do que seria aceitável, aceitando apenas o lado mais cômodo da fábula que nos propõe.

‘Spiderhead’: logaritmo da Netflix a todo vapor com filme esquecível

“Spiderhead” é o novo filme da Netflix e, do ponto de vista de marketing, possui elementos ótimos para a equipe de “Promos” do streaming vender aos seus assinantes: dois nomes em alta graças ao sucesso de “Top Gun: Maverick”, o ator Miles Teller e o diretor Joseph...

Olhar de Cinema 2022: ‘Garotos Ingleses’, de Marcus Curvelo

É preciso coragem para utilizar o humor para tratar de temas violentos. Primeiro porque a comédia em si é um gênero geralmente visto (de forma equivocada) com um pé atrás, fazendo-se necessário um uso exemplar de suas possibilidades. Segundo, porque a tentativa de...

‘Arremessando Alto’: carta de amor de Adam Sandler ao basquete

A parceria Adam Sandler/Netflix permanece intacta. Desde que o ator e comediante assinou contrato com a plataforma, a produtora Happy Madison concebeu uma considerável safra de comédias com boa audiência no streaming. “Arremessando Alto” é a aposta da vez.  No papel...

‘RRR’: épico indiano dá aulas em extravagância fílmica

Já virou certo clichê entre a parcela ocidental da crítica cinematográfica a comparação entre “RRR” e os blockbusters hollywoodianos. Hollywood, dizem os críticos, deveria voltar sua atenção às terras ao leste do globo, porque “RRR” os deixa no chinelo em termos de...

‘Aline – A Voz do Amor’: tudo o que ‘Bohemian Rhapsody’ não é

“Um ficção livremente inspirada na vida de Céline Dion”. A história da cantora imortalizada por ser a intérprete de "My Heart Will Go On", a canção-tema de "Titanic", chega aos cinemas pelas mãos e na figura de Valérie Lemecier, também canadense como a sua retratada....

‘Amigo Secreto’: a força do jornalismo investigativo contra os abusos da Lava-Jato

Uma frase convencional é de que toda arte é política. Embora seja um clichê para produtores culturais progressistas, é preciso concordar quando a mente por trás do projeto é Maria Augusta Ramos. Responsável por produções como “O Processo” e “Juízo”, a cineasta expõe...

‘Lightyear’: luta em vão da Pixar contra fantasma de si mesma

Aqui vai uma história trágica: o estúdio que, outrora lar para verdadeiros artesãos que laboravam arduamente em suas narrativas, completamente alheios às pressões do mundo exterior, hoje se desvanece pouco a pouco, aparentemente corrompido pela influência de sua...

‘Ilusões Perdidas’: tratado sobre o deslumbre do homem

Em uma sociedade em que há divisão de classes entre burguesia e proletários, pobres e ricos, desigualdades sociais, intelectuais, culturais e patrimoniais, nunca haverá de fato um território democrático. O histórico da sociedade nos diz muito sobre ela mesma: é um...

Olhar de Cinema 2022: ‘Uma noite sem saber nada’, de Payal Kapadia

Logo antes das sessões no Olhar de Cinema, um vídeo dos realizadores que não puderam estar presentes ao festival era exibido falando um pouco sobre cada filme que viria a seguir. Em sua apresentação, a diretora Payal Kapadia pedia que o público tivesse paciência com...

‘Assassino Sem Rastro’: policial B da melhor qualidade

Nada consegue definir Assassino sem Rastro de forma tão definitiva, senão o momento onde Liam Neeson - cujo personagem sofre com sintomas do mal de Alzheimer - , escreve com caneta algumas informações no próprio antebraço. O ato, involuntário ou não,  reflete a...