Ao começar a escrever sobre “The Green Knight”, dirigido por David Lowery (“A Ghost Story”), tive a ideia de analisar o filme como um road movie medieval. Na jornada de Sir Gauvain (Dev Patel), após aceitar o desafio proposto pelo misterioso Cavaleiro Verde, ele precisa partir em uma viagem em busca da Capela Verde, onde supostamente seu desafiante iria reencontrá-lo, após um ano, e devolver ao nobre o golpe que o mesmo o desferiu.

O paralelo com um road movie seria justamente por acompanharmos a trajetória desse personagem durante sua viagem por estradas e bosques. Mas há ainda outro aspecto tão definidor quanto para o gênero que seria a transgressão contra as normas sociais e aqui começam minhas dúvidas sobre o quanto o paralelo que fiz poderia estar correto.

ESTRANHEZA CHAMATIVA

Acredito que inevitavelmente quem assistir à “The Green Knight” se perguntará em algum momento sobre o que mesmo se trata. Não concordo que filmes devam ter explicações ou absolutamente sempre contar uma história. A gosto pessoal, creio que essas sejam necessidades secundárias em uma obra audiovisual, devendo-nos o filme primeiramente nos encantar em seu aspecto sensorial, a partir de suas imagens e sons. Entretanto, o que ocorre na maioria das obras é que esses dois aspectos se entrelaçam e se determinam.

A estranheza a qual Sir Gauvain é apresentado durante sua jornada, com personagens dúbios, gigantes, animais falantes, espíritos perdidos, chegaram a mim com um gosto de dúvida, atiçando curiosidade e certo medo de descobrir aquele universo.

Orquestrada por Andrew Droz Palermo, a fotografia enevoada contribui para um ar de fábula, onde há possibilidade daqueles eventos estarem acontecendo em outra realidade ou até mesmo em alguma alucinação. E quanto mais distante o protagonista fica de casa, mais estranho se torna seu entorno: há, inclusive, uma dificuldade para entendermos o tempo que se passa durante seu trajeto, às vezes, parecendo alguns dias e outras vezes anos.

Mas é claro, e isso a própria obra faz questão de ressaltar, que há um aspecto moral, narrativo, por trás das imagens: Sir Gauvain parte para cumprir seu desafio sem tantas certezas. Aprende a responder que busca honra, mas sabemos que sua escolha partiu mais de uma certa prepotência, uma necessidade de agradar a seu rei e a seu ego.

CONTRADIÇÃO ENTRE A ESSÊNCIA E SEU PROTAGONISTA

Ao longo de seu trajeto, encontramos personagens cujas necessidades são mais imediatas: um jovem ladrão sobrevivendo em meio a guerra, uma donzela abandonada à própria sorte. Desses encontros, não só a jornada de Gauvain parece se tornar fantasiosa, mas seus próprios desejos parecem não apresentar profundidade. Ele não sabe aonde vai e nem porquê. Enquanto as pessoas que encontra pelo caminho apenas respondem a seus desesperos, mas parecem mais “vivas” que ele.

Seu encontro com gigantes parece ser definidor nesse sentido. Ao se ver perante criaturas cuja grandeza não é um sentimento abstrato, referente a uma ordem social, nobreza ou trono, mas sim, um aspecto concreto em suas vidas, Gauvain apenas pensa em atravessar o vale. Aqui, “The Green Knight” desperdiça uma grande chance de imputar ao personagem um encontro mais sensível, como o filme parece buscar dentro de sua abordagem mais visual.

Temos apenas um Gauvain que, ao observar seres extraordinários à sua frente, reage de forma lógica  – dentro do possível para a situação. A intromissão da raposa que o faz companhia e evita que ele siga com os gigantes perde sentido desse modo, já que a mesma funciona como uma voz da razão para Gauvain, mas ele nunca chega próximo de se entregar aos eventos extraordinários que presencia.

Voltando ao ponto sobre o paralelo com um road movie, “The Green Knight” parece entrar em contradição ao propor uma quebra de paradigma sensorial, ao passo que o filme se transforma em algo surrealista conforme mais próximo Sir Gauvain fica de seu objetivo. A produção, entretanto, nos mantém preso a um personagem polido, sereno, que não nos entrega uma possibilidade concreta de embarcamos em uma experiência transformadora como a que ele supostamente passa.

Na realidade, há um receio em “The Green Knight” – um receio de soar mais “estranho” do que seria aceitável, aceitando apenas o lado mais cômodo da fábula que nos propõe.

‘Batman’ (1989): o filme que mudou a visão sobre super-heróis em Hollywood

Eu jamais vou esquecer aquele momento. Viaje no tempo comigo, leitor: 1989, tarde de domingo no centro de Manaus. Fui ver Batman de Tim Burton com toda a minha família. Foi no Cine Chaplin e a sala estava lotada, com gente sentada até no chão dos corredores – algo...

‘Otar’s Death’: comédia de olhar irônico sobre a mesquinhez humana

Uma relação em frangalhos, um acidente e uma quantia enorme de dinheiro são os elementos que colocam "Otar's Death" em movimento. O filme de estreia do diretor georgiano Ioseb 'Soso' Bliadze, que estreou na mostra Leste do Oeste do Festival Internacional de Cinema de...

‘Memória’: Apichatpong Weerasethakul anda em círculos em viagem à Colômbia

Na calada da noite, a protagonista de "Memória", novo filme de Apichatpong Weerasethakul (“Tio Boonmee, Que Pode Recordar Suas Vidas Passadas”), acorda com um barulho. Ela está desperta e sabe, de forma inata, que nada será como antes. Infelizmente, a mesma sensação...

‘Cop Secret’: ex-goleiro estreia na direção com subversiva sátira aos filmes de ação

O goleiro Hannes Þór Halldórsson se despediu da seleção da Islândia, em setembro deste ano, depois de 10 anos que viram o time alcançar algumas de suas maiores consagrações – a ida à primeira Copa do Mundo em 2018 e chegar às quartas de final da Eurocopa 2016. No...

‘Maligno’: a bem-vinda alquimia macabra de James Wan

Caro leitor, uma perguntinha pra você: quando foi a última vez em que você estava vendo um filme e ficou com a sensação de que não tinha a menor ideia de para onde a história estava indo? Quando foi a última vez em que disse para você mesmo: “não sei para onde isso...

‘Espíritu Sagrado’: sci-fi espanhola de caminhos intrigantes

Em "Espíritu Sagrado", crianças desaparecem, ovnis aparentam estar circulando pelos céus e grandes conspirações se mostram onipresentes. No entanto, no rico microcosmo criado pelo diretor e roteirista Chema García Ibarra, nada é exatamente como parece. Esta...

‘A Máquina Infernal’: o aterrorizante mercado de trabalho brasileiro

"A Máquina Infernal", curta de estreia do roteirista Francis Vogner Dos Reis, reimagina a falência de uma fábrica do ponto de vista do empregado, trocando o realismo por um clima de puro terror. O filme foi uma das duas produções brasileiras selecionadas para o...

‘Fantasma Neon’: musical dos trabalhadores invisíveis do Brasil

Se quem canta, seus males espanta, um entregador de comida tem que passar o dia todo cantando pra ter paz. Essa é a premissa de "Fantasma Neon", uma explosão de cor, dança e música que representou o Brasil no Festival de Locarno deste ano. O filme dirigido por...

‘Limbo’: metáfora sobre a negligência aos refugiados

O que é estar no limbo? Em um primeiro momento, podemos pensar que estar no limbo é estar em completo abandono, ostracismo, esquecido, no fundo do poço e sem esperança. A mais recente produção do diretor britânico Ben Sharrock (“Pikadero”) trata desta questão de uma...

‘Stillwater’: Matt Damon brilha em suspense repleto de indecisão

Baseado no caso real de Amanda Knox, "Stillwater" traz a história de Bill Baker (Matt Damon), um pai que viaja de Oklahoma para Marseille, na França, com o intuito de visitar a filha Alisson Baker (Abigail Breslin), presa por um assassinato que afirma não ter...