Depois de surpreender com uma narrativa envolvente no longa de estreia em “Martha Marcy Mae Marlene”, Sean Durkin retorna nove anos depois com “The Nest” (“O Ninho”, em tradução literal). Acompanhado de atuações excelentes de Carrie Coon e Jude Law, ele traz o conceito da casa mal assombrada dos filmes de terror para dentro de um drama familiar de extrema elegância e com uma pitada de cinismo. O resultado pode até não ser tão espetacular como chega a insinuar, mas, guarda momentos impagáveis. 

“The Nest” se passa nos anos 1980 e inicia com o desejo do empresário britânico, Rory O´Hara (Jude Law), em retornar à terra natal após passar 10 anos nos EUA. Apesar da resistência inicial da esposa Allison (Carrie Coon), a família, composta ainda por dois filhos, se muda para o Reino Unido. Sempre disposto a gastar mais do que possui e ambicioso ao extremo, Rory decide alugar uma mansão gigantesca nos arredores de Londres e chega disposto a transformar o antigo trabalho com a venda da empresa para magnatas norte-americanos. Porém, à medida em que os planos começam a dar errado, a vida de todos os quatro começa a desandar rumo a um fracasso fragoroso. 

Durkin se mostra, novamente, um cineasta habilidoso na construção da atmosfera que envolve os personagens. Em “The Nest”, a casa se torna tão importante quanto à família, pois, o ambiente se torna um reflexo das relações entre seus moradores. Enquanto vivem na acolhedora residência de Nova York, nota-se a família mais próxima e íntima ainda que a inquietude de Rory esteja presente nos momentos de solidão. Já em Surrey, a imensidão da mansão afasta seus moradores, afundados em seus próprios universos particulares.  

A direção de fotografia do húngaro Mátyás Erdély propõe a escuridão como um estado de espírito dos quatro habitantes deste local que, definitivamente, não é um ninho. Além disso, a câmera sempre com movimentos elegantes sustenta esta aparência de falsa estabilidade do mundo de aparências. 

 INSUNTENTÁVEL REALIDADE

Para personificar essa construção, Durkin conta com dois atores em alto nível. Apesar de não ser nenhuma novidade vê-lo esbanjar todo o seu charme e lábia de um bom conquistador em cena, Jude Law adiciona uma pitada melancólica a Rory. Afinal, o empresário tão elogiado por seu ímpeto sem freio para avançar nos negócios demonstra um descontrole assustador nos gastos excessivos e desnecessários. Para sustentar isso, mentiras se tornam uma necessidade e as razões disso revelam-se gradualmente com a imagem de segurança vendida para os seus pares sendo trocada pela de um sujeito castigado por uma ambição sem propósito. 

O filme, entretanto, é de Carrie Coon. Conhecida pela subestimada “The Leftovers”, a atriz faz o contraponto ideal a Jude Law. Diferente do marido, Allison está sempre com os pés no chão ainda que acabe sendo sufocada pelos impulsos de Rory, o dono da grana da família.  

Diante deste contexto machista, ela se vê sempre atingida pela persona criada pelo empresário repleta de mentiras – a descoberta de como se deu os bastidores do retorno para Londres rende o melhor momento de “The Nest”. Evidente que essa situação insustentável irá explodir e Coon hipnotiza em todos estes momentos. 

De “O Anjo Exterminador” a “Beleza Americana”, o mundo de mentiras, aparências e as pressões impostas pela elite capitalista de um querer desmedido são temas rotineiros no cinema. “The Nest” não foge muito disso, mas, consegue através da habilidade de Durkin em compreender os elementos formadores deste universo e do talento dos seus protagonistas ser uma obra capaz de se destacar. 

‘O Soldado que não Existiu’: fake news para vencer a guerra

Em 1995, Colin Firth interpretou o senhor Darcy na série da BBC que adaptou “Orgulho e Preconceito”, de Jane Austen. Dez anos depois, Matthew Macfadyen eternizou o personagem no filme de Joe Wright, tornando-se o crush de muitas jovens e adolescentes. John Madden...

‘@ArthurRambo: Ódio nas Redes’: drama sintetiza a cultura do cancelamento

A cultura do cancelamento permeia a internet às claras. Para o público com acesso  frequente, é impossível nunca ter ouvido falar sobre o termo. Vivemos o auge da exposição virtual e como opera a massificação para que os tais alvos percam - merecidamente - ou não -...

‘Águas Selvagens’: suspense sofrível em quase todos aspectos

Certos filmes envolvem o espectador com tramas bem desenvolvidas, deixando-nos mais e mais ansiosos a cada virada da história; outros, apresentam personagens tão cativantes e genuínos que é impossível que não nos afeiçoemos por eles. Mas existe também uma categoria...

‘Ambulância – Um Dia de Crime’: suco do cinema de ação dos anos 2000

Vou começar com uma analogia, se me permitem. Hoje em dia, o ritmo e consumo de coisas estão rápidas e frenéticas. Com o Tik Tok e plataformas similares, esse consumo está ainda mais dinâmico (e isso não é um elogio) e a demanda atende às exigências do mercado. A...

‘Eduardo e Mônica’: para deixar Renato Russo orgulhoso

Se há algo que é difícil de ser respeitado no mundo cinematográfico atual é a memória e o legado do artista. Por isso, ver o legado de Renato Russo e da Legião Urbana sendo absorvido pelo cinema com um grau de respeito e seriedade acaba por fazer a situação inusitada,...

‘Doutor Estranho no Multiverso da Loucura’: barreiras da Marvel travam Sam Raimi

“Doutor Estranho no Multiverso da Loucura” apresenta uma das suas passagens mais interessantes quando o protagonista (Benedict Cumberbatch) e America Chavez (Xochitl Gomez) cruzam uma série de mundos em poucos segundos. De universos mais sombrios aos realistas até...

‘Cidade Perdida’: um estranho no ninho dos blockbusters

É mesmo surpreendente uma atriz como Sandra Bullock ainda não ter protagonizado um filme de super-herói. A atriz de 57 anos, conhecida pela filmografia repleta de comédias e até mesmo filmes de ação, afirmou que chegou perto de estrelar um longa produzido por Kevin...

‘Pureza’: história impressionante vira filme raso e óbvio

Inspirado em uma história real, “Pureza” retrata a história de uma mulher homônima, interpretada por Dira Paes, na incessante busca por encontrar e libertar o filho. O jovem Abel (Matheus Abreu) saiu de casa na esperança de conseguir trabalho no garimpo, mas some sem...

‘The Humans’: um jantar de Ação de Graças sobre ausências

“The Humans” é a adaptação da peça de teatro homônima de Stephen Karam, premiada com o Tony de melhor peça em 2016. A história serve de début para o dramaturgo como diretor de filmes. Nela acompanhamos o jantar de Ação de Graças de uma família no novo apartamento da...

‘Um Jantar Entre Espiões’: morno thriller de espionagem

Os filmes de espionagem sempre tiveram uma ótima capacidade de se adaptarem a novos contextos históricos. Do combate ao nazismo (década de 40-50), a paranoia comunista (década de 60-80) até chegar aos novos “inimigos” surgidos pela face do terrorismo (década de 90 até...