Charlize Theron ganhou o Oscar de Melhor Atriz pelo drama Monster: Desejo Assassino (2004), mas a melhor e mais marcante atuação de sua carreira até hoje foi em Mad Max: Estrada da Fúria (2015), como a Imperatriz Furiosa. No já clássico filme de George Miller, ela demonstrou força, poder, carisma, comando de tela e deu vida a uma das mais icônicas heroínas do cinema. Fazer o filme foi uma experiência marcante, e difícil, para todos os envolvidos, mas para a atriz, ele parece ter despertado um apetite por papéis fortes dentro do gênero ação. De lá para cá, Charlize Theron estrelou o divertido Atômica (2017), foi a vilã de Velozes e Furiosos 8 (2018) e, agora, vive uma guerreira imortal neste The Old Guard, da Netflix.

Muito bom para ela… só há um porém: nem toda protagonista de ação é uma Furiosa, nem todo filme de ação é um Mad Max: Estrada da Fúria. E isso nunca fica mais claro do que neste projeto da Netflix, que, sinceramente, é mais uma porcaria do serviço de streaming. Em 2020, justo quando o mundo mais precisa de opções legais de entretenimento, parece que a Netflix está determinada a lançar a sua pior safra de filmes. Numa nota pessoal, estou começando a sentir um vazio existencial toda vez que percorro a plataforma em busca de algo para ver. The Old Guard é mais uma história formulaica e repleta de clichês, mais um piloto de série do que uma narrativa satisfatória. E embora Charlize se esforce e continue magnética em cena, como sempre… ela não faz milagre.

Na história, baseada na HQ dos autores Greg Rucka e Leandro Fernandéz, Charlize Theron vive Andrômaca, ou Andy, a líder de um grupo de mercenários imortais que faz serviços pelo globo. Não sei se matar gente como mercenário é melhor uso possível do dom da imortalidade de pessoas que dizem querer melhorar o mundo, mas… esse é o tipo de filme que The Old Guard é. Enfim, o grupo dela começa a ser perseguido por uma corporação farmacêutica determinada a explorar a imortalidade deles, ao mesmo tempo em que encontram uma nova imortal, a jovem fuzileira Nile (Kiki Layne).

The Old Guard é meio colcha de retalhos, pegando elementos de Highlander: O Guerreiro Imortal (1986) aqui, um pouco do terceiro ato de Matrix (1999) ali… Os dilemas existenciais dos personagens imortais estão ali para adicionar drama e profundidade, mas soam clichês e só fazem emperrar a narrativa. Charlize carrega o filme nas costas, já que os outros atores não ajudam muito: A novata Layne, em especial, se mostra bem inexpressiva; e Chiwetel Ejiofor e Matthias Schoenaerts apenas batem ponto, como bons profissionais que são, e conseguem pagar seus boletos do mês.

PILOTO DE SÉRIE MAL ACABADO

As situações criadas pelo roteiro também não ajudam: “The Old Guard” parece calculado demais, como bom produto Netflix, e ansioso para agradar ao gosto do público moderno. Dois dos heróis imortais têm um romance homoafetivo – o que dá origem a uma cena esquisita na qual um deles reafirma seu amor pelo outro enquanto são sequestrados, na frente dos seus captores. Era para ser tocante, mas só ficou cafona… Já o vilão é o CEO de uma grande corporação, como bem convém a um filme atual. Pena que ele não tenha presença de cena ou transmita sequer um pingo de ameaça.

E quanto à ação, ela é bem filmada pela diretora Gina Prince-Bythewood: as lutas e tiroteios são bem encenados e percebe-se que os atores fizeram a maior parte das cenas eles mesmos. Mas há um aspecto limitado nessas sequências: elas se passam todas em cenários fechados, às vezes escuros, e com o tempo o combo tiroteio-luta, sem variedade, começa a cansar e sugere que a produção não devia ter orçamento para criar cenas mais grandiosas. Além disso, o fato de quase toda cena de ação ser musicada ao som de uma canção “esperta” ou com tom “emo” não ajuda essas cenas. O filme tem seu próprio DJ, sempre pronto para entrar em ação com uma canção fraquinha.

Além disso… se os heróis do filme são praticamente imortais, isso dificulta bastante a criação de suspense durante as cenas de ação. Não à toa, o peso dessas cenas é colocado sobre a personagem de Charlize, a única com a qual o espectador se importa um pouco – mais mérito da atriz do que do roteiro ou da direção… E o final, que deixa portas abertas para uma sequência, escancara para o espectador a artificialidade do projeto: The Old Guard termina parecendo mais com um piloto de série – até mesmo pelo aspecto limitado – do que com um filme capaz de se sustentar por si só.

Charlize Theron é uma grande atriz, virou um ícone do gênero ação e os fãs desse tipo de filme gostam de vê-la nesse tipo de papel. Eu me incluo nisso. Também se percebe que ela curte o gênero e dá tudo de si nesses projetos – Foi produtora tanto em Atômica quanto em The Old Guard. Se ela sente esse anseio como artista e está gostando de viver mulheres fortes que dispensam tiros e pancadas na tela, só podemos lhe desejar boa sorte em seus esforços. Porém, bate um pouco de tristeza ao vê-la em The Old Guard. Recentemente, ela declarou estar de “coração partido” por não retornar ao papel de Furiosa no projeto vindouro de George Miller. Bem, é verdade que uma Furiosa não aparece todo dia. Mas não é com The Old Guard que a atriz, ou seus fãs, vão preencher esse vazio…

‘O Soldado que não Existiu’: fake news para vencer a guerra

Em 1995, Colin Firth interpretou o senhor Darcy na série da BBC que adaptou “Orgulho e Preconceito”, de Jane Austen. Dez anos depois, Matthew Macfadyen eternizou o personagem no filme de Joe Wright, tornando-se o crush de muitas jovens e adolescentes. John Madden...

‘@ArthurRambo: Ódio nas Redes’: drama sintetiza a cultura do cancelamento

A cultura do cancelamento permeia a internet às claras. Para o público com acesso  frequente, é impossível nunca ter ouvido falar sobre o termo. Vivemos o auge da exposição virtual e como opera a massificação para que os tais alvos percam - merecidamente - ou não -...

‘Águas Selvagens’: suspense sofrível em quase todos aspectos

Certos filmes envolvem o espectador com tramas bem desenvolvidas, deixando-nos mais e mais ansiosos a cada virada da história; outros, apresentam personagens tão cativantes e genuínos que é impossível que não nos afeiçoemos por eles. Mas existe também uma categoria...

‘Ambulância – Um Dia de Crime’: suco do cinema de ação dos anos 2000

Vou começar com uma analogia, se me permitem. Hoje em dia, o ritmo e consumo de coisas estão rápidas e frenéticas. Com o Tik Tok e plataformas similares, esse consumo está ainda mais dinâmico (e isso não é um elogio) e a demanda atende às exigências do mercado. A...

‘Eduardo e Mônica’: para deixar Renato Russo orgulhoso

Se há algo que é difícil de ser respeitado no mundo cinematográfico atual é a memória e o legado do artista. Por isso, ver o legado de Renato Russo e da Legião Urbana sendo absorvido pelo cinema com um grau de respeito e seriedade acaba por fazer a situação inusitada,...

‘Doutor Estranho no Multiverso da Loucura’: barreiras da Marvel travam Sam Raimi

“Doutor Estranho no Multiverso da Loucura” apresenta uma das suas passagens mais interessantes quando o protagonista (Benedict Cumberbatch) e America Chavez (Xochitl Gomez) cruzam uma série de mundos em poucos segundos. De universos mais sombrios aos realistas até...

‘Cidade Perdida’: um estranho no ninho dos blockbusters

É mesmo surpreendente uma atriz como Sandra Bullock ainda não ter protagonizado um filme de super-herói. A atriz de 57 anos, conhecida pela filmografia repleta de comédias e até mesmo filmes de ação, afirmou que chegou perto de estrelar um longa produzido por Kevin...

‘Pureza’: história impressionante vira filme raso e óbvio

Inspirado em uma história real, “Pureza” retrata a história de uma mulher homônima, interpretada por Dira Paes, na incessante busca por encontrar e libertar o filho. O jovem Abel (Matheus Abreu) saiu de casa na esperança de conseguir trabalho no garimpo, mas some sem...

‘The Humans’: um jantar de Ação de Graças sobre ausências

“The Humans” é a adaptação da peça de teatro homônima de Stephen Karam, premiada com o Tony de melhor peça em 2016. A história serve de début para o dramaturgo como diretor de filmes. Nela acompanhamos o jantar de Ação de Graças de uma família no novo apartamento da...

‘Um Jantar Entre Espiões’: morno thriller de espionagem

Os filmes de espionagem sempre tiveram uma ótima capacidade de se adaptarem a novos contextos históricos. Do combate ao nazismo (década de 40-50), a paranoia comunista (década de 60-80) até chegar aos novos “inimigos” surgidos pela face do terrorismo (década de 90 até...