Charlize Theron ganhou o Oscar de Melhor Atriz pelo drama Monster: Desejo Assassino (2004), mas a melhor e mais marcante atuação de sua carreira até hoje foi em Mad Max: Estrada da Fúria (2015), como a Imperatriz Furiosa. No já clássico filme de George Miller, ela demonstrou força, poder, carisma, comando de tela e deu vida a uma das mais icônicas heroínas do cinema. Fazer o filme foi uma experiência marcante, e difícil, para todos os envolvidos, mas para a atriz, ele parece ter despertado um apetite por papéis fortes dentro do gênero ação. De lá para cá, Charlize Theron estrelou o divertido Atômica (2017), foi a vilã de Velozes e Furiosos 8 (2018) e, agora, vive uma guerreira imortal neste The Old Guard, da Netflix.

Muito bom para ela… só há um porém: nem toda protagonista de ação é uma Furiosa, nem todo filme de ação é um Mad Max: Estrada da Fúria. E isso nunca fica mais claro do que neste projeto da Netflix, que, sinceramente, é mais uma porcaria do serviço de streaming. Em 2020, justo quando o mundo mais precisa de opções legais de entretenimento, parece que a Netflix está determinada a lançar a sua pior safra de filmes. Numa nota pessoal, estou começando a sentir um vazio existencial toda vez que percorro a plataforma em busca de algo para ver. The Old Guard é mais uma história formulaica e repleta de clichês, mais um piloto de série do que uma narrativa satisfatória. E embora Charlize se esforce e continue magnética em cena, como sempre… ela não faz milagre.

Na história, baseada na HQ dos autores Greg Rucka e Leandro Fernandéz, Charlize Theron vive Andrômaca, ou Andy, a líder de um grupo de mercenários imortais que faz serviços pelo globo. Não sei se matar gente como mercenário é melhor uso possível do dom da imortalidade de pessoas que dizem querer melhorar o mundo, mas… esse é o tipo de filme que The Old Guard é. Enfim, o grupo dela começa a ser perseguido por uma corporação farmacêutica determinada a explorar a imortalidade deles, ao mesmo tempo em que encontram uma nova imortal, a jovem fuzileira Nile (Kiki Layne).

The Old Guard é meio colcha de retalhos, pegando elementos de Highlander: O Guerreiro Imortal (1986) aqui, um pouco do terceiro ato de Matrix (1999) ali… Os dilemas existenciais dos personagens imortais estão ali para adicionar drama e profundidade, mas soam clichês e só fazem emperrar a narrativa. Charlize carrega o filme nas costas, já que os outros atores não ajudam muito: A novata Layne, em especial, se mostra bem inexpressiva; e Chiwetel Ejiofor e Matthias Schoenaerts apenas batem ponto, como bons profissionais que são, e conseguem pagar seus boletos do mês.

PILOTO DE SÉRIE MAL ACABADO

As situações criadas pelo roteiro também não ajudam: “The Old Guard” parece calculado demais, como bom produto Netflix, e ansioso para agradar ao gosto do público moderno. Dois dos heróis imortais têm um romance homoafetivo – o que dá origem a uma cena esquisita na qual um deles reafirma seu amor pelo outro enquanto são sequestrados, na frente dos seus captores. Era para ser tocante, mas só ficou cafona… Já o vilão é o CEO de uma grande corporação, como bem convém a um filme atual. Pena que ele não tenha presença de cena ou transmita sequer um pingo de ameaça.

E quanto à ação, ela é bem filmada pela diretora Gina Prince-Bythewood: as lutas e tiroteios são bem encenados e percebe-se que os atores fizeram a maior parte das cenas eles mesmos. Mas há um aspecto limitado nessas sequências: elas se passam todas em cenários fechados, às vezes escuros, e com o tempo o combo tiroteio-luta, sem variedade, começa a cansar e sugere que a produção não devia ter orçamento para criar cenas mais grandiosas. Além disso, o fato de quase toda cena de ação ser musicada ao som de uma canção “esperta” ou com tom “emo” não ajuda essas cenas. O filme tem seu próprio DJ, sempre pronto para entrar em ação com uma canção fraquinha.

Além disso… se os heróis do filme são praticamente imortais, isso dificulta bastante a criação de suspense durante as cenas de ação. Não à toa, o peso dessas cenas é colocado sobre a personagem de Charlize, a única com a qual o espectador se importa um pouco – mais mérito da atriz do que do roteiro ou da direção… E o final, que deixa portas abertas para uma sequência, escancara para o espectador a artificialidade do projeto: The Old Guard termina parecendo mais com um piloto de série – até mesmo pelo aspecto limitado – do que com um filme capaz de se sustentar por si só.

Charlize Theron é uma grande atriz, virou um ícone do gênero ação e os fãs desse tipo de filme gostam de vê-la nesse tipo de papel. Eu me incluo nisso. Também se percebe que ela curte o gênero e dá tudo de si nesses projetos – Foi produtora tanto em Atômica quanto em The Old Guard. Se ela sente esse anseio como artista e está gostando de viver mulheres fortes que dispensam tiros e pancadas na tela, só podemos lhe desejar boa sorte em seus esforços. Porém, bate um pouco de tristeza ao vê-la em The Old Guard. Recentemente, ela declarou estar de “coração partido” por não retornar ao papel de Furiosa no projeto vindouro de George Miller. Bem, é verdade que uma Furiosa não aparece todo dia. Mas não é com The Old Guard que a atriz, ou seus fãs, vão preencher esse vazio…

‘Mulher Maravilha 1984’: DC regride com bomba vergonhosa

A história se repete, certo? Passamos a vida ouvindo esse ditado, e parece que é verdade mesmo. No panteão dos quadrinhos super-heróicos da DC Comics, Superman, Batman e Mulher Maravilha são conhecidos entre os fãs como “a trindade” da editora. São reconhecidamente os...

‘Soul’: brilhante animação sobre quem realmente somos

“Editor-chefe do Cine Set. Exerce o cargo de diretor de programas na TV Ufam. Formado em jornalismo pela Universidade Federal do Amazonas com curso de pós-graduação na Faculdade Cásper Líbero, em São Paulo”.  Você encontra este texto na parte ‘Sobre o Autor’ desta...

‘O Céu da Meia-Noite’: George Clooney testa paciência em sci-fi sofrível

Galã charmoso dos moldes da Hollywood nos anos 1950, George Clooney construiu gradualmente uma trajetória para além deste rótulo. Depois de aprender com o fracasso de “Batman & Robin”, ele começou a selecionar melhor os projetos em que se meteria – até venceu o...

‘The Nest’: elegante jogo das aparências mistura drama e terror

Depois de surpreender com uma narrativa envolvente no longa de estreia em “Martha Marcy Mae Marlene”, Sean Durkin retorna nove anos depois com “The Nest” (“O Ninho”, em tradução literal). Acompanhado de atuações excelentes de Carrie Coon e Jude Law, ele traz o...

‘Let Them All Talk’: Soderbergh entre Bergman e Allen sem ser incisivo

'Galera, é o seguinte: estou pensando em fazer um filme todo gravado em um transatlântico. Vocês topam?’.  Se receber um convite destes seria tentador por si só, imagine vindo de Steven Soderbergh, diretor ganhador da Palma de Ouro do Festival de Cannes em 1989 por...

‘A Voz Suprema do Blues’: estado puro dos talentos de Viola Davis e Chadwick Boseman

"A Voz Suprema do Blues” reúne a mesma trinca de “Um Limite Entre Nós”: Viola Davis de protagonista em um filme produzido por Denzel Washington baseado em uma peça do dramaturgo August Wilson. Além dos nomes envolvidos, o projeto da Netflix guarda as qualidades – um...

‘First Cow’: uma lembrança sobre a necessidade da solidariedade

Não me surpreendo caso muitos perguntem os motivos de “First Cow” ser tão badalado e elogiado pela crítica internacional. Muito menos de uma possível insatisfação generalizada caso o longa dirigido, roteirizado e montado por Kelly Reichardt (“Certas Mulheres”) chegue...

‘À Luz do Sol’: potência de protagonistas ilumina a tela em documentário paraense

Documentário paraense selecionado para a mostra competitiva do Festival Olhar do Norte 2020, “À Luz do Sol” segue o caminho de produções como o amazonense “Maria”, de Elen Linth, e o longa alagoano “Cavalo”, da dupla Rafhael Barbosa e Werner Salles, marcados pela...

‘Raimundo Quintela – O Caçador Vira Porco’: Sherlock amazônico em aventura agradável

Misturar elementos da cultura pop e do cinema hollywoodiano com as lendas e crenças da Amazônia formam a base de “Raimundo Quintela – O Caçador Vira Porco”, curta-metragem paraense dirigido por Robson Fonseca. Vencedor de três categorias da mostra competitiva do...

‘O Som do Silêncio’: aflição e desespero de Riz Ahmed comovem em bom drama

A deficiência auditiva foi retratada nos cinemas com diferentes abordagens, mas, quase sempre a partir de uma situação já estabelecida. Em “O Milagre de Anne Sullivan” (1962), por exemplo, a professora interpretada pela vencedora do Oscar, Anne Bancroft, precisa...