Charlize Theron ganhou o Oscar de Melhor Atriz pelo drama Monster: Desejo Assassino (2004), mas a melhor e mais marcante atuação de sua carreira até hoje foi em Mad Max: Estrada da Fúria (2015), como a Imperatriz Furiosa. No já clássico filme de George Miller, ela demonstrou força, poder, carisma, comando de tela e deu vida a uma das mais icônicas heroínas do cinema. Fazer o filme foi uma experiência marcante, e difícil, para todos os envolvidos, mas para a atriz, ele parece ter despertado um apetite por papéis fortes dentro do gênero ação. De lá para cá, Charlize Theron estrelou o divertido Atômica (2017), foi a vilã de Velozes e Furiosos 8 (2018) e, agora, vive uma guerreira imortal neste The Old Guard, da Netflix.

Muito bom para ela… só há um porém: nem toda protagonista de ação é uma Furiosa, nem todo filme de ação é um Mad Max: Estrada da Fúria. E isso nunca fica mais claro do que neste projeto da Netflix, que, sinceramente, é mais uma porcaria do serviço de streaming. Em 2020, justo quando o mundo mais precisa de opções legais de entretenimento, parece que a Netflix está determinada a lançar a sua pior safra de filmes. Numa nota pessoal, estou começando a sentir um vazio existencial toda vez que percorro a plataforma em busca de algo para ver. The Old Guard é mais uma história formulaica e repleta de clichês, mais um piloto de série do que uma narrativa satisfatória. E embora Charlize se esforce e continue magnética em cena, como sempre… ela não faz milagre.

Na história, baseada na HQ dos autores Greg Rucka e Leandro Fernandéz, Charlize Theron vive Andrômaca, ou Andy, a líder de um grupo de mercenários imortais que faz serviços pelo globo. Não sei se matar gente como mercenário é melhor uso possível do dom da imortalidade de pessoas que dizem querer melhorar o mundo, mas… esse é o tipo de filme que The Old Guard é. Enfim, o grupo dela começa a ser perseguido por uma corporação farmacêutica determinada a explorar a imortalidade deles, ao mesmo tempo em que encontram uma nova imortal, a jovem fuzileira Nile (Kiki Layne).

The Old Guard é meio colcha de retalhos, pegando elementos de Highlander: O Guerreiro Imortal (1986) aqui, um pouco do terceiro ato de Matrix (1999) ali… Os dilemas existenciais dos personagens imortais estão ali para adicionar drama e profundidade, mas soam clichês e só fazem emperrar a narrativa. Charlize carrega o filme nas costas, já que os outros atores não ajudam muito: A novata Layne, em especial, se mostra bem inexpressiva; e Chiwetel Ejiofor e Matthias Schoenaerts apenas batem ponto, como bons profissionais que são, e conseguem pagar seus boletos do mês.

PILOTO DE SÉRIE MAL ACABADO

As situações criadas pelo roteiro também não ajudam: “The Old Guard” parece calculado demais, como bom produto Netflix, e ansioso para agradar ao gosto do público moderno. Dois dos heróis imortais têm um romance homoafetivo – o que dá origem a uma cena esquisita na qual um deles reafirma seu amor pelo outro enquanto são sequestrados, na frente dos seus captores. Era para ser tocante, mas só ficou cafona… Já o vilão é o CEO de uma grande corporação, como bem convém a um filme atual. Pena que ele não tenha presença de cena ou transmita sequer um pingo de ameaça.

E quanto à ação, ela é bem filmada pela diretora Gina Prince-Bythewood: as lutas e tiroteios são bem encenados e percebe-se que os atores fizeram a maior parte das cenas eles mesmos. Mas há um aspecto limitado nessas sequências: elas se passam todas em cenários fechados, às vezes escuros, e com o tempo o combo tiroteio-luta, sem variedade, começa a cansar e sugere que a produção não devia ter orçamento para criar cenas mais grandiosas. Além disso, o fato de quase toda cena de ação ser musicada ao som de uma canção “esperta” ou com tom “emo” não ajuda essas cenas. O filme tem seu próprio DJ, sempre pronto para entrar em ação com uma canção fraquinha.

Além disso… se os heróis do filme são praticamente imortais, isso dificulta bastante a criação de suspense durante as cenas de ação. Não à toa, o peso dessas cenas é colocado sobre a personagem de Charlize, a única com a qual o espectador se importa um pouco – mais mérito da atriz do que do roteiro ou da direção… E o final, que deixa portas abertas para uma sequência, escancara para o espectador a artificialidade do projeto: The Old Guard termina parecendo mais com um piloto de série – até mesmo pelo aspecto limitado – do que com um filme capaz de se sustentar por si só.

Charlize Theron é uma grande atriz, virou um ícone do gênero ação e os fãs desse tipo de filme gostam de vê-la nesse tipo de papel. Eu me incluo nisso. Também se percebe que ela curte o gênero e dá tudo de si nesses projetos – Foi produtora tanto em Atômica quanto em The Old Guard. Se ela sente esse anseio como artista e está gostando de viver mulheres fortes que dispensam tiros e pancadas na tela, só podemos lhe desejar boa sorte em seus esforços. Porém, bate um pouco de tristeza ao vê-la em The Old Guard. Recentemente, ela declarou estar de “coração partido” por não retornar ao papel de Furiosa no projeto vindouro de George Miller. Bem, é verdade que uma Furiosa não aparece todo dia. Mas não é com The Old Guard que a atriz, ou seus fãs, vão preencher esse vazio…

‘Dois Estranhos’: violência gráfica ganha contorno irresponsável em favorito ao Oscar

Acredito que esse seja um filme que divida opiniões. De um lado, há aqueles que o aplaudem por explicitar a violência contínua sofrida por jovens negros, e, do outro, há aqueles que o taxam de explorador. Vou fazer uma mea culpa e revelar que acho interessante a...

‘Feeling Through’: a boa e velha empatia em belo filme

Quando dou aula nos cursos aqui do Cine Set, sempre digo aos alunos que o cinema é uma máquina de exercitar e desenvolver a empatia. Realmente acredito que quanto mais filmes assistimos, e quanto mais mergulhamos em histórias, com o tempo todos nós passamos a aprender...

‘Tina’: documentário para celebrar uma gigante do Rock

Das várias injustiças cometidas contra Tina Turner - a Rainha do Rock -, talvez a mais louca a persistir até hoje seja o fato de ela não constar como artista solo no Hall da Fama do estilo que rege. Os eleitores da organização podem corrigir esse fato em 2021, já que...

‘Os Segredos de Madame Claude’: desperdício de um ícone em filme tão fraco

Tenho um pé atrás com produções que buscam abordar personagens reais com o intuito de vender diversidade e inclusão. Essa sensação é mais aguda diante de projetos que discutem personalidades femininas como “Maria Madalena” (Garth Davis, 2018) e “Joana D’Arc” (Luc...

‘Amor e Monstros’: pouco mais de ousadia faria um grande filme

Os melhores momentos de Amor e Monstros, parceria dos estúdios Paramount Pictures com a Netflix, estão logo no início do filme. É quando o narrador da história, o jovem Joel, reconta o apocalipse que devastou a Terra e que transformou insetos e animais em criaturas...

‘We’: o cinema como construtor de uma memória coletiva

"We", o novo filme de Alice Diop, é várias coisas: uma lembrança familiar, uma celebração das vidas comuns e uma busca pela identidade da França nos dias de hoje. Acima de tudo, o documentário, que ganhou o prêmio de Melhor Filme da mostra Encontros do Festival de...

‘Chaos Walking’: ótimo conceito nem sempre gera bom filme

Toda vez que se inicia a produção de um filme, cineastas participam de um jogo de roleta: por mais bem planejada que seja a obra e não importando o quão bons sejam os colaboradores que eles vão reunir para participar dela, tudo ainda pode acabar mal. Cinema é...

‘Locked Down’: dramédia na pandemia sucumbe à triste realidade

Dentre tantas situações inesperadas da pandemia da Covid, com certeza, a quarentena forçada foi uma grande bomba-relógio para conflitos conjugais e familiares. Agora, se conviver ininterruptamente com quem se ama já é desafiador, imagine passar semanas, meses dentro...

‘Godzilla Vs Kong’: sem vergonha de ser uma divertida bobagem

Não há como contornar: Godzilla vs Kong é um filme bobo. Todos os filmes “versus” feitos até hoje na história do cinema, com um personagem famoso enfrentando outro, foram bobos, e essa nova investida do estúdio Warner Bros. no seu “Monsterverse” – a culminação dele,...

‘Collective’: aula sobre o fundamental papel do jornalismo investigativo

“Collective” é, provavelmente, o filme mais marcante desta temporada de premiações. O documentário dirigido por Alexander Nanau traz à tona denúncias concernentes à corrupção no Ministério da Saúde romeno, algo super atual no período pandêmico e que dialoga com...