Charlize Theron ganhou o Oscar de Melhor Atriz pelo drama Monster: Desejo Assassino (2004), mas a melhor e mais marcante atuação de sua carreira até hoje foi em Mad Max: Estrada da Fúria (2015), como a Imperatriz Furiosa. No já clássico filme de George Miller, ela demonstrou força, poder, carisma, comando de tela e deu vida a uma das mais icônicas heroínas do cinema. Fazer o filme foi uma experiência marcante, e difícil, para todos os envolvidos, mas para a atriz, ele parece ter despertado um apetite por papéis fortes dentro do gênero ação. De lá para cá, Charlize Theron estrelou o divertido Atômica (2017), foi a vilã de Velozes e Furiosos 8 (2018) e, agora, vive uma guerreira imortal neste The Old Guard, da Netflix.

Muito bom para ela… só há um porém: nem toda protagonista de ação é uma Furiosa, nem todo filme de ação é um Mad Max: Estrada da Fúria. E isso nunca fica mais claro do que neste projeto da Netflix, que, sinceramente, é mais uma porcaria do serviço de streaming. Em 2020, justo quando o mundo mais precisa de opções legais de entretenimento, parece que a Netflix está determinada a lançar a sua pior safra de filmes. Numa nota pessoal, estou começando a sentir um vazio existencial toda vez que percorro a plataforma em busca de algo para ver. The Old Guard é mais uma história formulaica e repleta de clichês, mais um piloto de série do que uma narrativa satisfatória. E embora Charlize se esforce e continue magnética em cena, como sempre… ela não faz milagre.

Na história, baseada na HQ dos autores Greg Rucka e Leandro Fernandéz, Charlize Theron vive Andrômaca, ou Andy, a líder de um grupo de mercenários imortais que faz serviços pelo globo. Não sei se matar gente como mercenário é melhor uso possível do dom da imortalidade de pessoas que dizem querer melhorar o mundo, mas… esse é o tipo de filme que The Old Guard é. Enfim, o grupo dela começa a ser perseguido por uma corporação farmacêutica determinada a explorar a imortalidade deles, ao mesmo tempo em que encontram uma nova imortal, a jovem fuzileira Nile (Kiki Layne).

The Old Guard é meio colcha de retalhos, pegando elementos de Highlander: O Guerreiro Imortal (1986) aqui, um pouco do terceiro ato de Matrix (1999) ali… Os dilemas existenciais dos personagens imortais estão ali para adicionar drama e profundidade, mas soam clichês e só fazem emperrar a narrativa. Charlize carrega o filme nas costas, já que os outros atores não ajudam muito: A novata Layne, em especial, se mostra bem inexpressiva; e Chiwetel Ejiofor e Matthias Schoenaerts apenas batem ponto, como bons profissionais que são, e conseguem pagar seus boletos do mês.

PILOTO DE SÉRIE MAL ACABADO

As situações criadas pelo roteiro também não ajudam: “The Old Guard” parece calculado demais, como bom produto Netflix, e ansioso para agradar ao gosto do público moderno. Dois dos heróis imortais têm um romance homoafetivo – o que dá origem a uma cena esquisita na qual um deles reafirma seu amor pelo outro enquanto são sequestrados, na frente dos seus captores. Era para ser tocante, mas só ficou cafona… Já o vilão é o CEO de uma grande corporação, como bem convém a um filme atual. Pena que ele não tenha presença de cena ou transmita sequer um pingo de ameaça.

E quanto à ação, ela é bem filmada pela diretora Gina Prince-Bythewood: as lutas e tiroteios são bem encenados e percebe-se que os atores fizeram a maior parte das cenas eles mesmos. Mas há um aspecto limitado nessas sequências: elas se passam todas em cenários fechados, às vezes escuros, e com o tempo o combo tiroteio-luta, sem variedade, começa a cansar e sugere que a produção não devia ter orçamento para criar cenas mais grandiosas. Além disso, o fato de quase toda cena de ação ser musicada ao som de uma canção “esperta” ou com tom “emo” não ajuda essas cenas. O filme tem seu próprio DJ, sempre pronto para entrar em ação com uma canção fraquinha.

Além disso… se os heróis do filme são praticamente imortais, isso dificulta bastante a criação de suspense durante as cenas de ação. Não à toa, o peso dessas cenas é colocado sobre a personagem de Charlize, a única com a qual o espectador se importa um pouco – mais mérito da atriz do que do roteiro ou da direção… E o final, que deixa portas abertas para uma sequência, escancara para o espectador a artificialidade do projeto: The Old Guard termina parecendo mais com um piloto de série – até mesmo pelo aspecto limitado – do que com um filme capaz de se sustentar por si só.

Charlize Theron é uma grande atriz, virou um ícone do gênero ação e os fãs desse tipo de filme gostam de vê-la nesse tipo de papel. Eu me incluo nisso. Também se percebe que ela curte o gênero e dá tudo de si nesses projetos – Foi produtora tanto em Atômica quanto em The Old Guard. Se ela sente esse anseio como artista e está gostando de viver mulheres fortes que dispensam tiros e pancadas na tela, só podemos lhe desejar boa sorte em seus esforços. Porém, bate um pouco de tristeza ao vê-la em The Old Guard. Recentemente, ela declarou estar de “coração partido” por não retornar ao papel de Furiosa no projeto vindouro de George Miller. Bem, é verdade que uma Furiosa não aparece todo dia. Mas não é com The Old Guard que a atriz, ou seus fãs, vão preencher esse vazio…

‘Atlântida’: cansativa e bela contemplação ao nada

“Atlântida”, obra exibida na 45ª Mostra Internacional de Cinema em São Paulo, não é um filme sobre o quê, mas sobre como. Há um personagem, que tem objetivos, coadjuvantes, antagonistas, viradas na história, mas isso não é o que importa. Yuri Ancarani, que assina...

‘Noite Passada em Soho’: quando prazer e pavor caminham lado a lado

É normal filmes de terror isolarem seus protagonistas antes de abrirem as válvulas do medo. "Noite Passada em Soho", novo filme do cineasta Edgar Wright (“Scott Pilgrim Contra o Mundo” e “Baby Driver – Em Ritmo de Fuga”), inverte essa lógica. Sua protagonista sai de...

‘Duna’: conceito se sobrepõe à emoção em filme estéril

Duna, o filme dirigido por Denis Villeneuve, começa com o protagonista acordando de um sonho, e tem alguém falando sobre um planeta, um império e uma tal de especiaria... A sensação é de ser jogado num universo alienígena e ela perdura por praticamente todo o filme. É...

‘Batman: O Cavaleiro das Trevas Ressurge’ e um herói para inspirar o coletivo

Vamos responder logo de cara: Batman: O Cavaleiro das Trevas Ressurge, o último filme da bat-trilogia do diretor Christopher Nolan, é o pior dos três? É. É um filme com problemas? Sim. Mas é um filme ruim? Longe disso. Na verdade, quando Nolan foi concluir sua...

‘Spencer’: Kristen Stewart luta em vão contra filme maçante

Em "Spencer", Kristen Stewart se junta ao clube de atrizes - que inclui Naomi Watts (“Diana”) e Emma Corrin (“The Crown”) - que se lançaram ao desafio de retratar a Princesa Diana. A atriz traz uma energia caótica à personagem e a coloca no caminho de uma quase certa...

‘O Garoto Mais Bonito do Mundo’ e o dilema da beleza

Morte em Veneza, o filme do diretor italiano Luchino Visconti lançado em 1971 e baseado no livro de Thoman Mann, é sobre um homem tão apaixonado, tão obcecado pela beleza que presencia diariamente, que acaba destruindo a si próprio por causa disso. E essa beleza, no...

‘Venom: Tempo de Carnificina’: grande mérito é ser curto

Se alguém me dissesse que existe um filme com Tom Hardy, Michelle Williams, Naomie Harris e Woody Harrelson, eu logo diria que tinha tudo para ser um filmaço, porém, estamos falando de “Venom: Tempo de Carnificina” e isso, infelizmente, é autoexplicativo. A...

‘A Casa Sombria’: ótimo suspense de desfecho duvidoso

Um dos grandes destaques do Festival de Sundance do ano passado, "A Casa Sombria", chegou aos cinemas brasileiros após mais de um ano de seu lançamento. Sob a direção de David Bruckner (responsável por dirigir o futuro reboot de "Hellraiser"), o longa é um bom exemplo...

‘Free Guy’: aventura mostra bom caminho para adaptação de games

Adaptar o mundo dos jogos para as telonas é quase uma receita fadada ao fracasso. Inúmeros são os exemplos: "Super Mario Bros", "Street Fighter", "Tomb Raider: A Origem" e até o mais recente "Mortal Kombat" não escapou de ser uma péssima adaptação. Porém, quando a...

‘A Taça Quebrada’: a angustiante jornada de um fracassado

Não está fácil a vida de Rodrigo: músico sem grande sucesso, ele não aceita a separação da esposa ocorrida há dois anos (sim, 2 anos!) muito menos o novo relacionamento dela, além de sofrer com a distância do filho e de ver o trio morar na casa que precisou deixar. E...