A diretora Joanna Hogg continua seu exercício em autoficção em “The Souvenir Parte II”, sequência do premiado sucesso de 2019. O filme, que estreou em Cannes e foi exibido no Festival de Londres deste ano, começa exatamente no mesmo ponto em que seu predecessor termina, mas representa uma surpreendente (e bem-vinda) mudança de tom e se sustenta muito bem sozinho. Ele pode não justificar a existência de sua primeira parte , mas tem humor e metalinguagem de sobra para justificar a própria.

Aos leitores que não viram a primeira parte, este é um excelente momento para conferir outra crítica pois esta aqui contém SPOILERS do filme anterior.

A trama do longa encontra a estudante de cinema Julie (Honor Swinton Byrne) no fundo do poço depois da overdose e morte de seu ex-namorado Anthony (Tom Burke). O acontecimento altera a perspectiva sobre si mesma e sobre a sua arte – e ela resolve gravar um filme sobre o seu romance como projeto de conclusão de curso.

 A DOR TRANSFORMADA EM ARTE


Debatendo sobre o filme, Hogg disse que os dois filmes foram desenvolvidos como um só desde a gênese. É curioso, no entanto, que o grosso dos eventos impactantes sejam reservados para a segunda parte e que grande parte da narrativa que é relevante aqui seja mencionada novamente em diálogos ou apareça na forma de flashbacks. Essas decisões não só tornam a segunda parte autocontida, como também inadvertidamente tornam a primeira dispensável.

O grande problema de “The Souvenir” era o fato de que o drama em seu cerne – o relacionamento tóxico entre Julie e Anthony – era irremediavelmente comum e sem grandes surpresas. Em “Parte II”, o interesse de Hogg muda e passa a ser o processo de transformar esta dor e perda em obra de arte. Isso dá ao filme um frescor que o torna muito mais envolvente do que seu predecessor.

Essa mudança vem operada através de um tom muito leve e bem-humorado – milhas distante da austeridade trágica do filme anterior. Para além dos mesmos personagens e de uma história que permeia as duas produções, as partes não poderiam ser mais distantes.

SIM, UMA SEQUÊNCIA MELHOR QUE O ORIGINAL

As tentativas de novas aventuras amorosas de Julie rendem momentos divertidos, que lembram ao público que ela não está tentando se achar somente na cadeira de diretora, mas também em todo o resto. Além disso, a expansão dos papéis de seus pais (interpretados pela mãe da atriz na vida real, a grande Tilda Swinton, e o ator não-profissional James Spencer Ashworth) lhes dá amplo material cômico e é irresistível vê-los em ação.

De certa forma, o ato de alterar uma obra no meio do percurso espelha a decisão de Julie de enxergar – e projetar – sua vida sob uma nova luz. Baseando-se em suas experiências da época da faculdade, Hogg reconfigura um projeto anterior dando-lhe mais profundidade e nuances. Ela também entrega um filme merecedor de entrar na seletíssima lista de sequências melhores que o original.

‘Viagem ao Topo da Terra’: animação correta impressiona pelo visual e singeleza

Por que seres humanos perigosamente arriscam a vida escalando grandes montanhas? E vale a pena fazer isso, se ninguém vai registrar ou lembrar? Estas perguntas estão no cerne de Viagem ao Topo da Terra, animação francesa disponível na Netflix dirigida por Patrick...

‘Casa Gucci’: um filme de Lady Gaga e só

Se a palavra Gucci ao ser dita soa como algo doce, mas, carrega uma maldição simultaneamente como diz Patrizia Reggiani, dois momentos podem ser considerados simbólicos desta definição: o primeiro está na transformação do olhar de Patrizia ao ouvir o sobrenome vindo...

‘Encanto’: agradável ainda que nada marcante animação Disney

Apropriada para o público infantil e com fácil apelo emocional, a temática sobre família constantemente é explorada nas animações da Disney e ‘Encanto’ não foge disso. Dirigido pelo trio Jared Bush (‘Moana’), Byron Howard (‘Zootopia’) e Charise Castro Smith, o filme...

‘Ataque dos Cães’: a masculinidade tóxica dissecada e descontruída

“Ataque dos cães” trata sobre masculinidade e poder em uma obra que flutua pela sensibilidade dos detalhes. Benedict Cumberbatch (“Doutor Estranho”) interpreta Phil Burbank, um típico vaqueiro dos filmes de faroeste, tratando sua frieza e brutalidade como prêmios. Ele...

‘King Richard: Criando Campeãs’: a filosofia de Will Smith com todos seus vícios e virtudes

Há alguns anos, o astro Will Smith explicou o motivo de ter recusado o papel de protagonista no sucesso Django Livre (2012), de Quentin Tarantino. A estrela afirmou que “o único jeito de fazê-lo seria se fosse uma história de amor, não de vingança”. Bem,...

‘Earwig’: fábula dark de incapaz de envolver o público

A vida de uma menina peculiar, um homem atormentado e uma garçonete em apuros se entrelaçam em "Earwig", novo filme da francesa Lucile Hadžihalilović (“Inocência”, “Évolution”). O longa, que teve estreia em Toronto e premiada passagem em San Sebastián, foi exibido no...

‘Ferida’: Halle Berry tenta, mas, não sai de fórmulas batidas

Ferida, estrelado e dirigido pela atriz Halle Berry – marcando sua estreia como diretora – é um filme igual à sua protagonista: sincero, mas errático; intenso, mas também disperso. A produção da Netflix busca contar um drama humano dentro do universo do MMA e, com...

‘Deserto Particular’: a solidão como companheira

A solidão que a gente carrega e que nos carrega também. “Deserto Particular” é um filme sobre espaços e tempo. Logo na abertura, Daniel (Antônio Saboia) corre de noite em meio a uma rua vazia, enquanto ouvimos uma narração do protagonista direcionada a alguém que ele...

‘Tick, Tick… Boom!’: Lin-Manuel Miranda dribla resistências ao musical em grande filme

Seja no cinema ou no teatro, não conhecer ‘Rent – Os Boêmios’ e muito menos ter se emocionado ao som de ‘Seasons of Love’ é algo extremamente difícil para quem gosta de musicais. A partir dessa prerrogativa, ‘Tick Tick... Boom!’ trata-se de uma grande homenagem a esse...

‘Um Herói’: o melhor filme de Asghar Farhadi desde ‘O Passado’

Um conto-da-carochinha com desdobramentos épicos é a força-motriz de "Um Herói", novo drama de Asghar Farhadi. O longa foi exibido no Festival de Londres deste ano após estreia em Cannes, onde levou o Grand Prix - o segundo prêmio mais prestigiado do evento. Escolhido...