A diretora Joanna Hogg continua seu exercício em autoficção em “The Souvenir Parte II”, sequência do premiado sucesso de 2019. O filme, que estreou em Cannes e foi exibido no Festival de Londres deste ano, começa exatamente no mesmo ponto em que seu predecessor termina, mas representa uma surpreendente (e bem-vinda) mudança de tom e se sustenta muito bem sozinho. Ele pode não justificar a existência de sua primeira parte , mas tem humor e metalinguagem de sobra para justificar a própria.

Aos leitores que não viram a primeira parte, este é um excelente momento para conferir outra crítica pois esta aqui contém SPOILERS do filme anterior.

A trama do longa encontra a estudante de cinema Julie (Honor Swinton Byrne) no fundo do poço depois da overdose e morte de seu ex-namorado Anthony (Tom Burke). O acontecimento altera a perspectiva sobre si mesma e sobre a sua arte – e ela resolve gravar um filme sobre o seu romance como projeto de conclusão de curso.

 A DOR TRANSFORMADA EM ARTE


Debatendo sobre o filme, Hogg disse que os dois filmes foram desenvolvidos como um só desde a gênese. É curioso, no entanto, que o grosso dos eventos impactantes sejam reservados para a segunda parte e que grande parte da narrativa que é relevante aqui seja mencionada novamente em diálogos ou apareça na forma de flashbacks. Essas decisões não só tornam a segunda parte autocontida, como também inadvertidamente tornam a primeira dispensável.

O grande problema de “The Souvenir” era o fato de que o drama em seu cerne – o relacionamento tóxico entre Julie e Anthony – era irremediavelmente comum e sem grandes surpresas. Em “Parte II”, o interesse de Hogg muda e passa a ser o processo de transformar esta dor e perda em obra de arte. Isso dá ao filme um frescor que o torna muito mais envolvente do que seu predecessor.

Essa mudança vem operada através de um tom muito leve e bem-humorado – milhas distante da austeridade trágica do filme anterior. Para além dos mesmos personagens e de uma história que permeia as duas produções, as partes não poderiam ser mais distantes.

SIM, UMA SEQUÊNCIA MELHOR QUE O ORIGINAL

As tentativas de novas aventuras amorosas de Julie rendem momentos divertidos, que lembram ao público que ela não está tentando se achar somente na cadeira de diretora, mas também em todo o resto. Além disso, a expansão dos papéis de seus pais (interpretados pela mãe da atriz na vida real, a grande Tilda Swinton, e o ator não-profissional James Spencer Ashworth) lhes dá amplo material cômico e é irresistível vê-los em ação.

De certa forma, o ato de alterar uma obra no meio do percurso espelha a decisão de Julie de enxergar – e projetar – sua vida sob uma nova luz. Baseando-se em suas experiências da época da faculdade, Hogg reconfigura um projeto anterior dando-lhe mais profundidade e nuances. Ela também entrega um filme merecedor de entrar na seletíssima lista de sequências melhores que o original.

Olhar de Cinema 2022: ‘O Trio em Mi Bemol’, de Rita Azevedo Gomes

Um casal de ex-amantes discute o passado e futuro de sua relação. A amizade e companheirismo que restaram sustentam os incômodos e ciúmes que surgiram? Um diretor em crise com seu novo filme discute com seus atores quais rumos a obra deve tomar. Eles serão capazes de...

‘Spiderhead’: logaritmo da Netflix a todo vapor com filme esquecível

“Spiderhead” é o novo filme da Netflix e, do ponto de vista de marketing, possui elementos ótimos para a equipe de “Promos” do streaming vender aos seus assinantes: dois nomes em alta graças ao sucesso de “Top Gun: Maverick”, o ator Miles Teller e o diretor Joseph...

Olhar de Cinema 2022: ‘Garotos Ingleses’, de Marcus Curvelo

É preciso coragem para utilizar o humor para tratar de temas violentos. Primeiro porque a comédia em si é um gênero geralmente visto (de forma equivocada) com um pé atrás, fazendo-se necessário um uso exemplar de suas possibilidades. Segundo, porque a tentativa de...

‘Arremessando Alto’: carta de amor de Adam Sandler ao basquete

A parceria Adam Sandler/Netflix permanece intacta. Desde que o ator e comediante assinou contrato com a plataforma, a produtora Happy Madison concebeu uma considerável safra de comédias com boa audiência no streaming. “Arremessando Alto” é a aposta da vez.  No papel...

‘RRR’: épico indiano dá aulas em extravagância fílmica

Já virou certo clichê entre a parcela ocidental da crítica cinematográfica a comparação entre “RRR” e os blockbusters hollywoodianos. Hollywood, dizem os críticos, deveria voltar sua atenção às terras ao leste do globo, porque “RRR” os deixa no chinelo em termos de...

‘Aline – A Voz do Amor’: tudo o que ‘Bohemian Rhapsody’ não é

“Um ficção livremente inspirada na vida de Céline Dion”. A história da cantora imortalizada por ser a intérprete de "My Heart Will Go On", a canção-tema de "Titanic", chega aos cinemas pelas mãos e na figura de Valérie Lemecier, também canadense como a sua retratada....

‘Amigo Secreto’: a força do jornalismo investigativo contra os abusos da Lava-Jato

Uma frase convencional é de que toda arte é política. Embora seja um clichê para produtores culturais progressistas, é preciso concordar quando a mente por trás do projeto é Maria Augusta Ramos. Responsável por produções como “O Processo” e “Juízo”, a cineasta expõe...

‘Lightyear’: luta em vão da Pixar contra fantasma de si mesma

Aqui vai uma história trágica: o estúdio que, outrora lar para verdadeiros artesãos que laboravam arduamente em suas narrativas, completamente alheios às pressões do mundo exterior, hoje se desvanece pouco a pouco, aparentemente corrompido pela influência de sua...

‘Ilusões Perdidas’: tratado sobre o deslumbre do homem

Em uma sociedade em que há divisão de classes entre burguesia e proletários, pobres e ricos, desigualdades sociais, intelectuais, culturais e patrimoniais, nunca haverá de fato um território democrático. O histórico da sociedade nos diz muito sobre ela mesma: é um...

Olhar de Cinema 2022: ‘Uma noite sem saber nada’, de Payal Kapadia

Logo antes das sessões no Olhar de Cinema, um vídeo dos realizadores que não puderam estar presentes ao festival era exibido falando um pouco sobre cada filme que viria a seguir. Em sua apresentação, a diretora Payal Kapadia pedia que o público tivesse paciência com...