Raramente se conhece como calçados e cactos influenciam o governo de um país, mas “The Twentieth Century mostra exatamente isso. O filme de estreia de Matthew Rankin, parte da ousada seleção do último Festival de Berlim, é um sonho delirante, altamente idiossincrático, com a quantidade certa de kitsch para torná-lo um sucesso entre o público do circuito alternativo. 

The Twentieth Century acompanha Mackenzie King (Dan Beirne) em sua busca por se tornar Primeiro-Ministro do Canadá, tentando desesperadamente provar a si mesmo, para seus pares e para uma mãe formidavelmente arquetípica (Louis Negin). No entanto, essa jornada pessoal é mostrada de uma maneira tão estilizada e exagerada que pode muito bem ser um universo alternativo. 

Aqui, a cidade de Toronto é apresentada em uma arquitetura colorida e austera, enquanto Winnipeg surge como uma fossa da depravação e Quebec parece uma comuna utópica. A brilhante direção de arte de Dany Boivin canaliza o expressionismo alemão e o agitprop soviético para criar um Canadá imaginário – um país que simplesmente não podia existir, mas parece tangível. A mise-en-scène, combinada com a edição de Rankin, cria o efeito de completa sobrecarga sensorial. 

JOGO DE PERFORMANCE  

Livre das restrições da realidade, o roteiro, também tratado por Rankin, aborda muitos temas. Algumas delas serão mais difíceis se o espectador não tiver algum histórico da história política canadense: o relacionamento do país com a Inglaterra, seu papel na Segunda Guerra dos Bôeres, o movimento de independência de Quebec e o caráter indescritível do próprio rei desempenham papéis consideráveis na trama. 

Mais evidente, porém, é a intenção do cineasta de pintar essa fantasia do Canadá em tons decididamente estranhos. O elenco está cheio de mudanças interessantes de gênero, adicionando a natureza surreal de “The Twentieth Century. Os jogos nos quais os participantes do primeiro-ministro participam são hilários, em parte porque reforçam a noção de masculinidade – e também de política – como performance. 

Para King e seu desejo de ascender ao escalão político superior de seu país, isso também significa que ele tem que parecer o mais importante: ser duro, conseguir uma esposa-troféu e controlar seus impulsos sexuais por sapatos. O filme revela uma sexualidade incomum, com a maioria dos personagens se entregando a algum tipo de torção. 

Ironicamente, não importa o quão loucamente alegórico seja “The Twentieth Century, ecos da realidade sempre se insinuam na narrativa: as conspirações da aristocracia, a maneira como os políticos são preparados para aparições públicas, as lutas ideológicas divisórias. Nesses momentos, o banquete visual do filme de Rankin se transforma em uma tela hiper-real – apesar de cactos e calçados. 

‘Adeus Leonora’: a carta de despedida do mestre Paolo Taviani

A morte é a grande protagonista de “Leonora Adeus”, recente filme do lendário diretor italiano Paolo Taviani. Ele mesmo, no alto dos seus 91 anos, constrói uma narrativa tragicômica da morte e como ela permeia o nosso universo ao redor. Com um olhar melancólico,...

‘Meu Álbum de Amores’: a linha tênue entre o amor e o brega

Ah, o amor. As delícias das paixões desenfreadas, cegas e absurdas. O amor latente, pulsante, que corre por entre as veias e explode em adrenalina e desespero. O amor é inexplicável. Há quem diga que só vivemos um grande amor por toda a vida. Há aqueles que vivem...

Festival de Karlovy Vary 2022: ‘Flux Gourmet’, de Peter Strickland

"Flux Gourmet", novo filme de Peter Strickland, é um prato reservado aos curiosos gastronômicos de plantão. O projeto do atual mestre do bizarro inglês foi exibido no Festival Internacional de Cinema de Karlovy Vary deste ano após estreia em Berlim e vem recheado das...

‘The Five Devils’: a falácia do mito do “lugar de gente de bem”

"The Five Devils", novo filme da francesa Léa Mysius, é um misto de drama familiar e thriller sobrenatural que leva o espectador por caminhos inesperados. O longa, que estreou na mostra Quinzena dos Realizadores em Cannes e foi exibido no Festival Internacional de...

‘Trem-Bala’: carisma de Brad Pitt faz longa pueril valer a pena

Eis que chega às telonas “Trem-Bala”, mais uma obra que segue o filão do cinema de ação espertinho à la Deadpool. Ou seja: temos aqui uma maçaroca de referências pop e piadas adolescentes que, se por um lado, não radicaliza nada, por outro não consegue bancar o peso...

‘Ela e Eu’: Andréa Beltrão domina melodrama sobre recomeço

Mãe e filha. 20 anos de convivência emocional e de ausência física. Reconfigurando afetos, Gustavo Rosa de Moura traz aos cinemas em “Ela e Eu” uma história forte, importante e comovente sobre novas e velhas formas de amar com Andrea Beltrão fazendo uma personagem do...

‘Tinnitus’: angustiante e ótimo body horror brasileiro

Uma atleta de saltos ornamentais em apuros guia a trama de "Tinnitus", novo filme do paulista Gregorio Graziosi (“Obra”) que teve estreia mundial no Festival Internacional de Cinema de Karlovy Vary deste ano. Ancorado na sólida performance da atriz Joana de Verona, o...

‘Aos Nossos Filhos’: Marieta Severo brilha em drama de tom solene

Vera (Marieta Severo) está em um embate terrível com a filha Tânia (Laura Castro). A jovem, lésbica e casada, que quer a aprovação da matriarca para ser mãe, mas não vê forma de superar os próprios traumas e o dissabor da relação com a personagem de Marieta, uma...

‘O Palestrante’: Porchat aposta no seguro em comédia morna

Guilherme (Fábio Porchat) é um contador frustrado que perdeu o tesão na vida. Seu chefe é um babaca, a esposa o humilha e o sujeito simplesmente desliza pelos dias no piloto automático. Isto até ser confundido com um palestrante motivacional e se apaixonar por Denise...

Festival de Karlovy Vary 2022: ‘Close’, de Lukas Dhont

As dores de amadurecimento dão o tom de "Close", novo filme de Lukas Dhont que estreou em Cannes - onde dividiu o Grand Prix com "Both Sides of the Blade", de Claire Denis - e foi exibido no Festival Internacional de Cinema de Karlovy Vary. O drama confirma o diretor...