Raramente se conhece como calçados e cactos influenciam o governo de um país, mas “The Twentieth Century mostra exatamente isso. O filme de estreia de Matthew Rankin, parte da ousada seleção do último Festival de Berlim, é um sonho delirante, altamente idiossincrático, com a quantidade certa de kitsch para torná-lo um sucesso entre o público do circuito alternativo. 

The Twentieth Century acompanha Mackenzie King (Dan Beirne) em sua busca por se tornar Primeiro-Ministro do Canadá, tentando desesperadamente provar a si mesmo, para seus pares e para uma mãe formidavelmente arquetípica (Louis Negin). No entanto, essa jornada pessoal é mostrada de uma maneira tão estilizada e exagerada que pode muito bem ser um universo alternativo. 

Aqui, a cidade de Toronto é apresentada em uma arquitetura colorida e austera, enquanto Winnipeg surge como uma fossa da depravação e Quebec parece uma comuna utópica. A brilhante direção de arte de Dany Boivin canaliza o expressionismo alemão e o agitprop soviético para criar um Canadá imaginário – um país que simplesmente não podia existir, mas parece tangível. A mise-en-scène, combinada com a edição de Rankin, cria o efeito de completa sobrecarga sensorial. 

JOGO DE PERFORMANCE  

Livre das restrições da realidade, o roteiro, também tratado por Rankin, aborda muitos temas. Algumas delas serão mais difíceis se o espectador não tiver algum histórico da história política canadense: o relacionamento do país com a Inglaterra, seu papel na Segunda Guerra dos Bôeres, o movimento de independência de Quebec e o caráter indescritível do próprio rei desempenham papéis consideráveis na trama. 

Mais evidente, porém, é a intenção do cineasta de pintar essa fantasia do Canadá em tons decididamente estranhos. O elenco está cheio de mudanças interessantes de gênero, adicionando a natureza surreal de “The Twentieth Century. Os jogos nos quais os participantes do primeiro-ministro participam são hilários, em parte porque reforçam a noção de masculinidade – e também de política – como performance. 

Para King e seu desejo de ascender ao escalão político superior de seu país, isso também significa que ele tem que parecer o mais importante: ser duro, conseguir uma esposa-troféu e controlar seus impulsos sexuais por sapatos. O filme revela uma sexualidade incomum, com a maioria dos personagens se entregando a algum tipo de torção. 

Ironicamente, não importa o quão loucamente alegórico seja “The Twentieth Century, ecos da realidade sempre se insinuam na narrativa: as conspirações da aristocracia, a maneira como os políticos são preparados para aparições públicas, as lutas ideológicas divisórias. Nesses momentos, o banquete visual do filme de Rankin se transforma em uma tela hiper-real – apesar de cactos e calçados. 

‘Subsolo’: deliciosa ironia sobre o universo das academias

Lembra quando o presidente Jair Bolsonaro, no meio da pandemia da COVID-19 com mortes superiores a 1000 por dia, resolveu decretar que academias eram atividades essenciais? A surreal decisão parece saída do roteiro de “Subsolo”, animação satírica da dupla Erica...

‘Inabitável’: vamos fugir deste lugar?

‘Brasil 2020, Pouco Antes da Pandemia’.  Não é à toa este letreiro ser a primeira informação a surgir na tela no início de “Inabitável”: durante seus 20 minutos, o curta pernambucano apresenta o retrato de um país marcado pela violência e intolerância religiosa...

‘Por que Você não Chora?’: boa intenção não salva filme péssimo

Sabe aquele ditado popular: ‘de boas intenções, o inferno está cheio’? Pode ser cruel, eu sei, mas, cabe à perfeição para definir o fraquíssimo “Por que Você Não Chora?”. Escolhido como o filme de abertura da mostra competitiva de longas-metragens nacionais do...

‘Receita de Caranguejo’: metáforas sobre o luto

Baseado em memórias de infância da diretora e roteirista Issis Valenzuela, “Receita de Caranguejo”, selecionado para a mostra competitiva de curtas-metragens nacionais do Festival de Gramado 2020, aposta em simbolismos e metáforas com a vida marinha para abordar o...

‘4 Bilhões de Infinitos’: homenagem ao cinema e a esperança de dias melhores

Cordisburgo ficou conhecida nacionalmente por ser a terra natal do escritor Guimarães Rosa. Recentemente, a cidade mineira, distante 96,9km em linha reta de Belo Horizonte, virou cenário de uma pentalogia de outra cria da terra, o diretor Marco Antônio Pereira. Com...

‘Queen & Slim’: Black Lives Matter em estética arrebatadora

Vencedora de dois Grammys pela direção do clipe “We Found Love”, de Rihanna, e o álbum visual “Formation”, de Beyoncé, Melina Matsoukas constrói um road movie pautado em violência, intolerância e reencontros em sua estreia na direção cinematográfica. “Queen &...

‘Memories of My Body’: ode à existência de um corpo em plenitude

Pode soar como uma frase tirada diretamente de um livro de mindfulness (técnica de atenção plena), mas de uma forma ou de outra, a maioria das experiências de uma pessoa é mediada pelo corpo. Conduzido desta forma de maneira poética, “Memories of My Body”,...

‘Invasão Zumbi 2: Península’: terror caça-níquel made in Coreia

Em nenhum outro gênero do cinema se produzem tantas continuações como o terror. Elas são feitas porque é um bom negócio: filmes de terror geralmente são baratos, e há o reconhecimento da marca. Quando é lançado e causa impressão junto ao público, ele vira uma marca, e...

‘Estou Pensando em Acabar Com Tudo’: estilo de Kaufman ao ponto da exaustão

Tem uma expressão que meu colega crítico Ivanildo Pereira cita em seus textos e encaixa perfeitamente para descrever Charlie Kaufman: “verborrágico”. O premiado roteirista e diretor é um artista repleto de personalidade e que apresenta temas recorrentes em suas obras...

‘Narciso em Férias’: a violência brasileira em resposta à poesia

Os 54 dias das prisões de Caetano Veloso e Gilberto Gil, entre dezembro de 1968 a fevereiro de 1969, não apenas simbolizaram o mais claro sinal do endurecimento contra a classe artística e intelectual promovido pela ditadura militar no Brasil após o Ato Institucional...