Raramente se conhece como calçados e cactos influenciam o governo de um país, mas “The Twentieth Century mostra exatamente isso. O filme de estreia de Matthew Rankin, parte da ousada seleção do último Festival de Berlim, é um sonho delirante, altamente idiossincrático, com a quantidade certa de kitsch para torná-lo um sucesso entre o público do circuito alternativo. 

The Twentieth Century acompanha Mackenzie King (Dan Beirne) em sua busca por se tornar Primeiro-Ministro do Canadá, tentando desesperadamente provar a si mesmo, para seus pares e para uma mãe formidavelmente arquetípica (Louis Negin). No entanto, essa jornada pessoal é mostrada de uma maneira tão estilizada e exagerada que pode muito bem ser um universo alternativo. 

Aqui, a cidade de Toronto é apresentada em uma arquitetura colorida e austera, enquanto Winnipeg surge como uma fossa da depravação e Quebec parece uma comuna utópica. A brilhante direção de arte de Dany Boivin canaliza o expressionismo alemão e o agitprop soviético para criar um Canadá imaginário – um país que simplesmente não podia existir, mas parece tangível. A mise-en-scène, combinada com a edição de Rankin, cria o efeito de completa sobrecarga sensorial. 

JOGO DE PERFORMANCE  

Livre das restrições da realidade, o roteiro, também tratado por Rankin, aborda muitos temas. Algumas delas serão mais difíceis se o espectador não tiver algum histórico da história política canadense: o relacionamento do país com a Inglaterra, seu papel na Segunda Guerra dos Bôeres, o movimento de independência de Quebec e o caráter indescritível do próprio rei desempenham papéis consideráveis na trama. 

Mais evidente, porém, é a intenção do cineasta de pintar essa fantasia do Canadá em tons decididamente estranhos. O elenco está cheio de mudanças interessantes de gênero, adicionando a natureza surreal de “The Twentieth Century. Os jogos nos quais os participantes do primeiro-ministro participam são hilários, em parte porque reforçam a noção de masculinidade – e também de política – como performance. 

Para King e seu desejo de ascender ao escalão político superior de seu país, isso também significa que ele tem que parecer o mais importante: ser duro, conseguir uma esposa-troféu e controlar seus impulsos sexuais por sapatos. O filme revela uma sexualidade incomum, com a maioria dos personagens se entregando a algum tipo de torção. 

Ironicamente, não importa o quão loucamente alegórico seja “The Twentieth Century, ecos da realidade sempre se insinuam na narrativa: as conspirações da aristocracia, a maneira como os políticos são preparados para aparições públicas, as lutas ideológicas divisórias. Nesses momentos, o banquete visual do filme de Rankin se transforma em uma tela hiper-real – apesar de cactos e calçados. 

‘Os Segredos de Madame Claude’: desperdício de um ícone em filme tão fraco

Tenho um pé atrás com produções que buscam abordar personagens reais com o intuito de vender diversidade e inclusão. Essa sensação é mais aguda diante de projetos que discutem personalidades femininas como “Maria Madalena” (Garth Davis, 2018) e “Joana D’Arc” (Luc...

‘Amor e Monstros’: pouco mais de ousadia faria um grande filme

Os melhores momentos de Amor e Monstros, parceria dos estúdios Paramount Pictures com a Netflix, estão logo no início do filme. É quando o narrador da história, o jovem Joel, reconta o apocalipse que devastou a Terra e que transformou insetos e animais em criaturas...

‘We’: o cinema como construtor de uma memória coletiva

"We", o novo filme de Alice Diop, é várias coisas: uma lembrança familiar, uma celebração das vidas comuns e uma busca pela identidade da França nos dias de hoje. Acima de tudo, o documentário, que ganhou o prêmio de Melhor Filme da mostra Encontros do Festival de...

‘Chaos Walking’: ótimo conceito nem sempre gera bom filme

Toda vez que se inicia a produção de um filme, cineastas participam de um jogo de roleta: por mais bem planejada que seja a obra e não importando o quão bons sejam os colaboradores que eles vão reunir para participar dela, tudo ainda pode acabar mal. Cinema é...

‘Locked Down’: dramédia na pandemia sucumbe à triste realidade

Dentre tantas situações inesperadas da pandemia da Covid, com certeza, a quarentena forçada foi uma grande bomba-relógio para conflitos conjugais e familiares. Agora, se conviver ininterruptamente com quem se ama já é desafiador, imagine passar semanas, meses dentro...

‘Godzilla Vs Kong’: sem vergonha de ser uma divertida bobagem

Não há como contornar: Godzilla vs Kong é um filme bobo. Todos os filmes “versus” feitos até hoje na história do cinema, com um personagem famoso enfrentando outro, foram bobos, e essa nova investida do estúdio Warner Bros. no seu “Monsterverse” – a culminação dele,...

‘Collective’: aula sobre o fundamental papel do jornalismo investigativo

“Collective” é, provavelmente, o filme mais marcante desta temporada de premiações. O documentário dirigido por Alexander Nanau traz à tona denúncias concernentes à corrupção no Ministério da Saúde romeno, algo super atual no período pandêmico e que dialoga com...

‘Moon, 66 Questions’: drama familiar foge do convencional em narrativa ousada

Livremente inspirado em tarô e mitologia, "Moon, 66 Questions" explora as falhas de comunicação e os conflitos geracionais de uma família através dos olhos de uma adolescente. O drama grego, exibido na mostra Encontros do Festival de Berlim deste ano, é carregado de...

‘Fuja’: suspense protocolar impossível de desgrudar da tela

Suspenses domésticos, quando bem feitos, acabam rendendo boas experiências. É o caso deste Fuja, lançado na Netflix – iria originalmente para os cinemas, mas a pandemia alterou esses planos. Não há nada nele que já não tenhamos visto antes, em outras obras tanto...

‘Meu Pai’: empática experiência sensorial da demência

"Meu Pai" começa ao som de uma ópera que acompanha os passos de uma mulher que anda por uma rua aparentemente pacata. Não demora muito e percebemos que essa música é escutada por outro personagem em fones de ouvido. Essas duas cenas simples revelam logo a essência do...