Raramente se conhece como calçados e cactos influenciam o governo de um país, mas “The Twentieth Century mostra exatamente isso. O filme de estreia de Matthew Rankin, parte da ousada seleção do último Festival de Berlim, é um sonho delirante, altamente idiossincrático, com a quantidade certa de kitsch para torná-lo um sucesso entre o público do circuito alternativo. 

The Twentieth Century acompanha Mackenzie King (Dan Beirne) em sua busca por se tornar Primeiro-Ministro do Canadá, tentando desesperadamente provar a si mesmo, para seus pares e para uma mãe formidavelmente arquetípica (Louis Negin). No entanto, essa jornada pessoal é mostrada de uma maneira tão estilizada e exagerada que pode muito bem ser um universo alternativo. 

Aqui, a cidade de Toronto é apresentada em uma arquitetura colorida e austera, enquanto Winnipeg surge como uma fossa da depravação e Quebec parece uma comuna utópica. A brilhante direção de arte de Dany Boivin canaliza o expressionismo alemão e o agitprop soviético para criar um Canadá imaginário – um país que simplesmente não podia existir, mas parece tangível. A mise-en-scène, combinada com a edição de Rankin, cria o efeito de completa sobrecarga sensorial. 

JOGO DE PERFORMANCE  

Livre das restrições da realidade, o roteiro, também tratado por Rankin, aborda muitos temas. Algumas delas serão mais difíceis se o espectador não tiver algum histórico da história política canadense: o relacionamento do país com a Inglaterra, seu papel na Segunda Guerra dos Bôeres, o movimento de independência de Quebec e o caráter indescritível do próprio rei desempenham papéis consideráveis na trama. 

Mais evidente, porém, é a intenção do cineasta de pintar essa fantasia do Canadá em tons decididamente estranhos. O elenco está cheio de mudanças interessantes de gênero, adicionando a natureza surreal de “The Twentieth Century. Os jogos nos quais os participantes do primeiro-ministro participam são hilários, em parte porque reforçam a noção de masculinidade – e também de política – como performance. 

Para King e seu desejo de ascender ao escalão político superior de seu país, isso também significa que ele tem que parecer o mais importante: ser duro, conseguir uma esposa-troféu e controlar seus impulsos sexuais por sapatos. O filme revela uma sexualidade incomum, com a maioria dos personagens se entregando a algum tipo de torção. 

Ironicamente, não importa o quão loucamente alegórico seja “The Twentieth Century, ecos da realidade sempre se insinuam na narrativa: as conspirações da aristocracia, a maneira como os políticos são preparados para aparições públicas, as lutas ideológicas divisórias. Nesses momentos, o banquete visual do filme de Rankin se transforma em uma tela hiper-real – apesar de cactos e calçados. 

‘Cry Macho’: Clint Eastwood em reflexão sobre a própria carreira

Cry Macho: O Caminho para Redenção mal começa e o espectador já sente uma pequena emoção indescritível: basta Clint Eastwood aparecer com roupas típicas de cowboy e um chapéu. Nada aconteceu ainda na história, mas qualquer cinéfilo do mundo todo já consegue abrir um...

‘Vortex’: Gaspar Noé como você nunca viu (e isso é muito bom)

É normal que, em algum momento da vida, artistas se ponham a refletir sobre a mortalidade. Com "Vortex", o cineasta ítalo-argentino radicado na França Gaspar Noé (“Clímax”) entra para esse clube. O filme, exibido no Festival Internacional de Cinema de Karlovy Vary...

‘Batman Eternamente’ e os retrocessos das escolhas da Warner

Em 1989, Batman de Tim Burton virou um sucesso arrebatador nas bilheterias e despertou uma onda de batmania pelo planeta. Três anos depois, em 1992, Burton lançou Batman: O Retorno e... boa parte do público o considerou um filme simplesmente estranho. Ele ainda foi...

‘Respect’: Aretha Franklin diluída em cinebiografia sem força

Aretha Franklin é um ícone da música mundial. Ao longo de seus mais de 50 anos de carreira, ganhou 18 Grammys e deu voz a uma das composições mais memoráveis do mundo gospel: “Amazing Grace”. Também interpretou clássicos como “Natural Woman”, “I Say a Little Prayer” e...

‘Coda – No Ritmo do Coração’: afeto e inclusão para conquistar o público

A repercussão de "Coda - No Ritmo do Coração" no Festival de Sundance deste ano, ganhando quatro prêmios (Melhor Direção, Melhor Elenco, Melhor Filme pelo júri e pelo público), já dava indícios de que o filme era uma boa produção para ficar atento. A propósito, esta...

‘Todos Estão Falando Sobre Jamie’: musical artificial não sai da zona de conforto

“Todos Estão Falando Sobre Jamie”, é um drama musical estrelado por Max Harwood e retrata o início de carreira de Jamie New, um jovem gay prestes a se formar na escola e que decide se tornar uma drag queen. Estreante nos cinemas, Jonathan Butterell dirigiu a peça...

‘Minamata’: filme denúncia protocolar segue linha do branco salvador

Um dos maiores ofícios do jornalismo e do fotojornalismo sério e comprometido é denunciar, gerar notícia e colocar holofotes em algo que está errado, comprometendo uma série de questões éticas, morais, sociais e humanitárias. Há grandes momentos da história recente em...

‘Hit the Road’: uma das maiores surpresas do cinema em 2021

Hilário e tocante, "Hit the Road" é uma das maiores surpresas do cinema de 2021. O longa, exibido na seção Horizontes do Festival Internacional de Cinema de Karlovy Vary deste ano depois de estrear na Quinzena dos Realizadores em Cannes, adiciona uma boa dose de...

‘Batman: O Retorno’ e a vingança dos reprimidos sexuais

Vamos dizer logo de cara: Batman: O Retorno é o filme de super-herói mais cheio de tesão e sexual que já foi feito. Super-heróis de quadrinhos, com seus corpos impossivelmente perfeitos, tanto masculinos quanto femininos, sempre inspiraram fantasias sexuais e, quando...

‘Dear Ones’: a difícil reversão do afastamento de uma família

Conhecer a própria família, muitas vezes, demora uma vida inteira. É a lição que as personagens de "Dear Ones", nova produção tcheco-polonesa que estreou no Festival Internacional de Cinema de Karlovy Vary deste ano, devem ponderar em seu próprio tempo. Exibido na...