Nos últimos anos temos visto vários dramas saídos do cinema da Romênia, e muitos deles ótimos. Um filme policial é algo mais raro… Mas eis que chega um exemplar do gênero com The Whistlers, longa do diretor Corneliu Porumboiu que apresenta uma trama de roubo e traição com um twist, uma ideia curiosa que torna a coisa toda, se não memorável, pelo menos diferente. Um pouco.

Na trama, Vlad Ivanov interpreta o policial Cristi, que recebe a missão de se infiltrar numa organização criminosa. Ele conhece a misteriosa e sensual Gilda (Catrinel Marlon) – e toda a situação do primeiro encontro dos dois rende a melhor cena do filme, no início. Mais tarde, eles se reencontram quando Cristi chega à ilha de La Gomera para aprender a linguagem dos assobios (!), o curioso método de comunicação à distância dos criminosos. Quando a quadrilha se envolve no roubo de uma bolada de milhões de euros, Cristi tenta manipular tanto os mafiosos quanto seus superiores da polícia, para conseguir livrar a si mesmo e Gilda dos dois lados da lei.

Bem, a história de The Whistlers não tem nada de tão diferente do que já vimos várias vezes. E Porumboiu, também autor do roteiro, resolveu contá-la do mjohodo complicado. Dividida em blocos batizados pelos nomes dos personagens, a história é cronologicamente embaralhada e o foco narrativo do filme muda frequentemente. Acompanhamos o presente com Cristi, depois voltamos ao passado para saber como ele chegou ali e qual o plano dos criminosos, então se volta para o presente, depois se muda o foco para outro personagem… O resultado é que The Whistlers não é dos filmes mais fáceis de acompanhar. Fica a impressão de que o filme tem uma história simples, mas o diretor quis se exibir um pouco embaralhando as coisas num estilo à la Pulp Fiction (1994).

CINEFILIA E ASSOBIOS

E realmente é um filme no qual se percebe uma forte cinefilia. Vemos várias vezes a ação por meio de câmeras de segurança; num dado momento um cineasta interrompe uma reunião dos bandidos; em outro dois personagens se encontram numa cinemateca onde está passando Rastros de Ódio (1956) de John Ford – justo numa cena em que os heróis deste clássico western estão assustados com a comunicação via assobios dos seus inimigos, os indígenas. Ah, e o tiroteio final acontece numa cidade cenográfica e há outro momento que tenta recriar o assassinato no chuveiro de Psicose (1960).

O filme não realmente abraça uma narrativa estilo “meta”, ou seja, a ser dominado pela metalinguagem, mas Porumboiu chega a dar uma de Quentin Tarantino. Um Tarantino romeno e mais comedido, mas ainda assim quase tão determinado quanto seu colega estadunidense a fazer do seu filme um comentário sobre o cinema, ou pelo menos sobre outros filmes policiais.

O que dá um pouco de charme próprio a The Whistlers é toda a circunstância em torno dos assobios. As cenas que mostram os personagens se comunicando por assobios, ou em que vemos Cristi aprendendo a assobiar, são tão estranhas e curiosas que acabam se tornando divertidas e rendem umas risadas. Deve ser o único filme da história do cinema em que personagens combinam os detalhes de um golpe como se fossem passarinhos…

Essas cenas ficam ainda mais engraçadas quando a cara séria do ator Vlad Ivanov faz o contraponto ao absurdo da situação. De certa forma, ele é a essência de The Whistlers: um filme meio impenetrável, onde as emoções ficam sempre abaixo da superfície. Nunca entendemos porque ele acaba se importando tanto com a Gilda – foi só pela transa? – e por consequência o final não passa de um momento curioso. Ivanov e Marlon têm boas atuações, mas no fim os personagens são cifras e o filme, um exercício de estilo, uma brincadeira cinematográfica que contrapõe seriedade com humor, e o gênero noir a uma ideia absurda.

E ao final o espectador não consegue deixar de sacudir o pensamento “o que foi isso que acabei de assistir?”. Suas peculiaridades não são suficientes para se destacar tanto assim dentro do cinema da Romênia, mas não deixa de ser um filme curioso e até interessante. Parece que mesmo quando não fazem grandes filmes, os cineastas romenos são capazes de, pelo menos, nos deixar coçando a cabeça…

‘X: A Marca da Morte’: slasher entre a subversão e a tradição

“Grupo de jovens vai a um lugar isolado e começa a ser morto, um a um, por um assassino misterioso”. Quantos filmes já não vimos usando essa fórmula, não é mesmo? É a base do subgênero slasher, aquele filme de terror de matança, cujo caso mais popular é o bom e velho...

Olhar de Cinema 2022: ‘A Censora’, de Peter Kerekes

Dirigido por Peter Kerekes, “A Censora” aborda o dia a dia de uma penitenciária feminina em Odessa, cidade ucraniana. Misturando documentário e ficção, o filme tem como personagem principal Lesya (Maryna Klimova), jovem que recentemente deu à luz ao primeiro filho,...

Olhar de Cinema 2022: ‘O Trio em Mi Bemol’, de Rita Azevedo Gomes

Um casal de ex-amantes discute o passado e futuro de sua relação. A amizade e companheirismo que restaram sustentam os incômodos e ciúmes que surgiram? Um diretor em crise com seu novo filme discute com seus atores quais rumos a obra deve tomar. Eles serão capazes de...

‘Spiderhead’: algoritmo da Netflix a todo vapor com filme esquecível

“Spiderhead” é o novo filme da Netflix e, do ponto de vista de marketing, possui elementos ótimos para a equipe de “Promos” do streaming vender aos seus assinantes: dois nomes em alta graças ao sucesso de “Top Gun: Maverick”, o ator Miles Teller e o diretor Joseph...

Olhar de Cinema 2022: ‘Garotos Ingleses’, de Marcus Curvelo

É preciso coragem para utilizar o humor para tratar de temas violentos. Primeiro porque a comédia em si é um gênero geralmente visto (de forma equivocada) com um pé atrás, fazendo-se necessário um uso exemplar de suas possibilidades. Segundo, porque a tentativa de...

‘Arremessando Alto’: carta de amor de Adam Sandler ao basquete

A parceria Adam Sandler/Netflix permanece intacta. Desde que o ator e comediante assinou contrato com a plataforma, a produtora Happy Madison concebeu uma considerável safra de comédias com boa audiência no streaming. “Arremessando Alto” é a aposta da vez.  No papel...

‘RRR’: épico indiano dá aulas em extravagância fílmica

Já virou certo clichê entre a parcela ocidental da crítica cinematográfica a comparação entre “RRR” e os blockbusters hollywoodianos. Hollywood, dizem os críticos, deveria voltar sua atenção às terras ao leste do globo, porque “RRR” os deixa no chinelo em termos de...

‘Aline – A Voz do Amor’: tudo o que ‘Bohemian Rhapsody’ não é

“Um ficção livremente inspirada na vida de Céline Dion”. A história da cantora imortalizada por ser a intérprete de "My Heart Will Go On", a canção-tema de "Titanic", chega aos cinemas pelas mãos e na figura de Valérie Lemecier, também canadense como a sua retratada....

‘Amigo Secreto’: a força do jornalismo investigativo contra os abusos da Lava-Jato

Uma frase convencional é de que toda arte é política. Embora seja um clichê para produtores culturais progressistas, é preciso concordar quando a mente por trás do projeto é Maria Augusta Ramos. Responsável por produções como “O Processo” e “Juízo”, a cineasta expõe...

‘Lightyear’: luta em vão da Pixar contra fantasma de si mesma

Aqui vai uma história trágica: o estúdio que, outrora lar para verdadeiros artesãos que laboravam arduamente em suas narrativas, completamente alheios às pressões do mundo exterior, hoje se desvanece pouco a pouco, aparentemente corrompido pela influência de sua...