Tem algumas dores capazes de destruir qualquer relação. De forma semelhante, há aquelas que unem os cacos e são capazes de libertar. Mais do que um drama queer de época, “The World To Come” fala sobre essas lesões emocionais, pautado, especialmente, na solidão e como cada pessoa lida com esses sentimentos. Por conta disso, o maior destaque da trama está em seus personagens.

Dirigido por Mona Fastvold, a narrativa é construída como folhas do diário de Abigail (Katherine Waterston), esposa de um fazendeiro resignada com o que possui. A personagem tem dificuldades em demonstrar sentimentos e expor o que pensa, devido a isso, fecha-se em seu turbilhão de pensamentos que conhecemos devido à narração em voice-over da mesma.

Casada com Dyer (Casey Afleck), percebe-se uma falta latente de comunicação entre eles. E, quando digo isso, não é apenas a falta de diálogos, mas, principalmente, uma distância física e emocional palpável. Poderia dizer que, parte dessa sensação, se deva à morte prematura da filha do casal, no entanto, o roteiro de Ron Hansen e Jim Shepard – autor do livro homônimo que inspirou a trama – estabelece desde o limiar da trama esse estranhamento de Abigail.

Apesar deste distanciamento, é curioso observar que há um carinho no ar, sufocado pela perda da filha e o conformismo da espera pelo que virá. Os dois agarram-se a essa mesma dor para criar espaços de solidão e tentar seguir a vida. Enquanto ele busca retomar a ligação com a esposa – ainda que com as limitações de comunicação -, ela redescobre o ânimo com a chegada da nova vizinha: Tallie (Vanessa Kirby).

DORES E FUGAS EMOCIONAIS

A eterna princesa Margaret é uma força da natureza. Ainda que presa às correntes de um marido ciumento e fundamentalista (Christopher Abbot no melhor estilo Kit Harington), ela é uma mulher de espírito livre, forte e decidida. A interpretação de Kirby somado a seu cabelo rebelde e cor de fogo roubam a cena em todos os momentos em que aparecem; ela é um contraponto a todos os outros personagens conformados e deprimidos. A dor de estar presa a alguém diferente de si é usada como combustão para suas ações.

Fastvold usa a atração que ela e Abigail nutrem para compor um romance singelo, construído como uma poesia. A protagonista a ama como uma adolescente descobrindo o amor e vivendo os altos e baixos de um romance proibido. Ela se permite imergir no momento, ainda que se agarre à espera do que estar por vir; a escrita no diário é importante para que seus sentimentos sejam compreendidos e o espectador se encontre no tempo narrativo.

Devido a isso, a montagem de David Jancsó (“Pieces of Woman” e “Deus Branco”) é posta como capitular, levando a reflexões sobre as situações experimentadas e a modulação de seus sentimentos. O ritmo lento e reflexivo nos ajuda a compreender os personagens, suas dores e fugas emocionais.

“The World to Come” se une a leva de romances queer de época como “Ammonite” e “Retrato de uma Jovem em Chamas”. O trio de atores principais se destaca em cena e dissemina toda a angústia e miséria emocional que os assola. Ressaltando visualmente uma frase icônica de Adele: “Às vezes o amor dura, mas, às vezes, fere”. Nesse caso, ele carrega dor.

‘Velozes e Furiosos 9’: gasolina da série parece perto do fim

E lá se vão vinte anos de Velozes e Furiosos no cinema... A metamorfose pela qual passou essa cinessérie, desde o primeiro – e visto hoje, até humilde – filme de 2001, é uma das mais curiosas trajetórias de sucesso da Hollywood moderna. O que começou com rachas,...

‘Pig’: Nicolas Cage em estado de graça em filme intrigante

Que filme curioso e interessante é este Pig, dirigido pelo estreante Michael Sarnoski. É aquele tipo de produção em que você realmente não sabe para onde a história vai, não sabe se ri ou se chora e sua abordagem minimalista o afasta de outros tipos de filmes com os...

‘Verão de 85’: agridoce romance gay cai em velhas armadilhas do gênero

Ah, o primeiro amor. Tem coisa mais fascinante, impulsiva e intensa que um primeiro amor? É um sentimento que toma conta da alma, da pele. Transborda sensações, energiza e ressignifica o que é viver.  Sempre haverá o antes e depois de um primeiro amor. Em uma...

‘Space Jam 2: Um Novo Legado’: perdido na nostalgia e sem saber seu público

Confesso que dificilmente consigo ser fisgada pela nostalgia. Dito isto, este elemento pode até ser o grande fator de atração de “Space Jam 2: Um Novo Legado” ao lado dos easter eggs, mas não é o suficiente para segurar a trama. Somos convidados a embarcar com LeBron...

‘A Última Carta de Amor’: Jojo Moyes em adaptação de altos e baixos

Lançamento da Netflix, “A última carta de amor” é um romance baseado no livro da escritora britânica Jojo Moyes, que já possui outro livro adaptado para os cinemas, “Como eu era antes de você", de 2016. A autora inclusive também é uma das produtoras do filme....

‘O Sétimo Dia’: policial com terror fica longe de combinar em filme fraco

Uma das belezas do cinema de gênero é perceber como, às vezes, roteiristas e cineastas espertos conseguem criar combinações que, à primeira vista, podem parecer impossíveis de funcionar em conjunto, mas funcionam. Ora, Todo Mundo Quase Morto (2004) é uma...

‘Caros Camaradas’: a desintegração do comunismo soviético

A primeira coisa que você deve saber acerca de “Caros Camaradas” é que estamos diante de um filme forte, necessário e que ainda se apropria de causas hoje presentes estruturados em uma sociedade desigual. Dito isso, vamos ao filme. “Caros Camaradas” narra um momento...

Trilogia ‘Rua do Medo’: diversão rasa, nostálgica e descartável

Séries de TV têm sido um dos pilares fundamentais na consolidação global da Netflix como o maior serviço de streaming do mundo. Boas, ótimas ou ruins, vindas de diversas partes do mundo, não importa: sempre podemos contar com a produção serializada de TV como parte...

‘Viúva Negra’: o pior filme da Marvel em muitos anos

Durante muito tempo, os fãs das produções da Marvel Studios pediam por um filme solo da heroína Viúva Negra. A estrela Scarlett Johansson também queria fazer. Para quem deseja entender um pouco dos meandros de Hollywood e esclarecer porque o filme da Viúva não saiu,...

‘Nem Um Passo em Falso’: Soderbergh perdido no próprio estilo

Steven Soderbergh é um cineasta, no mínimo, curioso. Seu primeiro filme, Sexo, Mentiras e Videotape (1989) mudou os rumos do cinema independente norte-americano quando saiu – e é, de fato, um grande filme. Ao longo dos anos, ele ganhou Oscar de direção por Traffic...