Tem algumas dores capazes de destruir qualquer relação. De forma semelhante, há aquelas que unem os cacos e são capazes de libertar. Mais do que um drama queer de época, “The World To Come” fala sobre essas lesões emocionais, pautado, especialmente, na solidão e como cada pessoa lida com esses sentimentos. Por conta disso, o maior destaque da trama está em seus personagens.

Dirigido por Mona Fastvold, a narrativa é construída como folhas do diário de Abigail (Katherine Waterston), esposa de um fazendeiro resignada com o que possui. A personagem tem dificuldades em demonstrar sentimentos e expor o que pensa, devido a isso, fecha-se em seu turbilhão de pensamentos que conhecemos devido à narração em voice-over da mesma.

Casada com Dyer (Casey Afleck), percebe-se uma falta latente de comunicação entre eles. E, quando digo isso, não é apenas a falta de diálogos, mas, principalmente, uma distância física e emocional palpável. Poderia dizer que, parte dessa sensação, se deva à morte prematura da filha do casal, no entanto, o roteiro de Ron Hansen e Jim Shepard – autor do livro homônimo que inspirou a trama – estabelece desde o limiar da trama esse estranhamento de Abigail.

Apesar deste distanciamento, é curioso observar que há um carinho no ar, sufocado pela perda da filha e o conformismo da espera pelo que virá. Os dois agarram-se a essa mesma dor para criar espaços de solidão e tentar seguir a vida. Enquanto ele busca retomar a ligação com a esposa – ainda que com as limitações de comunicação -, ela redescobre o ânimo com a chegada da nova vizinha: Tallie (Vanessa Kirby).

DORES E FUGAS EMOCIONAIS

A eterna princesa Margaret é uma força da natureza. Ainda que presa às correntes de um marido ciumento e fundamentalista (Christopher Abbot no melhor estilo Kit Harington), ela é uma mulher de espírito livre, forte e decidida. A interpretação de Kirby somado a seu cabelo rebelde e cor de fogo roubam a cena em todos os momentos em que aparecem; ela é um contraponto a todos os outros personagens conformados e deprimidos. A dor de estar presa a alguém diferente de si é usada como combustão para suas ações.

Fastvold usa a atração que ela e Abigail nutrem para compor um romance singelo, construído como uma poesia. A protagonista a ama como uma adolescente descobrindo o amor e vivendo os altos e baixos de um romance proibido. Ela se permite imergir no momento, ainda que se agarre à espera do que estar por vir; a escrita no diário é importante para que seus sentimentos sejam compreendidos e o espectador se encontre no tempo narrativo.

Devido a isso, a montagem de David Jancsó (“Pieces of Woman” e “Deus Branco”) é posta como capitular, levando a reflexões sobre as situações experimentadas e a modulação de seus sentimentos. O ritmo lento e reflexivo nos ajuda a compreender os personagens, suas dores e fugas emocionais.

“The World to Come” se une a leva de romances queer de época como “Ammonite” e “Retrato de uma Jovem em Chamas”. O trio de atores principais se destaca em cena e dissemina toda a angústia e miséria emocional que os assola. Ressaltando visualmente uma frase icônica de Adele: “Às vezes o amor dura, mas, às vezes, fere”. Nesse caso, ele carrega dor.

‘Atlântida’: cansativa e bela contemplação ao nada

“Atlântida”, obra exibida na 45ª Mostra Internacional de Cinema em São Paulo, não é um filme sobre o quê, mas sobre como. Há um personagem, que tem objetivos, coadjuvantes, antagonistas, viradas na história, mas isso não é o que importa. Yuri Ancarani, que assina...

‘Noite Passada em Soho’: quando prazer e pavor caminham lado a lado

É normal filmes de terror isolarem seus protagonistas antes de abrirem as válvulas do medo. "Noite Passada em Soho", novo filme do cineasta Edgar Wright (“Scott Pilgrim Contra o Mundo” e “Baby Driver – Em Ritmo de Fuga”), inverte essa lógica. Sua protagonista sai de...

‘Duna’: conceito se sobrepõe à emoção em filme estéril

Duna, o filme dirigido por Denis Villeneuve, começa com o protagonista acordando de um sonho, e tem alguém falando sobre um planeta, um império e uma tal de especiaria... A sensação é de ser jogado num universo alienígena e ela perdura por praticamente todo o filme. É...

‘Batman: O Cavaleiro das Trevas Ressurge’ e um herói para inspirar o coletivo

Vamos responder logo de cara: Batman: O Cavaleiro das Trevas Ressurge, o último filme da bat-trilogia do diretor Christopher Nolan, é o pior dos três? É. É um filme com problemas? Sim. Mas é um filme ruim? Longe disso. Na verdade, quando Nolan foi concluir sua...

‘Spencer’: Kristen Stewart luta em vão contra filme maçante

Em "Spencer", Kristen Stewart se junta ao clube de atrizes - que inclui Naomi Watts (“Diana”) e Emma Corrin (“The Crown”) - que se lançaram ao desafio de retratar a Princesa Diana. A atriz traz uma energia caótica à personagem e a coloca no caminho de uma quase certa...

‘O Garoto Mais Bonito do Mundo’ e o dilema da beleza

Morte em Veneza, o filme do diretor italiano Luchino Visconti lançado em 1971 e baseado no livro de Thoman Mann, é sobre um homem tão apaixonado, tão obcecado pela beleza que presencia diariamente, que acaba destruindo a si próprio por causa disso. E essa beleza, no...

‘Venom: Tempo de Carnificina’: grande mérito é ser curto

Se alguém me dissesse que existe um filme com Tom Hardy, Michelle Williams, Naomie Harris e Woody Harrelson, eu logo diria que tinha tudo para ser um filmaço, porém, estamos falando de “Venom: Tempo de Carnificina” e isso, infelizmente, é autoexplicativo. A...

‘A Casa Sombria’: ótimo suspense de desfecho duvidoso

Um dos grandes destaques do Festival de Sundance do ano passado, "A Casa Sombria", chegou aos cinemas brasileiros após mais de um ano de seu lançamento. Sob a direção de David Bruckner (responsável por dirigir o futuro reboot de "Hellraiser"), o longa é um bom exemplo...

‘Free Guy’: aventura mostra bom caminho para adaptação de games

Adaptar o mundo dos jogos para as telonas é quase uma receita fadada ao fracasso. Inúmeros são os exemplos: "Super Mario Bros", "Street Fighter", "Tomb Raider: A Origem" e até o mais recente "Mortal Kombat" não escapou de ser uma péssima adaptação. Porém, quando a...

‘A Taça Quebrada’: a angustiante jornada de um fracassado

Não está fácil a vida de Rodrigo: músico sem grande sucesso, ele não aceita a separação da esposa ocorrida há dois anos (sim, 2 anos!) muito menos o novo relacionamento dela, além de sofrer com a distância do filho e de ver o trio morar na casa que precisou deixar. E...