A corrupção está no DNA do Brasil desde a Colônia até os dias atuais com os escândalos das rachadinhas e da Lava Jato. A polêmica operação, aliás, já ganhou às telas em séries (“O Mecanismo”), policiais (“Polícia Federal – A Lei é Para Todos”), documentários (“Democracia em Vertigem”, “O Processo”) e até mesmo filme de super-herói (“O Doutrinador”). Agora, é a vez da diretora Sandra Kogut (“Campo Grande”): em “Três Verões”, ela cria uma narrativa delicada, perspicaz e propriamente brasileira com algo que parecia, até então, saturado.  

“Três Verões” acompanha Madá (Regina Casé), caseira e chefe dos empregados da mansão da família do empresário Edgar (Otávio Müller). Assim, a trama apresenta as festas de fim de ano entre 2015 e 2017, mostrando as diferenças sofridas pelos empregados com a prisão do empresário.

Na teoria, a proposta de Kogut chama atenção, porém, na prática, o resultado é bem melhor que o esperado. Isso provavelmente acontece porque, apesar da narrativa ter a corrupção como um tema importante, o verdadeiro enfoque dado é retratar personagens e sua adaptação às adversidades. A visão criativa e bem-humorada de Madá é essencial para enfrentar os anos sem o patrão com soluções criativas, rendendo boas ironias como um tour entre mansões de presos corruptos.

Mas não se engane ao achar que a narrativa vista por Madá esconde seus acontecimentos primordiais. Todas as pistas são entregues constantemente ao espectador em diálogos e cenas discretas. Assim, conforme “Três Verões” avança, a construção dos personagens passa a ser justificada, falas e até mesmo trejeitos começam a fazer mais sentido.

Todas elas em uma só: Val, Lurdes e Madá

Sendo basicamente a única personagem que realmente é amplamente aprofundada, Madá consegue segurar facilmente a história, seja no bom humor ao explicar o significado de data vênia e nos emocionar na melhor cena de “Três Verões”. Este momento, aliás, é quase um palpável durante todo o longa: sabemos que virá, porém, não temos ideia do quão forte pode ser. Além disso, seus momentos com Lira (Rogério Froés), o pai de Edgar, deixado ao relento após a prisão do filho, sempre são compensadores.

Além de um bom roteiro, Madá também conta com Regina Casé para lhe dar vida com enorme sucesso. Após seu papel de Lurdes na novela ‘Amor de Mãe’, muitas discussões sobre a atriz “fazer o mesmo papel” vieram à tona devido a comparações com Val de ‘Que horas ela volta?’. Por isso, aproveito para dizer que apesar das comparações serem válidas, aqui temos uma nova camada da atriz sendo explorada, se tornando totalmente injusto afirmar que é a mesma coisa.

Fazendo parte das produções afetadas pela pandemia, ‘Três Verões’ não ganhou seu lançamento em março nos cinemas, como previsto. Entretanto, seja qual for a plataforma de exibição, é unânime afirmar que sua trama subversiva ilustra o Brasil tão bem quanto qualquer outra produção sobre corrupção já feita até então. Tudo isto descende da delicada visão de Sandra Kogut sobre narrativas que raramente são protagonistas, a qual encontra a atuação honesta e cativante de Regina Casé, resultando em uma obra-prima.

‘Cry Macho’: Clint Eastwood em reflexão sobre a própria carreira

Cry Macho: O Caminho para Redenção mal começa e o espectador já sente uma pequena emoção indescritível: basta Clint Eastwood aparecer com roupas típicas de cowboy e um chapéu. Nada aconteceu ainda na história, mas qualquer cinéfilo do mundo todo já consegue abrir um...

‘Vortex’: Gaspar Noé como você nunca viu (e isso é muito bom)

É normal que, em algum momento da vida, artistas se ponham a refletir sobre a mortalidade. Com "Vortex", o cineasta ítalo-argentino radicado na França Gaspar Noé (“Clímax”) entra para esse clube. O filme, exibido no Festival Internacional de Cinema de Karlovy Vary...

‘Batman Eternamente’ e os retrocessos das escolhas da Warner

Em 1989, Batman de Tim Burton virou um sucesso arrebatador nas bilheterias e despertou uma onda de batmania pelo planeta. Três anos depois, em 1992, Burton lançou Batman: O Retorno e... boa parte do público o considerou um filme simplesmente estranho. Ele ainda foi...

‘Respect’: Aretha Franklin diluída em cinebiografia sem força

Aretha Franklin é um ícone da música mundial. Ao longo de seus mais de 50 anos de carreira, ganhou 18 Grammys e deu voz a uma das composições mais memoráveis do mundo gospel: “Amazing Grace”. Também interpretou clássicos como “Natural Woman”, “I Say a Little Prayer” e...

‘Coda – No Ritmo do Coração’: afeto e inclusão para conquistar o público

A repercussão de "Coda - No Ritmo do Coração" no Festival de Sundance deste ano, ganhando quatro prêmios (Melhor Direção, Melhor Elenco, Melhor Filme pelo júri e pelo público), já dava indícios de que o filme era uma boa produção para ficar atento. A propósito, esta...

‘Todos Estão Falando Sobre Jamie’: musical artificial não sai da zona de conforto

“Todos Estão Falando Sobre Jamie”, é um drama musical estrelado por Max Harwood e retrata o início de carreira de Jamie New, um jovem gay prestes a se formar na escola e que decide se tornar uma drag queen. Estreante nos cinemas, Jonathan Butterell dirigiu a peça...

‘Minamata’: filme denúncia protocolar segue linha do branco salvador

Um dos maiores ofícios do jornalismo e do fotojornalismo sério e comprometido é denunciar, gerar notícia e colocar holofotes em algo que está errado, comprometendo uma série de questões éticas, morais, sociais e humanitárias. Há grandes momentos da história recente em...

‘Hit the Road’: uma das maiores surpresas do cinema em 2021

Hilário e tocante, "Hit the Road" é uma das maiores surpresas do cinema de 2021. O longa, exibido na seção Horizontes do Festival Internacional de Cinema de Karlovy Vary deste ano depois de estrear na Quinzena dos Realizadores em Cannes, adiciona uma boa dose de...

‘Batman: O Retorno’ e a vingança dos reprimidos sexuais

Vamos dizer logo de cara: Batman: O Retorno é o filme de super-herói mais cheio de tesão e sexual que já foi feito. Super-heróis de quadrinhos, com seus corpos impossivelmente perfeitos, tanto masculinos quanto femininos, sempre inspiraram fantasias sexuais e, quando...

‘Dear Ones’: a difícil reversão do afastamento de uma família

Conhecer a própria família, muitas vezes, demora uma vida inteira. É a lição que as personagens de "Dear Ones", nova produção tcheco-polonesa que estreou no Festival Internacional de Cinema de Karlovy Vary deste ano, devem ponderar em seu próprio tempo. Exibido na...