Séries de TV têm sido um dos pilares fundamentais na consolidação global da Netflix como o maior serviço de streaming do mundo. Boas, ótimas ou ruins, vindas de diversas partes do mundo, não importa: sempre podemos contar com a produção serializada de TV como parte crucial do catálogo de qualquer streaming, especialmente da Netflix. E a nostalgia é um tempero essencial para o sucesso de muitas dessas séries também.

Rua do Medo, a trilogia que representa um novo experimento narrativo da Netflix, combina as duas coisas. É uma obra altamente nostálgica, quase metalinguística no seu interesse em remeter a subgêneros e obras clássicas do terror. E embora tecnicamente seja cinema – até começou a ser desenvolvida visando um lançamento na tela grande pelo estúdio Fox, mas a fusão com a Disney e a pandemia mudaram esses planos – tem aparência, cheiro e gosto de série da Netflix. Minissérie, na verdade. E como muitas delas, é uma diversão competente e envolvente, embora rasa. Você se diverte com os três filmes, ri, toma uns (poucos) sustos, e não demora muito, já está procurando outra coisa para assistir.

Baseados nos livros infanto-juvenis de terror do autor R. L. Stine – um Stephen King light, para os jovens – a trilogia faz uso de formatos e subgêneros consagrados do terror para contar uma história que se expande por séculos. Os dois primeiros filmes se apoiam muito no slasher; o terceiro embarca com força no horror com tons sobrenaturais.

Todos são dirigidos pela mesma diretora, a cineasta Leigh Janiak, e compartilham atores e temas. Tudo termina bem amarradinho, embora se possa notar um furo de roteiro aqui e ali, e nenhum dos filmes funciona isoladamente. O espectador só aproveita a história completa se assistir aos três, como numa minissérie.

Bem, essas linhas entre cinema e TV ficaram mesmo borradas nos últimos anos.  Vamos discutir cada filme em particular.

Rua do Medo: 1994 – Parte 1

Pela ambientação, a grande influência aqui é Pânico (1996) de Wes Craven. De fato, esta primeira parte é um Pânico menos intenso, com pitadas de sobrenatural, mas ainda com violência e humor. Janiak até pega uma página emprestada de Craven ao matar uma atriz já reconhecida – Maya Hawke, que participou da temporada 3 de Stranger Things e de Era Uma Vez… Em Hollywood (2019) – logo nos primeiros minutos. Depois o roteiro estabelece a rivalidade entre as cidadezinhas de Sunnyvale e Shadyside, e esta ultima é a “capital do assassinato nos EUA”.

De fato, muita gente morre em Shadyside e a lenda local da bruxa Sarah Fier recebe boa parte da culpa. Numa noite, por causa de um acidente, os jovens heróis da história entram em contato com essa maldição e começam a lutar por suas vidas. 1994 tem um ritmo bem ágil – quando ele engrena, pisa no acelerador por quase toda a sua duração – e acaba resultando numa experiência divertida.

O jovem elenco não mostra atuações dignas de Oscar, mas funciona e tem carisma. Não tem nada aqui que já não tenhamos visto antes – inclusive na própria Stranger Things – mas a condução de Janiak é segura e ela demonstra conhecimento e carinho pelo gênero terror.

Rua do Medo: 1978 – Parte 2

Esta segunda parte volta no tempo para mostrar o massacre no acampamento Nightwing, citado no anterior como um dos crimes provocados pela maldição. O tom é o mesmo, agora tendo como influência óbvia Sexta-Feira 13 (1980) e suas sequências – o assassino com saco na cabeça remete ao primeiro visual do Jason Voorhees em Sexta-Feira 13: Parte 2 (1981).

Porém, ao contrário da primeira parte, a narrativa aqui não é tão bem urdida. Há uns problemas de ritmo inegáveis – a heroína passa quase metade da história perdida numa caverna – e as tentativas de adicionar profundidade, com as atrizes principais querendo emocionar o espectador, soam deslocadas dentro do formato de um filme slasher.

Ainda assim, é divertido – embora menos que 1994 e menos do que a ambientação prometia – e deixa um bom gancho para a terceira parte.

Rua do Medo: 1666 – Parte 3

A conclusão da trilogia basicamente se divide em duas metades: Na primeira, vemos as origens da maldição de Sarah Fier, e essa muito necessária explicação introduz comentários sociais e desdobramentos interessantes para a trilogia como um todo.

Atores dos filmes anteriores reaparecem aqui, interpretando personagens do século XVII, e esse segmento é ancorado pela atuação consistente de Kiana Madeira, que vive a heroína Deena de 1994 e assume aqui o lugar da própria Sarah Fier. É o mais bem realizado e vívido segmento dos três filmes, e que deixa claro mais do que apenas mera inspiração em A Bruxa (2016) de Robert Eggers.

Já na segunda metade, voltamos ao final de 1994 para amarrar as pontas soltas e presenciar a conclusão da história, com direito a uma divertida citação a Carrie, a Estranha (1976). E apesar de alguns furos e de um final meio deus ex machina, a conclusão é empolgante e diverte o espectador. Acaba conseguindo a proeza de ser uma trilogia na qual a terceira parte é a melhor e a mais consistente.

Resultado

Rua do Medo tem uma seleção de trilha musical esperta, bom trabalho de cinematografia e direção de arte, e apelo à nostalgia desde o início. Apesar de não ter sido criado no berço da Netflix, se adaptou ao streaming como uma luva – e há de se pensar se os filmes não sofreram um processo de remontagem para se configurar melhor como experiência em casa.

É um chiclete divertido: o gosto desaparece em vários momentos, mas alcança seu objetivo e configura a diretora Leigh Janiak como talento a se prestar atenção no futuro. Em vários momentos, passa a impressão de ser mais homenagem do que narrativa propriamente dita, e talvez seja mesmo. Mas é uma homenagem simpática, com algumas boas ideias e noções aqui e ali para lhe dar um pouco de identidade.

‘Velozes e Furiosos 9’: gasolina da série parece perto do fim

E lá se vão vinte anos de Velozes e Furiosos no cinema... A metamorfose pela qual passou essa cinessérie, desde o primeiro – e visto hoje, até humilde – filme de 2001, é uma das mais curiosas trajetórias de sucesso da Hollywood moderna. O que começou com rachas,...

‘Pig’: Nicolas Cage em estado de graça em filme intrigante

Que filme curioso e interessante é este Pig, dirigido pelo estreante Michael Sarnoski. É aquele tipo de produção em que você realmente não sabe para onde a história vai, não sabe se ri ou se chora e sua abordagem minimalista o afasta de outros tipos de filmes com os...

‘Verão de 85’: agridoce romance gay cai em velhas armadilhas do gênero

Ah, o primeiro amor. Tem coisa mais fascinante, impulsiva e intensa que um primeiro amor? É um sentimento que toma conta da alma, da pele. Transborda sensações, energiza e ressignifica o que é viver.  Sempre haverá o antes e depois de um primeiro amor. Em uma...

‘Space Jam 2: Um Novo Legado’: perdido na nostalgia e sem saber seu público

Confesso que dificilmente consigo ser fisgada pela nostalgia. Dito isto, este elemento pode até ser o grande fator de atração de “Space Jam 2: Um Novo Legado” ao lado dos easter eggs, mas não é o suficiente para segurar a trama. Somos convidados a embarcar com LeBron...

‘A Última Carta de Amor’: Jojo Moyes em adaptação de altos e baixos

Lançamento da Netflix, “A última carta de amor” é um romance baseado no livro da escritora britânica Jojo Moyes, que já possui outro livro adaptado para os cinemas, “Como eu era antes de você", de 2016. A autora inclusive também é uma das produtoras do filme....

‘O Sétimo Dia’: policial com terror fica longe de combinar em filme fraco

Uma das belezas do cinema de gênero é perceber como, às vezes, roteiristas e cineastas espertos conseguem criar combinações que, à primeira vista, podem parecer impossíveis de funcionar em conjunto, mas funcionam. Ora, Todo Mundo Quase Morto (2004) é uma...

‘Caros Camaradas’: a desintegração do comunismo soviético

A primeira coisa que você deve saber acerca de “Caros Camaradas” é que estamos diante de um filme forte, necessário e que ainda se apropria de causas hoje presentes estruturados em uma sociedade desigual. Dito isso, vamos ao filme. “Caros Camaradas” narra um momento...

‘Viúva Negra’: o pior filme da Marvel em muitos anos

Durante muito tempo, os fãs das produções da Marvel Studios pediam por um filme solo da heroína Viúva Negra. A estrela Scarlett Johansson também queria fazer. Para quem deseja entender um pouco dos meandros de Hollywood e esclarecer porque o filme da Viúva não saiu,...

‘Nem Um Passo em Falso’: Soderbergh perdido no próprio estilo

Steven Soderbergh é um cineasta, no mínimo, curioso. Seu primeiro filme, Sexo, Mentiras e Videotape (1989) mudou os rumos do cinema independente norte-americano quando saiu – e é, de fato, um grande filme. Ao longo dos anos, ele ganhou Oscar de direção por Traffic...

‘Um Lugar Silencioso 2’: ponte com dias atuais mirando futuro da franquia

“Um Lugar Silencioso” foi um dos meus filmes favoritos de 2018. A ambientação, o uso de recursos sonoros e a narrativa capaz de gerar tantas leituras e interpretações foram aspectos determinantes para a catarse causada e suscitar indagações quanto a necessidade de uma...