Para mim, as comédias românticas sempre foram filmes com diferentes tramas, mas todas com uma única proposta: fazer seu público refletir sobre a dinâmica dos relacionamentos amorosos. Entretanto, a insistência pela padronização dessas produções nas últimas duas décadas resultou em um conceito diferente, que geralmente aponta para obras cheias de clichês com tramas previsíveis e superficiais. A partir deste panorama, pode-se imaginar minha felicidade ao assistir ‘Um Amor Inesperado’ e encontrar não apenas um longa que possui a essência das comédias românticas, como também surpreende com questionamentos existenciais e um ótimo humor.

Para contextualizar “Um Amor Inesperado”, o cineasta argentino Juan Vera apresenta a história do casal Marcos (Ricardo Darín) e Ana (Mercedes Morán). Na primeira metade da história, observamos ambos lidando com a mudança do filho para Europa, juntamente com as expectativas para o futuro do casal com a ausência de um terceiro integrante em sua rotina. Já na metade final, Ana e Marcos decidem, em comum acordo, se separar e é a partir disto que as jornadas individuais de autodescoberta começam.

Com esse enredo, “Um Amor Inesperado” poderia ser apenas uma comédia romântica sobre a crise de meia-idade de um casal, porém, a forma que a história é trabalhada a torna totalmente necessária. Isto ocorre, principalmente, devido ao filme apresentar um início o qual seria o perfeito final feliz para qualquer casal, exceto para Marcos e Ana. Os dois entendem que o próximo passo para o relacionamento e vidas pessoais é uma renovação ou a tão cruel rotina.

Esta escolha inteligente no roteiro continua a refletir nos diálogos entre seus protagonistas. Apesar de ambos aceitarem o divórcio, esta escolha não se torna menos dolorosa, momento que resulta em uma grande cena do longa. A partir desta separação, o grande mérito de “Um Amor Inesperado” é saber lidar com duas histórias distintas e como unir Ana e Marcos de formas menos óbvias.

Em suas jornadas individuais, os dois descobrem aspectos bons e ruins sobre si mesmos, porém, para a felicidade do clichê romântico, ambos dão sinais que irão acabar voltando para o antigo casamento. Entretanto, mesmo esta união com toque de final de feliz não é óbvia: Ana e Marcos afirmam que não estão apaixonados um pelo outro e, finalmente, descobrem o benefício desta afirmação.

SIMPLICIDADE COM TOQUES SOFISTICADOS

Apesar de ter uma lista longa de trabalhos como produtor, função que desempenha muito bem, Juan Vera estreou na função de diretor em ‘Um Amor Inesperado’ e sua presença por trás das câmeras é muito notada. Neste primeiro momento, sua característica mais marcante se torna a boa caracterização e produção de cenas, o que em ‘Um Amor Inesperado’ consegue mostrar a diferença gritante entre como Ana e Marcos encaram a solteirice.

Para além disto, o diretor também dá indícios de buscar uma fotografia mais ousada, com planos longos e o direito a introduzir slowmotion em uma cena protagonizada por Morán. Este momento, inclusive, mostra bastante sobre a capacidade de Juan Vera em construir cenas engraçadas sem se apoiar apenas nos diálogos ou em recursos visuais, utilizando um pouco de cada para criar o tom cômico e leve no filme.

Esta facilidade em apresentar uma trama orgânica do gênero é muito bem-vinda em uma história que, na verdade, fala sobre o divórcio, momento geralmente complicado e dramático para qualquer um. Toda esta densidade sobre o tema é uma constante na trama, afinal, os veteranos Mercedes Morán e Ricardo Darín não foram escalados por acaso: os dois conseguem encarar a carga dramática do longa com facilidade e, ao mesmo tempo, serem carismáticos e até bobos para voltar à comicidade.

A presença de dois fortes atores no elenco sobressai até mesmo os esforços que Juan Vera possui em aproximar o casal do público, tornando estas escolhas excessos no filme. Um exemplo disto são as poucas cenas que os atores narram a história, olhando diretamente para a câmera em uma espécie de diálogo com o espectador. A força do elenco e até mesmo do roteiro por si só já são suficientes para conduzir a trama, tornando estes momentos desnecessários.

Assim como seu título sugere, ‘Um Amor Inesperado’ é uma grata surpresa dentre as produções argentinas mais recentes. Tanto o trabalho de Juan Vera na direção quanto a condução que o roteiro apresenta para a trama consegue justificar os clichês utilizados na produção, tornando-os simples detalhes narrativos. Utilizando a mensagem final do longa, posso afirmar: não é preciso se apaixonar pela trama para reconhecer os méritos deste filme.

‘Noite Passada em Soho’: quando prazer e pavor caminham lado a lado

É normal filmes de terror isolarem seus protagonistas antes de abrirem as válvulas do medo. "Noite Passada em Soho", novo filme do cineasta Edgar Wright (“Scott Pilgrim Contra o Mundo” e “Baby Driver – Em Ritmo de Fuga”), inverte essa lógica. Sua protagonista sai de...

‘Duna’: conceito se sobrepõe à emoção em filme estéril

Duna, o filme dirigido por Denis Villeneuve, começa com o protagonista acordando de um sonho, e tem alguém falando sobre um planeta, um império e uma tal de especiaria... A sensação é de ser jogado num universo alienígena e ela perdura por praticamente todo o filme. É...

‘Batman: O Cavaleiro das Trevas Ressurge’ e um herói para inspirar o coletivo

Vamos responder logo de cara: Batman: O Cavaleiro das Trevas Ressurge, o último filme da bat-trilogia do diretor Christopher Nolan, é o pior dos três? É. É um filme com problemas? Sim. Mas é um filme ruim? Longe disso. Na verdade, quando Nolan foi concluir sua...

‘Spencer’: Kristen Stewart luta em vão contra filme maçante

Em "Spencer", Kristen Stewart se junta ao clube de atrizes - que inclui Naomi Watts (“Diana”) e Emma Corrin (“The Crown”) - que se lançaram ao desafio de retratar a Princesa Diana. A atriz traz uma energia caótica à personagem e a coloca no caminho de uma quase certa...

‘O Garoto Mais Bonito do Mundo’ e o dilema da beleza

Morte em Veneza, o filme do diretor italiano Luchino Visconti lançado em 1971 e baseado no livro de Thoman Mann, é sobre um homem tão apaixonado, tão obcecado pela beleza que presencia diariamente, que acaba destruindo a si próprio por causa disso. E essa beleza, no...

‘Venom: Tempo de Carnificina’: grande mérito é ser curto

Se alguém me dissesse que existe um filme com Tom Hardy, Michelle Williams, Naomie Harris e Woody Harrelson, eu logo diria que tinha tudo para ser um filmaço, porém, estamos falando de “Venom: Tempo de Carnificina” e isso, infelizmente, é autoexplicativo. A...

‘A Casa Sombria’: ótimo suspense de desfecho duvidoso

Um dos grandes destaques do Festival de Sundance do ano passado, "A Casa Sombria", chegou aos cinemas brasileiros após mais de um ano de seu lançamento. Sob a direção de David Bruckner (responsável por dirigir o futuro reboot de "Hellraiser"), o longa é um bom exemplo...

‘Free Guy’: aventura mostra bom caminho para adaptação de games

Adaptar o mundo dos jogos para as telonas é quase uma receita fadada ao fracasso. Inúmeros são os exemplos: "Super Mario Bros", "Street Fighter", "Tomb Raider: A Origem" e até o mais recente "Mortal Kombat" não escapou de ser uma péssima adaptação. Porém, quando a...

‘A Taça Quebrada’: a angustiante jornada de um fracassado

Não está fácil a vida de Rodrigo: músico sem grande sucesso, ele não aceita a separação da esposa ocorrida há dois anos (sim, 2 anos!) muito menos o novo relacionamento dela, além de sofrer com a distância do filho e de ver o trio morar na casa que precisou deixar. E...

‘Halloween Kills: O Terror Continua’: fanservice não segura filme sem avanços

Assim como ocorreu com Halloween (2018), a sensação que se tem ao final da sua sequência, Halloween Kills: O Terror Continua, é de... decepção. O filme dirigido por David Gordon Green que reviveu a icônica franquia de terror no aniversário de 40 anos do clássico...