“Um Lugar Silencioso” foi um dos meus filmes favoritos de 2018. A ambientação, o uso de recursos sonoros e a narrativa capaz de gerar tantas leituras e interpretações foram aspectos determinantes para a catarse causada e suscitar indagações quanto a necessidade de uma sequência.

Depois de mais de um ano de atraso, a continuação do filme dirigido por John Krasinski chega ao público contendo os mesmos itens que cativaram anteriormente. O roteiro expande o universo já conhecido em uma trama que caminha pouco, por vezes, soa episódica, mas se concentra em mostrar outro lado da família Abbot; com destaque para Millicent Simmonds e Noah Jupe.

A trama não poderia dialogar melhor com os últimos meses: uma família que tenta sobreviver em meio a Terra desolada por uma ameaça desconhecida. A narrativa parte exatamente do ponto em que os vimos anteriormente: com a fazenda destruída, eles precisam encontrar um novo abrigo, sem saber que tipo de criaturas poderão esbarrar – entre humanos e predadores. Tudo isso no mais absoluto silêncio.

DINAMISMO EM MEIO À TENSÃO

Krasinski investe em mesclar os elementos já conhecidos de terror com ação. Fica explicito já na cena inicial, quando um flashback explica questionamentos suscitados no primeiro filme, como o evento que desencadeou o caos daquele universo.

Esse momento é importante para compreendermos a movimentação da sequência: o diretor brinca com referências e utiliza a fotografia de Polly Morgan (“Lucy in the Sky”) para criar uma tensão angustiante que se desenrola em movimentos dinâmicos, entretanto, frenéticos e sufocantes.

Tudo isso casa com o silêncio já habitual à narrativa e adiciona sensações fortes de desespero, pavor e opressão. As consequências da morte de Lee (Krasinski) são o fio condutor da história que se desdobra em três núcleos a fim de aprofundar a personalidade dos Abbott.

Enquanto a mãe (Emily Blunt) caminha pelas ruas da cidade em busca de remédios, Marcos (Noah Jupe) tenta fazer o irmãozinho não chorar a fim de deixar os monstros longe; ao mesmo tempo em que espera notícias de Reagan (Millicent Simmonds), que vive com o personagem de Cillian Murphy uma jornada em busca de um lugar seguro.

JOVENS ATORES APONTAM PARA O FUTURO

Jupe, que rouba a cena desde “Extraordinário” e brilhou em “The Undoing” no último ano, carrega a sensibilidade de saber a fase a qual sua persona vivencia e o maior percurso de transformação do roteiro. Transformando-se de menino inseguro a capaz de defender a quem ama. Quem também se destaca é Simmonds: ela já era uma peça fundamental neste universo, contudo torna-se a protagonista moral da trama.

Com a saída de Krasinski do elenco, ela assume as rédeas da produção e conquista essa posição não só pela trajetória, mas também por seu carisma e expressividade. Mais um acerto para as escolhas do diretor. O elenco adulto não consegue se destacar diante do adolescente, o que não significa que esteja desnivelado – apenas aponta para o futuro da franquia.

Com cenas de ação mais bem trabalhadas diante do terror e um elenco em crescimento, “Um Lugar Silencioso 2” continua discutindo elementos semelhantes aos já estabelecidos. Krasinski aposta na expansão de seu universo e acerta com êxito, apesar da trama parecer episódica. Mais um exemplar de cinema moldado de acordo com a nossa nova realidade.

‘Top Gun: Maverick’: o maior espetáculo cinematográfico em um bom tempo

Precisamos de poucos segundos para constatar: a aura dourada de San Diego, banhada por um perpétuo poente, está de volta. “Top Gun: Maverick” se esforça para manter a mesma identidade estabelecida por Tony Scott no original de 1986 – tanto que a sequência de créditos...

‘Tantas Almas’: olhar sensível sobre questões amazônicas

Captar as sensibilidades que rondam a Amazônia e a vivência de seus moradores é um desafio que nem todos os cineastas estão dispostos a experimentar. A região, nesse sentido todo território sul-americano recoberto pelas suas florestas e rios, desperta curiosidade e o...

‘O Homem do Norte’: Eggers investe na ação aliada aos maneirismos

Considerando o que tem em comum entre os planos definidores de suas obras, podemos encontrar a frontalidade como um dos artifícios principais que Robert Eggers usa para extrair a performance de seus atores com êxito.  Ao mesmo passo que esses momentos tornam-se frames...

‘O Peso do Talento’: comédia não faz jus ao talento de Nicolas Cage

Escute esta premissa: Nicolas Cage, ator atribulado de meia-idade, teme que sua estrela esteja se apagando; o telefone já não toca mais, as propostas se tornaram escassas e o outrora astro procura uma última chance de voltar aos holofotes com tudo. Vida real, você...

‘O Soldado que não Existiu’: fake news para vencer a guerra

Em 1995, Colin Firth interpretou o senhor Darcy na série da BBC que adaptou “Orgulho e Preconceito”, de Jane Austen. Dez anos depois, Matthew Macfadyen eternizou o personagem no filme de Joe Wright, tornando-se o crush de muitas jovens e adolescentes. John Madden...

‘@ArthurRambo: Ódio nas Redes’: drama sintetiza a cultura do cancelamento

A cultura do cancelamento permeia a internet às claras. Para o público com acesso  frequente, é impossível nunca ter ouvido falar sobre o termo. Vivemos o auge da exposição virtual e como opera a massificação para que os tais alvos percam - merecidamente - ou não -...

‘Águas Selvagens’: suspense sofrível em quase todos aspectos

Certos filmes envolvem o espectador com tramas bem desenvolvidas, deixando-nos mais e mais ansiosos a cada virada da história; outros, apresentam personagens tão cativantes e genuínos que é impossível que não nos afeiçoemos por eles. Mas existe também uma categoria...

‘Ambulância – Um Dia de Crime’: suco do cinema de ação dos anos 2000

Vou começar com uma analogia, se me permitem. Hoje em dia, o ritmo e consumo de coisas estão rápidas e frenéticas. Com o Tik Tok e plataformas similares, esse consumo está ainda mais dinâmico (e isso não é um elogio) e a demanda atende às exigências do mercado. A...

‘Eduardo e Mônica’: para deixar Renato Russo orgulhoso

Se há algo que é difícil de ser respeitado no mundo cinematográfico atual é a memória e o legado do artista. Por isso, ver o legado de Renato Russo e da Legião Urbana sendo absorvido pelo cinema com um grau de respeito e seriedade acaba por fazer a situação inusitada,...

‘Doutor Estranho no Multiverso da Loucura’: barreiras da Marvel travam Sam Raimi

“Doutor Estranho no Multiverso da Loucura” apresenta uma das suas passagens mais interessantes quando o protagonista (Benedict Cumberbatch) e America Chavez (Xochitl Gomez) cruzam uma série de mundos em poucos segundos. De universos mais sombrios aos realistas até...