“Um Lugar Silencioso” foi um dos meus filmes favoritos de 2018. A ambientação, o uso de recursos sonoros e a narrativa capaz de gerar tantas leituras e interpretações foram aspectos determinantes para a catarse causada e suscitar indagações quanto a necessidade de uma sequência.

Depois de mais de um ano de atraso, a continuação do filme dirigido por John Krasinski chega ao público contendo os mesmos itens que cativaram anteriormente. O roteiro expande o universo já conhecido em uma trama que caminha pouco, por vezes, soa episódica, mas se concentra em mostrar outro lado da família Abbot; com destaque para Millicent Simmonds e Noah Jupe.

A trama não poderia dialogar melhor com os últimos meses: uma família que tenta sobreviver em meio a Terra desolada por uma ameaça desconhecida. A narrativa parte exatamente do ponto em que os vimos anteriormente: com a fazenda destruída, eles precisam encontrar um novo abrigo, sem saber que tipo de criaturas poderão esbarrar – entre humanos e predadores. Tudo isso no mais absoluto silêncio.

DINAMISMO EM MEIO À TENSÃO

Krasinski investe em mesclar os elementos já conhecidos de terror com ação. Fica explicito já na cena inicial, quando um flashback explica questionamentos suscitados no primeiro filme, como o evento que desencadeou o caos daquele universo.

Esse momento é importante para compreendermos a movimentação da sequência: o diretor brinca com referências e utiliza a fotografia de Polly Morgan (“Lucy in the Sky”) para criar uma tensão angustiante que se desenrola em movimentos dinâmicos, entretanto, frenéticos e sufocantes.

Tudo isso casa com o silêncio já habitual à narrativa e adiciona sensações fortes de desespero, pavor e opressão. As consequências da morte de Lee (Krasinski) são o fio condutor da história que se desdobra em três núcleos a fim de aprofundar a personalidade dos Abbott.

Enquanto a mãe (Emily Blunt) caminha pelas ruas da cidade em busca de remédios, Marcos (Noah Jupe) tenta fazer o irmãozinho não chorar a fim de deixar os monstros longe; ao mesmo tempo em que espera notícias de Reagan (Millicent Simmonds), que vive com o personagem de Cillian Murphy uma jornada em busca de um lugar seguro.

JOVENS ATORES APONTAM PARA O FUTURO

Jupe, que rouba a cena desde “Extraordinário” e brilhou em “The Undoing” no último ano, carrega a sensibilidade de saber a fase a qual sua persona vivencia e o maior percurso de transformação do roteiro. Transformando-se de menino inseguro a capaz de defender a quem ama. Quem também se destaca é Simmonds: ela já era uma peça fundamental neste universo, contudo torna-se a protagonista moral da trama.

Com a saída de Krasinski do elenco, ela assume as rédeas da produção e conquista essa posição não só pela trajetória, mas também por seu carisma e expressividade. Mais um acerto para as escolhas do diretor. O elenco adulto não consegue se destacar diante do adolescente, o que não significa que esteja desnivelado – apenas aponta para o futuro da franquia.

Com cenas de ação mais bem trabalhadas diante do terror e um elenco em crescimento, “Um Lugar Silencioso 2” continua discutindo elementos semelhantes aos já estabelecidos. Krasinski aposta na expansão de seu universo e acerta com êxito, apesar da trama parecer episódica. Mais um exemplar de cinema moldado de acordo com a nossa nova realidade.

‘Caros Camaradas’: a desintegração do comunismo soviético

A primeira coisa que você deve saber acerca de “Caros Camaradas” é que estamos diante de um filme forte, necessário e que ainda se apropria de causas hoje presentes estruturados em uma sociedade desigual. Dito isso, vamos ao filme. “Caros Camaradas” narra um momento...

Trilogia ‘Rua do Medo’: diversão rasa, nostálgica e descartável

Séries de TV têm sido um dos pilares fundamentais na consolidação global da Netflix como o maior serviço de streaming do mundo. Boas, ótimas ou ruins, vindas de diversas partes do mundo, não importa: sempre podemos contar com a produção serializada de TV como parte...

‘Viúva Negra’: o pior filme da Marvel em muitos anos

Durante muito tempo, os fãs das produções da Marvel Studios pediam por um filme solo da heroína Viúva Negra. A estrela Scarlett Johansson também queria fazer. Para quem deseja entender um pouco dos meandros de Hollywood e esclarecer porque o filme da Viúva não saiu,...

‘Nem Um Passo em Falso’: Soderbergh perdido no próprio estilo

Steven Soderbergh é um cineasta, no mínimo, curioso. Seu primeiro filme, Sexo, Mentiras e Videotape (1989) mudou os rumos do cinema independente norte-americano quando saiu – e é, de fato, um grande filme. Ao longo dos anos, ele ganhou Oscar de direção por Traffic...

‘A Guerra do Amanhã’: estupidez eleva à potência máxima

A certa altura de A Guerra do Amanhã, o herói do filme se vê segurando pela mão outra personagem que está prestes a cair num abismo em chamas. Ela cai, ele grita “Nãããoo!” em câmera lenta, e aí eu dei risada e joguei minhas mãos para o ar. Tem certas coisas que não...

‘Four Good Days’: Glenn Close em novelão sobre recomeços

Glenn Close é uma das maiores atrizes de todos os tempos. Um fato indiscutível. Mas também é uma das mais injustiçadas se pensarmos em premiações. E o Oscar é o maior deles. Bem verdade que, ao longo dos anos, a Academia perdeu grande parte de sua relevância, mas...

‘Shiva Baby’: crônica do amadurecimento na era do excesso de informações

“Shiva Baby” é o trabalho de estreia da diretora canadense Emma Seligman e retrata um dia na vida de Danielle (Rachel Sennott), jovem universitária que encontra seu sugar daddy (pessoa mais velha que banca financeiramente alguém, em troca de companhia ou de favores...

‘Em um Bairro de Nova York’: sobre ‘suañitos’ e fazer a diferença

É preciso dizer que Jon M. Chu e Lin-Manuel Miranda são os artistas atuais mais populares no quesito representatividade em Hollywood. Chu é responsável por trazer o primeiro filme norte-americano em 25 anos com um elenco totalmente asiático e asiático-americano –...

‘Noites de Alface’: riqueza da rotina duela contra mistérios vazios

Apesar de “Noites de Alface” estar envolto em situações misteriosas, elas não têm tanta importância quando o mais interessante são as reflexões sobre envelhecer e das trivialidades da rotina cotidiana.  O grande trunfo do filme é ouvir os protagonistas dessa trama...

‘Acqua Movie’: jornada das mudanças e permanências do sertão

Mais de uma década depois de Árido Movie (2006), o cineasta Lírio Ferreira retorna com Acqua Movie. Este novo trabalho não se trata realmente de uma sequência, embora traga de volta um ou outro personagem do longa anterior. Mas é, com certeza, uma companion piece, uma...