“Um Lugar Silencioso” foi um dos meus filmes favoritos de 2018. A ambientação, o uso de recursos sonoros e a narrativa capaz de gerar tantas leituras e interpretações foram aspectos determinantes para a catarse causada e suscitar indagações quanto a necessidade de uma sequência.

Depois de mais de um ano de atraso, a continuação do filme dirigido por John Krasinski chega ao público contendo os mesmos itens que cativaram anteriormente. O roteiro expande o universo já conhecido em uma trama que caminha pouco, por vezes, soa episódica, mas se concentra em mostrar outro lado da família Abbot; com destaque para Millicent Simmonds e Noah Jupe.

A trama não poderia dialogar melhor com os últimos meses: uma família que tenta sobreviver em meio a Terra desolada por uma ameaça desconhecida. A narrativa parte exatamente do ponto em que os vimos anteriormente: com a fazenda destruída, eles precisam encontrar um novo abrigo, sem saber que tipo de criaturas poderão esbarrar – entre humanos e predadores. Tudo isso no mais absoluto silêncio.

DINAMISMO EM MEIO À TENSÃO

Krasinski investe em mesclar os elementos já conhecidos de terror com ação. Fica explicito já na cena inicial, quando um flashback explica questionamentos suscitados no primeiro filme, como o evento que desencadeou o caos daquele universo.

Esse momento é importante para compreendermos a movimentação da sequência: o diretor brinca com referências e utiliza a fotografia de Polly Morgan (“Lucy in the Sky”) para criar uma tensão angustiante que se desenrola em movimentos dinâmicos, entretanto, frenéticos e sufocantes.

Tudo isso casa com o silêncio já habitual à narrativa e adiciona sensações fortes de desespero, pavor e opressão. As consequências da morte de Lee (Krasinski) são o fio condutor da história que se desdobra em três núcleos a fim de aprofundar a personalidade dos Abbott.

Enquanto a mãe (Emily Blunt) caminha pelas ruas da cidade em busca de remédios, Marcos (Noah Jupe) tenta fazer o irmãozinho não chorar a fim de deixar os monstros longe; ao mesmo tempo em que espera notícias de Reagan (Millicent Simmonds), que vive com o personagem de Cillian Murphy uma jornada em busca de um lugar seguro.

JOVENS ATORES APONTAM PARA O FUTURO

Jupe, que rouba a cena desde “Extraordinário” e brilhou em “The Undoing” no último ano, carrega a sensibilidade de saber a fase a qual sua persona vivencia e o maior percurso de transformação do roteiro. Transformando-se de menino inseguro a capaz de defender a quem ama. Quem também se destaca é Simmonds: ela já era uma peça fundamental neste universo, contudo torna-se a protagonista moral da trama.

Com a saída de Krasinski do elenco, ela assume as rédeas da produção e conquista essa posição não só pela trajetória, mas também por seu carisma e expressividade. Mais um acerto para as escolhas do diretor. O elenco adulto não consegue se destacar diante do adolescente, o que não significa que esteja desnivelado – apenas aponta para o futuro da franquia.

Com cenas de ação mais bem trabalhadas diante do terror e um elenco em crescimento, “Um Lugar Silencioso 2” continua discutindo elementos semelhantes aos já estabelecidos. Krasinski aposta na expansão de seu universo e acerta com êxito, apesar da trama parecer episódica. Mais um exemplar de cinema moldado de acordo com a nossa nova realidade.

‘Spencer’: Kristen Stewart luta em vão contra filme maçante

Em "Spencer", Kristen Stewart se junta ao clube de atrizes - que inclui Naomi Watts (“Diana”) e Emma Corrin (“The Crown”) - que se lançaram ao desafio de retratar a Princesa Diana. A atriz traz uma energia caótica à personagem e a coloca no caminho de uma quase certa...

‘O Garoto Mais Bonito do Mundo’ e o dilema da beleza

Morte em Veneza, o filme do diretor italiano Luchino Visconti lançado em 1971 e baseado no livro de Thoman Mann, é sobre um homem tão apaixonado, tão obcecado pela beleza que presencia diariamente, que acaba destruindo a si próprio por causa disso. E essa beleza, no...

‘Venom: Tempo de Carnificina’: grande mérito é ser curto

Se alguém me dissesse que existe um filme com Tom Hardy, Michelle Williams, Naomie Harris e Woody Harrelson, eu logo diria que tinha tudo para ser um filmaço, porém, estamos falando de “Venom: Tempo de Carnificina” e isso, infelizmente, é autoexplicativo. A...

‘A Casa Sombria’: ótimo suspense de desfecho duvidoso

Um dos grandes destaques do Festival de Sundance do ano passado, "A Casa Sombria", chegou aos cinemas brasileiros após mais de um ano de seu lançamento. Sob a direção de David Bruckner (responsável por dirigir o futuro reboot de "Hellraiser"), o longa é um bom exemplo...

‘Free Guy’: aventura mostra bom caminho para adaptação de games

Adaptar o mundo dos jogos para as telonas é quase uma receita fadada ao fracasso. Inúmeros são os exemplos: "Super Mario Bros", "Street Fighter", "Tomb Raider: A Origem" e até o mais recente "Mortal Kombat" não escapou de ser uma péssima adaptação. Porém, quando a...

‘A Taça Quebrada’: a angustiante jornada de um fracassado

Não está fácil a vida de Rodrigo: músico sem grande sucesso, ele não aceita a separação da esposa ocorrida há dois anos (sim, 2 anos!) muito menos o novo relacionamento dela, além de sofrer com a distância do filho e de ver o trio morar na casa que precisou deixar. E...

‘Halloween Kills: O Terror Continua’: fanservice não segura filme sem avanços

Assim como ocorreu com Halloween (2018), a sensação que se tem ao final da sua sequência, Halloween Kills: O Terror Continua, é de... decepção. O filme dirigido por David Gordon Green que reviveu a icônica franquia de terror no aniversário de 40 anos do clássico...

‘Flee’: a resiliência de um refugiado afegão em animação brilhante

A vida de um refugiado é o foco de "Flee", filme exibido no Festival de Londres deste ano depois de premiadas passagens nos festivais de Sundance (onde estreou) e Annecy. A produção norueguesa é uma tocante história de sobrevivência que transforma um passado...

‘Batman: O Cavaleiro das Trevas’, o filme que mudou Hollywood

Em 2008, dois filmes mudaram os rumos de Hollywood. Foi o ano em que o cinema de super-heróis passou para o próximo nível e espectadores pelo mundo todo sentiram esse abalo sísmico. O Marvel Studios surgiu com Homem de Ferro, um espetáculo divertido, ancorado por...

‘After the Winter’: drama imperfeito sobre amizades e os novos rumos de um país

"After the Winter", longa de estreia do cineasta Ivan Bakrač, é uma ode à amizade e ao amadurecimento. A co-produção Montenegro-Sérvia-Croácia, que teve sua première mundial na seção Leste do Oeste do Festival Internacional de Cinema de Karlovy Vary deste ano, retrata...