Em Vento Seco, do diretor Daniel Nolasco, a emoção é o mais importante. E essa emoção é o desejo… No filme, acompanhamos o protagonista Sandro, interpretado por Leandro Faria Lelo. Ele trabalha para uma grande companhia de armazenamento de grãos no quente interiorzão de Goiás. E ele é gay.

Ao longo do filme, o vemos se envolvendo com um dos colegas de trabalho e fantasiando sobre outro rapaz recém-chegado na cidade. O clima seco do lugar mantém seus lábios permanentemente rachados. Vemos Sandro no trabalho enfadonho, nadando na piscina pública, jogando futebol com os colegas, e mantendo seu verdadeiro eu, seu tesão e seus sentimentos, sob a superfície.

É um personagem retraído e quieto, por isso, a câmera de Nolasco e do seu diretor de fotografia, Larry Machado, falam por ele, expõem o seu interior. E o resultado impressiona: Vento Seco é um filme altamente imagético, com fortes cores no visual – a cena do encontro de Sandro com Ricardo (Allan Jacinto Santana) na floresta é bonita demais – e neon, criando uma estética quase oitentista. A trilha sonora eletrônica também contribui para essa sensação.

CORPOS E SEUS ATOS POLÍTICOS

E por dar vazão aos sentimentos e ao psicológico do seu protagonista, o filme também explora uma sexualidade poderosa, com cenas de sexo gay filmadas com realismo e entrega por parte dos atores. Vento Seco também explora imagens fetichistas e se configura praticamente como uma ode ao tesão. É mais uma obra de destaque no panorama LGBTQIA+ do cinema brasileiro atual, que explora sexualidade sem pudores e de maneira libertária. Claro, sexualidade sempre esteve presente na produção cinematográfica brasileira, mas aqui o enfoque gay se alia à estética do filme e ambos são primordiais para a experiência, com a câmera se focando nos corpos num jogo de futebol ou explorando um delírio sadomasoquista.

Não é exagero dizer que em algumas cenas de Vento Seco, a câmera praticamente lambe os personagens em cena. Essa ênfase, no entanto, cobra seu preço porque, com 1h50, Vento Seco não segura o ritmo completamente e algumas cenas na segunda metade já começam a parecer repetitivas. Não é um filme de narrativa tradicional, claro, mas a ênfase nos sentimentos submersos e no desejo não realizado leva a um segmento do filme em que ele parece andar por meandros, sem rumo.

Mas já perto do fim, Vento Seco reencontra o foco e se conclui de forma bela, poética e 100% de acordo com a experiência sensorial construída desde o começo. Daniel Nolasco encerra o filme incluindo uma pitada de amor em meio ao tesão. Não é um filme de teor político em si, mas só por expor corpos e relacionamentos homossexuais de maneira aberta, e fazê-lo no Brasil atual, ele já se configura numa espécie de ato político. Um ato de libertação e de elogio ao desejo e que, por mais que forças atuem para reprimi-lo, ele não pode ser negado. Como indica a canção de Maria Bethânia que serve como trilha da cena final.

‘Pânico’ (2022): carta de amor aos fãs em homenagem a Wes Craven

Fazia quase 10 anos desde a última vez que eu, acompanhado de uns 30 amigos (não é exagero), reencontrava Sidney, Dewey e Gale, na estreia de ‘Pânico 4’ nos cinemas. Era o primeiro filme da então quadrilogia de terror, dirigida pelo saudoso Wes Craven, que assistia...

‘Bar Doce Lar’: má fase de George Clooney persiste em filme repetitivo

Logo no início de “Bar Doce Lar”, título horroroso no Brasil para o filme disponível no Amazon Prime, JR diz gostar de viver na casa do avô ao contrário da mãe. O motivo: a presença de muita gente no local. Tal fala, entretanto, ganha um contorno maior para além da...

Onde foram parar e por que os filmes de cassino sumiram das telonas?

De filmes de ação a dramas, há grandes clássicos do cinema e títulos dos anos 90 e 2000 que destacam os poderosos cassinos, particularmente os encontrados nos Estados Unidos. Não há um brasileiro que não se lembre de pelo menos dois filmes que destacavam os luxuosos...

‘O Canto do Cisne’: não funciona como romance nem como sci-fi

À primeira vista, “O Canto do Cisne” engana bem: Mahershala Ali e Naomie Harris com a excelência de sempre e ainda com Glenn Close e Awkwafina como coadjuvantes de luxo, um visual atrativo pela modernidade clean do design de produção e do cenário principal...

‘Apresentando os Ricardos’: Sorkin racionaliza demais universo das sitcoms

Lucille Ball quer um lar. E ele definitivamente não vai ser construído em um cinema cerebral demais como o de Aaron Sorkin. “Apresentando os Ricardos”, nova investida dele na direção, é um retrato sem o brilho que fez de Ball a estrela mais assistida da TV dos Estados...

‘Não Olhe Para Cima’: sátira caminha por trilha segura em críticas

Quando “House of Cards” estreou na Netflix em fevereiro de 2013 chocou uma (ingênua) parcela do público sobre como o coração da política norte-americana poderia ser tão ardiloso e baixo. Era época de um suposto idealismo democrático com Barack Obama, primeiro...

‘Matrix Resurrections’: Lana Wachowski recorda o valor do risco em Hollywood

Se “Matrix” encontra paralelos diretos em “Metrópolis” ou “Blade Runner” dentro do universo de distopias e ficções científicas, pode-se dizer que “Matrix Resurrections” está mais próximo de obras como “Crepúsculo dos Deuses” ou “O Jogador” como análise ácida e...

‘Belfast’: Kenneth Branagh retorna à infância em filme singelo

Vários diretores, ao longo da história do cinema, fizeram filmes baseados em suas próprias vidas. Gente graúda, como François Truffaut (Os Incompreendidos), Federico Fellini (Amarcord) ou Ingmar Bergman (Fanny & Alexander), para citar só alguns dos mais marcantes....

‘A Mão de Deus’: Sorrentino navega no (bom) exagero em filme familiar

As relações familiares são o ponto de partida de “A mão de Deus”, novo filme do diretor italiano Paolo Sorrentino (“A Grande Beleza”). O protagonista da trama é Fábio Schisa (Filippo Scotti), um adolescente que vive com os pais e dois irmãos mais velhos na Nápoles dos...

‘Homem-Aranha: Sem Volta Para Casa’: a maturidade chega a Peter Parker

Com três intérpretes diferentes, o Homem-Aranha é o herói mais replicado no cinema (ao menos no século XXI). E é claro que a cada nova saga do herói a expectativa é sempre de superação, mas, mesmo sob essa pressão, em 2017, Tom Holland conseguiu se consagrar como...