Em Vento Seco, do diretor Daniel Nolasco, a emoção é o mais importante. E essa emoção é o desejo… No filme, acompanhamos o protagonista Sandro, interpretado por Leandro Faria Lelo. Ele trabalha para uma grande companhia de armazenamento de grãos no quente interiorzão de Goiás. E ele é gay.

Ao longo do filme, o vemos se envolvendo com um dos colegas de trabalho e fantasiando sobre outro rapaz recém-chegado na cidade. O clima seco do lugar mantém seus lábios permanentemente rachados. Vemos Sandro no trabalho enfadonho, nadando na piscina pública, jogando futebol com os colegas, e mantendo seu verdadeiro eu, seu tesão e seus sentimentos, sob a superfície.

É um personagem retraído e quieto, por isso, a câmera de Nolasco e do seu diretor de fotografia, Larry Machado, falam por ele, expõem o seu interior. E o resultado impressiona: Vento Seco é um filme altamente imagético, com fortes cores no visual – a cena do encontro de Sandro com Ricardo (Allan Jacinto Santana) na floresta é bonita demais – e neon, criando uma estética quase oitentista. A trilha sonora eletrônica também contribui para essa sensação.

CORPOS E SEUS ATOS POLÍTICOS

E por dar vazão aos sentimentos e ao psicológico do seu protagonista, o filme também explora uma sexualidade poderosa, com cenas de sexo gay filmadas com realismo e entrega por parte dos atores. Vento Seco também explora imagens fetichistas e se configura praticamente como uma ode ao tesão. É mais uma obra de destaque no panorama LGBTQIA+ do cinema brasileiro atual, que explora sexualidade sem pudores e de maneira libertária. Claro, sexualidade sempre esteve presente na produção cinematográfica brasileira, mas aqui o enfoque gay se alia à estética do filme e ambos são primordiais para a experiência, com a câmera se focando nos corpos num jogo de futebol ou explorando um delírio sadomasoquista.

Não é exagero dizer que em algumas cenas de Vento Seco, a câmera praticamente lambe os personagens em cena. Essa ênfase, no entanto, cobra seu preço porque, com 1h50, Vento Seco não segura o ritmo completamente e algumas cenas na segunda metade já começam a parecer repetitivas. Não é um filme de narrativa tradicional, claro, mas a ênfase nos sentimentos submersos e no desejo não realizado leva a um segmento do filme em que ele parece andar por meandros, sem rumo.

Mas já perto do fim, Vento Seco reencontra o foco e se conclui de forma bela, poética e 100% de acordo com a experiência sensorial construída desde o começo. Daniel Nolasco encerra o filme incluindo uma pitada de amor em meio ao tesão. Não é um filme de teor político em si, mas só por expor corpos e relacionamentos homossexuais de maneira aberta, e fazê-lo no Brasil atual, ele já se configura numa espécie de ato político. Um ato de libertação e de elogio ao desejo e que, por mais que forças atuem para reprimi-lo, ele não pode ser negado. Como indica a canção de Maria Bethânia que serve como trilha da cena final.

‘Ela e Eu’: Andréa Beltrão domina melodrama sobre recomeço

Mãe e filha. 20 anos de convivência emocional e de ausência física. Reconfigurando afetos, Gustavo Rosa de Moura traz aos cinemas em “Ela e Eu” uma história forte, importante e comovente sobre novas e velhas formas de amar com Andrea Beltrão fazendo uma personagem do...

‘Tinnitus’: angustiante e ótimo body horror brasileiro

Uma atleta de saltos ornamentais em apuros guia a trama de "Tinnitus", novo filme do paulista Gregorio Graziosi (“Obra”) que teve estreia mundial no Festival Internacional de Cinema de Karlovy Vary deste ano. Ancorado na sólida performance da atriz Joana de Verona, o...

‘Aos Nossos Filhos’: Marieta Severo brilha em drama de tom solene

Vera (Marieta Severo) está em um embate terrível com a filha Tânia (Laura Castro). A jovem, lésbica e casada, que quer a aprovação da matriarca para ser mãe, mas não vê forma de superar os próprios traumas e o dissabor da relação com a personagem de Marieta, uma...

‘O Palestrante’: Porchat aposta no seguro em comédia morna

Guilherme (Fábio Porchat) é um contador frustrado que perdeu o tesão na vida. Seu chefe é um babaca, a esposa o humilha e o sujeito simplesmente desliza pelos dias no piloto automático. Isto até ser confundido com um palestrante motivacional e se apaixonar por Denise...

Festival de Karlovy Vary 2022: ‘Close’, Lukas Dhont

As dores de amadurecimento dão o tom de "Close", novo filme de Lukas Dhont que estreou em Cannes - onde dividiu o Grand Prix com "Both Sides of the Blade", de Claire Denis - e foi exibido no Festival Internacional de Cinema de Karlovy Vary. O drama confirma o diretor...

‘Il Buco’: um olhar contemplativo para uma Itália pouco explorada

Consigo imaginar vários filmes ambientados em cavernas. Desde ficções científicas a fantasias até true crimes, esse parece ser um ótimo cenário para criar dramaticidade, viver aventuras e encontrar novos mundos; no entanto, nenhum desses caminhos se assemelha ao que...

Festival de Karlovy Vary 2022: ‘The Eight Mountains’, de Felix van Groeningen e Charlotte Vandermeersch

Nos idos dos anos 2000, um jovem resolve ir atrás do companheiro de infância e embarcar em uma terna aventura. Esta é a premissa de "The Eight Mountains", filme que estreou em Cannes - onde dividiu o Prêmio do Júri com "EO", de Jerzy Skolimowski - e foi exibido no...

‘Men’: estarrecedor suspense sobre o poder dos homens

“O mundo é dos homens”. Essa famosa frase não é em vão: o mundo realmente é dos homens. Nas entranhas sociais, os homens mantêm o seu protagonismo. Nas sociedades, o patriarcado e suas ramificações, como machismo, imperam e constituem as normas estabelecidas sob a...

‘Tudo é Possível’: comédia adolescente com a lisura de um filtro do Instagram

Foi sem absolutamente nenhum alarde que "Tudo é Possível" entrou no catálogo do Amazon Prime Video. Despejado com indiferença na plataforma, o filme de Billy Porter (que recentemente pôde ser visto como a fada madrinha na novíssima versão de "Cinderela", também do...

‘Persuasão’: crime contra o legado de Jane Austen

Anacronismos são bem-vindos em adaptações literárias de obras que datam de décadas, as vezes séculos atrás. De “Maria Antonieta”, da Sofia Coppola ao “Emma”, de Autumn de Wilde, podendo ser mais ou menos sutil, mas sempre tendo em mente que é preciso não se perder e...