Em Vento Seco, do diretor Daniel Nolasco, a emoção é o mais importante. E essa emoção é o desejo… No filme, acompanhamos o protagonista Sandro, interpretado por Leandro Faria Lelo. Ele trabalha para uma grande companhia de armazenamento de grãos no quente interiorzão de Goiás. E ele é gay.

Ao longo do filme, o vemos se envolvendo com um dos colegas de trabalho e fantasiando sobre outro rapaz recém-chegado na cidade. O clima seco do lugar mantém seus lábios permanentemente rachados. Vemos Sandro no trabalho enfadonho, nadando na piscina pública, jogando futebol com os colegas, e mantendo seu verdadeiro eu, seu tesão e seus sentimentos, sob a superfície.

É um personagem retraído e quieto, por isso, a câmera de Nolasco e do seu diretor de fotografia, Larry Machado, falam por ele, expõem o seu interior. E o resultado impressiona: Vento Seco é um filme altamente imagético, com fortes cores no visual – a cena do encontro de Sandro com Ricardo (Allan Jacinto Santana) na floresta é bonita demais – e neon, criando uma estética quase oitentista. A trilha sonora eletrônica também contribui para essa sensação.

CORPOS E SEUS ATOS POLÍTICOS

E por dar vazão aos sentimentos e ao psicológico do seu protagonista, o filme também explora uma sexualidade poderosa, com cenas de sexo gay filmadas com realismo e entrega por parte dos atores. Vento Seco também explora imagens fetichistas e se configura praticamente como uma ode ao tesão. É mais uma obra de destaque no panorama LGBTQIA+ do cinema brasileiro atual, que explora sexualidade sem pudores e de maneira libertária. Claro, sexualidade sempre esteve presente na produção cinematográfica brasileira, mas aqui o enfoque gay se alia à estética do filme e ambos são primordiais para a experiência, com a câmera se focando nos corpos num jogo de futebol ou explorando um delírio sadomasoquista.

Não é exagero dizer que em algumas cenas de Vento Seco, a câmera praticamente lambe os personagens em cena. Essa ênfase, no entanto, cobra seu preço porque, com 1h50, Vento Seco não segura o ritmo completamente e algumas cenas na segunda metade já começam a parecer repetitivas. Não é um filme de narrativa tradicional, claro, mas a ênfase nos sentimentos submersos e no desejo não realizado leva a um segmento do filme em que ele parece andar por meandros, sem rumo.

Mas já perto do fim, Vento Seco reencontra o foco e se conclui de forma bela, poética e 100% de acordo com a experiência sensorial construída desde o começo. Daniel Nolasco encerra o filme incluindo uma pitada de amor em meio ao tesão. Não é um filme de teor político em si, mas só por expor corpos e relacionamentos homossexuais de maneira aberta, e fazê-lo no Brasil atual, ele já se configura numa espécie de ato político. Um ato de libertação e de elogio ao desejo e que, por mais que forças atuem para reprimi-lo, ele não pode ser negado. Como indica a canção de Maria Bethânia que serve como trilha da cena final.

‘Memória’: Apichatpong Weerasethakul anda em círculos em viagem à Colômbia

Na calada da noite, a protagonista de "Memória", novo filme de Apichatpong Weerasethakul (“Tio Boonmee, Que Pode Recordar Suas Vidas Passadas”), acorda com um barulho. Ela está desperta e sabe, de forma inata, que nada será como antes. Infelizmente, a mesma sensação...

‘Cop Secret’: ex-goleiro estreia na direção com subversiva sátira aos filmes de ação

O goleiro Hannes Þór Halldórsson se despediu da seleção da Islândia, em setembro deste ano, depois de 10 anos que viram o time alcançar algumas de suas maiores consagrações – a ida à primeira Copa do Mundo em 2018 e chegar às quartas de final da Eurocopa 2016. No...

‘Maligno’: a bem-vinda alquimia macabra de James Wan

Caro leitor, uma perguntinha pra você: quando foi a última vez em que você estava vendo um filme e ficou com a sensação de que não tinha a menor ideia de para onde a história estava indo? Quando foi a última vez em que disse para você mesmo: “não sei para onde isso...

‘Espíritu Sagrado’: sci-fi espanhola de caminhos intrigantes

Em "Espíritu Sagrado", crianças desaparecem, ovnis aparentam estar circulando pelos céus e grandes conspirações se mostram onipresentes. No entanto, no rico microcosmo criado pelo diretor e roteirista Chema García Ibarra, nada é exatamente como parece. Esta...

‘A Máquina Infernal’: o aterrorizante mercado de trabalho brasileiro

"A Máquina Infernal", curta de estreia do roteirista Francis Vogner Dos Reis, reimagina a falência de uma fábrica do ponto de vista do empregado, trocando o realismo por um clima de puro terror. O filme foi uma das duas produções brasileiras selecionadas para o...

‘Fantasma Neon’: musical dos trabalhadores invisíveis do Brasil

Se quem canta, seus males espanta, um entregador de comida tem que passar o dia todo cantando pra ter paz. Essa é a premissa de "Fantasma Neon", uma explosão de cor, dança e música que representou o Brasil no Festival de Locarno deste ano. O filme dirigido por...

‘Limbo’: metáfora sobre a negligência aos refugiados

O que é estar no limbo? Em um primeiro momento, podemos pensar que estar no limbo é estar em completo abandono, ostracismo, esquecido, no fundo do poço e sem esperança. A mais recente produção do diretor britânico Ben Sharrock (“Pikadero”) trata desta questão de uma...

‘Stillwater’: Matt Damon brilha em suspense repleto de indecisão

Baseado no caso real de Amanda Knox, "Stillwater" traz a história de Bill Baker (Matt Damon), um pai que viaja de Oklahoma para Marseille, na França, com o intuito de visitar a filha Alisson Baker (Abigail Breslin), presa por um assassinato que afirma não ter...

‘Annette’: Leos Carax instiga público em musical subversivo

*AVISO: o texto contém SPOILERS -- Eu não costumo criar expectativas para filmes. Não costumo assistir trailers e nem mesmo ler sinopses e, embora tenha alguns artistas favoritos e outros nem tanto, assim como todo mundo, sempre assisto qualquer filme partindo do...

‘Caminhos da Memória’: você certamente já viu esse filme antes

É curioso que, para um filme tão interessado em memórias, lembranças e a forma como os seres humanos lidam com elas, Caminhos da Memória seja tão... imemorável.  É a estreia de Lisa Joy na direção, e para quem conhece o trabalho dela como produtora e co-criadora da...