Quando falamos de diferentes produções sobre uma história no cinema sempre buscamos uma versão definitiva, a mais completa ou melhor idealizada. Assim, um personagem tão famoso como Peter Pan logo ganhou destaque em diferentes filmes e, desta vez, o diretor Benh Zeitlin, consagrado por ‘Indomável Sonhadora’, coloca o menino que não queria crescer em segundo plano para apresentar ‘Wendy’. Apesar de ser uma grande oportunidade para reafirmar a estética de Zeitlin, o longa torna-se uma versão menos interessante do que já foi visto sobre a Terra do Nunca anteriormente. 

A história apresenta a personagem-título Wendy (Devin France) como uma menina normal, que vive uma rotina simples, ajudando a mãe com seu restaurante. Entretanto, ela e seus irmãos gêmeos constantemente reafirmam a vontade em realizar aventuras, a qual se idealiza quando os três decidem pular a bordo de um trem com o jovem Peter (Yashua Mack) para uma ilha onde ninguém envelhece. 

Mesmo sendo a protagonista da história, Wendy ainda possui um Peter para se apoiar, porém, seu protagonismo é desenvolvido gradualmente, apoiado principalmente na relação com seus irmãos. Com essa proposta mais realista da história clássica, o longa consegue adaptar bem elementos originais como nomes, cenas memoráveis e até mesmo o desenvolvimento do Capitão Gancho como vilão.  

Entre a fantasia e realidade 

Apesar de não ser tão cativante quanto o longa anterior de Zeitlin, ‘Wendy’ consegue destacar pontos fortes do diretor: tramas infantis e a fantasia misturada com realidade. Neste sentido, o protagonismo infantil é realmente bem aproveitado já que o elenco escolhido é intrigante e igualmente carismático. Já a fantasia torna-se apenas um detalhe, afinal, a proposta apresenta uma versão realista de Peter Pan, porém, sem deixar elementos fundamentais de lado. 

Entretanto, o problema envolvendo os elementos fantasiosos começa a partir da escolha de limitar a magia apenas na criação de problemáticas, existindo poucos momentos de apreciação ou mesmo fuga da realidade. Isso poderia até mesmo permitir ao espectador respirar um pouco durante os consecutivos plots twists que são apresentados. Algumas reviravoltas até são interessantes e contribuem simbolicamente para a evolução de seus personagens, entretanto, o timing é bem problemático pois um plot se sobrepõe ao outro sem dar tempo para o espectador realmente se surpreender. 

Na tentativa de equilibrar a fantasia com realidade, Zeitlin trabalha elementos adultos em uma trama protagonizada por crianças. A proposta, entretanto, não funciona como o esperado, assim, temos um filme interessante para o público infantil até uma cena de mutilação. Já para o público adulto, a trama não possui questionamentos mais tangíveis ou necessários, sempre apresentando uma discussão superficial. 

Desde que ‘Indomável Sonhadora’ foi destaque em diversas premiações, incluindo o Oscar, Benh Zeitlin tornou-se um diretor para acompanhar de perto. Infelizmente, ‘Wendy’ não se tornou a melhor escolha para seguir o sucesso e capacidade do diretor. Entretanto, mesmo sem explorar seu potencial totalmente, o longa permanece fiel ao estilo de Zeitlin, característica que pode voltar a render bons frutos em breve.   

‘Babenco – Alguém Tem Que Ouvir o Coração e Dizer: Parou’: Bárbara Paz faz retrato honesto de um dos grandes

Em um dos momentos mais íntimos de “Babenco - Alguém Tem Que Ouvir o Coração e Dizer: Parou”, ele e Bárbara Paz, sua companheira (e diretora deste documentário), discutem sobre o uso da expressão “baseado em fatos”. Ele defende, ela refuta e diz que um filme...

‘Bill & Ted – Encare a Música’: nostalgia pura em diversão despretensiosa

Lembram-se do Bill e do Ted? No passado, eles viveram duas divertidas e malucas aventuras cinematográficas que tinham tudo para dar errado, mas acabaram funcionando e se tornando inesperados sucessos graças a roteiros que aliavam besteirol e criatividade, e à química...

‘Rosa e Momo’: Sophia Loren desvia de clichês para brilhar na Netflix

Sophia Loren, um ícone da história do cinema, retorna as telas depois de seis anos. A última aparição havia sido em “Voce umana”, produção dirigida por Edoardo Ponti, seu filho e também diretor de “Rosa e Momo”, longa-metragem disponível na Netflix que traz a estrela...

‘O Que Ficou Para Trás’: terror inteligente sobre fantasmas internos

O filme de terror O Que Ficou para Trás, do diretor estreante Remi Weekes e lançado na Netflix, é um exemplar do gênero que usa os sustos e elementos sobrenaturais para tecer um hábil comentário social sobre o problema mundial da imigração. Isso não é algo novo:...

‘Cicada’: delicado romance marcado por traumas masculinos

Com uma poderosa abordagem sobre traumas masculinos, "Cicada" é um corajoso drama que aponta Matthew Fifer como uma nova voz do cinema queer dos EUA. O filme de Fifer e Kieran Mulcare, que estreou no Festival Outfest em Los Angeles e foi exibido no Festival de Londres...

‘Ammonite’: um cansativo sub-‘Retrato de uma Jovem em Chamas’

Depois do sucesso de seu primeiro longa, "O Reino de Deus", Francis Lee torna a apostar em um romance LGBT em sua nova produção, "Ammonite". No entanto, as semelhanças entre os filmes acabam por aí. Mesmo contando com performances poderosas de Kate Winslet e Saoirse...

‘A Voz Humana’: Tilda Swinton hipnotiza em Almodóvar menor

Unindo dois titãs do cinema, "A Voz Humana" é um filme cuja primeira foto de bastidor já foi suficiente para quebrar a internet cinéfila. A visão do diretor espanhol Pedro Almodóvar ao lado da atriz britânica Tilda Swinton veio cheia de promessa e o curta - que...

‘A Metamorfose dos Pássaros’: carta de amor e libertação dos ancestrais

Falar de “A Metamorfose dos Pássaros” é abordar questões particulares que, ao mesmo tempo, são universais. Primeiro longa da carreira de Carolina Vasconcelos, este filme-ensaio, entre a ficção, o documentário e o experimental, conta uma história de amor por meio de...

‘About Endlessness’: Roy Andersson convida público a admirar a vida

Pode parecer absurdo que um filme vigoroso de 76 minutos ouse ser intitulado "About Endlessness" (“Sobre o Infinito”, em tradução literal). Sendo este um filme de Roy Andersson (“Um Pombo Pousou num Galho Refletindo sobre a Existência”), alguém poderia ser perdoado...

‘Um Crime Comum’: angústia da culpa domina belo thriller argentino

Combinando thriller psicológico e drama social, "Um Crime Comum", novo filme de Francisco Márquez, vê uma mulher entrar em colapso diante de um senso de culpa coletiva. Uma co-produção Argentina-Brasil-Suíça, o longa, que estreou na Berlinale, marca a única presença...