Toda vez que é lançada uma nova versão de algum filme famoso eu me pergunto se irá valer a pena. “Zumbilândia – Atire Duas Vezes”, já adiantando bastante, é totalmente desnecessário. Parece haver uma cultura em Hollywood onde as pessoas devem ganhar mais pontos ao resolver dar novo fôlego para um produto que não necessitava de uma sequência do que investir em algo essencialmente original.

Em 2009, quando o primeiro “Zumbilândia” foi lançado, havia uma febre por zumbis que levava tanto os games, filmes e, depois séries de televisão, a investir neste nicho. E nesse bolo, ainda que utilizasse uma fórmula extremamente batida, a produção conseguia se destacar, ficando em um meio termo: não era tão original quanto “Todo Mundo Quase Morto” (20004) de Edgar Wright, mas também não era de todo um clichê ambulante.

A história narrada por Columbus (Jesse Eisenberg) e a sua paranoia em criar uma espécie de ordem para um mundo caótico conseguia criar um contraste amigável. Porém, isso foi em 2009. O novo capítulo do filme não consegue trazer uma explicação no mínimo plausível para sua história, buscando investir em trivialidades e piadas com o seu próprio universo para tentar levar o mínimo de sorrisos possíveis para seus espectadores.

PARA ONDE A HISTÓRIA VAI MESMO?

“Zumbilândia – Atire Duas Vezes” já começa apresentando um cenário de aparente normalidade quando o grupo formado por Columbus, Wichita (Emma Stone), Tallahassee (Woody Harrelson) e Little Rock (Abigail Breslin) chegam na Casa Branca e decidem “morar” ali. Utilizando um ritmo de montagem extremamente atropelado, as piadas tentam surgir do texto do trio de roteiristas Dave Callaham, Rhett Reese e Paul Wernick, porém não consegue levar todo o seu potencial para cena. Isso é visível em uma discussão entre Wichita e Columbus quando eles sugerem que é melhor tampar os olhos de um quadro de Abraham Lincoln porque é assustador, mas o que se vê é apenas uma sucessão de cortes de primeiro plano dos personagens.

Além da montagem, o roteiro é extremamente falho, tentando se sustentar em momentos que simplesmente não levam a lugar nenhum, deixando uma sensação de que os roteiristas tentam fechar o mínimo de 90 minutos de duração a qualquer custo. Quando resolvem parar e tentar conseguir um ônibus para seguir viagem, os quatro acabam sendo atacados por zumbis, criando uma sequência de confronto entre os dois lados. Tudo pra quê? Gerar uma piada do pneu do ônibus estourar após terem vencido o inimigo.

E esse tipo de situação se repete por todo o filme. Pior que isso somente as constantes mudanças de humor dos personagens que hora amam alguém para, dois minutos depois, já ficarem com outro. Entendo que seja apenas um filme de comédia com zumbis e armas, porém, se você decide perder tempo dentro da história para tentar criar algum tipo de romance e drama, ao menos, tente levar isso a cabo para o resto do filme. Ao final, fica difícil entender a real motivação dos personagens. Eles terminam decidindo fazer algo não porque aprenderam durante o filme, mas porque os roteiristas simplesmente decidiram que seria isso a partir deste ponto.

SEM NECESSIDADE DE EXISTIR

Todos esses momentos refletem um aparente descaso em querer realmente criar uma sequência para o filme. Talvez a ideia de trazer um novo “Zumbilândia” dez anos após o lançamento do original soasse bem na cabeça de quem pensou isso, porém, faltou a substância para dar corpo a este conceito.

Isso se reflete bastante nas atuações que estão até boas, porém, nada demais. Não existe um desafio para Emma Stone e Woody Harrelson aqui: apenas trabalhar em suas próprias personas já estabelecidas no filme anterior. Aliás, novos ares fariam muito bem para Eisenberg, pois, parece que ele vive o mesmo personagem por, pelo menos, dez anos. Já Abigail Breslin nos poucos momentos em que aparece permanece simplesmente apática. Talvez mais pelo personagem que lhe foi dada do que por falta de talento.

“Zumbilândia” foi um filme interessante dez anos atrás; “Zumbilândia – Atire Duas Vezes” não consegue nem chegar perto disso. Por mais que soe como uma ideia interessante, o longa não consegue se sustentar nem pelo seu roteiro, nem pelo seu conceito. As regras que são exibidas durante a projeção, e os constantes insertes de “Melhor Morte do Ano” somente atrasam um filme que poderia sim trazer algum critério mais atraente em sua construção. No entanto, o filme prefere ficar preso em suas próprias amarras do que buscar algo essencialmente novo.

Isabela Catão: ‘O Barco e o Rio’ foi uma das melhores experiências da minha vida’

Apesar de todos os estigmas que ainda rondam a atuação no Amazonas, nos últimos anos, vimos jovens atores regionais despontarem no cenário nacional. Dentre eles, um nome que tem se destacado é Isabela Catão.  Com uma caminhada marcada por peças teatrais e...

Henrique Amud e o duro retorno à ditadura em ‘Atordoado’

Se você aprecia a MPB e a discografia de Chico Buarque, vai lembrar que “Atordoado, Eu Permaneço Atento” é uma das frases célebres da canção que se tornou um ícone da luta contra censura e ditadura vivida no Brasil, “Cálice”. A sentença também nomeia o documentário de...

Keila Serruya: ‘Desejo Mudar a Realidade de Apagamento do Negro em Manaus’

Sabe aquela expressão “Dentro de toda brincadeira, há um pouco de verdade”? Esse ditado popular poderia ser a resposta ao meme “o brasileiro tem memória curta”. Entre mitos e falácias, é notável o quanto ainda há muitos fatos que são obscuros aos livros de história...

Allan Deberton: ”Pacarrete’ está entrando na cultura pop’

Allan Deberton viveu um 2019 intenso. O primeiro longa-metragem da carreira, “Pacarrete”, fez uma vitoriosa carreira pelo circuito de festivais brasileiros e internacionais com destaque para a conquista no Festival de Gramado, onde dominou a premiação ao levar...

Marcélia Cartaxo: ‘’Pacarrete’ está presente em cada um de nós’

Estrear no cinema dirigida por Suzana Amaral em uma adaptação da obra de Clarice Lispector com apenas 22 anos de idade. Marcélia Cartaxo não se intimidou e realizou uma das mais belas atuações do cinema brasileiro em “A Hora da Estrela”. O trabalho rendeu o prêmio de...

Diego Medeiros e o Direito no campo do audiovisual brasileiro

Em 1997, “Baile Perfumado”, de Lírio Ferreira e Paulo Caldas, deu início a uma nova etapa do cinema pernambucano. Dali por diante, o Estado tornou-se um dos mais prolíficos do país com muitas das melhores obras da produção autoral brasileira. O sucesso comercial e em...

Sandino Saravia: incertezas no cinema do Brasil refletem nas coproduções na Am. Latina

“Boi Neon”, “Divino Amor”, “Pássaros de Verão”, “O Banheiro do Papa” e “Roma”. Estes são alguns dos filmes produzidos por Sandino Saravia. Sócio-produtor na CINEVINAY (México) e Malbicho Cine (Uruguai), ele foi um dos convidados do Mercado Audiovisual do Norte –...

Jorane Castro: da defesa do cinema nacional às identidades amazônicas nas telas

O Mercado Audiovisual do Norte – Matapi teve Jorane Castro como uma das principais convidadas da edição 2019. Professora do curso em Cinema e Audiovisual da Universidade Federal do Pará, ela conta com mais de 20 obras realizadas, entre...

Raphael Montes: ‘o caso Richthofen reflete a estrutura social do Brasil’

com apoio de João Bosco Soares Sete livros publicados, uma novela, uma série da TV Globo, outra da Netflix e incursões cada vez mais intensas no cinema, seja com o elogiado roteiro de “Praça Paris”, dirigido por Lucia Murat, ou o aguardado projeto, com dois filmes em...

Thiago Morais e as oficinas de audiovisual do Museu Amazônico

Thiago Morais ("A Estranha Velha que Enforcava Cachorros"), 43 anos, produtor audiovisual e desde 1995 dedicando sua vida por trás das câmeras. Com o currículo cheio e envolvimento em diversas produções aqui no Amazonas, o produtor desenvolveu a segunda etapa do ‘OPA...