Manaus será vista nas telas de Portugal: o curta-metragem amazonense “De Costas Pro Rio”, está selecionado para 24º Festival de Cinema de Avanca. A exibição do filme de Felipe Aufiero, diretor manauara e radicado em Curitiba desde 2009, acontece nesta quarta-feira (22) dentro da mostra competitiva para cineastas com menos de 30 anos de idade. 

Drama com elementos de realismo fantástico, “De Costas Pro Rio” acompanha Pietro (Victor Kaleb) retornando para Manaus após o contato de um espírito da floresta. Ele deve evitar que a cidade seja destruída por uma Cobra Grande que dorme nos subterrâneos da região.  

No melhor estilo de cinema de guerrilha, “De Costas Pro Rio” foi feito sem financiamento de editais em apenas cinco dias de gravação no mês de maio de 2018. “Foram dois dias apenas captando imagens do Centro de Manaus. Um dia de entrevistas com as pessoas para que contassem histórias antigas da cidade e, depois, as cenas ficcionais. Gravamos no Aeroporto Eduardo Gomes, em um condomínio fechado na Ponta Negra e, por fim, na casa da minha avó na Aparecida”, recordou o diretor em entrevista ao Cine Set. 

DE FORA PARA DENTRO 

Aufiero deixou Manaus rumo a Curitiba para fazer o curso de Cinema e Vídeo na Universidade do Estado do Paraná (Unespar) há 11 anos. Na época, apesar do Amazonas Film Festival ganhar cada vez mais destaque no Brasil e exterior, um curso semelhante em Manaus ainda era um sonho – algo concretizado apenas em 2013, mas, que teve somente duas turmas. 

A capital amazonense, entretanto, não saiu da vida de Aufiero, vindo sempre para passar férias e rever amigos e familiares. Neste processo, o desejo de voltar para gravar um filme começou a ficar mais forte. “Sempre me chamou muito a atenção o fato de uma certa rejeição por parte da própria população com o que é natural da terra. Tudo que é indígena, amazônico é mal visto. Isso aparece quando a cidade se vangloria de ter prédios históricos no estilo europeu como o Teatro Amazonas até a questão urbanística de não ter quase árvores, a natureza ser bastante apagada. Me incomodava bastante”, declarou. 

Perguntado se via em Pietro, protagonista do curta, um pouco de si próprio, Aufiero admite que sim. “Mesmo que abordado de maneira sutil no filme, o personagem vem de uma família italiana como eu, além desta questão de ser daqui e estar fora. Claro que não tenho pretensão de salvar a cidade, mas, é uma maneira de contribuir com Manaus”. 

DESCOBRINDO O AUDIOVISUAL AMAZONENSE 

Neste período em Curitiba, Aufiero fundou a produtora ‘Casa Livre Produções’ ao lado dos amigos Carlos Macagi e Joel Schoenrock, além de já ter gravado dois curtas-metragens (“À Espera”, de 2014, e “Pulso”, de 2016). Com a ideia de voltar a Manaus para fazer “De Costas Pro Rio”, ele resolveu pesquisar mais sobre a produção audiovisual amazonense com o intuito de saber quais temáticas estavam sendo abordadas nos filmes locais e possíveis parceiros para a empreitada. 

“A única pessoa que conhecia antes de fazer o filme era o Matheus Mota (“Folhas Brancas”). Comecei a estudar o cinema amazonense, vi bastante coisa. Usei, inclusive, o Cine Set como fonte de pesquisa. Fui vendo o que tinha no YouTube. Queria entender a linguagem, os filmes, saber como estava a cena local para não chegar com postura arrogante de quem quer chegar para ensinar, uma postura de colonizador”, disse. 

Desta forma, Aufiero foi montando a equipe técnica de “De Costas Pro Rio”. Além de Matheus Mota na direção de arte e figurino, a produção conta com César Nogueira (Purãga Pesika) na direção de fotografia, Lucas Maciel e Samara Souza no Som Direto. Nomes conhecidos do teatro local como Dimas Mendonça (“A Goteira”) e Koia Refskalefsky fazem parte do elenco assim como o protagonista dos dois últimos filmes de Sérgio Andrade, Anderson Kary Báya (“Antes o Tempo Não Acabava” e “A Terra Negra dos Kawa”) e Victor Kaleb, protagonista de curtas como “Os Monstros” e “Sons do Igarapé” (filme em que também é o diretor).  

Quanto à revisão dos filmes amazonenses, Aufiero destacou a qualidade técnica da imagem e a criatividade de realizadores como Sérgio Andrade e a equipe da Artrupe Produções (“Aquela Estrada”, “Obeso Mórbido”). “Percebi também que, alguns filmes, tentavam emular o tamanho da narrativa de um longa em um curta-metragem de 15 a 20 minutos. Isso, claro, não é uma questão particular do cinema amazonense; acontece aqui também em Curitiba”, disse. 

FESTIVAIS E LANÇAMENTOS 

“De Costas Pro Rio” ficou pronto em dezembro de 2019, porém, a pandemia da COVID-19 e, consequentemente, todo o remanejamento de festivais de cinema mundo afora acabaram por atrasar planos para o curta. Mesmo assim, a estreia em um festival internacional já é considerada um bom ponto de partida. 

“Nunca tinha estreado em um festival internacional. É a minha melhor estreia em relação aos outros filmes que dirigi. Queria muito estar lá, mas, infelizmente, a pandemia não deixou. O filme seguirá a trajetória de festivais. Aliás, teremos uma novidade de evento online na próxima semana”, disse, Aufiero fazendo mistério sobre qual seria o tal evento. 

Previsto inicialmente para acontecer em dezembro deste ano, o lançamento de “De Costas pro Rio” em Manaus deve ficar para 2021 por conta… adivinha? Sim, da maldita pandemia. Mas, enquanto isso, Aufiero já planeja mais um filme no Amazonas. 

“Vou continuar por aqui em Curitiba com a produtora até porque fui contemplado pelo Governo do Paraná em um edital para fazer um curta. Porém, tenho um projeto de documentário para fazer no Amazonas nesta constante reflexão entre o passado histórico e o presente. Estou escrevendo, pensando. Pretendo financiá-lo para conseguir passar pelo interior do Amazonas. O documentário seria uma forma de explorar e conhecer essa região. 

‘Graves e Agudos em Construção’: a transgressão esquecida do rock

‘O rock morreu?’ deve ser a pergunta mais batida da história da música. Nos dias atuais, porém, ela anda fazendo sentido, pelo menos, no Brasil, onde o gênero sumiu das paradas de sucessos e as principais bandas do país vivem dos hits de antigamente. Para piorar,...

À Beira do Gatilho’: primor na técnica e roteiro em segundo plano

Durante a cerimônia de premiação do Olhar do Norte 2020, falei sobre como Lucas Martins é um dos mais promissores realizadores audiovisuais locais ainda à espera de um grande roteiro. Seus dois primeiros curtas-metragens - “Barulhos” e “O Estranho Sem Rosto” -...

‘Jamary’: Begê Muniz bebe da fonte de ‘O Labirinto do Fauno’ em curta irregular

Primeiro trabalho na direção de curtas-metragens de Begê Muniz, conhecido por ser o protagonista de “A Floresta de Jonathas”, “Jamary” segue a trilha de obras infanto-juvenis do cinema amazonense como “Zana - O Filho da Mata”, de Augustto Gomes, e “Se Não”, de Moacyr...

‘O Buraco’: violência como linguagem da opressão masculina

Em vários momentos enquanto assistia “O Buraco”, novo filme de Zeudi Souza, ficava pensando em “Enterrado no Quintal”, de Diego Bauer. Os dois filmes amazonenses trazem como discussão central a violência doméstica. No entanto, enquanto “Enterrado” apresenta as...

‘No Dia Seguinte Ninguém Morreu’: a boa surpresa do cinema do Amazonas em 2020

“No Dia Seguinte Ninguém Morreu” é, sem dúvida, uma das mais gratas surpresas do cinema produzido no Amazonas nos últimos anos. Esta frase pode parecer daquelas bombásticas para chamar a sua atenção logo de cara, mas, quem teve a oportunidade de assistir ao...

‘O Estranho Sem Rosto’: suspense psicológico elegante fica no quase

Lucas Martins foi uma grata surpresa da Mostra do Cinema Amazonense de 2016 com “Barulhos”. Longe dos sustos fáceis, o curta de terror psicológico apostava na ambientação a partir de um clima de paranoia para trabalhar aflições sociais provenientes da insegurança...

‘Tucandeira’: Jimmy Christian faz melhor filme desde ‘Bodó com Farinha’

Fazia tempo que Jimmy Christian não entregava um curta tão satisfatório como ocorre agora com “Tucandeira”. O último bom filme do diretor e fotógrafo amazonense havia sido “Bodó com Farinha” (2015) sobre todo o processo de pesca, cozimento e importância do famigerado...

‘Jackselene’: simbólico curta na luta pelo aprendizado do audiovisual em Manaus

Sem uma faculdade ou escola de cinema regular desde o fechamento do curso técnico de audiovisual da Universidade do Estado do Amazonas após míseras duas turmas formadas, os aspirantes a cineastas em Manaus recorrem a iniciativas de curta duração. Artrupe, Centro...

‘A Ratoeira’: percepções sensoriais do calor e da cultura manauara

São muito variantes as percepções que se tem de “A Ratoeira”, curta de Rômulo Sousa (“Personas” e “Vila Conde”) selecionado para o Festival Guarnicê 2020. Em seu terceiro projeto como diretor, ele entrega uma obra que experimenta várias construções cinematográficas e...

‘Enterrado no Quintal’: sabor amargo de que dava para ser maior

Tinha tudo para dar certo: Diego Bauer, recém-saído do ótimo “Obeso Mórbido”, adaptando um conto de Diego Moraes, escritor amazonense cercado de polêmicas, mas, de uma habilidade ímpar para construção de narrativas altamente descritivas, sarcásticas, sem qualquer tipo...