O cinema amazonense estará representado em dose dupla no 11Cinefantasy – Festival Internacional de Cinema Fantástico. Os curtas “À Beira do Gatilho”, de Lucas Martins, e “Jamary”, de Begê Muniz, serão exibidos no evento previsto para ocorrer entre os dias 16 e 29 de abril, em São Paulo. Os dois projetos foram contemplados no Prêmio Conexões Culturais 2020 – Lei Aldir Blanc – Audiovisual, por meio da Lei Aldir Blanc.

Depois de investidas no terror psicológico em “Barulhos” e “O Estranho sem Rosto”, Lucas Martins investe no suspense policial com “À Beira do Gatilho”. O curta traz a história de um detetive particular viciado em jogos que está atrás de possíveis suspeitos pela morte de um homem que também apostava. Adriano Holmes interpreta o protagonista do elenco que ainda conta com Alexandre Mourão e Ricardo Gabriel.

Além da direção, Lucas também é o autor do roteiro e tem na montagem Max Michel, parceiro de longa data desde “O Compromisso”, de 2017. “Eu sempre amei e quis realizar filmes policiais, por isso, tive a ideia de fazer algo no subgênero do detetive particular. A história se passa nos dias contemporâneos com um toque de humor e, com o transcorrer da narrativa, adota um tom mais sério”, disse Lucas ao Cine Set.  

“À Beira do Gatilho” está emplacando presenças em festivais nacionais e até internacionais. O curta amazonense foi selecionado para o CineRO – Festival de Cinema de Rondônia de 2021, o First Nations Film and Video Films, o Lisboa Film Rendezvous e o Horror Lust Film Festival.

‘JAMARY’

Revelado no curta “Cachoeira” e no longa “A Floresta de Jonathas”, ambos de Sérgio Andrade, Begê Muniz vive um grande momento na carreira. Após estrelar o elogiado “Luz nos Trópicos”, de Paula Gaitán, o ator amazonense estreia na direção com “Jamary”. O curta de terror traz a história de Ane, que passa as tardes brincando nos arredores da floresta com seus primos, até se deparar com o Anhangá, um espírito indígena que rodeia a sua comunidade. Ao adentrar mais profundamente na floresta, a menina se depara com uma verdadeira assombração.

O elenco conta com Júlia Cabral, Rosa Maria Malagueta, Elisa Telles, Isabela Catão e Maria Clara. A direção de fotografia fica por conta de Reginaldo Tyson, Sidney Medina está à frente da direção de produção, enquanto Eliana Andrade é a diretora de arte e figurinista.

De acordo com o Cinefantasy, estão previstos debates sobre as políticas afirmativas, com encontros sobre participação das mulheres na direção do cinema fantástico; sobre a força do gênero no cinema negro e sobre a produção LGBTQI+ fantástica. As exibições serão feitas online por meio da plataforma Belas Artes à La Carte.

Quatro filmes representam o Amazonas na Mostra Histórias do Brasil Profundo

Fruto das políticas públicas de regionalização do audiovisual brasileiro, o atual momento do cinema amazonense alcançou feitos considerados impossíveis décadas atrás, incluindo, desde o surgimento de eventos locais importantes como o Amazonas Film Festival, Olhar do...

Em Manaus, curso gratuito prepara realizadores para primeiro filme

Formação cultural através do audiovisual. Essa é a proposta do projeto “Nosso Primeiro Filme”, contemplado pela Lei Aldir Blanc, através do Prêmio Feliciano Lana da Secretaria de Estado de Cultura e Economia Criativa. O curso propõe um panorama dos principais setores...

Curtas de Begê Muniz e Lucas Martins representam o Amazonas no CineFantasy

O cinema amazonense estará representado em dose dupla no 11.º Cinefantasy – Festival Internacional de Cinema Fantástico. Os curtas "À Beira do Gatilho", de Lucas Martins, e "Jamary", de Begê Muniz, serão exibidos no evento previsto para ocorrer entre os dias 16 e 29...

Websérie Terceiro Ciclo do Cinema Amazonense – Ep 7: O Que Esperar do Futuro?

Caio Pimenta fala sobre o que esperar do futuro do cinema amazonense e os desafios impostos ao audiovisual local.  https://www.youtube.com/watch?v=rQ79UdbQ4yQ O FUTURO PÓS-ALDIR BLANC A curto prazo, o cinema do Amazonas deve ter um bom 2021 e, talvez, 2022. Falo isso...

Cinemas de Joaquim Marinho no Centro de Manaus serão tema de websérie

Muito antes dos multiplexs dos shoppings centers, os cinemas de rua do Centro de Manaus foram referências de cultura e entretimento durante décadas - atualmente restou apenas o resiliente Casarão de Ideias. Durante os anos 1970 ao início do século XXI, as salas de...

Plataforma digital reunirá dados sobre o audiovisual do Amazonas

Uma plataforma digital com o catálogo de profissionais e empresas de audiovisual do Amazonas somado a um observatório com pesquisas e estudos sobre o setor. Esta é a proposta do projeto Tela Amazônia, da produtora Leão do Norte, organizadora do Matapi – Mercado...

‘O Barco e o Rio’ entra no TOP 10 da Abraccine dos melhores curtas de 2020

A trajetória bem-sucedida do filme amazonense "O Barco e o Rio" segue firme em 2021: a produção dirigida por Bernardo Ale Abinader entrou no TOP 10 dos melhores curtas-metragens de 2020 da Associação Brasileira de Críticos de Cinema (Abraccine). A lista foi divulgada...

Websérie Terceiro Ciclo do Cinema Amazonense – Ep 6: A Tônica da Descontinuidade

Caio Pimenta fala sobre um dos maiores e históricos problemas do cinema produzido no Amazonas: a descontinuidade.  https://www.youtube.com/watch?v=3rosA6214mc ‘A Tônica da Descontinuidade’. Este é o título do livro mais importante sobre o cinema do Amazonas. O autor é...

Cine Set está credenciado para a cobertura do Festival de Berlim 2021

O Cine Set se prepara para uma nova cobertura internacional: a partir de março, o site de cinema produzido em Manaus traz as novidades sobre o Festival de Berlim 2021. O nosso correspondente internacional, Lucas Pistilli, já está credenciado para o evento online...

ASSISTA: documentário sobre o graffiti em Manaus estreia no YouTube

O documentário "Os Traços Urbanos da Floresta" é a nova atração do cinema amazonense no YouTube. A produção nasceu da conversa entre o fotógrafo e videomaker Homero Lacerda e o graffiteiro Arab, codinome de Rogério Arab, que tem uma trajetória madura e produtiva na...