O Cine Set prossegue com as entrevistas dos candidatos à Prefeitura de Manaus nas eleições 2020 com Gilberto Nascimento. 

O candidato do PSTU tenta chegar pela primeira vez à Prefeitura de Manaus. Gilberto Vasconcelos já concorreu ao cargo de vice municipal na eleição de 2008. Também disputou para ser vereador em 2004 e 2012. 

Conforme estabelecido junto a todas as chapas, as perguntas são idênticas para todos os candidatos e feitas na mesma ordem. 

Cine Set – Qual deve ser o papel do Estado no setor cultural e qual será o foco da sua gestão no setor? 

Gilberto Vasconcelos – No PSTU, acreditamos no papel do Estado como indutor da cultura. Nunca no sentido de controle e sim em criar condições para que todas as formas de arte se desenvolvam. O primeiro local seria a escola: além das salas de aulas tradicionais, os colégios deveriam ter oficinas de artes para os alunos aprenderem dança, música, toda forma de expressão artística que for possível. 

A nossa proposta é criar Conselhos Populares para todos os setores de interesse social envolvendo os trabalhadores da área e a população usuária. Esses conselhos terão o poder de deliberar nas mais diversas áreas.  

Agora, a arte precisa de liberdade, inclusive, de crítica. Ninguém pode pensar em uma arte, mesmo que seja financiada ou subsidiada pelo governo, que não tenha espaço para criticar a gestão pública. A arte tem que ser a expressão daquilo que o olhar do artista permite ser feito. 

Cine Set – Como tornar a Lei Municipal de Incentivo à Cultura mais eficiente em sua proposta?  

Gilberto Vasconcelos – Retomo a questão dos Conselhos Populares. Hoje, a Manauscult possui um Conselho de Cultura de Manaus. Agora, os artistas têm que ter o poder de deliberar e, inclusive, substituir quando for preciso quem estiver na direção para que faça prevalecer a vontade da classe sobre a vontade política.  

Não sei como está o Conselho de Cultura hoje; me parece que ele participa das decisões, porém, continua sendo um grupo fechado, restrito. Achamos que a arte não pode ser pensada do centro para fora; precisa ser trabalhada inicialmente na periferia, nos bairros, no Centro e ter um canal de comunicação. Por isso, a política que está colocada hoje é insuficiente.  

É preciso uma lei mais abrangente, indutora da arte e da cultura. 

Cine Set – Como a Prefeitura pode estimular a iniciativa privada a apoiar e investir na cultura local?  

Gilberto Vasconcelos – Em primeiro momento, precisaremos fazer isso com grande participação estatal sem que as empresas controlem a cultura. Os artistas e pequenas produtoras devem ser incentivados pelo Estado e não por grandes grupos que transformam a cultura e arte em um comércio de massa, controlando, inclusive, a produção artística.  

Queremos incentivar a arte através das escolas, nas periferias, nos pequenos grupos. Para tanto, é preciso construir equipamentos urbanos, como teatro nos bairros, além de ter as escolas abertas para receber os artistas e a comunidade. Nos colégios, os artistas também poderiam realizar apresentações privadas com o público pagando. 

Manaus não tem este equipamento cultural, sendo os poucos existentes localizados no Centro, o que afasta a massa da população do conhecimento da arte. 

Cine Set – Como a Prefeitura de Manaus pode ajudar a descentralizar as atividades culturais para que elas cheguem nas regiões periféricas, especialmente, nas zonas norte e leste da capital? 

Gilberto Vasconcelos – Eu conheço grupos de hip-hop nas periferias de Manaus que são marginalizados, não valorizados como artistas e até considerados como algo menor. A Prefeitura precisa transformar as escolas em locais em que a cultura do bairro seja discutida e as expressões artísticas daquela região encontrem apoio e espaço para poderem se desenvolver.  

A construção de teatro nos bairros ou locais de apresentações culturais também é outro caminho. Assim, podemos ter espetáculos de dança, cinema, música, oficinas de audiovisual e de artes cênicas. Isso acontece, em certa medida, dentro das igrejas, mas, é preciso também ser feito de forma laica para que a população tenha acesso sem a necessidade de pertencer a uma religião.  

Cine Set – Políticas de editais públicos para o setor cultural como, por exemplo, “Conexões Culturais” e arranjos regionais em parceria com a Ancine, serão mantidas? Se sim, como poderão ser aprimoradas? 

Gilberto Vasconcelos – Os artistas reunidos precisam dizer qual o melhor caminho, como está funcionando, o que precisa ser reparado. Há certas leis que não dependem do prefeito, mas, o gestor que está disposto a resolver os empecilhos para o desenvolvimento da arte tem que ser líder e delegar poderes para que as pessoas diretamente envolvidas achem as soluções. 

Uma administração socialista não deve centralizar o poder de decidir na figura de prefeitos e vereadores; a nossa proposta é transferir essa decisão para a população e a classe trabalhadora nos diversos segmentos. 

Cine Set – Artistas amazonenses quando precisam realizar atividades formativas ou cursos, mesmo de curta duração, muitas vezes, precisam sair de Manaus para fazer estas atividades, pois, elas não existem por aqui, sendo inviável para muita gente. Como a Prefeitura pode contribuir neste aspecto formativo do setor? 

Gilberto Vasconcelos – A gente pensa a cultura nascendo do bairro, se expandindo pela cidade, Estado, país e no mundo. É preciso criar mecanismos para que nossos artistas possam participar de formações na área, intercâmbios culturais e até trazer profissionais para Manaus. A população precisa estar inteirada com o que acontece ao redor do planeta e, por isso, eu defendo que o Estado apoie o Conselho Popular dos artistas por meio de medidas específicas.  

Iremos enfrentar dificuldades iniciais porque o Estado está completamente organizado de tal forma que não sobra muito dinheiro. O orçamento da Prefeitura, hoje, é de R$ 42 bilhões, porém, para o volume de induções e incentivos que precisam ser feitos é muito pouco. Gradativamente, vamos precisar criar mecanismos para que a arte se sustente, mas, será preciso um investimento estatal bem grande. 

Cine Set – O senhor pretende ter uma secretaria ou fundação destinada exclusivamente à cultura ou ela estará associada junto a algum outro setor? Por quê? 

Gilberto Vasconcelos – O objetivo é criar um Conselho Popular de Arte e Cultura com o intuito de ser mais democrático. Se houver necessidade por questões legais devido à Lei Orgânica do Município, podemos criar uma Secretaria de Cultura que irá obedecer as determinações do conselho de cultura. 

Por Manaus ser uma cidade grande, podemos ter mais de um conselho do setor, ou seja, termos um conselho de cinema, um conselho de música, entre outros.  

Cine Set – O senhor conhece alguma obra do cinema amazonense? Já assistiu? Tem algum que o senhor mais gosta? 

Gilberto Vasconcelos – Eu já assisti várias, mas, não decoro os nomes. Recordo dos filmes antigos do J.G Araújo, clássicos da nossa cinemateca. Assisti de um outro rapaz, companheiro do PSTU que faz filmes de um minuto. Acho que é o Júnior, Júnior Rodrigues.  

Michel Guerrero e as memórias da infância no Cine Carmen Miranda

Michel Guerrero possui uma longa carreira no teatro manauara, incluindo sua personagem mais famosa, Lady Park. Agora, ele revive sua paixão de infância pelo cinema para produzir seu primeiro curta-metragem como diretor, “Cine Carmen Miranda”. Partindo de uma narrativa...

Cláudio Bitencourt e Diego Lopes: “o talento do Marco Ricca elevou ainda mais ‘Lamento’”

Glamourosos e com uma diversidade de gente de todos os tipos entre hóspedes e clientes, hotéis sempre foram locais adorados por roteiristas e diretores para ambientarem suas produções. De Edmund Goulding em "O Grande Hotel" (1932) ao clássico "O Iluminado", de Stanley...

Daniel Nolasco: ‘A História brasileira ressignificou ‘Vento Seco’’

"Vento Seco" estreia no circuito comercial dos cinemas brasileiros em um mundo bem diferente de quando foi formulado inicialmente lá no longuíquo 2013. A chegada de um governo de extrema-direita ao poder e todo o preconceito contra minorias trazido por ele coloca...

Ignacio Rogers: ‘’O Diabo Branco’ mostra como as feridas da colonização seguem abertas’

 Com uma trajetória na carreira de ator iniciada em 2005, o argentino Ignacio Rogers resolveu se aventurar na direção de longas-metragens neste ano com “O Diabo Branco”. A produção em cartaz nos cinemas brasileiros toca em pontos sensíveis da colonização...

Heitor Dhalia: ““Anna” foi um filme desafiado pelo seu tempo”

Um nome importante do meio artístico utilizando seu prestígio para promover um ambiente tóxico de trabalho ao promover abusos morais e até sexuais a seus subordinados. Não, ainda não se trata da cinebiografia de Harvey Weinstein e sim do mote principal de “Anna”, novo...

Lucas Salles: “filmes como ‘Missão Cupido’ trazem a esperança de um final feliz”

Vindo de uma geração marcada pela transformação tecnológica, Lucas Salles é um bom exemplo de artista multiplataforma. Já foi repórter do 'CQC' e do 'Pânico na Band', realiza stand-up comedy no teatro, foi apresentador da "A Fazenda Online" e também investe na...

Lírio Ferreira: “‘Acqua Movie’ é uma extensão espiritual de ‘Árido Movie’”

A Retomada do Cinema Brasileiro viu surgir uma nova geração de diretores pernambucanos com impacto de influenciar e referenciar a produção nacional fora do eixo Rio-São Paulo. Lírio Ferreira abriu as portas em 1997 com o já clássico “Baile Perfumado”. Ao som do mangue...

Ricardo Calil: ‘Cine Marrocos’ simboliza os desencontros do Brasil com a cultura e os sem-tetos’

Ricardo Calil ficou conhecido como documentarista de grandes filmes sobre a música e a cultura brasileira. São dele produções como “Uma Noite em 67” sobre o célebre Festival da Record com estrelas como Roberto Carlos, Chico Buarque, Os Mutantes e Gilberto Gil; “Eu Sou...

Gustavo Pizzi: “‘Gilda’ representa a luta contra a imposição externa sobre a própria vida”

No Brasil 2021 de Jair Bolsonaro, uma mulher livre, dona do próprio corpo e contrária a opressão masculina incomoda muita gente. “Os Últimos Dias de Gilda”, série disponível na Globoplay, mostra muito bem isso.  A produção exibida na Berlinale Series neste ano estreou...

Júlia Rezende: “’Depois a Louca Sou Eu’” pode ser uma ponte de diálogo sobre a ansiedade’

“Meu Passado me Condena 1 e 2”, “Ponte Aérea” e “Uma Namorado para a Minha Mulher”. Todos os estes filmes são sucessos recentes da comédia romântica brasileira dirigidas pela Júlia Rezende. E ela está chegando nos cinemas com “Depois a Louca Sou Eu” com a Débora...