Duas palavras poderiam resumir o que é ‘Era uma vez na América’: glorioso e sublime. A última obra-prima do cineasta italiano Sergio Leone, considerado um gênio da indústria cinematográfica, é grandiosa em sua narrativa construída através de excelentes atuações, trilha sonora inesquecível e cenas memoráveis.

O épico ganguerista do diretor, que levou mais de 12 anos para sua estreia, possui todos os artifícios fílmicos de um clássico que deve ser lembrado com o passar dos anos como um filme que marca na memória e no coração dos amantes da sétima arte, além de servir de inspiração para diversos filmes e séries do gênero. 

Principal nome de um subgênero próprio, o ‘Spaghetti Western’, Sérgio Leone dirigiu obras clássicas como a ‘Trilogia dos Dólares’ – “Por um Punhado de Dólares”, “Três homens em Conflito” e “Era uma vez no Oeste” -, sempre marcados por sequências lentas que falam e arrebatam com imagens, assinatura fílmica do cineasta. Sua última obra, “Era uma vez na América” não é somente um filme sobre gangues: o roteiro usa o gênero como pano de fundo para uma obra que fala sobre amizade, lealdade, violência, traição e de como nossas escolhas tem resultados cruéis e reais.

Baseado no livro ‘The Hoods’, o filme conta a história de David ‘Noodles’ Aaronson (Robert De Niro). Iniciando desde a adolescência com seus quatro amigos cometendo pequenos delitos em um bairro pobre de Nova York, “Era uma Vez na América” retrata como a vida de Noodles muda quando conhece aquele que seria seu melhor amigo por mais de três décadas, Maximilian ‘Max’ Bercovicz (James Woods). Com o passar dos anos, acompanhamos os crimes cometidos pela gangue, o crescimento do grupo que se torna poderoso e rico, o amor entre o protagonista e Deborah (interpretada quando jovem por Jeniffer Conelly e vivida por Elizabeth McGovern na fase adulta), até sua vida adulta e o resultado das escolhas e ações do bando.

Nos primeiros 40 minutos de filme, Leone entrega três eventos grandiosos na vida de Noodles em diferentes fases, confundindo o espectador, mas prendendo a atenção e aguçando a curiosidade para o desenrolar dos acontecimentos. No início, a montagem com o uso de flashbacks não deixa muito claro como vamos acompanhar a história da gangue nova-iorquina, mas o diretor deixa claro que os resultados das ações de seu protagonista tiveram um fim trágico.  A escolha dos personagens na adolescência é cirúrgica: a química entre Noodles e Max é palpável, reforçado com De Niro e Woods quando adultos, estabelecendo uma empatia automática com os rapazes inteligentes, que devem agir do lado de lá da lei durante toda a vida.

IMERSÃO ATRAVÉS DA VIOLÊNCIA

Tudo em “Era uma vez na América” é milimetricamente pensando e executado com maestria, desde a direção cuidadosa de Leone à montagem, direção de arte e fotografia, casando com a belíssima trilha sonora do mestre Ennio Morricone. Ouso dizer que certas cenas têm tanto impacto emocional graças as melodias pesadas e melancólicas do compositor, além da aula de mise-em-scene do cineasta.

Aqui, o roteiro não pinta seus protagonistas como anti-heróis, não há vestígios de vitimismo nos personagens; eles só agem de acordo com o que acreditam ser necessário a ser feito. Matam, roubam e estupram sem nunca se justificar. Cenas de nudez e violência são filmadas sem pudor e nunca são apelativas, existindo com o único objetivo de nos fazer imergir no mundo de Noodles e Max.

O romance de Noodles e Deborah desde a infância é o que fornece ao protagonista um lado mais humano e sentimental. A cena do jantar e sua frase icônica (“ninguém vai te amar do jeito que eu te amei”) toca o coração dos mais frios para o romance. Em momentos de pura genialidade, Leone brinca com nossos sentimentos ao usar uma cena tocante e emocional, antes de um acontecimento brutal, como o fatídico estupro ou mortes a acontecer.

“Era uma vez na América” tem uma estrutura narrativa complexa, aberta para múltiplas hipóteses e interpretações, principalmente o inesquecível ato final. Com quase quatro horas de filme, é preciso manter a atenção para os acontecimentos que vão fazer todo sentido em seu desfecho agridoce. Ao final, você entende os motivos do diretor ser considerado um gênio e percebe o quão sublime é sua última obra.

CRÍTICA | ‘Rio 40 Graus’: entre sonhos e a realidade no Rio de Janeiro

Um dos grandes clássicos do cinema brasileiro, “Rio 40 Graus”, foi o primeiro longa-metragem de Nelson Pereira dos Santos. Lançado em 1955, o filme é um marco do Cinema Novo e se destaca pela abordagem realista e crítica das desigualdades sociais no Brasil. O então...

Uma breve análise da “Trilogia do Apartamento” de Arnaldo Jabor

Intenso e passional, quase doentio eu diria, assim é o livro “Eu Sei Que Vou Te Amar” (2007) do Arnaldo Jabor (1940-2022). Já tinha lido o livro na época, mas me deparei com ele aqui em casa um dia desses e resolvi reler. Boom…! Um dia de leitura tensa em suas 131...

Especial Abbas Kiarostami | Crítica: ‘Através das Oliveiras’ (1994)

Em 1987, Abbas Kiarostami colocou “Onde É a Casa do Amigo?” no mundo. Foi um daqueles hits nos festivais que cimentam uma certa mítica em torno de um diretor. Pouco depois, um terremoto devastou o norte do Irã, incluindo os vilarejos onde Kiarostami havia rodado o...

CRÍTICA | ‘A Hora da Estrela’: a dor de não saber quem se é

Sempre que penso em “A Hora da Estrela” como produção cinematográfica, mentalizo a sensibilidade ímpar com a qual Suzana Amaral transpôs visualmente esse clássico da literatura brasileira. Não é em vão que o próprio filme tornou-se atemporal dentro da cinematografia...

‘Como Era Verde Meu Vale’: a síntese da nostalgia nos cinemas

Muita gente em determinado momento da vida começa a refletir sobre o passado e a olhar para a época da infância com saudade, como um período em que a vida era melhor e mais simples, em comparação com o presente, pelo menos. Por mais que essa idealização do passado...

‘Laços de Ternura’: um melodrama em tons pastéis

Os sentimentos caminham entre o sutil e o exagerado em Laços de Ternura (1983). Tanto os momentos engraçados quanto os mais dramáticos são sentidos com intensidade no filme de James L. Brooks. Pode até parecer pueril chamar de complexo um melodrama tão acessível, mas...

‘Gêmeos – Mórbida Semelhança’: a doentia necessidade do outro

Há algo de mórbido, estranho, maléfico na relação de Beverly e Elliot (Jeremy Irons), gêmeos idênticos e igualmente geniais no que tange ao corpo humano e à sexualidade. Desde cedo, eles se interessam pelo corpo feminino e suas particularidades. Adultos, tornam-se...

‘Adorável Vagabundo’ (1941): retrato de um mundo em desequilíbrio

Frank Capra já havia patenteado seu cinema humanista quando fez “Adorável Vagabundo”. Boa parte desse esforço na carreira foi empreendido ao lado de Robert Riskin, seu fiel escudeiro nos roteiros; este longa, aliás, foi o último trabalho que fizeram juntos. Mas Riskin...

‘A Última Sessão de Cinema’: vidas secas em uma cidade-fantasma

O ano é 1971 e há um nome quente na cidade: Peter Bogdanovich, o garoto-prodígio de 31 anos que fez o impossível e transformou um drama intimista sobre garotos texanos em um dos maiores hits do ano.  Bogdanovich é daquela geração cinéfila dos anos 1960 que cresceu com...

‘Jeanne Dielman’: sinais de ruptura na repetição

O cotidiano de uma viúva no decorrer de três dias. É partindo desse ponto que Chantal Akerman entrega “Jeanne Dielman”, sua obra-prima, considerado um dos filmes mais disruptivos e únicos da história do cinema. Acompanhamos a rotina repetitiva e ritualística da...