Palhaça, atriz e diretora de teatro, Selma Bustamante fez história nos palcos e nas apresentações de rua em Manaus com sua célebre personagem Kandura. A trajetória dela será celebrada, agora, nos cinemas em um documentário dirigido por Wallace Abreu (do site Garimpo Cultural). O lançamento acontece neste sábado (25) no Teatro da Instalação (Rua Frei José dos Inocentes, Centro de Manaus), às 19h (horário local). A entrada será gratuita e limitada à lotação máxima do espaço, sendo o acesso permitido com o uso de máscaras de proteção e a apresentação de comprovante de vacinação contra a Covid-19. 

Contemplada com o Prêmio Funarte de Estímulo ao Circo 2019, a pesquisa iniciou tendo como objetivo a produção de um curta-metragem. No entanto, de acordo com Wallace Abreu, que também assina a pesquisa, logo tornou-se inviável a construção da narrativa pensada para um tempo mais curto. “Ao final das gravações dos depoimentos, tínhamos em mãos mais de 40 horas de entrevistas, além de um grande material de acervo da artista. Para não limitar a construção do documentário, decidi junto ao César Nogueira, que faz a fotografia e montagem do filme, e que assina comigo o roteiro, que iríamos partir para a construção de um longa”, explica.

A produção do documentário foi diretamente afetada pela pandemia de Covid-19, já que o cronograma previa etapas de realização em São Paulo e no Piauí, além do Amazonas. “Quando a pandemia alcançou o Brasil em fevereiro de 2020, estávamos em São Paulo, finalizando as gravações com familiares da Selma, amigos e antigos membros do Grupo Ventoforte, do Ilo Krugli, onde ela iniciou sua trajetória profissional. Voltamos a Manaus e a produção teve que ser interrompida, a qual só conseguimos retomar em setembro do ano passado, quando fomos à Teresina e quando conseguimos produzir as entrevistas em Manaus, que era o principal foco da produção, já que foi aqui que a Selma desenvolveu a maior parte da sua trajetória profissional”, ressalta Abreu.

Wallace explica que com a mudança de formato e ampliação do curta para um longa-metragem, os recursos em caixa tornaram-se insuficientes. Logo a produção foi mais uma vez paralisada para a captação de novos recursos para que fosse feita a finalização do filme. “Submetemos um novo projeto a editais da Lei Aldir Blanc, para que conseguíssemos assim concluir o filme. Fomos contemplados no final do ano passado com o Prêmio Manaus de Conexões Culturais, da Manauscult, o que nos permitiu fechar o documentário da forma como tínhamos pensado, realizando a mixagem de som, a colorização e inserção de legendas em inglês”, completa o diretor.

LEGADO PARA A HISTÓRIA CULTURAL

Além do desafio de ser uma obra produzida em meio à pandemia, outro fator foi desafiador para a produção do filme, como explica o montador e também roteirista, César Nogueira. “Construímos a cinebiografia de uma personalidade que teve a maior parte de sua trajetória artística e profissional em Manaus. Revisando seu acervo, encontramos um material fotográfico e materiais impressos muito ricos, como documentos e jornais. No entanto, de cara logo percebemos a ausência de materiais audiovisuais que nos desse ‘gordura’ para a construção da narrativa. Isso nos acendeu um alerta importante quanto ao registro do que fazemos e como fazemos, nos incluindo nesse contexto. Somos responsáveis pela construção da nossa história. Temos que pensar como deixar registrado o que estamos fazendo, como estamos pensando o que fazemos. Pode parecer besteira, mas futuramente esse material poderá ser muito importante para contarmos a história do teatro no Amazonas, a história das artes no Amazonas, assim como a história de outras personagens locais”, pondera César.

Para o diretor Wallace Abreu, outro desafio na construção do documentário foi fazer com que a narrativa construída alcance não somente pessoas que conheceram a Selma, mas principalmente que chegue naqueles que não a conheceram. “Chegamos à diferentes cortes nessa busca por uma narrativa que alcance pessoas de diferentes lugares, que acessem o filme não porque conheceram a personagem que está sendo apresentada, mas que acessando a obra, passem a conhecê-la. Antes de finalizarmos o doc, apresentamos ele para pessoas em diferentes contextos, que não conheceram a Selma, para entender como ele estava chegando. Foi um pouco trabalhoso, mas necessário esse processo”, explica.

FUGA DA MEDICINA E VIAGEM PELO NORTE-NORDESTE

Nascida em São Paulo em 2 de outubro de 1955, Selma Bustamante era filha de mãe dentista e pai médico. Para fugir de uma futura carreira na medicina, caminho o qual seus irmãos mais velhos percorreram, ainda adolescente Selma se juntou a outros jovens no Grutemon, um grupo de teatro amador, onde a artista deu seus primeiros passos nas artes na capital paulista. Anos depois entraria para a Escola de Comunicação e Artes (ECA), da Universidade de São Paulo (USP), onde concluiu sua graduação em Teatro.

Já como profissional da área, nos anos 1980, Selma se juntou ao Grupo Ventoforte, de Ilo Krugli, que viria a ser seu grande mestre. Foi no Ventoforte também que a atriz conheceu Edgar Lippo, compositor e multiinstrumentista, com quem a artista foi casada até o seu falecimento, em 2008. “Resolvemos abrir dois parênteses na trajetória da Selma para apresentar esses dois nomes que foram muito importantes na história da vida dessa mulher. Foram grandes parceiros da Selma nos palcos e fora deles”, ressalta o diretor do filme.

No início dos anos 1990, Selma e Edgar resolvem deixar São Paulo para conhecer outras regiões do Brasil. A primeira parada, em Teresina (PI), durou seis anos, até que em 1996 decidiram se mudar para Manaus, onde ambos viveram até seus falecimentos. Em Manaus, Selma dirigiu o Grupo Baião de Dois, um dos mais atuantes grupos de teatro da capital amazonense no início deste século. Foi ainda um dos pilares nas discussões para implantação do curso de Teatro oferecido hoje pela Universidade do Estado do Amazonas (UEA), e grande incentivadora à prática da palhaçaria e do teatro de rua no Estado, hoje dois movimentos que continuam sendo ampliados e ganhando força, a partir de nomes que tiveram Selma como mestra. A artista faleceu em 2019, em decorrência das complicações de um câncer.

METODOLOGIA À LA SELDA

“A Selma era uma grande professora de História do Teatro e tinha uma metodologia muito própria, não cronológica, para lançar esse conteúdo. Buscamos na construção do roteiro do documentário seguir um pouco por essa metodologia da Selma enquanto professora, apresentando sua vida de forma atemporal, mas passando por todos os tópicos necessários e importantes de sua caminhada”, explica Abreu. 

O filme conta ainda com apoio da Secretaria de Cultura e Economia Criativa do Amazonas e após o lançamento em Manaus, percorrerá o trajeto de mostras e festivais de cinema, nacionais e internacionais. Exibições presenciais em São Paulo e Teresina estão previstas ainda para este ano. 

O documentário tem uma hora de duração e conta com depoimentos de Ana Oliveira, Ana Cláudia Motta, César Nogueira, Jean Palladino, Jorge Bandeira, Hely Pinto, Karine Magalhães, Klindson Cruz, Wallace Abreu, Berenice Kavakama, Moacyr Bustamante, Fernando Bustamante, Toninho Heleno, Fátima Campideli, Rosa Comporte, Paulinho da Rosa, Laurent Mattalia, Luri Almeida, Chiquinho Pereira, Lívia Coêlho, Luciano Melo, Tania Wakisaka, Sofia Miyakoshi, Celia Pawel e Monica Huambo.

com informações de assessoria

Célebre agitador cultural de Manaus, Joaquim Marinho terá história contada em websérie

Nome fundamental para a cultura no Amazonas e proprietário dos principais antigos cinemas de rua do Centro de Manaus, Joaquim Marinho terá a história contada na websérie documental "Sol, Pipoca e Magia". O projeto estreia na página do YouTube do Planos em Sequência,...

Concurso de curtas-metragens na Ufam de Parintins chega à terceira edição

Organizado pelo curso de Comunicação Social / Jornalismo do campus Parintins da Universidade Federal do Amazonas, o 3º Festival de Cinema Focaliza Parintins (Fopin) está com inscrições abertas para o Prêmio Pacu de Audiovisual 2021. O concurso de curtas-metragens de...

Manauara Shopping anuncia fechamento das 10 salas de cinema do Playarte

Quem foi ao Manauara Shopping na tarde desta quarta-feira, 6 de outubro, se surpreendeu com o fim de uma das principais atrações do local: o complexo do Playarte com 10 salas estava fechado definitivamente. Apenas um comunicado sem maiores detalhes informava ao...

Lenda do boi bumbá de Parintins, Sidney Rezende será tema de documentário dirigido por Cristiane Garcia

“Viaja caboclo, viaja Viaja em teu pensamento Ao olhar no espelho das águas, o azul do firmamento”  Essa canção eternizada na voz do saudoso Arlindo Júnior oferece um vislumbre sobre a produção musical de Sidney Rezende e sua influência no boi-bumbá parintinense. O...

Ateliê 23 adapta peça ‘Ensaio de Despedida’ para o cinema com clássicos modernos de referências

 Companhia teatral surgida em Manaus no ano de 2013, o Ateliê 23 traz “Ensaio de Despedida” como um de seus maiores sucessos. Protagonizada por Taciano Soares e Thais Vasconcelos, a peça dirigida por Eric Lima estreou em fevereiro de 2017 e, um mês depois, abriu a 11ª...

Cinema e cores de Mario Bava inspiram Lucas Martins em novo filme

Com três curtas-metragens já produzidos, o jovem diretor amazonense de 27 anos, Lucas Martins, se prepara para lançar seu mais novo trabalho intitulado "Um Mal Necessário", contemplado pelo edital Feliciano Lana, do governo do Amazonas com recursos da Lei Aldir Blanc....

Em Manaus, pós-graduação de cinema reúne profissionais premiados do audiovisual brasileiro

Produtora amazonense criada por Erlan Souza e Gustavo Soranz, a Rizoma Audiovisual lança um novo curso para quem deseja estudar cinema. Com inscrições abertas (clique aqui), a pós-graduação é voltada para o aperfeiçoamento de profissionais que já atuam no setor....

Roteiristas vencedores do Amazonas Film Festival são tema de nova websérie

Evento cinematográfico de maior porte já realizado no Estado, o Amazonas Film Festival contou com 10 edições entre 2004 e 2013 trazendo estrelas nacionais e internacionais para Manaus, além de contribuir para a geração de uma nova leva de profissionais do audiovisual...

‘Manaus Hot City’ e ‘O Barco e o Rio’ são selecionados para festival no México

"Manaus Hot City", de Rafael Ramos, e "O Barco e o Rio", de Bernardo Abinader, seguem ganhando o mundo. As duas produções do cinema amazonense estão selecionados para o Shorts México 2021, único festival internacional de curtas-metragens do país da América Central....

Filmes dos amazonenses Henrique Amud e Zeudi Souza concorrem em festival brasileiro nos EUA

O Amazonas terá dois representantes na 25ª Inffinito Film Festival, evento em formato híbrido com a missão de levar o cinema brasileiro aos EUA em 2021. "O Buraco", de Zeudi Souza, e "Atordoado, Eu Permaneço Atento", de Henrique Amud e Lucas H. Rossi dos Santos,...