Se não há filme brasileiro na competição oficial da Palma de Ouro, o Festival de Cannes terá o país entre os jurados: diretor de “O Som ao Redor”, “Aquarius” e “Bacurau”, Kleber Mendonça Filho estará no júri presidido por Spike Lee (“Infiltrado na Klan”). O evento será realizado entre os dias 6 a 17 de julho e marca o retorno do evento após não ter sido realizado em 2020 por conta da pandemia da Covid-19. 

Ao lado de Kleber e Spike, estarão no júri os atores sul-coreano Song Kang-ho (“Parasita”) e francês Tahar Rahim (“The Mauritanian”), as atrizes Maggie Gyllenhaal (“Donnie Darko”) e Mélanie Laurent (“Bastardos Inglórios”), a cantora francesa Mylène Farmer, e as cineastas sul-africana Mati Diop (“Atlantique”) e a austríaca Jessica Hausner (“Little Joe”). 

As Atrações de Cannes 

Na seleção pela disputa da Palma de Ouro do Festival de Cannes, Sean Penn vai competir com Flag Day; Nanni Moretti, com Tre Piani e Kirill Serebrennikov, com Petrov’s flu. François Ozon vai levar Tout s’est Bien Passé e Asghar Farhadi, A Hero.  

Mia Hansen-Love concorre à Palma de Ouro com Bergamn Island, filme produzido pela RT Features, do brasileiro Rodrigo Teixeira. Benedetta, de Paul Verhoeven, o retrato de uma freira homossexual ambientado no século 15 e baseado em fatos reais, e “A Crônica Francesa”, de Wes Anderson, filmado no sudoeste da França e estrelado por Bill Murray, Tilda Swinton, Timothée Chalamet e Adrien Brody, já haviam sido anunciados na seleção oficial. 

O festival será aberto com “Annette”, do francês Leos Carax e estrelado por Adam Driver e Marion Cotillard, que interpretam um casal glamouroso de estrelas cuja vida muda com a chegada de sua primeira filha. A atriz e diretora norte-americana Jodie Foster receberá a Palma de Ouro honorária do Festival de Cannes, 45 anos depois de ser convidada pela primeira vez ao evento como uma das integrantes do elenco de “Taxi Driver”. 

Heitor Dhalia: ““Anna” foi um filme desafiado pelo seu tempo”

Um nome importante do meio artístico utilizando seu prestígio para promover um ambiente tóxico de trabalho ao promover abusos morais e até sexuais a seus subordinados. Não, ainda não se trata da cinebiografia de Harvey Weinstein e sim do mote principal de “Anna”, novo...

Lucas Salles: “filmes como ‘Missão Cupido’ trazem a esperança de um final feliz”

Vindo de uma geração marcada pela transformação tecnológica, Lucas Salles é um bom exemplo de artista multiplataforma. Já foi repórter do 'CQC' e do 'Pânico na Band', realiza stand-up comedy no teatro, foi apresentador da "A Fazenda Online" e também investe na...

Lírio Ferreira: “‘Acqua Movie’ é uma extensão espiritual de ‘Árido Movie’”

A Retomada do Cinema Brasileiro viu surgir uma nova geração de diretores pernambucanos com impacto de influenciar e referenciar a produção nacional fora do eixo Rio-São Paulo. Lírio Ferreira abriu as portas em 1997 com o já clássico “Baile Perfumado”. Ao som do mangue...

Ricardo Calil: ‘Cine Marrocos’ simboliza os desencontros do Brasil com a cultura e os sem-tetos’

Ricardo Calil ficou conhecido como documentarista de grandes filmes sobre a música e a cultura brasileira. São dele produções como “Uma Noite em 67” sobre o célebre Festival da Record com estrelas como Roberto Carlos, Chico Buarque, Os Mutantes e Gilberto Gil; “Eu Sou...

Gustavo Pizzi: “‘Gilda’ representa a luta contra a imposição externa sobre a própria vida”

No Brasil 2021 de Jair Bolsonaro, uma mulher livre, dona do próprio corpo e contrária a opressão masculina incomoda muita gente. “Os Últimos Dias de Gilda”, série disponível na Globoplay, mostra muito bem isso.  A produção exibida na Berlinale Series neste ano estreou...

Júlia Rezende: “’Depois a Louca Sou Eu’” pode ser uma ponte de diálogo sobre a ansiedade’

“Meu Passado me Condena 1 e 2”, “Ponte Aérea” e “Uma Namorado para a Minha Mulher”. Todos os estes filmes são sucessos recentes da comédia romântica brasileira dirigidas pela Júlia Rezende. E ela está chegando nos cinemas com “Depois a Louca Sou Eu” com a Débora...

Arnaldo Barreto: a experiência de um longa gravado na Fordlândia

Comemorando 30 anos de carreira na cultura amazonense, Arnaldo Barreto se lançou em um de seus maiores desafios nesta trajetória: dirigir o longa-metragem “Entre Nós”. O drama de época foi lançado no fim de 2020 em uma sessão especial em Manaus e deve seguir o caminho...

Giona A. Nazzaro: ‘A Cinemateca Brasileira pode contar com todo o apoio do Festival de Locarno’

2021 ainda é um ano cheio de mistérios para os eventos cinematográficos, muitos dos quais foram cancelados, reduzidos ou virtualizados este ano por conta da pandemia do coronavírus. O Festival de Locarno, um dos maiores do mundo, vai encarar esse desafio sob nova...

Bárbara Paz: ‘Babenco’ é um poema visual em preto e branco’

Como se alivia uma dor? Nas palavras de Bárbara Paz, é “contando uma história”. No caso dela, a história a ser contada realmente envolveu muita dor. Em “Babenco - Alguém Tem Que Ouvir o Coração e Dizer: Parou”, a atriz e diretora celebra a história de Hector Babenco,...

Maya Da-Rin: ‘’A Febre’ não teria sido possível sem os artistas do Amazonas’

Manaus volta a ganhar as telas dos cinemas brasileiros com a chegada de “A Febre”. Em cartaz desde o dia 12 de novembro, a produção, falada em tukano e português, traz a região metropolitana entre a imposição do modelo capitalista advindo da Zona Franca de Manaus e...