Faz tempo que ouvimos uma ladainha ser repetida por aí: gente falando que “hoje em dia não se pode mais fazer graça de nada”, “o mundo tá chato”, “os tempos politicamente corretos acabaram com a comédia” e blá blá blá. Até o diretor de Coringa, Todd Phillips, saiu-se com essa, explicitando esse raciocínio como a razão para ter se afastado das comédias como o sucesso Se Beber Não Case (2009), do inicio da sua carreira. De tanto ouvir essa cantilena sendo repetida por aí, o cineasta Taika Waititi, diretor neozelandês dos ótimos O Que Fazemos nas Sombras (2014), A Incrível Aventura de Rick Baker (2016) e Thor: Ragnarok (2017), deve ter ficado com vontade de fazer uma careta, dar uns saltinhos no ar e pensado “preciso pegar minha fantasia de Hitler”.

Jojo Rabbit, novo filme do cineasta e baseado no livro “Caging Skies” de Christine Leunens, faz graça com… o nazismo, com Hitler, com a Segunda Guerra Mundial e todo o contexto daquele que é provavelmente o período mais obscuro da história humana.  O filme é sobre o Jojo do título, na verdade Johannes Betzler. É um garoto de dez anos que faz parte da juventude hitlerista na Alemanha. Cresceu aprendendo a odiar – porque ninguém nasce sabendo, não é mesmo? – a idolatrar sua raça ariana e a temer o inimigo judeu, a quem ele julga ter chifres e rabos de demônio. Ah, e ele tem um amiguinho imaginário, o próprio Adolf Hitler, que o incentiva e lhe serve de companhia. Mas, ao longo da história, o menino começa a questionar alguns dos valores que lhe ensinaram ao descobrir um segredo escondido dentro da sua casa, onde mora com sua mãe…

É uma escolha ousada. Afinal, logo de cara, uma parcela razoável do público deve rejeitar a obra só de ler a sinopse ou ver o trailer. E Waititi parece claramente consciente disso e nos joga na realidade do pequeno Jojo logo nos primeiros minutos: se o espectador comprar a ideia, ótimo; se não, o diretor não parece muito preocupado. Usar uma versão em alemão de uma famosa canção dos Beatles como trilha sonora de imagens antigas de Hitler e da histeria do nazismo é o jeito de Waititi – também roteirista do filme – de chutar o metafórico balde e deixar logo claro para o público o tipo de experiência que virá adiante.

Waititi, na verdade, segue os passos de outros cineastas satíricos que ousaram tirar onda com esse tema, como Charles Chaplin e Mel Brooks. No entanto, não demora muito e percebe-se que Jojo Rabbit vai tentar outro desafio: fazer o espectador rir do absurdo num momento e se emocionar no seguinte. No equilíbrio admirável que o filme constrói, a comédia se alimenta do drama e vice-versa, sem que um diminua ou banalize o outro – ao contrário de uma bobagem como A Vida é Bela (1998), Jojo Rabbit não foge do horror da situação e cria um estranho efeito no espectador: a sensação de que estamos rindo de algo que não deveríamos, mas rimos porque é engraçado, e, alguns minutos, depois a vontade é de chorar.

AUDÁCIA COM CORAÇÃO

 

Para construir esse efeito, a atmosfera do filme é determinada pelo olhar infantil. O visual lembra um pouco algo de Wes Anderson, a direção de arte explora cores fortes e a fotografia de MIhai Malaimare Jr. varia de sempre iluminada para cinzenta e sombria, dependendo do momento e do estado psicológico do protagonista. E “Jojo Rabbit”  sabe plantar pistas que acabam adquirindo significado mais à frente na história, como um par de sapatos ou o comportamento diferente de dois oficiais, vividos por Sam Rockwell e Alfie Allen…

Falando nos atores, a maior qualidade do filme é realmente o trabalho do diretor com seus intérpretes. O novato Roman Griffin Davis carrega o filme exemplarmente misturando inocência com momentos de ódio e intolerância. O próprio Waititi faz o seu amigo imaginário, o Führer, e a química dele com Davis é inegável. Rockwell, Rebel Wilson e o pequeno Archie Wilson roubam algumas cenas com seus personagens divertidíssimos, e a jovem Thomasin McKenzie, revelada pelo drama Sem Rastros (2018), completa com Davis o retrato humano do filme. Stephen Merchant, com sua cara de alienígena, está inspirado como um oficial da Gestapo que parece irmão do vilão de Os Caçadores da Arca Perdida (1981). E Scarlett Johansson, como a mãe de Jojo, é a luz do filme: numa atuação inspirada, a atriz conquista o espectador e faz a defesa do filme e da arte.

É preciso dançar, diz ela para o filho. É a arte que nos permite rir da cultura do ódio, da ignorância e do orgulho de ser ignorante. Nem todo mundo vai rir destas piadas, mas é justo: Senso de humor é algo muito pessoal e idiossincrático. O que não se pode negar, porém, é a mistura de audácia com coração que movimenta Jojo Rabbit e que faz dele um filme especial. É preciso, afinal, uma mente especial para conceber um filme assim; uma para a qual o humor não tem limites.

Oscar: O Melhor e o Pior das Indicações de Tom Hanks

De “Quero Ser Grande” a “Um Lindo Dia na Vizinhança”, Caio Pimenta analisa quais as melhores e piores indicações de Tom Hanks no Oscar. https://www.youtube.com/watch?v=BLCxS2aVHX8 6. O RESGATE DO SOLDADO RYAN Para você ver o nível do Tom Hanks, a indicação vinda da...

Oscar 2022 de Melhor Ator Coadjuvante: Previsões Iniciais

De Bradley Cooper a Willem Dafoe, Caio Pimenta apresenta a lista de candidatos ao Oscar 2022 de Melhor Ator Coadjuvante. https://www.youtube.com/watch?v=A4kohV2RCMw CHANCES MÍNIMAS Dois atores de filmes queridos da crítica devem ficar de fora.  O excelente Vincent...

Oscar: O Melhor e o Pior das Indicações de Al Pacino

Al Pacino.   Só de falar esse nome dá vontade de fazer uma reverência, afinal, se trata de uma das maiores lendas da história do cinema. A Academia, entretanto, não teve a melhor das relações com o ator e, apesar das nove indicações, ele venceu apenas uma vez.  Neste...

Oscar 2022 de Melhor Direção: Previsões Iniciais

De Steven Spielberg a Kenneth Branagh, Caio Pimenta apresenta a lista de candidatos ao Oscar 2022 de Melhor Direção. https://www.youtube.com/watch?v=k7yCO2R6RIs CHANCES MÍNIMAS  Já que iniciei falando de mulheres na direção, algumas delas parecem bem distantes da...

Oscar: O Melhor e o Pior das Indicações de Kate Winslet

De "Razão e Sensibilidade" a "Steve Jobs", Caio Pimenta analisa quais as melhores e piores indicações de Kate Winslet no Oscar. https://www.youtube.com/watch?v=nfP509-GoY0&t=249s 7. IRIS  Em 2002, a Kate Winslet disputou melhor atriz coadjuvante por “Iris”.  No...

Oscar 2022 de Melhor Ator: Previsões Iniciais

De Clint Eastwood a Will Smith, Caio Pimenta apresenta as chances das principais candidatas ao Oscar 2022 de Melhor Ator.  https://www.youtube.com/watch?v=3R1FHc5qXlI CHANCES MÍNIMAS    Tem muita gente sem grandes chances no Oscar 2022 de Melhor Ator. Quatro...

Oscar: O Melhor e o Pior das Indicações de Frances McDormand

A Katharine Hepburn pode ser a maior vencedora do Oscar de Melhor Atriz com quatro estatuetas, porém, a Frances McDormand detém um recorde incrível: 100% de aproveitamento na categoria com três indicações e três vitórias.   Ela ainda soma outras nomeações em atriz...

Oscar 2022 de Melhor Atriz: Previsões Iniciais

De Rachel Zegler a Lady Gaga e Kristen Stewart, Caio Pimenta apresenta as chances das principais candidatas ao Oscar 2022 de Melhor Atriz.  https://www.youtube.com/watch?v=IwUGzahLr6c CHANCES MÍNIMAS     Apesar dos muitos elogios a elas, três candidatas parecem...

Oscar: O Melhor e o Pior das Indicações de Leonardo DiCaprio

De "Gilbert Grape" a "Era uma vez em Hollywood", Caio Pimenta analisa quais as melhores e piores indicações de Leonardo DiCaprio no Oscar. https://www.youtube.com/watch?v=zjIqnog1h8Y 6. O REGRESSO  Igual fiz com o Martin Scorsese, começo com o desempenho que valeu o...

Museu da Academia em Los Angeles abre e promete passeio cinéfilo inesquecível

Chegou o dia: o Museu da Academia de Artes e Ciências Cinematográficas está aberto para todo o público em Los Angeles. A cerimônia de inauguração aconteceu nesta quinta-feira, 30 de setembro, na The Walt Disney Company Piazza. O passeio promete ser parada obrigatória...