Faz tempo que ouvimos uma ladainha ser repetida por aí: gente falando que “hoje em dia não se pode mais fazer graça de nada”, “o mundo tá chato”, “os tempos politicamente corretos acabaram com a comédia” e blá blá blá. Até o diretor de Coringa, Todd Phillips, saiu-se com essa, explicitando esse raciocínio como a razão para ter se afastado das comédias como o sucesso Se Beber Não Case (2009), do inicio da sua carreira. De tanto ouvir essa cantilena sendo repetida por aí, o cineasta Taika Waititi, diretor neozelandês dos ótimos O Que Fazemos nas Sombras (2014), A Incrível Aventura de Rick Baker (2016) e Thor: Ragnarok (2017), deve ter ficado com vontade de fazer uma careta, dar uns saltinhos no ar e pensado “preciso pegar minha fantasia de Hitler”.

Jojo Rabbit, novo filme do cineasta e baseado no livro “Caging Skies” de Christine Leunens, faz graça com… o nazismo, com Hitler, com a Segunda Guerra Mundial e todo o contexto daquele que é provavelmente o período mais obscuro da história humana.  O filme é sobre o Jojo do título, na verdade Johannes Betzler. É um garoto de dez anos que faz parte da juventude hitlerista na Alemanha. Cresceu aprendendo a odiar – porque ninguém nasce sabendo, não é mesmo? – a idolatrar sua raça ariana e a temer o inimigo judeu, a quem ele julga ter chifres e rabos de demônio. Ah, e ele tem um amiguinho imaginário, o próprio Adolf Hitler, que o incentiva e lhe serve de companhia. Mas, ao longo da história, o menino começa a questionar alguns dos valores que lhe ensinaram ao descobrir um segredo escondido dentro da sua casa, onde mora com sua mãe…

É uma escolha ousada. Afinal, logo de cara, uma parcela razoável do público deve rejeitar a obra só de ler a sinopse ou ver o trailer. E Waititi parece claramente consciente disso e nos joga na realidade do pequeno Jojo logo nos primeiros minutos: se o espectador comprar a ideia, ótimo; se não, o diretor não parece muito preocupado. Usar uma versão em alemão de uma famosa canção dos Beatles como trilha sonora de imagens antigas de Hitler e da histeria do nazismo é o jeito de Waititi – também roteirista do filme – de chutar o metafórico balde e deixar logo claro para o público o tipo de experiência que virá adiante.

Waititi, na verdade, segue os passos de outros cineastas satíricos que ousaram tirar onda com esse tema, como Charles Chaplin e Mel Brooks. No entanto, não demora muito e percebe-se que Jojo Rabbit vai tentar outro desafio: fazer o espectador rir do absurdo num momento e se emocionar no seguinte. No equilíbrio admirável que o filme constrói, a comédia se alimenta do drama e vice-versa, sem que um diminua ou banalize o outro – ao contrário de uma bobagem como A Vida é Bela (1998), Jojo Rabbit não foge do horror da situação e cria um estranho efeito no espectador: a sensação de que estamos rindo de algo que não deveríamos, mas rimos porque é engraçado, e, alguns minutos, depois a vontade é de chorar.

AUDÁCIA COM CORAÇÃO

 

Para construir esse efeito, a atmosfera do filme é determinada pelo olhar infantil. O visual lembra um pouco algo de Wes Anderson, a direção de arte explora cores fortes e a fotografia de MIhai Malaimare Jr. varia de sempre iluminada para cinzenta e sombria, dependendo do momento e do estado psicológico do protagonista. E “Jojo Rabbit”  sabe plantar pistas que acabam adquirindo significado mais à frente na história, como um par de sapatos ou o comportamento diferente de dois oficiais, vividos por Sam Rockwell e Alfie Allen…

Falando nos atores, a maior qualidade do filme é realmente o trabalho do diretor com seus intérpretes. O novato Roman Griffin Davis carrega o filme exemplarmente misturando inocência com momentos de ódio e intolerância. O próprio Waititi faz o seu amigo imaginário, o Führer, e a química dele com Davis é inegável. Rockwell, Rebel Wilson e o pequeno Archie Wilson roubam algumas cenas com seus personagens divertidíssimos, e a jovem Thomasin McKenzie, revelada pelo drama Sem Rastros (2018), completa com Davis o retrato humano do filme. Stephen Merchant, com sua cara de alienígena, está inspirado como um oficial da Gestapo que parece irmão do vilão de Os Caçadores da Arca Perdida (1981). E Scarlett Johansson, como a mãe de Jojo, é a luz do filme: numa atuação inspirada, a atriz conquista o espectador e faz a defesa do filme e da arte.

É preciso dançar, diz ela para o filho. É a arte que nos permite rir da cultura do ódio, da ignorância e do orgulho de ser ignorante. Nem todo mundo vai rir destas piadas, mas é justo: Senso de humor é algo muito pessoal e idiossincrático. O que não se pode negar, porém, é a mistura de audácia com coração que movimenta Jojo Rabbit e que faz dele um filme especial. É preciso, afinal, uma mente especial para conceber um filme assim; uma para a qual o humor não tem limites.

Especial Oscar: Os Meus Favoritos da Edição 2017

Caio Pimenta apresenta os seus favoritos para o Oscar de 2017, ano da consagração de "Moonlight - A Luz do Luar". https://www.youtube.com/watch?v=qig_7KfqDBg

Especial Oscar: Os Meus Favoritos da Edição 2016

Caio Pimenta apresenta os seus favoritos para o Oscar de 2016, ano da consagração de "Spotlight". https://www.youtube.com/watch?v=pQK-cWcatbw

Especial Oscar: Os Meus Favoritos das Edições 2014 e 2015

Caio Pimenta apresenta os seus favoritos para os Oscars de 2014 e 2015, anos das consagrações de "12 Anos de Escravidão" e "Birdman". OSCAR 2014 Mesmo com as presenças de “Philomena” e “Trapaça”, o Oscar 2014 teve grandes filmes na corrida, sendo uma das grandes...

Especial Oscar: Os Meus Favoritos das Edições 2012 e 2013

Caio Pimenta apresenta os seus favoritos para os Oscars de 2012 e 2013, anos das consagrações de "O Artista" e "Argo". https://youtu.be/SR6Fi3EnVbc OSCAR 2012 O Oscar 2012 teve o privilégio de trazer quatro filmes de lendas do cinema americano: Terrence Malick, Steven...

Especial Oscar: Os Meus Favoritos das Edições 2010 e 2011

Caio Pimenta apresenta os seus favoritos para os Oscars de 2010 e 2011, anos das consagrações de "O Discurso do Rei" e "Guerra ao Terror". OSCAR 2010 Depois do esnobe a “O Cavaleiro das Trevas”, a Academia resolveu ser mais generosa e abrir a categoria de Melhor Filme...

Especial Oscar: Os Meus Favoritos das Edições 2008 e 2009

Caio Pimenta apresenta os seus favoritos para os Oscars de 2008 e 2009, anos das consagrações de "Onde os Fracos Não têm Vez" e "Quem Quer Ser um Milionário?". https://www.youtube.com/watch?v=LaYijfEBnuo OSCAR 2008 "Conduta de Risco", "Desejo e Reparação" e "Juno" são...

Especial Oscar: Os Meus Favoritos das Edições 2006 e 2007

Caio Pimenta apresenta os seus favoritos para os Oscars de 2006 e 2007, anos das consagrações de "Crash: No Limite" e "Os Infiltrados". https://www.youtube.com/watch?v=1dT9dLaEt64

Especial Oscar: Os Meus Favoritos das Edições 2004 e 2005

Caio Pimenta apresenta os seus favoritos para os Oscars de 2004 e 2005, anos das consagrações de "O Senhor dos Anéis: O Retorno do Rei" e "Menina de Ouro". https://youtu.be/43qSwck7IBc OSCAR 2004 “O Retorno do Rei” eclipsou uma temporada muito boa em 2004. Além do...

Especial Oscar: Os Meus Favoritos das Edições 2002 e 2003

Caio Pimenta apresenta os seus favoritos para os Oscars de 2002 e 2003, anos das consagrações de "Uma Mente Brilhante" e "Chicago". OSCAR 2002 O Oscar 2002 foi o primeiro da trilogia “O Senhor dos Anéis”. Tivemos a chegada dos musicais ao século XXI com eufórico...

Especial Oscar: Os Meus Favoritos das Edições 2000 e 2001

Caio Pimenta apresenta os seus favoritos para os Oscars de 2000 e 2001, anos das consagrações de "Beleza Americana" e "Gladiador". https://youtu.be/RtYCAR2hclc OSCAR 2000 A cerimônia do Oscar 2000 não refletiu nem de longe o brilhantismo do que foi o ano anterior para...