O que fazer quando um filme que parece implorar pela nossa empatia resulta em um trabalho distante e sem conseguir estabelecer nenhuma conexão com o espectador? Essa foi a minha experiência com “Luz Natural”, primeiro longa do realizador húngaro Dénes Nagy, e que lhe rendeu o Urso de Prata de melhor direção no Festival de Berlim deste ano. 

Tão frio quanto as imagens da tela, “Luz Natural” é ambientado na Segunda Guerra Mundial. O letreiro de introdução já explica que o foco da obra será na ocupação húngara na União Soviética. A partir daí, acompanhamos István Semetka, um cabo colocado em uma posição de liderança após uma situação inesperada. 

 FRIEZA TRIDIMENSIONAL

É inegável o virtuosismo do trabalho de Nagy e da equipe técnica de “Luz Natural”, que, desde o primeiro segundo, traduz com eficiência a angústia da guerra por meio de elementos visuais, seja a câmera tremida, o filmar a nuca ou os close-ups intensos no protagonista. 

O problema é que o filme fica só nisso. A frieza das paisagens mostradas na tela são, de certa forma, tridimensionais, já que pairam até nos momentos intimistas. Quando o filme abraça o solar, com o momento de respiro de seu protagonista após oito meses em terras soviéticas, a impressão é que sentimos o esforço da produção em nos levar nessa jornada com ele. Ele vai voltar ao que conhece, mas já tão machucado da guerra que provavelmente o lar vai ter a estranheza de uma terra nova ou de um filme que não fica conosco. 

Acaba sendo um trabalho árduo escrever sobre um filme pelo qual você não criou nenhum tipo de ligação, nem negativa e nem positiva. É só um filme que simplesmente… Existe. Em tempos de guerra fria nas redes sociais sobre ver o hollywoodiano “Duna” em casa ou no cinema, me peguei pensando se a experiência com o filme húngaro seria mais imersiva em uma tela maior. 

CRÍTICA | ‘Twisters’: senso de perigo cresce em sequência superior ao original

Quando, logo na primeira cena, um tornado começa a matar, um a um, a equipe de adolescentes metidos a cientistas comandada por Kate (Daisy Edgar-Jones) como um vilão de filme slasher, fica claro que estamos diante de algo diferente do “Twister” de 1996. Leia-se: um...

CRÍTICA | ‘In a Violent Nature’: tentativa (quase) boa de desconstrução do Slasher

O slasher é um dos subgêneros mais fáceis de se identificar dentro do cinema de terror. Caracterizado por um assassino geralmente mascarado que persegue e mata suas vítimas, frequentemente adolescentes ou jovens adultos, esses filmes seguem uma fórmula bem definida....

CRÍTICA | ‘MaXXXine’: mais estilo que substância

A atriz Mia Goth e o diretor Ti West estabeleceram uma daquelas parcerias especiais e incríveis do cinema quando fizeram X: A Marca da Morte (2021): o que era para ser um terror despretensioso que homenagearia o cinema slasher e também o seu primo mal visto, o pornô,...

CRÍTICA | ‘Salão de baile’: documentário enciclopédico sobre Ballroom transcende padrão pelo conteúdo

Documentários tradicionais e que se fazem de entrevistas alternadas com imagens de arquivo ou de preenchimento sobre o tema normalmente resultam em experiências repetitivas, monótonas e desinteressantes. Mas como a regra principal do cinema é: não tem regra. Salão de...

CRÍTICA | ‘Geração Ciborgue’ e a desconexão social de uma geração

Kai cria um implante externo na têmpora que permite, por vibrações e por uma conexão a sensores de órbita, “ouvir” cada raio cósmico e tempestade solar que atinge o planeta Terra. Ao seu lado, outros tem aparatos similares que permitem a conversão de cor em som. De...

CRÍTICA | ‘Um Dia Antes de Todos os Outros’: drama naturalista não supera pecha de inofensivo

Pontuado por lampejos de qualquer coisa singular, Um dia antes de todos os outros é a epítome do drama independente naturalista brasileiro contemporâneo. A simplicidade de um conceito: um dia para desocupar um apartamento que coloca quatro mulheres diferentes nesse...

CRÍTICA | ‘Ivo’: simplismo naturalista leve para lidar com temas muito pesados

Enfermeira e ceifadora, a personagem título de Ivo expressa pela atriz Minna Wündrich tudo o que o filme é. A morte como elemento constante e sem cerimônia. A inevitabilidade da vida tratada com leveza mas não tanto. Com seriedade mas não tanto. Com um humor que não...

CRÍTICA | ‘Baby’: Existe amor em éssipê

O recomeço é sempre um processo difícil. Para muitos garotos ainda no fim da adolescência ou no início da vida adulta, ele é ingrato por natureza. Em “Baby”, o diretor Marcelo Caetano parte de um recomeço forçado para contar uma história de sobrevivência e encontro....

CRÍTICA | ‘Não existe almoço grátis’: doc. sobre cozinhas solidárias do MTST fica no arroz com feijão bem feito

Filme de estreia de sua dupla de diretores, Não existe almoço grátis meio que não erra em nada. É um documentário que consegue o que quer no retrato de suas três personagens principais como exemplos da pluralidade da cozinha solidária do MTST. Que apresenta bem o...

CRÍTICA | ‘Um Tira da Pesada 4’: o filme mais preguiçoso da temporada

Quarenta anos depois, a cidade de Detroit continua feia e o astro Eddie Murphy muito engraçado... e preguiçoso. Este Um Tira da Pesada 4: Axel Foley, nova continuação do sucesso de 1984 que transformou Murphy em mega astro mundial, chega à Netflix como um exercício de...