O que fazer quando um filme que parece implorar pela nossa empatia resulta em um trabalho distante e sem conseguir estabelecer nenhuma conexão com o espectador? Essa foi a minha experiência com “Luz Natural”, primeiro longa do realizador húngaro Dénes Nagy, e que lhe rendeu o Urso de Prata de melhor direção no Festival de Berlim deste ano. 

Tão frio quanto as imagens da tela, “Luz Natural” é ambientado na Segunda Guerra Mundial. O letreiro de introdução já explica que o foco da obra será na ocupação húngara na União Soviética. A partir daí, acompanhamos István Semetka, um cabo colocado em uma posição de liderança após uma situação inesperada. 

 FRIEZA TRIDIMENSIONAL

É inegável o virtuosismo do trabalho de Nagy e da equipe técnica de “Luz Natural”, que, desde o primeiro segundo, traduz com eficiência a angústia da guerra por meio de elementos visuais, seja a câmera tremida, o filmar a nuca ou os close-ups intensos no protagonista. 

O problema é que o filme fica só nisso. A frieza das paisagens mostradas na tela são, de certa forma, tridimensionais, já que pairam até nos momentos intimistas. Quando o filme abraça o solar, com o momento de respiro de seu protagonista após oito meses em terras soviéticas, a impressão é que sentimos o esforço da produção em nos levar nessa jornada com ele. Ele vai voltar ao que conhece, mas já tão machucado da guerra que provavelmente o lar vai ter a estranheza de uma terra nova ou de um filme que não fica conosco. 

Acaba sendo um trabalho árduo escrever sobre um filme pelo qual você não criou nenhum tipo de ligação, nem negativa e nem positiva. É só um filme que simplesmente… Existe. Em tempos de guerra fria nas redes sociais sobre ver o hollywoodiano “Duna” em casa ou no cinema, me peguei pensando se a experiência com o filme húngaro seria mais imersiva em uma tela maior. 

‘Viagem ao Topo da Terra’: animação correta impressiona pelo visual e singeleza

Por que seres humanos perigosamente arriscam a vida escalando grandes montanhas? E vale a pena fazer isso, se ninguém vai registrar ou lembrar? Estas perguntas estão no cerne de Viagem ao Topo da Terra, animação francesa disponível na Netflix dirigida por Patrick...

‘Casa Gucci’: um filme de Lady Gaga e só

Se a palavra Gucci ao ser dita soa como algo doce, mas, carrega uma maldição simultaneamente como diz Patrizia Reggiani, dois momentos podem ser considerados simbólicos desta definição: o primeiro está na transformação do olhar de Patrizia ao ouvir o sobrenome vindo...

‘Encanto’: agradável ainda que nada marcante animação Disney

Apropriada para o público infantil e com fácil apelo emocional, a temática sobre família constantemente é explorada nas animações da Disney e ‘Encanto’ não foge disso. Dirigido pelo trio Jared Bush (‘Moana’), Byron Howard (‘Zootopia’) e Charise Castro Smith, o filme...

‘Ataque dos Cães’: a masculinidade tóxica dissecada e descontruída

“Ataque dos cães” trata sobre masculinidade e poder em uma obra que flutua pela sensibilidade dos detalhes. Benedict Cumberbatch (“Doutor Estranho”) interpreta Phil Burbank, um típico vaqueiro dos filmes de faroeste, tratando sua frieza e brutalidade como prêmios. Ele...

‘King Richard: Criando Campeãs’: a filosofia de Will Smith com todos seus vícios e virtudes

Há alguns anos, o astro Will Smith explicou o motivo de ter recusado o papel de protagonista no sucesso Django Livre (2012), de Quentin Tarantino. A estrela afirmou que “o único jeito de fazê-lo seria se fosse uma história de amor, não de vingança”. Bem,...

‘Earwig’: fábula dark de incapaz de envolver o público

A vida de uma menina peculiar, um homem atormentado e uma garçonete em apuros se entrelaçam em "Earwig", novo filme da francesa Lucile Hadžihalilović (“Inocência”, “Évolution”). O longa, que teve estreia em Toronto e premiada passagem em San Sebastián, foi exibido no...

‘Ferida’: Halle Berry tenta, mas, não sai de fórmulas batidas

Ferida, estrelado e dirigido pela atriz Halle Berry – marcando sua estreia como diretora – é um filme igual à sua protagonista: sincero, mas errático; intenso, mas também disperso. A produção da Netflix busca contar um drama humano dentro do universo do MMA e, com...

‘Deserto Particular’: a solidão como companheira

A solidão que a gente carrega e que nos carrega também. “Deserto Particular” é um filme sobre espaços e tempo. Logo na abertura, Daniel (Antônio Saboia) corre de noite em meio a uma rua vazia, enquanto ouvimos uma narração do protagonista direcionada a alguém que ele...

‘Tick, Tick… Boom!’: Lin-Manuel Miranda dribla resistências ao musical em grande filme

Seja no cinema ou no teatro, não conhecer ‘Rent – Os Boêmios’ e muito menos ter se emocionado ao som de ‘Seasons of Love’ é algo extremamente difícil para quem gosta de musicais. A partir dessa prerrogativa, ‘Tick Tick... Boom!’ trata-se de uma grande homenagem a esse...

‘Um Herói’: o melhor filme de Asghar Farhadi desde ‘O Passado’

Um conto-da-carochinha com desdobramentos épicos é a força-motriz de "Um Herói", novo drama de Asghar Farhadi. O longa foi exibido no Festival de Londres deste ano após estreia em Cannes, onde levou o Grand Prix - o segundo prêmio mais prestigiado do evento. Escolhido...