A jornada bem-sucedida de “Manaus Hot City” por festivais brasileiros e internacionais continua e, desta vez, a produção amazonense emplaca mais um grande evento. O filme dirigido por Rafael Ramos está selecionado para a mostra competitiva de curtas-metragens nacionais do Mix Brasil, maior festival LGBTQIA+ da América Latina e previsto para ocorrer entre 10 e 21 de novembro deste ano em formato híbrido.

Contando apenas o segundo semestre de 2021, o curta acumula o prêmio de melhor curta-metragem de ficção do Mammoth Lakes Film Festival, na Califórnia, uma menção honrosa no Shorts México e participação no primeiro turno do Grande Prêmio do Cinema Brasileiro. Anteriormente, “Manaus Hot City” já tivera passagens pelo KinoforumVitóriaCine PE, a retrospectiva do Cinema Brasileiro do Cinesesc e o Festival Curta Cinema 2020. Desta forma, a produção é um dos filmes amazonenses recentes com maior circulação em festivais nos útlimos anos. 

Protagonizado por Frank Kitzinger, Maria do Rio e Vanessa Moraes, o curta-metragem com duração de 15 minutos aborda a amizade entre três amigos e como esta é afetada por uma descoberta transformadora. Entre as discussões apresentadas em “Manaus Hot City”, conceitos sobre a cidade, o calor e saudade se destacam, além de trazer locações conhecidas pelos moradores da região como a Balsa Amarela, a Feira Manaus Moderna e Praia de Açutuba.

CONFIRA OS FILMES DAS PRINCIPAIS MOSTRAS DO MIX BRASIL 2021:

COMPETITIVA BRASIL

A Primeira Morte de Joana (dir. Cristiane Oliveira, RS)
Até o Fim (dir. Glenda Nicácio, Ary Rosa, BA)
Deserto Particular (dir. Aly Muritiba, PR)
Deus Tem AIDS (dir. Fábio Leal, Gustavo Vinagre, PE/SP)
Madalena (dir. Madiano Marcheti, MS)
Máquina do Desejo (dir. Joaquim Castro, Lucas Weglinski, SP)
Vênus de Nyke (dir. André Antônio, PE)

MOSTRAS ESPECIAIS

A Cidade dos Abismos (dir. Priscyla Bettim, Renato Coelho, SP)
A Última Imagem (dir. Benedito Ferreira, GO)
Bori (dir. Luiz Anastácio, SP)
Desaprender a Dormir (dir. Gustavo Vinagre, SP)
Dois Garotos Que Se Afastaram Demais do Sol (dir. Lucelia Sergio, Cibele Appes, SP)
Ney à Flor da Pele (dir. Felipe Nepomuceno, RJ)
Perto de Você (dir. Cássio Kelm, PR)
Transversais (dir. Émerson Maranhão, CE)

CURTAS SELECIONADOS:

COMPETITIVA BRASIL • CURTAS

Acesso (dir. Julia Leite, Brasil-SP)
Como Respirar Fora d’Água (dir. Victoria Negreiros Guedes, Júlia Dordetti Fávero, Brasil-SP)
Entrelençóis (dir. Otavio Vidal, Brasil-SP)
Flor de Mururé (dir. Marcos Corrêa, Priscila Duque, Brasil-PA)
Hortelã (dir. Thiago Furtado, Brasil-PI)
Manaus Hot City (dir. Rafael Ramos, Brasil-AM)
O Amigo do Meu Tio (dir. Renato Turnes, Brasil-SC)
O Nascimento de Helena (dir. Rodrigo Almeida, Brasil-RN)
Time de Dois (dir. André Santos, Brasil-RN)
Uma Carta Para o Meu Pai (dir. Aline Belfort, Brasil-SP)
Vagalumes (dir. Léo Bittencourt, Brasil-RJ)
Você Já Tentou Olhar nos Meus Olhos? (dir. Tiago Felipe, Brasil-PR)

CURTAS MIX BRASIL

Programa: CLIMÃO, GERAL SENTIU
It’s Just in My Head (dir. Marius Gabriel Stancu, Itália)
Simples Assim (dir. Luciana Bitencourt, Brasil-RJ)
Agua (dir. Santiago Zermeño, México)
Charlotty (dir. Gleyson Spadetti, Philippe Bastos, Brasil-RJ)
Luz de Presença (dir. Diogo Costa Amarante, Portugal)

‘A Bela é Poc’: afeto como resposta à violência manauara

Chega a ser sintomático como a violência de Manaus ganha protagonismo nas telas neste grande ano do cinema amazonense. Na brutalidade do marido contra a esposa em “O Buraco”, de Zeudi Souza, passando pela fúria surrealista de “Graves e Agudos em Construção”, de Walter...

‘Kandura’: documentário formal para artista nada comum

 Tive a honra de entrevistar duas vezes Selma Bustamante: a primeira foi na casa dela sobre o lançamento de “Purãga Pesika”, curta-metragem em documentário dirigido por ela em parceria com César Nogueira. A segunda foi para o programa “Decifrar-te”, da TV Ufam, no...

‘Terra Nova’: o desamparo da arte e de uma cidade na pandemia

A pandemia do novo coronavírus impactou a sociedade brasileira como um todo. Mas, talvez um dos segmentos mais prejudicados tenha sido a produção cultural independente, que, em grande parte, dependia de plateias e aglomerações em espaços fechados. Soma-se isso a uma...

‘Graves e Agudos em Construção’: a transgressão esquecida do rock

‘O rock morreu?’ deve ser a pergunta mais batida da história da música. Nos dias atuais, porém, ela anda fazendo sentido, pelo menos, no Brasil, onde o gênero sumiu das paradas de sucessos e as principais bandas do país vivem dos hits de antigamente. Para piorar,...

À Beira do Gatilho’: primor na técnica e roteiro em segundo plano

Durante a cerimônia de premiação do Olhar do Norte 2020, falei sobre como Lucas Martins é um dos mais promissores realizadores audiovisuais locais ainda à espera de um grande roteiro. Seus dois primeiros curtas-metragens - “Barulhos” e “O Estranho Sem Rosto” -...

‘Jamary’: Begê Muniz bebe da fonte de ‘O Labirinto do Fauno’ em curta irregular

Primeiro trabalho na direção de curtas-metragens de Begê Muniz, conhecido por ser o protagonista de “A Floresta de Jonathas”, “Jamary” segue a trilha de obras infanto-juvenis do cinema amazonense como “Zana - O Filho da Mata”, de Augustto Gomes, e “Se Não”, de Moacyr...

‘O Buraco’: violência como linguagem da opressão masculina

Em vários momentos enquanto assistia “O Buraco”, novo filme de Zeudi Souza, ficava pensando em “Enterrado no Quintal”, de Diego Bauer. Os dois filmes amazonenses trazem como discussão central a violência doméstica. No entanto, enquanto “Enterrado” apresenta as...

‘No Dia Seguinte Ninguém Morreu’: a boa surpresa do cinema do Amazonas em 2020

“No Dia Seguinte Ninguém Morreu” é, sem dúvida, uma das mais gratas surpresas do cinema produzido no Amazonas nos últimos anos. Esta frase pode parecer daquelas bombásticas para chamar a sua atenção logo de cara, mas, quem teve a oportunidade de assistir ao...

‘O Estranho Sem Rosto’: suspense psicológico elegante fica no quase

Lucas Martins foi uma grata surpresa da Mostra do Cinema Amazonense de 2016 com “Barulhos”. Longe dos sustos fáceis, o curta de terror psicológico apostava na ambientação a partir de um clima de paranoia para trabalhar aflições sociais provenientes da insegurança...

‘Tucandeira’: Jimmy Christian faz melhor filme desde ‘Bodó com Farinha’

Fazia tempo que Jimmy Christian não entregava um curta tão satisfatório como ocorre agora com “Tucandeira”. O último bom filme do diretor e fotógrafo amazonense havia sido “Bodó com Farinha” (2015) sobre todo o processo de pesca, cozimento e importância do famigerado...