Um exímio cozinheiro nem precisa consultar o livro de receitas, pois já está tudo gravado na mente. Claro, há aqueles que não são tão bons e também sabem de cor e salteado uma determinada receita. Mas aí é que está a diferença: não basta saber cozinhar, tem que ter o dom, o comprometimento com a comida e o seu toque especial nas suas especiarias para completar o sabor.

Eis, então, uma receita básica dos filmes de ação seguida por Joe Carnahan em “Mate ou Morra”:

  1. Um protagonista durão, viril e atlético. O famoso badass. Não pode deixar de ser mulherengo, irônico e piadista. Aqui, representado por Roy (Frank Grillo);
  2. Um vilão que pode ser carismático ou não, mas é a representação de um cavalheiro: educado, fala baixo, abusa das metáforas para intimidar seu oponente ou aquele que atrapalha de alguma forma seus planos de domínio. Lógico, é um bilionário com planos megalomaníacos. Aqui, representado por Ventor (Mel Gibson);
  3. E a mocinha. Ah, a mocinha! Doce, sensível, fala mansa e sussurrada. Costuma ser a grande mente para derrotar o vilão. É a sua açucarada presença que motiva o nosso herói na luta contra o mal, nem que para isso tenha que destruir uma cidade para manter esse amor. Aqui, representada pela Dra. Jemma Wells (Naomi Watts).

Agora misture tudo, com pitadas e altas doses de tiros, pancadas, explosões, espadas (em uma cena de embate ótima!). Tempere com um roteiro mais do mesmo e voilà: temos um filme de ação.

Em “Mate ou Morra”, conhecemos Roy, um durão ex-militar que vive o mesmo dia todos os dias com uma única certeza: vai morrer! Bom, histórias de looping infinito já não são mais novidades desde Feitiço do Tempo (1993), clássica comédia romântica protagonizada por Andie MacDowell e Bill Murray. Filmes que desafiam a linha temporal de tempo-espaço atiçam a mente de um público cativo, dependendo do seu gênero.

O diferencial de “Mate ou Morra” é que Joe Carnahan (“A Perseguição”, 2011), o nosso cozinheiro em ascensão, não se leva à sério e nem margem para quem assiste acreditar que se trata de um filme reflexivo ou pretencioso.

Neste sentido, os clichês como um vilão que quer dominar o mundo, a mocinha, o herói, as explosões são usados ao seu favor. A linguagem pop do gamer, isto é, o uso do mecanismo de videogame para chamar a atenção de um público mais jovem é sensacional. Pois deixa claro qual o público que ele quer atingir. Um bom cozinheiro, por exemplo, nunca entregaria um prato que contenha leite para alguém intolerante à lactose, não é mesmo?

“Mate ou Morra” não é para ser levado à sério, tampouco procurar por seus erros e acertos. É um filme clichê, que abusa do clichê, com personagens clichês e motivações idem, mas que, na receita final, dá para se divertir/digerir com uma boa água tônica para acompanhar.

‘Noite Passada em Soho’: quando prazer e pavor caminham lado a lado

É normal filmes de terror isolarem seus protagonistas antes de abrirem as válvulas do medo. "Noite Passada em Soho", novo filme do cineasta Edgar Wright (“Scott Pilgrim Contra o Mundo” e “Baby Driver – Em Ritmo de Fuga”), inverte essa lógica. Sua protagonista sai de...

‘Duna’: conceito se sobrepõe à emoção em filme estéril

Duna, o filme dirigido por Denis Villeneuve, começa com o protagonista acordando de um sonho, e tem alguém falando sobre um planeta, um império e uma tal de especiaria... A sensação é de ser jogado num universo alienígena e ela perdura por praticamente todo o filme. É...

‘Batman: O Cavaleiro das Trevas Ressurge’ e um herói para inspirar o coletivo

Vamos responder logo de cara: Batman: O Cavaleiro das Trevas Ressurge, o último filme da bat-trilogia do diretor Christopher Nolan, é o pior dos três? É. É um filme com problemas? Sim. Mas é um filme ruim? Longe disso. Na verdade, quando Nolan foi concluir sua...

‘Spencer’: Kristen Stewart luta em vão contra filme maçante

Em "Spencer", Kristen Stewart se junta ao clube de atrizes - que inclui Naomi Watts (“Diana”) e Emma Corrin (“The Crown”) - que se lançaram ao desafio de retratar a Princesa Diana. A atriz traz uma energia caótica à personagem e a coloca no caminho de uma quase certa...

‘O Garoto Mais Bonito do Mundo’ e o dilema da beleza

Morte em Veneza, o filme do diretor italiano Luchino Visconti lançado em 1971 e baseado no livro de Thoman Mann, é sobre um homem tão apaixonado, tão obcecado pela beleza que presencia diariamente, que acaba destruindo a si próprio por causa disso. E essa beleza, no...

‘Venom: Tempo de Carnificina’: grande mérito é ser curto

Se alguém me dissesse que existe um filme com Tom Hardy, Michelle Williams, Naomie Harris e Woody Harrelson, eu logo diria que tinha tudo para ser um filmaço, porém, estamos falando de “Venom: Tempo de Carnificina” e isso, infelizmente, é autoexplicativo. A...

‘A Casa Sombria’: ótimo suspense de desfecho duvidoso

Um dos grandes destaques do Festival de Sundance do ano passado, "A Casa Sombria", chegou aos cinemas brasileiros após mais de um ano de seu lançamento. Sob a direção de David Bruckner (responsável por dirigir o futuro reboot de "Hellraiser"), o longa é um bom exemplo...

‘Free Guy’: aventura mostra bom caminho para adaptação de games

Adaptar o mundo dos jogos para as telonas é quase uma receita fadada ao fracasso. Inúmeros são os exemplos: "Super Mario Bros", "Street Fighter", "Tomb Raider: A Origem" e até o mais recente "Mortal Kombat" não escapou de ser uma péssima adaptação. Porém, quando a...

‘A Taça Quebrada’: a angustiante jornada de um fracassado

Não está fácil a vida de Rodrigo: músico sem grande sucesso, ele não aceita a separação da esposa ocorrida há dois anos (sim, 2 anos!) muito menos o novo relacionamento dela, além de sofrer com a distância do filho e de ver o trio morar na casa que precisou deixar. E...

‘Halloween Kills: O Terror Continua’: fanservice não segura filme sem avanços

Assim como ocorreu com Halloween (2018), a sensação que se tem ao final da sua sequência, Halloween Kills: O Terror Continua, é de... decepção. O filme dirigido por David Gordon Green que reviveu a icônica franquia de terror no aniversário de 40 anos do clássico...