“É estranho o que acontece no mundo sem as vozes das crianças”. 

Existem sempre aqueles filmes que conforme o tempo passa se tornam melhores, ganhando sentidos mais complexos. “Filhos da Esperança”, dirigido por Alfonso Cuáron, já era memorável quando lançado em 2006, mas, revê-lo, em plena pandemia de Covid-19, o transforma em um filme alarmante e necessário.

A trama nos conduz para 2027. A pessoa mais jovem do mundo acabou de falecer e isso provoca uma onda de tensões e reações. Há uma crise humanitária sem precedentes: todas as nações colapsaram e, de alguma forma, a Inglaterra é o único território que mantém sua isonomia. Isso, porém, não é suficiente para evitar ataques terroristas e conspirações. Tudo isso é estabelecido nos primeiros 15 minutos e se acentua quando descobrimos que a idade da tal pessoa mais jovem do mundo é 18 anos. Logo se percebe que a infertilidade é um dos motivos que levaram à instabilidade mundial e que uma provável gravidez seria vista como um milagre.

Os caminhos narrativos da Esperança

Escrito por cinco roteiristas, entre elas o próprio Cuáron, “Filhos da Esperança” consegue mesclar vários gêneros cinematográficos de forma ambiciosa e perspicaz. Um de seus maiores trunfos, no entanto, é discutir temas emergentes sem apelar a discursos panfletários. A trama apresenta as conseqüências do aquecimento global, falta de água, imigração, crise política e esterilidade de maneira orgânica e crível.

Para contar essa história, Cuáron optou por uma composição – fotografia, design de produção, montagem e trilha sonora – que apresenta muitos momentos de ação, porém, a carga dramática e o peso político colocam os nossos pés no chão por soar incrivelmente verossímil. A narrativa é repleta de significados e é contada a partir de um ângulo em que cada passo leva a uma conseqüência inevitável.

Somos convidados a acompanhar a trajetória de Theo Faron (Clive Owen), um homem que esconde sua vulnerabilidade em uma capa de ceticismo e cinismo. Sua trajetória é o grande catalisador de “Filhos da Esperança” e sua peça mais emblemática: de um homem quebrado pelos traumas a um referencial de resiliência e esperança. Ele parte de um viciado para se transformar em um homem de princípios. Não é a toa que Julian (Juliane Moore) o escolhe para guiar e proteger Kee (Claire-Hope Ashitey); em um cenário em que o legado e a expectativa de vida da humanidade estão fadados ao fim, apenas alguém sem ilusões e perspectivas poderia auxiliar uma refugiada negra que gera o primeiro bebê em 18 anos.

Curiosamente, a cena em que finalmente descobrimos que Kee está grávida é bem orquestrada e alegórica. A escolha de apresentar a maior revelação do filme em um celeiro e a trajetória de Kee e Faron fazem um paralelo interessante e distópico com o menino Jesus: as perseguições por um governo autoritário, a fuga para outro país e as condições do nascimento.

Tais comparações também salientam uma discussão recorrente: se Jesus nascesse hoje ele seria um refugiado, um menino negro na favela ou um privilegiado? Sem aumentar o rol da polêmica, é importante perceber que parte dessa metáfora também decorre das sensações emitidas pela cena. A trilha sonora, por exemplo, empresta uma percepção de terror atrelada a santidade que se complementa com o uso das cores e do cenário.

O ambiente em 2027

Essa ambientação se deve, em grande parte, ao design de produção assinado por Jim Clay (“Simplesmente Amor”, “Um Grande Garoto”). Esse último elemento é preciso e carregado de detalhes que contam a história da trama sem a necessidade de explicações maiores como as notícias de jornal na casa de Jasper (Michael Caine), as grades no metrô, as propagandas massivas do governo em cada esquina e as pichações nas ruas caóticas de Londres. Tudo que vemos em tela nos ajuda a formar uma ideia do mundo distópico que aquelas pessoas vivem e a maneira como Clay apresenta isso é convincente e plausível. Não surpreende, por exemplo, que séries recentes tenham ecos de “Filhos da Esperança” para arquitetar seu futuro pós-apocalíptico, como “Years and Years”, “The Handmaid´s Tale” e até mesmo “Dark”.

É preciso salientar, no entanto, que um dos maiores destaques de “Filhos da Esperança” deve-se ao olhar de Emmanuel Lubezki – parceiro habitual de Cuáron desde “A Princesinha”. O diretor de fotografia mexicano levou quase todos os prêmios por seu trabalho, exceto o Oscar vencido pelo compatriota Guillermo Navarro, de “O Labirinto do Fauno. Embora os dois planos-sequências eletrizantes sejam muito exaltados, o que mais me prende e chama atenção é a capacidade que ele tem de nos colocar como um personagem na trama. Não estamos apenas os assistindo: vivenciámos toda essa desventura ao lado de Faron e Kee. 

Manter a câmera sempre na mão nos deixa ainda mais envolvidos, afinal, a atmosfera documental traz junto a urgência e a inquietação que a história confere. E é neste ponto que o plano-sequência ganha um significado maior do que apenas o feito técnico primoroso: em ambos os cenários – tanto no carro quanto em Brexhill -, a aflição é tangível assim como a tensão e a violência. 

Tudo isso contribui para que a releitura de “Filhos da Esperança” em tempos tão angustiantes funcione como um prenúncio. Cuáron conseguiu criar uma obra distópica realista e atemporal que traz à tona discussões muito importantes ainda hoje, curiosamente, sua abordagem permite que, além de ter um rigor técnico admirável, seja o drama com a jornada de Kee e Faron a experiência e a mensagem mais poderosa presente no longa. E afinal, como seria o mundo sem o som da voz de nossas crianças?

‘Filhos da Esperança’: o mundo sem a voz das crianças

“É estranho o que acontece no mundo sem as vozes das crianças”.  Existem sempre aqueles filmes que conforme o tempo passa se tornam melhores, ganhando sentidos mais complexos. “Filhos da Esperança”, dirigido por Alfonso Cuáron, já era memorável quando lançado em 2006,...

20 Anos de ‘Amnésia’: o melhor filme de Christopher Nolan

Christopher Nolan é um cineasta consagrado dentro da indústria norte-americana. Desde o seu primeiro longa-metragem, Following (1999), ganhou fama de ser um diretor capaz de dar um passo além do que é oferecido pelos blockbusters mais banais.  Devo dizer que os seus...

‘Os 12 Macacos’: filme essencial em tempos de pandemia

Pandemias não são novidade no cinema: diversos filmes já abordaram o perigo invisível que ameaça a humanidade como tema. Agora que, infelizmente, estamos passando por algo do tipo, não é surpresa encontrarmos conhecidos soltando expressões do tipo: ‘isso é coisa de...

‘Vestígios do Dia’: clássico de James Ivory sobre subserviência, repressão e amor

 “Um homem não pode se dar por satisfeito até ter feito tudo para servir ao seu patrão”. Esta frase, dita pelo mordomo James Stevens (Anthony Hopkins) poderia muito bem resumir tudo que o clássico “Vestígios do Dia” (1993) retrata em suas mais de duas horas de filme....

‘Billy Elliot’: clássico moderno sobre paixão à dança e a liberdade

Imagine este cenário: um novo governante assume o poder, muda leis trabalhistas, greves se alastram pelo país e cada vez menos setores como arte e cultura são debatidos. Parece familiar? Vinte anos atrás, “Billy Elliot” mostrava exatamente este contexto,...

Por que ‘Magnólia’ é o melhor filme de Paul Thomas Anderson? Ou não?

“Magnólia” (1999). Direção: Paul Thomas Anderson. Elenco: Tom Cruise, Philip Seymour Hoffman, Julianne Moore, William H. Macy, John C. Reily. Disponível na Netflix.Uma capacidade que o cinéfilo adquire com o tempo é a de manter-se aberto a mudar de...

‘O Estranho Mundo de Jack’: questões filosóficas em um fascinante mundo invertido

Você já pensou como seria o encontro entre o Halloween e o Natal? Não é preciso ir muito longe para imaginar como seriam os sustos com canções natalinas ou ganhar presentes assustadores. Tim Burton e Henry Sellick conseguiram fazer esse match em 1993 ao...

10 anos de ‘A Partida’: um drama poético para tocar fundo no coração

Exatamente 10 anos atrás, A Partida (Okuribito/Departures) de Yojiro Takita surpreendia a todos no Oscar e ganhava o prêmio de melhor filme estrangeiro, batendo os dois medalhões favoritos: o vencedor da Palma de Ouro em Cannes Entre os Muros da Escola e o...

‘Lavoura Arcaica’: poesia visual de Luiz Fernando Carvalho resiste ao tempo

A nomenclatura “cineasta” é cercada de muita pompa, principalmente quando se está iniciando nas descobertas do cinema. Ouvia muitas frases feitas sobre os supostos pré-requisitos que um diretor audiovisual precisa atender para ser considerado um cineasta,...

O que torna ‘Jurassic Park’ tão marcante 25 anos após o lançamento?

Falar de “Parque dos Dinossauros” (ou “Jurassic Park”) é como falar de um velho amigo para mim. E admito que o filme é um dos pilares da minha formação como cinéfilo, inclusive o citei na coluna “O filme da minha vida”. Já se passaram 25 anos desde o dia...