Pandemias não são novidade no cinema: diversos filmes já abordaram o perigo invisível que ameaça a humanidade como tema. Agora que, infelizmente, estamos passando por algo do tipo, não é surpresa encontrarmos conhecidos soltando expressões do tipo: ‘isso é coisa de cinema’. Das diversas obras que tratam do assunto, “Os 12 Macacos” é dos melhores exemplares.

Dirigido pelo inventivo Terry Gilliam, “Os 12 Macacos” chama a atenção pela abordagem. Em um futuro distante, a humanidade vive no subterrâneo, pois, em meados dos anos 1990, um vírus se espalhou pelo planeta matando cinco bilhões de pessoas. Com a possibilidade de voltar no tempo, alguns cientistas enviam um homem chamado James Cole (Bruce Willis) para uma missão: descobrir a origem do vírus ou informações que levem ao desenvolvimento de uma cura.  

Baseado em um curta-metragem chamado “La Jetée”, que nem Terry Gilliam e nem este que vos escreve assistiu, “Os 12 Macacos” brilha demais pelo design de produção, responsável por conciliar a arquitetura clássica com um futuro tipo “lata-velha”. Sujo e com aparente improvisação tecnológica, os ângulos de câmera do diretor em seu decorrer intensificam uma sensação de pressa e sufoco dos personagens e acabam por atingir quem assiste. A produção transborda ecos de insanidade por todos os lados, não apenas no hospício em que se passa parte da história.

A trilha sonora evoca um sentimento lúdico pontuando os momentos de descoberta e evolução da trama. O filme também conta com uma seleção musical inspirada e que também brinca com a ironia e na construção do paradoxo que a obra termina por apresentar.

WILLIS E PITT EM GRANDE FORMA

Gilliam conta com um elenco perfeito: Bruce Willis, em um tempo que o ator ainda gostava de atuar, faz uma performance, dosando coragem e atitude para os poucos se render à dúvida. Isso é um fator determinante para que até mesmo o público chegue a duvidar se, de fato, tudo aquilo é real ou imaginação do personagem. Nos momentos de ação e brutalidade, temos o bom e velho astro de “Duro de Matar”, mas também não deixamos de notar sua sensibilidade ao escutar uma música ou lembrar algo da infância, o que prova definitivamente sua versatilidade como ator.

Brad Pitt, já se consolidando como uma estrela de Hollywood, faz um daqueles personagens que entram para o hall de figuras excêntricas da ficção, o que lhe rendeu indicações a diversos prêmios na época, incluindo, o Oscar. Por fim, ainda temos Madeleine Stowe, encarnando a psiquiatra Dra. Railly, que, no fim, se torna ironicamente o seu caso de estudo: profissional competente e sempre abraçando a racionalidade, aos poucos, vai caindo em desespero ao notar que suas ações de nada adiantam para, no fim, se tornar simbolicamente uma espécie de profetisa Cassandra.

A montagem de Mick Audsley é eficiente e criam-se rimas interessantes: Cole tomando um susto com um urso no futuro para, mais tarde no presente, se assustar com um urso empalhado são mostras disso. E Gilliam com a fotografia de Roger Pratt ainda cria anedotas visuais, como quando o protagonista tenta se esconder da polícia se virando para uma vitrine para logo se dar conta que está na televisão da mesma, já que é uma daquelas lojas com tevês e câmera viradas para a rua.

Interessante do ponto de vista visual e técnico e com um enredo instigante, “Os 12 Macacos” é um daqueles filmes que vale uma discussão em meio à atual pandemia. Tratando-se de um paradoxo temporal, se depender de seus personagens e história, nada podemos fazer. Independente de nossas ações, estamos condenados a repetir sempre os mesmos erros.

10 Anos de ‘Os Vingadores’ e o último suspiro antes de tudo piorar

Ah, 2012… Tempos mais simples. Ascensão do neofascismo? Pfff, não fala besteira. Pandemia mortal? Ha ha ha, faça-me rir. Tempos em que Tony Stark, um playboy bilionário, ainda podia ser visto através de um véu romântico que o punha na mesma linhagem de um Howard...

‘Vidas em Jogo’: a elegância da direção de David Fincher

"Vidas em jogo" passeia pelo suspense e ação com maestria. A obra de David Fincher, lançada há 25 anos, mantém um ritmo viciante desde o início, embora se alongue em alguns momentos. Nicholas Von Orton (Michael Douglas) é um ricaço que possui uma vida entediante e...

‘O Que é Isso, Companheiro?’: a ditadura militar na estrutura do cinema de ação

Enquanto assistia ao clássico filme de Bruno Barreto, fiquei pensando em quantas narrativas populares conseguem abordar a ditadura militar e na importância destas para desmistificar as ações governamentais desenvolvidas neste período. Baseado na obra homônima de...

‘Onde os Fracos Não Têm Vez’: o homem como fruto do caos

“Onde os Fracos Não Têm Vez” é um daqueles filmes que te perturba durante dias. E a cada lembrança te leva por outros caminhos que até então não tinha despertado em você naquele momento. É um filme crescente, entenda-se, ele só se engrandece com o tempo. Grandes...

‘Os Imperdoáveis’: a ressignificação de mitos do western

Em “Os Imperdoáveis”, Clint Eastwood propõe uma ressignificação de mitos do faroeste hollywoodiano. Aqui, o lendário e aposentado assassino de aluguel William Munny, interpretado pelo próprio diretor, embarca em uma tarefa para executar dois homens, mais de 10 anos...

‘O Homem que Copiava’: o dinheiro no centro da felicidade

Fragmentado e dinâmico são as características que predominam em “O Homem que Copiava” (2003), longa-metragem escrito e dirigido pelo cineasta gaúcho Jorge Furtado. O filme conta a história de André (Lázaro Ramos), jovem porto-alegrense que, após largar a escola na...

Os 20 anos de ‘Os Outros’, de Alejandro Amenábar

A realização de um filme de terror/suspense não é umas das tarefas mais simples, pois, quase sempre os diretores caem na armadilha do óbvio em uma complexidade inexistente na obra em questão. Gritos, sussurros, fantasmas, assassino em série, morte e muito sangue: esse...

Os 20 Anos de ‘O Homem que não Estava Lá’, de Joel e Ethan Coen

A música de Beethoven sobe, a câmera fica lenta, o protagonista volta a narrar sua história de forma analítica. Aos poucos, a imagem some na tela, e vemos apenas a escuridão por alguns segundos. Abruptamente, retornamos ao filme. Essa sequência se repete algumas vezes...

‘Filhos da Esperança’: o mundo sem a voz das crianças

“É estranho o que acontece no mundo sem as vozes das crianças”.  Existem sempre aqueles filmes que conforme o tempo passa se tornam melhores, ganhando sentidos mais complexos. “Filhos da Esperança”, dirigido por Alfonso Cuáron, já era memorável quando lançado em 2006,...

20 Anos de ‘Amnésia’: o melhor filme de Christopher Nolan

Christopher Nolan é um cineasta consagrado dentro da indústria norte-americana. Desde o seu primeiro longa-metragem, Following (1999), ganhou fama de ser um diretor capaz de dar um passo além do que é oferecido pelos blockbusters mais banais.  Devo dizer que os seus...